Arquivo mensal: março 2010

Alojamento alternativo EREBD SUL: Hostel Porto do Sol

Pessoal dica de alojamento para o EREBD SUL

O Hostel Porto do Sol oferece 10% de desconto sobre as diárias contratadas para os participantes do evento.

 

Acomodações | Valor diária por pessoa
01 quarto de até 10 pessoas | R$23,00
01 quarto de até 04 pessoas | R$28,00
01 quarto duplo casal | R$32,50
02 quartos para até 06 pessoas | R$26,00

Total de acomodações: 28 pessoas

Diárias incluem: roupa de cama, café da manhã, cozinha equipada a disposição.
Banheiros e demais dependências são coletivas.

Saiba mais: http://www6.ufrgs.br/XIIEREBDSUL/node/23

Anúncios

Como construir seu Programa de Pós Graduação

Aldo Barreto

Segundo a concepção das agências de fomento um curso de pós-graduação se organiza levando em consideração instâncias de ordens diferentes e hierarquizadas: área acadêmica, campo de concentração, linhas de pesquisa, programas e projeto de investigação e produção bibliográfica. Os três primeiros termos indicam linhas de demarcação; os dois últimos, formas de dinamização.

Assim é que a área designa o território total em cuja investigação o programa pretende operar. Ciência da Informação, Filosofia, Comunicação. O campo de concentração é uma subdivisão da área, um corte introduzido artificialmente por motivos e condições existentes para a estratégia exploratória. O campo de concentração pode ser “estrutura e fluxo da informação, Organização do conhecimento, Comunicação e da Cultura ou Tecnologias da Imagem.

Existirá uma linha de pesquisa cada vez que, dentro de um campo de concentração certos temas aglutinadores deem forma a cooperação entre pesquisadores existente naquele grupo específico. Estes então se reúnem para, trabalhando em conjunto em torno desses temas, aprofundarem a linha e desenvolverem a concentração do programa.

Dentro deste raciocínio um projeto é uma investigação específica, tem inicio e fim no tempo e objetivos delimitados e se localiza harmoniosamente dentro de uma das linhas de pesquisa do programa.

Continue lendo: http://aldobarreto.wordpress.com/

Orientações para inscrição – Lotes com os valores do ENEBD

 Realização das inscrições: De Março à Julho de 2010.

 

DESCONTO – 30% para os estudantes com trabalhos acadêmicos aprovados (apresentação oral ou pôster), o desconto será calculado tendo como referência o valor do segundo lote.

OBS: O Pacote Cultural será OPCIONAL, no valor de R$ 50,00 (cinquenta reais) – valor único e inclui passeio e festas.

Poderá ser pago no momento da realização do passeio e festas, o pagamento deverá ser efetuado na secretaria do Evento. O valor por festa ou passeio será de R$ 10,00 (dez reais).

Programação cultural: http://www.enebd2010.com.br/informacoes-culturais.html

Inscriçoes: http://www.enebd2010.com.br/index.php?p=inscricao

Formas de pagamento: http://www.enebd2010.com.br/formasdepagamento.html

Fonte: http://http://www.enebd2010.com.br/index.html

Palestra sobre ética e informação abre comemorações dos 60 anos da ECI

Um dos principais pensadores contemporâneos da área de ciência da informação, o filósofo uruguaio Rafael Capurro faz nesta segunda-feira, dia 22, uma palestra sobre Ética Intercultural da Informação, no auditório Azul da Escola de Ciência da Informação. A atividade, marcada para 14h, é o pontapé inicial das comemorações dos 60 anos de fundação da Unidade

Professor emérito da Stuttgart Media University, da Alemanha, Capurro tem 65 anos e uma sólida formação em epistemologia. Sua tese de pós-doutorado na área de ética aborda a Hermenêutica da Informação Científica. “Suas reflexões estabelecem relações entre informação, ética e mídia”, resume a professora Ligia Dumont, diretora da ECI.

Além da vinda do professor Capurro, a Escola planeja outras atividades para comemorar seu aniversário. O ponto alto deverá ser uma sessão solene em maio, quando serão homenageadas pessoas da comunidade acadêmica que contribuíram para a evolução da Unidade. A direção da Escola espera contar com a presença do ministro da Educação, Fernando Haddad, na cerimônia.

 

História

A origem da Escola de Ciência da Informação é o curso de Biblioteconomia, criado em 1950 pela Secretaria de Educação de Minas Gerais e um dos primeiros a formar bibliotecários no país. Em 1963, o curso foi incorporado à Universidade na qualidade de instituição complementar do Departamento Cultural da então UMG. Três anos depois, foi elevada à categoria de unidade, passando a se chamar Escola de Biblioteconomia. Em 2000, ganhou a denominação de Escola de Ciência da Informação.

Fonte: http://www.ufmg.br/online/arquivos/014901.shtml

Livros eletrônicos nas áreas de Ciências Sociais e Humanas estão disponíveis para avaliação

Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes
Segunda, 15 de Março de 2010 17:00Os usuários do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) podem avaliar duas coleções de livros eletrônicos (e-books), publicadas pela editora Emerald. O conteúdo é dirigido a professores, pesquisadores e alunos das áreas de Ciências Sociais e Humanas e pode ser acessado até o dia 15 de junho.Na coleção Emerald Business, Management and Economics eBook Series Collection estão disponíveis mais de 460 volumes, distribuídos em 65 séries de livros. O conteúdo cobre assuntos ligados à economia, administração, ciência da informação, contabilidade e finanças e inclui títulos como Advances in International Management, Research in Organizational Change and Development, Contributions to Economic Analysis, International Finance Review e Advances in Librarianship.

A Emerald Social Sciences e-Book Series Collection, por sua vez, reúne de 35 séries contendo mais 220 livros eletrônicos nas áreas de ciência política, psicologia, sociologia, assistência à saúde e educação. A coleção inclui títulos como Comparative Social Research, Current Perspectives in Social Theory, Sociology of Crime, Law and Deviance, Studies in Law, Politics and Society, Studies in Symbolic Interaction, Advances in Special Education e International Perspectives on Education and Society.

As avaliações e comentários sobre a coleção podem ser enviadas aos e-mails // <![CDATA[// taragao@emeraldinsight.com

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

e // <![CDATA[// avaliacao.periodicos@capes.gov.br

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

. Se bem avaliadas, as coleções podem ser adquiridas pela Capes.

(Fonte: Portal de Periódicos da Capes)

Seleção de Oficinas ENEBD Paraíba – Resultado

Postado por Comissão Cientifica
Confira o resultado da seleção das oficinas a serem ministradas no XXXIII ENEBD 2010

http://www.enebd2010.com.br/images/conteudo/files/Resultado%20de%20Oficinas.pdf

Um estranhamento indesejável.

Aldo Barreto

Após quarenta anos de vivência nesta área sinto que devo registrar uma de suas “petite maladies”. Refiro-me ao tratamento diferenciado que é dado pelas IES e seus programas de pós-graduação em CI quando recebem um professor estrangeiro e quando recebem um professor brasileiro, ambos convidados para o mesmo tipo de evento acadêmico.

Não me refiro a qualquer questão relacionada ao “pro-labare” que o professor possa receber como estipendio. Por tradição da área os docentes e pesquisadores da ciência da informação nada cobram ou recebem por este tipi de trabalho e eu concordo com isso pelo tamanho da área e seus poucos recursos. Embora, neste mundo de duas realidades, as outras áreas do conhecimento, estejam estipulando dois tipos de remuneração por serviços prestados: uma quando se comparece virtualmente nas telas da tecnologia de informação e outra quando acontece a presença física, corporal que sendo vem sendo considerada como uma condição artesanal é mais dispendiosa para que quer usar o especialista.

A diferenciação de tratamento de que falo está relacionado a toda a consideração que é dada ao professor de fora em termos de respeito, apreço acadêmico e a invisibilidade que lhe conferida do lidar com mesquinhos detalhes administrativos de sua visita e estada. No trabalho feito por cortesia e amizade do professor nacional todas estas regras de consideração e civilidade são muitas vezes consideradas um luxo desnecessário. Não são todas as IES que operam assim existem saudáveis exclusões como o programa da UFSC.

Meu conselho a quem inicia na área é não aceitar mais esta condição humilhante de ser tratados como intelectual de segunda categoria por seus colegas em busca de uma parca visibilidade. Ter visibilidade em qualquer campo não se associa a visitas ou favores interinstitucionais ou interpessoais. A atuação em sala de aula, nos projetos de pesquisa, na produção de conteúdos é praticas para a área são os fatores que irão determinar a visibilidade acadêmica e o prestígio intelectual.

” temos o direito de ser iguais quando as diferenças nos inferiorizam”

Fonte: http://aldobarreto.wordpress.com/

Prorrogado o prazo de submissão de trabalhos

Veja as novas datas!

Prazo final para envio dos resumos até o dia 05 de abril de 2010.

Período de avaliação dos resumos entre 06 de abril a 05 de maio de 2010.

Divulgação do resultado da avaliação dos resumos dia 06 de maio de 2010.

Prazo final para o envio da reformulação (quando necessário) dos resumos dia 16 de maio de 2010.

Resultado da reavaliação dos resumos reformulados dia 19 de maio de 2010.

Prazo para envio de trabalhos completos dia 23 de maio de 2010.

Fonte: http://www.enebd2010.com.br/noticia-6.html

PRÁTICA PROFISSIONAL E ÉTICA: O pensamento coletivo fragmentado do bibliotecário no Brasil – parte 3: a exclusão das temáticas educacionais e estudantis das pautas dos CBBDs

Francisco das Chagas de Souza

Continuando a discussão que está em pauta nesta coluna desde novembro de 2009, a qual leva em conta recomendações que os bibliotecários brasileiros vêm produzindo nos últimos 56 anos, no âmbito do Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação (CBBD), inicio com perguntas: por que se trabalhou especialmente para forjar a fraqueza política dos bibliotecários? Foi por uma leitura “realista” do sombrio ambiente sócio político dos anos 1960, imposto pelo silenciamento paralisante, promovido pela ditadura do estado sobre todas as profissões? Foi uma decorrência da miséria bibliotecária permanente na sociedade brasileira que levou a uma regra absurda: para a biblioteca um bibliotecário com a finalidade de cuidar de coleções? Foram outras as razões? Elas existiram ou existem? Quem pode melhor falar sobre essas outras razões?

Sejam quais forem os motivos que dão consistência tumular a essa fraqueza política, há um fato concreto: o discurso dos bibliotecários brasileiros construído como representação paralisante, em seu principal fórum de tomada de decisão coletiva: o CBBD.  Especificamente no VI CBBD, realizado em 1971, em Belo Horizonte, os bibliotecários então reunidos deliberaram aprovando-as, as quatro recomendações que estabeleceram a exclusão das temáticas educacionais e estudantis das pautas dos CBBDs. Vejamos:

– Recomendação 25 – Que seja excluída dos futuros congressos brasileiros de Biblioteconomia e Documentação a discussão de assuntos referentes ao ensino e à formação profissional, os quais deverão ser examinados pela ABEBD em suas reuniões e encontros, e posteriormente relatados aos plenários de congressos profissionais;

– Recomendação 26 – Que a ABEBD, juntamente com as Escolas de Biblioteconomia, promova encontros de Estudantes de Biblioteconomia, para discussão de teses e trabalhos e interesse do grupo;

– Recomendação 27 – Que se recomende à Associação Brasileira de Escolas de Biblioteconomia e Documentação a realização do I Congresso Brasileiro de Estudantes de Biblioteconomia em São Carlos, em 1972;

– Recomendação 28 – Que os trabalhos de autoria de estudantes de Biblioteconomia sejam apresentados e discutidos em reuniões da classe estudantil e não em congressos regulares de Biblioteconomia e Documentação.

Continue lendo: http://www.ofaj.com.br/colunas_conteudo.php?cod=505

Premiação do ENEBD 2010

Haverá a seleção dos dois melhores trabalhos de cada GT cujos autores receberão uma Certidão de Menção Honrosa durante a Plenária Final e serão contemplados com a publicação do trabalho na revista Biblionline (edição especial).

O Prêmio ENEBD será outorgado na modalidade Oral e Pôster, havendo um primeiro e segundo lugar para ambas. Concorrerão ao Prêmio ENEBD todos os trabalhos inscritos e aprovados nos GTs na modalidade Oral e Pôster.

A atribuição do Prêmio ENEBD compete a uma Comissão Julgadora própria.

A outorga do Prêmio ENEBD aos respectivos contemplados será divulgada na Plenária Final do XXXIII ENEBD. A publicação na edição especial da revista Biblionline (http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio) ocorrerá conforme definição dos editores deste periódico.

Mais informações sobre a comissão julgadora e os critérios para a premiação: http://www.enebd2010.com.br/premiacaoenebd2010.html