Arquivo mensal: junho 2010

O futuro das bibliotecas

Diego Guilherme da Silva

Acabo de acessar a internet do meu aparelho de bolso e, para minha surpresa, leio a notícia de que a mais antiga biblioteca eletrônica, datada do ano de 2025, foi destruída por uma descarga elétrica causada pela tempestade que caiu na tarde de ontem. Segundo a perícia, os equipamentos de para-raios não resistiram à força da natureza, o que provocou a sobrecarga dos sistemas e a queima do hardware central que armazenava o original do livro O futuro do passado. Um livro escrito e vendido no formato digital sem nunca ter “visto” uma folha de papel real – feita de fibrose. Conheceu, sim, a imagem do Word no programa do notebook em que foi escrito. O que demonstra que o papel não ficou esquecido e precisamos de sua imagem em formato eletrônico para continuarmos a ler e escrever.

Mas o que o futuro reserva às bibliotecas? Falar sobre o futuro é bom porque podemos utilizar nossa imaginação até seu ápice sem que ninguém nos chame de futuristas loucos. Haja vista que futuristas como Da Vinci, Julio Verne, Issac Asimov, só para citar alguns, possuíam uma visão à frente de seu tempo e muitas das coisas por eles idealizadas se tornaram hoje realidade. De fato, a ciência vive dessa “ficção” que sonha e busca colocar o sonho em realidade.

Mas o que o futuro reserva às bibliotecas? Biblioteca (do grego βιβλιοϑήκη, composto de βιβλίον, “livro”, e ϑήκη, “depósito”) é o nome dado desde os gregos para a coleção de documentos com intuito de preservá-los para consultas (antigas bibliotecas gregas Alexandria e Pergamum). Do nome deriva bibliotecário que, por sua vez, é formado em Biblioteconomia. Daí a imagem recorrente no senso comum de que bibliotecário só trabalha em biblioteca.

Mas o que o futuro reserva às bibliotecas? Como visto acima, a biblioteca caminha junto com o desenvolvimento do conhecimento. De fato, ela visa organizar o conhecimento para deixá-lo acessível a quem dele necessite. Os responsáveis pela organização das bibliotecas eram visto como sujeitos, sobretudo na idade média, cultos, generalistas, que dominavam o saber, pelo fato de serem os guardiões dos livros e documentos produzidos pela humanidade.

Continue lendo: http://www.ufmg.br/boletim/bol1700/2.shtml

XI EREBD SECO – 2010

XI Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da
Informação Região Sudeste Centro Oeste

Tema Geral: “Redes Informacionais de Atuação do Profissional da Informação”

Local: UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RONDONÓPOLIS, MT

Data: 30 de Outubro â 03 de Novembro de 2010

Twitter: http://twitter.com/XIErebdSECO

Orkut: http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=102378131

I SBCI – Seminário de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Durantes os dias 27 e 28 de maio de 2010 ocorreu o I SBCI – Seminário de Biblioteconomia e Ciência da Informação.

Durante esses dois dias, renomados profissionais da área vão discutiram o futuro da profissão e sua importância na sociedade atual. O evento pretendeu envolver não apenas profissionais ligados à Ciência de Informação, mas também de outros setores da sociedade interessados nos temas abordados.

O evento fez parte das comemorações dos 77 anos de criação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) e dos 70 anos de existência do curso de Biblioteconomia na instituição, incluindo também uma exposição sobre a trajetória do curso.

Na página do evento estão disponíveis as apresentações dos palestrantes.

Site do evento: http://www.fespsp.org.br/sbci/?__akacao=276661&__akcnt=e693e277&__akvkey=a4f8&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=SBCI

Seleção de Materiais de Informação

Ponto de partida da sequência de atividades de que resulta a formação e o desenvolvimento dos acervos das bibliotecas, a seleção  de materiais de informação é rotina essencial para o êxito no cumprimento das finalidades dessas instituições. É a atividade de seleção  que evidencia os princípios pelos quais a biblioteca pauta seus serviços, mostrando quão próximos eles se encontram das expectativas e necessidades dos usuários. É ela que exige que o bibliotecário aprenda a lidar com a tensão entre escolher o que está mais perto de suas convicções e de sua vontade e escolher o que esteja o mais próximo possível dos anseios e das necessidades dos consulentes, tanto as reais e atuais, quanto aquelas que surgirão a todo instante.

Ao selecionar o acervo da biblioteca, o bibliotecário não segue às cegas as sugestões dos usuários, pois a produção de livros e outros materiais de informação é de tal magnitude que nem sempre esses usuários dispõem do tempo e da amplitude de conhecimentos que lhes permitam definir o que deve ser selecionado. Será preciso a participação e a iniciativa dos bibliotecários para que o processo de seleção ocorra de modo abrangente e participativo, de modo a garantir que foram levadas em conta duas das cinco leis da biblioteconomia: a cada leitor seu livro, a cada livro seu leitor.

Este livro ensina os fundamentos da técnica de seleção dos materiais que formarão o acervo das bibliotecas e instituições afins nos dias de hoje. Esta terceira edição atualiza as informações que, de algum modo, foram afetadas pelos avanços da  tecnologia pertinente, na última década.

Fonte: http://www.briquetdelemos.com.br/biblioteconomia/selec-o-de-materiais-de-informac-o-principios-e-tecnicas-3-ed.html

Regulamentos, orçamentos, etecétera: miniguia

Esta obra tem o objetivo de compartilhar experiências, abordando questões práticas e cotidianas e, também, estimular um ambiente de debate e troca de ideias entre os responsáveis pelo gerenciamento em unidades de informação. Um guia prático pode auxiliar a rememorar conceitos aprendidos durante a formação acadêmica, porém esquecidos. Além disso, pode indicar alternativas para a solução de problemas, contribuindo para a manutenção das atividades essenciais e melhorando o desempenho, em decorrência da racionalização e canalização de esforços, a partir de planos de trabalho e relatórios gerenciais mais consistentes.

Fonte: http://www.briquetdelemos.com.br/biblioteconomia/regulamentos-orcamentos-etcetera-miniguia.html

Reforma da Lei de Direitos Autorais

Na última quarta-feira, 26/5, durante ato público promovido no Ministério Público Federal (MPF), o caderno “Direito Autoral em Debate”, produzido coletivamente pelas suas 20 organizações integrantes da Rede pela Reforma da Lei de Direitos Autorais foi lançado.

O caderno trata das relações entre o direito autoral e os recursos educacionais, a produção artística, o acesso à cultura, as possibilidades digitais e os direitos do consumidor. Com ele, a Rede pela Reforma
da LDA pretende contribuir com o debate público da legislação autoral e informar o cidadão sobre esse tema cada vez mais presente no nosso cotidiano.

O interessante caderno você baixa aqui. Vale a pena divulgar e participar dessa discussão!

Fonte: http://nomundoenoslivros.blogspot.com/2010/06/reforma-da-lei-de-direitos-autorais.html

Uma análise sobre a identidade da Biblioteconomia: perspectivas históricas e objeto de estudo.

O professor do curso de Biblioteconomia Jonathas Carvalho estará lançando o livro intitulado: Uma análise sobre a identidade da Biblioteconomia: perspectivas históricas e objeto de estudo.

Eis uma sinopse do livro:

É inegável a importância dos estudos sobre identidade para a caracterização de indivíduos, grupos, ciências e diversas outras categorias num momento em que as mudanças ocorrem intensamente. A própria história da identidade, assim como as sociedades contemporâneas passam, na concepção de alguns, por uma crise e, na visão de outros, por mudanças rápidas e difíceis de assimilar. Por isso, a pertinência em inserir a Biblioteconomia no rol dos estudos sobre identidade. A construção de uma identidade da Biblioteconomia pode ser entendida a partir do seu percurso histórico, pois é o momento em que podemos analisar suas conturbações, seus percalços, desafios, êxitos, dentre outros aspectos que contribuíram e contribuem para a constituição da Biblioteconomia atual. Essa compreensão identitária da história da Biblioteconomia também nos remete a analisar o seu objeto de estudo, visando saber das influências que promovem a área. Cabe inclusive perguntar: existe um objeto de estudo da Biblioteconomia? Com a abordagem identitária da história e de uma possível configuração de um objeto para a Biblioteconomia, temos mais possibilidades de compreender os aspectos profissionais que norteiam a área.

Mais informações: http://professorjonathascarvalho.blogspot.com/2010/05/professor-do-curso-de-biblioteconomia.html

Resultado Final: trabalhos aprovados da UFMG no ENEBD Paraíba

FOTOGRAFIA E HISTÓRIA: as imagens como transmissoras e construtoras da memória

Hugo Avelar

Anita Helena Vieira

Fernanda Samla

Carminda de Aguiar pereira

PRESERVAÇÃO PATRIMONIAL FRENTE AOS NOVOS MODELOS DE COMUNICAÇÃO

Taciane Gomes

Gesner Francisco

O CRAV COMO LUGAR DE MEMÓRIA E PRESERVAÇÃO DO AUDIO VISUAL MINEIRO E SUA RELAÇÃO COM A POPULAÇÃO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE

Junio Martin Lorenço

Marcos Vinícius Rodrigues

ACERVO DOS ESCRITORES MINEIROS: lugar privilegiado de memóri

Gustavo Lopes de Oliveira

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA: a contribuição do profissional da informação

Anderson Batista dos Santos

Joana A. Bonfim Cardoso

Marcelo Abreu de Oliveira

PRESENTE, PASSADO E FUTURO: um olhar sobre o patrimônio histórico cultural

Fábio Jaderson Miguel Reis

Fabiane Cristina da Silva

UMA REFLEXÃO ACERCA DO ENSINO DE BIBLIOTECONOMIA NO  BRASIL A PARTIR DOS CONTEÚDOS CURRICULARES E DA VISÃO DOS ALUNOS PRESENTES NO X EREBD SE/CO 2009 e XIII EREBD N/NE 2010

Gabrielle Francinne Carvalho

PRÁTICAS TRADICIONAIS E INOVADORAS DO PROFISSIONAL DA INFORMAÇÃO NO CENTRO DE INFORMAÇÕES DA FUNDAÇÃO DOM CABRAL

Cláudia Lúcia Muniz de Souza

Lívia Emanuela Andrade Paulino

Priscila Gomes Martins

XIV ENEArq

O XIV ENEArq ocorrerá de 19 a 23 de Julho de 2010.

Organizado pela parceria UFF-UNIRIO, terá sua sede em Niterói-RJ.
O tema será “Arquivística contemporânea: olhares e perspectivas.” e os eixos temáticos:

  • Contexto, acesso e uso da informação sob olhar arquivístico.
  • Reflexões acerca da interdisciplinaridade na Arquivologia.

Inscrições

Para se inscrever:

Acesse o link para download da FICHA DE INSCRIÇÃO

Em seguida consulte a tabela de CUSTO e efetue o depósito em:
BANCO: BANCO DO BRASIL
AGÊNCIA: 0435-9
CONTA POUPANÇA: 31178-2
TITULAR: Carol Miguez e Billy D. S. do Valle

Após efetuado o pagamento, remeta o comprovante digitalizado através do e-mail: enearq2010@gmail.com ou o número de protocolo (de depósito ou transferência + data da transação) com os seguintes dados:

. Nome completo
. RG/Órgão Expedidor
. Instituição de Ensino

TABELA DE PREÇOS
Estudantes

De 01/05 a 22/05R$ 40,00
De 23/05 a 19/06R$ 50,00
De 20/06 a 14/07R$ 60,00
* Inscrição no dia do Cadastramento: R$ 80,00

Atenção: A alimentação não vem inclusa na inscrição.

Atenção: Incluso na inscrição um kit (com pasta, bloco, etc.). Fotos do alojamento estão em “ÁLBUM”.

Maiores informações: http://enearq2010.blogspot.com/