Arquivo mensal: julho 2010

II Encontro de Estudos e Pesquisas em Catalogação

Informamos aos alunos da ECI que o  II Encontro de Estudos e Pesquisas em Catalogação será realizado nesta Escola, nos dias 19 e 20 de agosto de 2010, no Auditório Azul. Abaixo seguem informações sobre o Encontro, para que fiquem participar e contribuir.  

Atenciosamente,

Cristina Ortega         

Informações sobre o evento

Inscrições: as inscrições estão encerradas, mas os nomes dos interessados ficarão em uma lista de espera. Será providenciada a sala 1000 com telão para que os não inscritos inicialmente possam assistir ao evento.

Para realizar a inscrição (colocar o nome na lista de espera), escrevam ao e-mail edoccat@gmail.com, enviando as seguintes informações:
Nome
Ocupação (professor; aluno de graduação, pós-graduação ou outro; profissional bibliotecário ou outro)
Instituição
Cidade/Estado
Endereço de correspondência
E-mail

Até o dia 06/08, haverá reserva de vagas para docentes, pesquisadores e alunos de pós-graduação. Bibliotecários e outros profissionais ficarão na lista de espera. Depois disso, as inscrições estarão liberadas. A medida se deve ao espaço disponível no auditório.

GEPCAT – Grupo de Estudos e Pesquisas em Catalogação

Lista de discussão: gecat@googlegroups.com

Blog: http://gepcat.blogspot.com

+++++  

Sobre o Encontro

Em 2008, alguns professores se organizaram e promoveram o Encontro de Docência em Catalogação, sediado pelo Departamento de Ciência da Informação da UFSCar. Neste evento de dois dias, criou-se o GEPCAT – Grupo de Estudos e Pesquisas em Catalogação, que hoje reúne professores, pesquisadores e profissionais do país interessados em debates, estudos e práticas em Catalogação.

Desde então, os membros do Grupo vem se comunicando entre si por meio de lista de discussão (gecat@googlegroups.com), além de manter um blog (http://gepcat.blogspot.com), no qual constam as atividades efetivadas por ele e em andamento.

Justificativa

Como modo de dar continuidade às atividades de interesse dos membros do Grupo, além de promover sua consolidação e fomentar as discussões sobre sua vocação, foi proposto o II Encontro de Estudos e Pesquisas em Catalogação, a ser realizado na Escola de Ciência da Informação da UFMG, nos dias 19 e 20 de agosto de 2010.

As questões de interesse do Grupo e do Encontro têm origem na antiga prática de produção de catálogos de bibliotecas e de elaboração de bibliografias, cujos princípios foram inicialmente consolidados na metade do século XIX por Panizzi na Inglaterra. A vitalidade destes estudos evidencia-se nos debates internacionais de Catalogação, que voltaram a ganhar força na década de 1990 com a proposta de um modelo conceitual que tende a nortear práticas profissionais e de ensino, até então regidas pelos princípios subjacentes a conjuntos de regras. Este movimento levou à proposição de novas normas e à intensificação dos debates.

Estudos e normas produzidos no âmbito da comunidade de bibliotecas perpassam estudos e normas de outras comunidades e se manifestam em atividades de gestão de bibliotecas, de controle e disseminação da literatura técnico-científica, de produção de metadados, além de elaboração de bases de dados de informações arquivísticas e museológicas, e outros. Embora estas atividades muitas vezes sejam realizadas pelos mesmos grupos, representam necessidades informacionais de públicos específicos, a partir das diversas tipologias e suportes que se complexificaram no decorrer do século XX.

Assim, trata-se de pensar princípios, métodos e normas, e tecnologias adequadas, que dêem conta das atividades de produção e gestão de bases de dados relativas às distintas demandas sociais por acesso à informação. Isto nos leva ao desafio de discutir e propor caminhos que estimulem: a formação de sujeitos reflexivos, a pesquisa que articule fundamentos e análise de práticas, a participação efetiva em debates internacionais, e a produção de subsídios à ação dos profissionais que estão diante daquelas demandas.

Público


O público esperado é composto pelos componentes do GEPCAT e pela comunidade brasileira envolvida com o tema: profissionais, professores e pesquisadores envolvidos com as questões de catalogação e de produção e gestão de bases de dados.

Apoio institucional:
Escola de Ciência da Informação da UFMG
Programa de Pós-Graduação de Ciência da Informação
Curso de Graduação de Biblioteconomia
 
Financiamento:
CAPES/PAEP

FAPEMIG
Alexandria on line, soluções para Arquivos e Bibliotecas

Coordenação:
Cristina Dotta Ortega (ECI/UFMG) – coordenadora
Lídia Alvarenga (ECI/UFMG) – subcoordenadora
 
Comissão Organizadora:
Cíntia de Azevedo Lourenço (ECI/UFMG)
Elisa Campos Machado (DEPB/UNIRIO)
Márcia Milton Vianna (Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais)
Zaira Regina Zafalon (DCI/UFSCar)

II Encontro de Estudos e Pesquisas em Catalogação: programação prévia

 

Dia 19
INÍCIO FIM ATIVIDADE
8:30 9:00 Recepção
9:00 9:20 Abertura e boas vindas da ECI/UFMG Diretora (em exercício) da Escola de Ciência da Informação da UFMG – Beatriz Valadares Cendón

Coordenadora do Programa de Pós-Graduação de Ciência da Informação – Gercina Ângela Borém Oliveira Lima

Coordenadora do Curso de Graduação de Biblioteconomia – Cíntia de Azevedo Lourenço

    Mesa 1: Controle bibliográfico e catalogação cooperativa: história, conceitos, políticas, procedimentos, tecnologias
9:20 9:45 O poder integrador da catalogação cooperativa no BrasilNanci Oddone (prof. UFBa)  
9:45 10:10 História e conceitos do controle bibliográfico no Brasil e no mundoBernadete Santos Campello (prof. UFMG)  
10:10 10:30 Intervalo para café
10:30 11:00 A Biblioteca Nacional e o controle bibliográfico nacional: panorama atual e perspectivas futurasLuciana Grings ( Coordenadora de Serviços Bibliográficos da Biblioteca Nacional)

Stela Márcia Pacheco ( Chefe da Divisão de Serviços Técnicos da Biblioteca Nacional)

11:00 11:30 DebateMediador: (em aberto)  
11:30 14:00 Almoço
    Mesa 2: Sistemas de informação científica: políticas, procedimentos, tecnologias
14:00 14:25 Cooperação de Dados: processo histórico e situação atual no contexto da Rede de Bibliotecas da UNESPFlávia Maria Bastos (bibliotecária da Coordenadoria Geral de Bibliotecas-CGB,UNESP, São Paulo e doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, UNESP, Marília, SP)

Marta Pomim Valentim (prof.   UNESP Marília e Coordenadora da Coordenadoria Geral de Bibliotecas-CGB,UNESP, São Paulo)

14:25 14:50 Rede de Informação em Ciências da Saúde na América Latina e no Caribe: as metodologias da Biblioteca Virtual em Saúde-BVSMaria Anália da Conceição (Equipe LILACS – BIREME)
14:50 15:20 DebateMediador: (em aberto)
15:20 15:40 Intervalo de café
    Mesa 3: Pesquisa em Catalogação: princípios, modelos, normas
15:40 16:05 FRBR: aplicação ao padrão de metadados da biblioteca de teses e dissertações do IBICTCíntia de Azevedo Lourenço (prof. UFMG)  
16:05 16:30 Manifestações de obras musicais: o uso do título uniformeKátia Lúcia Pacheco ( bibliotecária da Biblioteca da Escola de Música da UFMG)  
16:30 16:55 Sintaxe e semântica de registros bibliográficos: proposta de aplicação à conversão ao Formato MARC 21 BibliográficoZaira Regina Zafalon (prof. UFSCar) e Plácida L. V. A. da C. Santos (prof. UNESP Marília)

 

Dia 20
INÍCIO FIM ATIVIDADE
    Mesa 3: Pesquisa em Catalogação: princípios, modelos, normas
9:00 9:25 A noção de estrutura como fundamento para a produção dos registros das bases de dadosCristina Dotta Ortega (prof. UFMG)
9:25 9:50 Nair Yumiko Kobashi – Bases de dados: fontes para a produção de indicadores do trabalho imaterial (a confirmar)
9:50 10:10 Intervalo de café  
10:10 10:35 RDA e a possibilidade de um código brasileiro de catalogaçãoEliane Serrão Alves Mey (prof. visitante UNIRIO)

Zaira Regina Zafalon (prof. UFSCar)

10:35 11:05 DebateMediador: (em aberto)
11:05 14:00 Almoço
    Mesa 4: Ensino em Catalogação: conteúdos programáticos e questões metodológicas
14:00 14:25 Análise de conteúdos programáticos de Representação Descritiva em cursos de Biblioteconomia e de Arquivologia no Brasil e em cursos de Ciência da Informação em PortugalTerezinha Batista de Souza (prof. UEL)
14:25 14:50 Ensino de catalogação: princípios ou normas?Eliane Serrão Alves Mey (prof. visitante UNIRIO), Elisa Campos Machado, Maria Tereza Reis Mendes e Naira Christofoletti Silveira (profs. UNIRIO)  
14:50 15:15 DebateMediador: (em aberto)
15:15 15:35 Intervalo de café
15:35 16:30 Reunião Final Primeira parte: debates, estudos e elaboração de normas internacionais: possibilidades para participação do Brasil

Segunda parte: avaliação do encontro e perspectivas futuras

Coordenação: (em aberto)

Encerramento  

XXXIII ENEBD: Anais

O 33º Encontro Nacional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Gestão e Ciência da Informação (ENEBD) sediado em João Pessoa/PB e realizado na Universidade Federal da Paraíba, por meio da temática O desafio dos profissionais da informação frente às tecnologias e suportes informacionais do século XXI: lugares de memória para a biblioteconomia, contribuiu para o enriquecimento intelectual dos discentes das instituições de ensino dos cursos de graduação em Biblioteconomia, Documentação, Gestão e Ciência da Informação do Brasil.

Por meio de cinco GTs, a saber: GT1 Biblioteconomia, Tecnologia e Redes Sociais; GT2 Memória e Patrimônio; GT3 Representação da Informação; GT4 Práticas de Informação e de Leitura associadas às ferramentas da web e GT5 Temática Livre, foram discutidos assuntos relacionados aos desafios do profissional, às tecnologias e suportes informacionais e aos lugares de memória. Sendo que foram apresentados 153 trabalhos nas modalidades oral e poster.

Além das apresentações de trabalhos, foram realizados diversos minucursos, conferências, palestras, mesas redondas, grupos de discussões e diversas atividades culturais. Sendo que os trabalhos premiados vão ser publicados na revista científica Biblionline (http://periodicos.ufpb.br/ojs2/index.php/biblio/index) e que os anais do XXXIII ENEBD pode ser acessado por meio deste link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/issue/current/showToc

Abaixo estão os trabalhos, presentes nos anais do XXXIII ENEBD, escritos pelos alunos da Escola de Ciência da Informação e em alguns casos trabalhos feitos com alunos de outras instituições:

PRESERVAÇÃO PATRIMONIAL FRENTE AOS NOVOS MODELOS DE COMUNICAÇÃO

Autores: Gesner Francisco Xavier Junior; Taciane Gomes

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/37/19

FOTOGRAFIA E HISTÓRIA: as imagens como transmissoras e construtoras da memória

Autores: Hugo Avelar; Anita Helena Vieira; Fernanda Samla; Carminda Aguiar

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/32/25

O CRAV COMO LUGAR DE MEMÓRIA E PRESEVAÇÃO DO AUDIO VISUAL MINEIRO E SUA RELAÇÃO COM A POPULAÇÃO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE

Autores: Junio Martins Lourenço;  Marcos Vinícius Rodrigues

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/42/79

ACERVO DOS ESCRITORES MINEIROS: lugar privilegiado de memória

Autores: Gustavo Lopes de Oliveira; Maria da Conceição Carvalho

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/47/86

A IMPORTÂNCIA DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO NA PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA: a contribuição do profissional da informação

Autores: Anderson Batista dos Santos; Joana Angélica Bonfim Cardoso; Marcelo Abreu de Oliveira

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/153/90

TECNOLOGIA E ACESSO A INFORMAÇÃO: as bibliotecas digitais em foco

Autores: Carminda de Aguiar Pereira; Fernanda Samla Souza Costa; Hugo Avelar Cardoso Pires4

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/151/172

ÁREAS DO CONHECIMENTO

PRESENTE, PASSADO E FUTURO: um olhar sobre o patrimônio histórico cultural

Autores: Fábio Jaderson Miguel Reis, Fabiene Cristina da Silva

Link: http://dci.ccsa.ufpb.br/enebd/index.php/enebd/article/viewFile/157/94

XI EREBD SE/CO: envio de trabalhos

Envio de trabalhos: prazos

  • Prazo para envio dos resumos: 13/07/2010 á 14/08/2010.
  • Período de avaliação dos resumos entre 17 de agosto á 03 de setembro de 2010.
  • Divulgação do resultado da avaliação dos resumos a partir de 06 de setembro de 2010.
  • Prazo final para o envio da reformulação (quando necessário) 20 de setembro de 2010
  • Resultado da reavaliação dos resumos reformulados dia 4 de outubro de 2010

Trabalhos aprovados: descontos na inscrição

Os autores dos trabalhos selecionados terão desconto na inscrição, no preço total. Esse desconto será calculado com base no segundo lote. 

  • Trabalho Oral 40% *
  • Trabalho em Pôster 30% *

Eixos temáticos

Os trabalhos poderam ser enviados para os seguintes temas:

  • Tema1 Biblioteconomia, Tecnologia e Redes Sociais
  • Tema2 Memória e Patrimônio
  • Tema3 Organização e Representação da Informação
  • Tema4 – Práticas de informação e de leitura associadas às ferramentas da web
  • Tema5 Temática Livre

Informações sobre regras para submissão de trabalhos, foras de apresentação, criterios de avaliação de trabalhos e premiação, você encontra neste link: http://erebdseco2010.webnode.com.br/linhas-de-pesquisa/

XI EREBD SE/CO: tema, data e inscrições

Data: 30 de outubro a 02 de novembro de 2010

Tema Geral: “Redes Informacionais de Atuação do Profissional da Informação”.

Inscrições

Ficha de inscrição: http://www.4shared.com/document/7ogGcB5R/Inscrio.html

Estudantes:

Até 30 de setembro R$ 60,00; (Inscrição, Alojamento e Alimentação)    

Até 29 de outubro R$ 70,00; (Inscrição, Alojamento e Alimentação)

Nos dias dos eventos R$ 80,00. (Inscrição, Alojamento e Alimentação)

Profissionais:

Até 30 de setembro R$ 70,00;

Até 29 de outubro R$ 80,00;

 Nos dias dos eventos R$ 90,00. 

Cursos paralelos: R$ 50,00 com capacidade de 35 alunos por turma.

Fonte: http://erebdseco2010.webnode.com.br/

A dura realidade do estudante do período noturno

07 de março de 2008, 11:50

O ensino superior noturno, com menos de 50 anos no Brasil e 70% das matrículas em São Paulo, é um instrumento de inclusão social. Mas os alunos reclamam de aulas expositivas com baixa interatividade que causam desinteresse, apatia e sono.

Por Armando Terribili Filho

A rotina diária de levantar cedo, trabalhar o dia todo, e enfrentar as dificuldades de trânsito e transporte faz parte da realidade de dezenas de milhões de brasileiros.

Entretanto, para 2,7 milhões, esse hábito é seguido de atividades estudantis no período noturno, alimentação inadequada e um percurso de volta ao lar marcado pela insegurança. Acresça-se ao cenário uma reduzida quantidade de horas de sono, pouco lazer e a própria legislação trabalhista, que não oferece flexibilização de horário de trabalho para o estudante-trabalhador e não propicia benefício-alimentação adicional que assegure uma refeição antes das aulas, uma vez que a locomoção é feita diretamente do local de trabalho para a instituição de ensino.

Essa foi a constatação de uma tese desenvolvida sobre o impacto do “entorno educacional” no cotidiano do estudante do ensino superior noturno, a qual pesquisou 340 estudantes da cidade de São Paulo e de dois municípios do interior paulista, um da região de Campinas e outro de Araçatuba.

O ensino superior noturno é recente no Brasil – tem menos de 50 anos de existência. No entanto, possui alta representatividade numérica e mostra-se crescente: totaliza 60% do total de matrículas do país e 70% do Estado de São Paulo. Ao longo dos últimos anos, transformou-se em instrumento de inclusão social, pois nele o jovem busca sua formação profissional, enquanto o trabalho remunerado durante o dia oferece-lhe subsídios financeiros para viabilizar os estudos.

Os pesquisados reclamam das aulas expositivas não-dialogadas, com baixa interatividade, pouca utilização de recursos tecnológicos que estimulem sua participação, causando desinteresse, apatia e sono.

Na Capital, o trânsito e o trabalho depois do expediente normal são fatores que causam atrasos, perda de aulas e provas. No interior do Estado, o longo trajeto em estradas é outro fator dificultador, porque, muitas vezes, o curso desejado não é oferecido na cidade do estudante. O que há em comum para os estudantes das cidades pesquisadas é a presença da violência após o encerramento das aulas, quando estes ficam expostos aos riscos da noite, período de maior índice de delitos.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2008/03/07/a-dura-realidade-do-estudante-do-periodo-noturno/