Arquivo mensal: setembro 2011

Livro: Ciência da Informação e Documentação

Ciência da Informação e Documentação, além de configurar aspectos distintos da área informacional, é também sigla de um curso de graduação do campus da USP em Ribeirão Preto – CID. Os aspectos distintos de ambas as áreas podem ser identificados na sua própria historiografia: a Ciência da Informação é americana e é contemporânea dos computadores, o que já sinaliza o seu nascimento, no pós-guerra, por volta de 1945.
A Documentação é europeia e nasce no século dezenove; ambas se encontram em seu objetivo comum de tratar a explosão bibliográfica de conhecimentos científicos e tecnológicos. O cenário hoje, ainda apresenta disputas conceituais, por exemplo, a Ciência da Informação elege a Informação como objeto de estudo, enquanto a Documentação teoriza sobre a importância da materialidade dos documentos. Este livro não apenas repõe essas origens, mas problematiza os efeitos de uma e outra compreensão, no dia a dia do trabalho com informação entre nós, tendo em vista que a área informacional possui aspectos, a um só tempo, biblioteconômicos, arquivísticos e de museologia, o que coloca a necessidade de discutir Ciência da Informação e Documentação como áreas conjuntas: a noção de documento, por exemplo, é importante, não só para livros e revistas, mas, também, para papéis e objetos guardados em arquivos e museus.

Los nuevos museos

Data de publicação: 27/09/2011

Por Ana Maria Battistozzi

Cuándo los museos dejaron de ser esos templos a los que se acudía con devoción a contemplar las grandes obras del pasado? ¿En qué momento empezaron a convertirse en esos centros de actividades que convocan multitudes como la Tate de Londres y el Reina Sofía de Madrid? ¿Cuándo empezó la transformación en estos sitios que conocemos hoy, cada vez más dinámicos, a los que se puede ir a ver exposiciones pero también a escuchar música, poesía, una representación teatral, un ciclo de danza o elegir un libro y tomar una copa en su restorán? Y por último ¿cuándo empezaron a ser concebidos como tracción del desarrollo urbano con impacto en el resto de la economía y usados como blasón de la gestión política? No sólo una sino muchas cuestiones condujeron a ese cambio. Pero la paradoja es que todas empezaron a solaparse cuando la institución intentaba reponerse de uno de los momentos más críticos de su historia. Un momento en que los artistas habían decidido boicotear los circuitos tradicionales del arte concibiendo sus estrategias de producción por fuera de museos y galerías. Pepe Guirao, ex director del Museo Nacional Reina Sofía de España y actual director de Casa Encendida de Madrid resumió muy bien este proceso en las Jornadas sobre Infraestructuras culturales que organizó el CCEBA el mes pasado. El encuentro fue convocado para discutir la importancia que los museos y centros culturales han asumido en la vida contemporánea y la española en particular justamente en un momento en que por diversas iniciativas provinciales, nacionales y municipales empezaron a proliferar interesantes iniciativas del tipo en distintos puntos de nuestro país.

Tal el caso del Macro, creado en 2004 por la intendencia de Rosario, el Museo de Bellas Artes de Neuquén que lo había precedido un par de meses antes; los Museos Caraffa y el Palacio Ferreira en Córdoba, los recientemente inaugurados Museo Rene Brusau de Resistencia, el Centro Cultural Bicentenario de Santiago del Estero y el sorprendente edificio diseñado por Carlos Gómez Centurión que en pocos días acogerá la colección del Museo de Bellas Artes de San Juan con dos salas para la colección permanente, un soberbio auditorio, una cafetería, biblioteca, y, varias salas de distintas dimensiones para exposiciones temporarias.

La experiencia española, que durante las dos últimas décadas llevó adelante una proliferación de “infraestructuras culturales”, difícil de parangonar –todas más osadas y costosas que cualquiera de estas– fue resumida por Rafael Doctor. El creador y ex director del MUSAC de Castilla y León, quien a su vez aportó su reflexión sobre las luces y sombras de este impactante proceso.

“Una de las cosas que contribuyó en gran medida a modificar la noción de museo tradicional fue el fenómeno de las grandes exposiciones –explicó Guirao–, una tendencia de los años ochenta que no sólo adoptan los museos de arte contemporáneo sino también los museos clásicos. Exposiciones como la gran retrospectiva de Picasso en el MoMA de Nueva York en 1981, supone un hito en el fenómeno de cómo una ciudad se ve invadida por la obra de un artista que de repente está en todos lados; desde los afiches a las camisetas que se pone la gente. A partir de esto todas las instituciones museísticas intentan lo mismo. Por ejemplo, la exposición Velázquez en el Prado, en los años 80, a pesar de que apenas tenía unas pocas obras de otras colecciones que se iban a sumar a las que ya se exhibían regularmente la gente iba a hacer diez horas de cola para entrar. Es decir que una práctica que nace en el museo contemporáneo e invade al museo clásico que hasta entonces se había mantenido alejado de la turbamulta del espectáculo. Y así el museo, ese lugar de encuentro de unas elites se empieza a masificar, algo que ocurre a través de los medios de comunicación. Surge así el gran evento cultural que es adoptado tanto por los museos contemporáneos como por los museos tradicionales.” Otro de los fenómenos de interés que señaló Guirao, que forman parte de este cambio de paradigma es la red de museos y centros de arte alemana. Alemania y el formato Kunsthalle que surge en los setenta. Sólo espacio de exposición o centro sin colección –algo así como nuestro Centro Cultural Recoleta, La Fundación Proa, OSDE o el Borges– que en Alemania con ejemplos gloriosos como las de Colonia, Frankfurt o Dusseldorf alcanza un gran prestigio por su dinamismo y la calidad de sus exhibiciones temporales. De algún modo esto es lo que estaba en el horizonte histórico cuando la administración socialista impulsó en los años 80 la modernización de la cultura española. “La sociedad española llega tarde al fenómeno de lo contemporáneo pero con entusiasmo”, ironizó el ex director del Reina Sofía, una de las principales instituciones nacidas bajo el empeño del socialismo de ser modernos cuanto antes. “Queríamos ser modernos, queríamos ser lo que no habíamos sido. Lo que pasó en España fue un fenómeno de conversión y como todo lo que ocurre con fenómenos del tipo es que acarrean deficiencias.” Rafael Doctor detalló el vertiginoso proceso de crecimiento de las infraestructuras culturales en España y su sobredimensionamiento actual. “Cuando nací no había ningún museo de arte contemporáneo y ahora en cualquier pueblo perdido uno encuentra un espacio de arte contemporáneo. Hoy hay ciento veintidós infraestructuras culturales. Esto requiere una reflexión porque casi nada de esto surgió por un genuino interés de la sociedad sino por un interés político que las ha vinculado a ciertos períodos electorales. Para mostrar logros; que se estaban generando armas hacia el futuro. Pero en la mayoría de los casos se han olvidado de la creación de un verdadero proyecto que no es sólo el arquitectónico sino un proyecto que da sentido a la infraestructura. Por eso hablo de ‘la era del contenedor’, porque hemos estado pendientes de consolidar los contenedores en lugar de trabajar el sentido que les va a dar la sociedad. La mayoría dependen de dinero estatal, de las autonomías, o los ayuntamientos”.

Así, para los distintos gobiernos en España los espacios de arte convirtieron en formas de de ganar visibilidad. Pero ante la crisis las llamadas infraestructuras culturales vuelven al centro del debate replanteando también una reorientación de las políticas culturales, también en función del público.

A cargo ahora de Casa Encendida, un espacio que se mantiene con fondos privados pero con obligación de devolver servicios a la comunidad, Pepe Guirao ha prestado especial atención a la emergencia de un nuevo público. “El público actual ha roto las barreras del canon de gusto que imponía el museo tradicional –explica–. Y eso fundamentalmente por lo que significa el acceso a la información. En los últimos diez años la gente accede a la información de otras maneras y obtiene su información sobre el arte por otras vías. Desde la llegada de Internet la gente accede a todo con otros filtros y sobre todo se atreve a compartir que Picasso le parece un horror o todo lo contrario. Entonces tenemos un público totalmente distinto que tiene interés por muchas cosas. Una generación en torno de los 40 que puede participar en una ONG, colaborar y participar en muchas otras cosas y le empieza a molestar la hiperespecialización. Como público es disperso y se encuentra interesado en varias cosas, fruto de la incertidumbre. Si algo empieza a tener claro es que la cosa no está clara. Si sumamos dispersión, incertidumbre y un acceso a la información a través de otros canales que no están controlados por modelos tradicionales tenemos otra situación. Pero además en creadores que trabajan en una forma de hibridación. Vuelve a aparecer lo performático, lo cinematográfico, la acción la instalación. De manera que no ya como los 60, pero si se está rompiendo el esquema de cómo se construye la obra de arte. Hemos pasado de espacios para la contemplación a espacios para la acción donde la obra y el espacio interactúan. Es preciso contemplar todas estas circunstancias.”

Fonte: http://www.revistaenie.clarin.com/arte/Jose-Guirao-Rafael-Doctor-gestion-cultural_0_560343993.html

Selma Soares, da Fundação Siderurbe, realiza trabalho que vai além das estantes

Data de publicação: 26/09/2011

Por CRB 6ªRegião

Assim como diz uma consagrada canção de Milton Nascimento, “todo artista tem de ir onde o povo está”, uma das vertentes do trabalho do profissional de Biblioteconomia é ir onde o trabalhador está. E lhe oferecer informação, seja estratégica ou ficcional, para distrair ou para formar. Este é o trabalho de Selma Soares, bibliotecária que integra a equipe da Fundação Siderurbe – Manesmann há mais de uma década.

Trabalho este multifacetado. Que requer do bibliotecário habilidades que vão além do empréstimo. No caso de Selma Soares, o seu ofício flerta com saberes da História, Turismo, Cinema, ou seja, sua bagagem cultural deve estar em constante atualização. “O acervo é geral. Possui desde livro infantil, best sellers, até livros de ensino superior como em uma biblioteca pública. Atende a comunidade para pesquisas, porém é uma iniciativa privada. Temos um público específico, os empregados da própria empresa. E a biblioteca é bastante procurada”.

Por este aspecto diverso, Selma faz um alerta: muitas vezes, é necessário que o bibliotecário mostre o valor do seu trabalho frente ao ambiente extremamente competitivo. “O bibliotecário pode ser visto como um profissional que executa funções apenas específicas de bibliotecas. Surge daí a necessidade dos bibliotecários mostrarem que suas atividades e a sua capacidade vão além das estantes de livros”, salienta.

Além de prover informação para os empregados, o trabalho de Selma também considera os familiares dos trabalhadores como público alvo. Um dos projetos que a bibliotecária realiza é o chamado “Passeio Cultural”, onde trabalhadores e familiares são convidados a conhecer pontos turísticos na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Há ainda a DVDTeca, constituída de mais de 600 DVDs de diversos gêneros, para empréstimo, além de eventos em datas comemorativas.

“Os usuários da nossa biblioteca são todos os empregados e os seus familiares. Eles têm a biblioteca como um grande beneficio, pois além de contribuir para crescimento pessoal, ela oferece também projetos de cultura e entretenimento”, afirma Selma.

Fonte: http://www.crb6.org.br/noticias_crb.php?codigo=308

Caso UFJF (Universidade Federal de Juiz de Fora)

Data de publicação: 26/09/2011

Por CRB6ªRegião

Com a interferência legal, legítima e contumaz do Conselho Regional de Biblioteconomia 6ª Região (CRB-6) e do CFB (Conselho Federal de Biblioteconomia) junto aos órgãos competentes para averiguar o caso, a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) têm adotado medidas como objetivo de apurar a irregularidade funcional da posse de leigo no último concurso público para provimento do cargo de Bibliotecário Documentalista.

A Instituição consultou o Ministério da Educação (MEC), que opinou pela ilegalidade da posse, por conta do leigo não preencher o requisito de formação necessário para o preenchimento do cargo. O processo em questão, já com relatório firmado, foi suspenso em caráter liminar, pelo DD Juízo da Justiça Federal em Juiz de Fora.

Gostaríamos de lembrar aos bibliotecários que os conselhos profissionais são autarquias federais em que profissionais voluntários se responsabilizam administrativamente por sua gestão pública. No CRB-6 nada se faz de improviso ou ao sabor das circunstâncias. Sendo assim, não há lugar para atitudes passionais, amadoras ou opiniões pessoais. Todas as atitudes devem estar pautadas na legislação vigente em nosso País. Estamos atentos e vigilantes para não permitir leigos no exercício da profissão de Bibliotecário.

Fonte: http://www.crb6.org.br/noticias_crb.php?codigo=305

 

Eventos Científicos: Arquivologia e Ciência da Informação

II ENARQUIFES

Tema: Políticas Arquivísticas nas IFES: das práticas à construção de novos rumos

Período: 27 a 30 de setembro de 2011

Local: Universidade Federal da Paraíba

Site: http://enarquifes.blogspot.com/

IV Seminário em Ciência da Informação – SECIN

Tema: A Ciência da Informação: ambientes e práticas na contemporaneidade

Período: 26 a 28 de setembro de 2011

Local: Universidade Estadual de Londrina

Site: http://www.uel.br/eventos/secin/ocs/index.php/secin2011/secin2011

Curso online: Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas I – Criação e Elaboração de Projetos em Informação

Curso online:

Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas I:

Criação e Elaboração de Projetos em Informação

(20h, com certificado)

Sobre o curso

O curso tem como objetivo a criação e a elaboração de projetos para a implantação, reestruturação, implementação e avaliação de desempenho de Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas nos âmbitos público e privado, de naturezas institucional, comercial, sociocultural, educacional e pessoal. Essa é a primeira parte do projeto “Gestão Estratégica da Informação em Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas.

Conteúdo

1 Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas (4h)

2 Características de projetos voltados para Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas (3h)

3 O processo de elaboração de um projeto (2h)

4 Projeto I: pensando e criando um banco/arquivo de imagens fotográficas (3h)

5 Projeto II: reestruturando e implementando operações e processos (3h)

6 Projeto III: avaliando o desempenho – eficiência e eficácia (3h)

7 Conclusão e apresentação do projeto para Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas (2h)

Período de inscrição: 19 de setembro a 15 de outubro

Investimento:

a)      De 19/09 a 23/09 (promoção: R$25,00)

b)     De 24/09 a 08/10 (R$ 40,00)

c)      De 09/10 a 15/10 (R$50,00)

Como será o curso

O curso será online, na plataforma moodle, e contará com os seguintes recursos e atividades:

– Apoio didático: textos para leitura

– Orientação didática

– Avaliação final de aprendizagem (cada aluno apresentará um pequeno projeto)

– Avaliação geral do desempenho do aluno

– chat

– Fóruns

Você montará o seu horário de aula, de acordo com a sua disponibilidade.

Inscrições:

Enviar e-mail para: bancodeimagens@informacaoaudiovisual.com.br

Envio indispensável dos seguintes dados:

Nome completo:

Endereço completo:

E-mail:

Telefone:

Categorias: (  ) profissionais (  ) estudantes  (  ) Outros:_____________________________

Dados bancários:

Banco do Brasil (depósito bancário)

Agencia: 6501-3

Conta Poupança: 28.353-3

Variação: 01

Ronni Santos Oliveira

Envie o comprovante de depósito para: bancodeimagens@informacaoaudiovisual.com.br

Maiores informações:

Blog: informacaoaudiovisual.blogspot.com

(11) 73002244 (VIVO) / (11) 9262-7059 (CLARO) / (11) 8227-5708

_________________________________

Professor

Ronni Santos Oliveira – Consultor, Gestor de Informação em Bancos e Arquivos de Imagens Fotográficas, Bibliotecário, Professor e Autor.

Realização e apoio

Audiovisual & Informação e Associação dos Profissionais Bibliotecários e Documentalistas do estado de Sergipe – APBDSE

EREBD N/NE 2012: Cariri

Tema: Informação e Sociedade: a Importância da Biblioteca no Processo de Preservação de Memória Documental

Data: 15 a 21 de janeiro de 2012

Local: Universidade Federal do Ceará – Campus Cariri

Envio de trabalhos: http://erebdcariri.blogspot.com/2011/09/esta-aberto-o-edital-para-envio-de.html

Blog: http://erebdcariri.blogspot.com/

Maria do Amparo Cunha criou há quatro anos a biblioteca comunitária do bairro Alto Barroca

Data de publicação: 09/09/2011

Por CRB 6ªRegião

Após o falecimento da sua mãe, além de perceber que o bairro onde residia havia deixado de ser residencial para ser comercial, a bibliotecária Maria do Amparo Cunha resolveu, há cerca de quatro anos, que era hora de mudar. Literalmente. Saiu do Barro Preto e foi morar no Alto Barroca. Aposentou-se e passou a se dedicar ao trabalho voluntário. Foi com esse ímpeto que ela criou a Biblioteca Comunitária Santa Terezinha do Menino Jesus (BCASTMJ). “Era um sonho que vinha tendo, o de dar à comunidade na qual tão bem fui recebida aquilo que mais sei fazer, o prazer da leitura”, afirma a senhora.

No início, Maria do Amparo contou com a ajuda, basicamente, dos paroquianos do bairro Alto Barroca. O pároco, Padre Antônio Damásio, ajudou na divulgação do projeto e usava os pequenos interalos das missas para falar do projeto e pedir doações. A secretária da igreja, Maria Elysia Mota, ajuda em toda a organização da biblioteca e dos eventos. “As doações vieram, na sua maioria, da própria comunidade. Chegavam caixas e caixas de livros. Todo o acervo e o material necessário para o trabalho foi doado: dos livros aos computadores”, conta Maria do Amparo. O acervo da biblioteca conta hoje com cerca de 3.500 títulos.

O fato de ter dedicado mais de 30 anos da sua trajetoria a educação nos ajuda a entender esse amor pelo saber. Maria do Amparo começou a sua carreira aos 17 anos como professora primária, profissão que exerceu durante 10 anos. Os outros 20 anos foram dedicados ao exercício da bublioteconomia.

Os serviços oferecidos na BCASTMJ são variados: empréstimos de obras literárias e para vestibular, cineclube literário (realizado uma vez ao mês), gibiteca, exposições e tardes de autógrafo com escritores. Segundo a bibliotecária, as crianças e os adultos são os que mais se interessam pelos serviços ofertados pela biblioteca. “Até os pais se interessam pelas revistas que os filhos lêem. E quando recebemos um escritor, as pessoas vêem que o autor não é um bicho de sete cabeças e que pode ser um vizinho deles”, ressalta ela sobre os projetos gibiteca e autógrafos com escritores.

Por se tratar de um trabalho voluntário, a bibliotecária ressalta que a principal dificuldade que ela enfrenta atualmente diz respeito à falta de auxiliares para realizar a digitação das informações dos livros para o banco de dados da biblioteca. Mas, Maria do Amparo não é de desanimar. “Tenho a alegria do dever cumprido. No início eu trabalhei sozinha, a biblioteca é pequena e tem buscado se desenvolver. E se esse trabalho chegou até aqui é por conta da ajuda de todos os amigos da biblioteca”.

Fonte: http://www.crb6.org.br/noticias_crb.php?codigo=299

Projeto que integra graduações e pós da Ciência da Informação cria sistema que reúne dados de museus

Data de publicação: 14/09/2011

Por UFMG Notícias

Museus, patrimônio cultural, sistemas de informação, bancos de dados. Esses conceitos são objetos de estudo na mesma unidade, a Escola de Ciência da Informação (ECI) da UFMG. Em tempos que exigem novas estratégias de organização de dados e de divulgação de objetos e espaços (físicos e virtuais) de museus e outras instituições que lidam com memória e patrimônio, por que não integrar conhecimentos em um projeto conjunto?

Foi o que fizeram professores e alunos de três disciplinas de dois cursos de graduação sediados na Escola: Fundamentos da Ciência da Informação, Patrimônio Cultural no Mundo Moderno e Contemporâneo (ambas do curso de Museologia) e Introdução a Banco de Dados (de Biblioteconomia). Com a participação de três bolsistas de mestrado e doutorado em Ciência da Informação, eles uniram teorias e práticas para demonstrar possibilidades de interação e reflexão conjunta, além de elaborar sistema de informação que pode subsidiar demandas específicas de espaços museais.

“Foram feitos levantamentos a partir do conceito clássico de objetos e patrimônio, e esse material foi organizado segundo as ideias de sistemas de informações e virtualização do objeto”, explica a professora Renata Baracho, da disciplina Introdução a Banco de Dados, destacando a importância da união entre pesquisa e prática nas atividades dos alunos. “As turmas se viram envolvidas com a elaboração de estratégias de gerenciamento e disponibilização da informação, e a necessidade de criar vínculos de relacionamento entre profissionais das áreas diferentes”, completa Renata, que tem mestrado em Ciência da Computação e doutorado em Ciência da Informação.

Intranet

Divididos em grupos, e após a definição dos temas e museus a serem visitados – como o Casa Guignard e a Casa dos Bandeiristas, em Ouro Preto, e o projeto Memória do Judiciário de Minas Gerais –, os alunos de Museologia levantaram informações por meio de entrevistas, fotos, vídeos e documentos disponibilizados pelos museus ou de acesso livre pela internet.

Paralelamente, os alunos de biblioteconomia desenvolveram um bando de dados para organizar a informação coletada e torná-la disponível em uma intranet da Escola de Ciência da Informação (um servidor foi especialmente dedicado pelo Laboratório de Tecnologia da Informação para armazenar os trabalhos).

Todos os envolvidos no projeto podiam acompanhar as atividades dos diversos grupos em tempo real – e os bolsistas da pós-graduação eram chamados para realizar adequações nas diversas etapas. E foram eles também que elaboraram a tela inicial para agrupar os sistemas de informação criados pelos alunos da graduação. O modelo escolhido foi o Entidade-Relacionamento (criado por Peter Chen, em 1976). O diagrama elaborado na ferramenta Access 2003 permitiu a organização das informações sobre museu em cada grupo. O modelo apresenta os dados da seguinte forma: cada “obra” pode ser classificada a partir de um “tipo de trabalho”, e está localizada em um “lugar” de uma “cidade”.

Os alunos de Museologia e Biblioteconomia apresentaram seus trabalhos – que valeram notas para as respectivas disciplinas – num mesmo evento, no auditório da Escola.

Didática da integração

O projeto Atividades de Equipe Pedagógica 2011, da graduação em Museologia da ECI, teve como alguns de seus resultados abrir a perspectiva de produção de novos materiais de apoio às aulas e mostrar concretamente que é possível integrar cursos afins, mas até agora desenvolvidos de forma separada. Segundo os professores responsáveis pelo projeto, os cursos da unidade experimentaram uma nova forma didática, integrando museologia, ciência da informação e ciência da computação. “Alunos da museologia tiveram o primeiro contato com os sistemas de informação, e passaram a entender os bastidores do computador como ferramenta para recuperação de dados em tempo quase real”, destaca Renata Baracho.

A professora Cátia Barbosa, da disciplina Patrimônio Cultural no Mundo Moderno e Contemporâneo, chama a atenção para a possibilidade de “envolver mais os alunos”, utilizando a motivação criada pelas atividades de cada grupo inseridas constantemente no sistema. “Além disso, o projeto tem todas as condições de gerar desdobramentos como pesquisas mais avançadas e repercussão no mercado de trabalho, por meio, por exemplo, do envolvimento em políticas públicas”, afirma Cátia Barbosa, que é mestre em Educação e doutora em Museologia. Segundo as professoras – que contaram a parceria do professor Alessandro Costa, do curso de Arquivologia –, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais, a prefeitura de Congonhas (MG) e o setor de obras raras do Sistema de Bibliotecas da UFMG já manifestaram o interesse em aproveitar os conhecimentos gerados pelo projeto.

Fonte: http://www.ufmg.br/online/arquivos/020808.shtml

Unicamp lidera discussões no Brasil sobre novo código de catalogação

Data de publicação: 08/09/2011

Por Sílvio Anunciação

As tecnologias digitais, como os e-books, bibliotecas digitais, a Web 2.0 e 3.0, entre outras, influenciaram o aparecimento de uma moderna norma de catalogação bibliográfica baseada em nova estrutura teórica e projetada exclusivamente para o ambiente digital. O novo código RDA (Recursos: Descrição e Acesso, na tradução da sigla para o português) promete mudanças significativas no cenário da catalogação internacional, afirmou Oscar Eliel, diretor de tratamento da informação do Sistema de Bibliotecas da Unicamp (SBU). Eliel participou nesta quinta-feira (8), no Centro de Convenções, do Fórum Permanente de Ciência e Tecnologia que discutiu o tema.

Ele sustenta que nenhuma biblioteca brasileira implantou, por enquanto, esse novo sistema de catalogação. Nesse sentido, a Unicamp é pioneira, tanto por liderar as discussões, como por preparar o seu sistema de biblioteca para o novo código, conclui. “Este Fórum visa não só iniciar uma discussão dentro da Unicamp para implementação dessa nova norma, como também discutir o assunto juntos aos bibliotecários em âmbito nacional para que possamos criar um grupo e futuramente implantar isso no Brasil”, confia.

“Não é algo simples de se fazer, exige muitas mudanças não somente em sistema, mas até mesmo na forma como os profissionais vão lidar com isso. Seria uma mudança quase que cultural para termos esse sistema funcionando. Ele vem para ser uma norma facilitadora”, responde Eliel, quando questionado sobre a expectativa de data para implementação do novo sistema na Unicamp.

O RDA substituirá a segunda edição do Código de Catalogação Anglo-Americano (AACR2). Além de fornecer orientações sobre como catalogar recursos digitais e auxiliar os usuários para encontrar, identificar, selecionar e obter a informação desejada, o RDA também contribui para o agrupamento de registros bibliográficos, mostrando a relação entre as obras e seus criadores.

Para Valéria Martins, coordenadora-associada do SBU, a nova norma de catalogação está sendo discutida em âmbito internacional. “Os estudos e metodologias para os formatos de organização do conhecimento, pressionados pelas tecnologias do conhecimento, serão um dos grandes desafios da área da ciência da informação para o futuro”, considerou, durante a abertura do evento.

Sistematizado pela Coordenadoria Geral da Universidade (CGU), o Fórum Permanente reuniu, no auditório do Centro de Convenções praticamente ocupado, bibliotecários de todo o Estado, de universidades públicas e prefeituras, além de profissionais da área de informática, linguística e ciência da informação.

A assessora da CGU, Carmen Zink Bolonhini, saudou os presentes, em sua maioria de fora da Unicamp, e salientou que “os Fóruns Permanentes têm, justamente a função de possibilitar o intercâmbio de experiências e conhecimentos entre a Unicamp e a comunidade externa”. “Nesse sentido esse Fórum foi um grande sucesso porque a comunidade externa está presente em massa”, completou.

Fonte: http://www.unicamp.br/unicamp/divulgacao/2011/09/09/unicamp-lidera-discussoes-no-brasil-sobre-novo-codigo-de-catalogacao