Arquivo mensal: fevereiro 2012

XIV EREBD Sul: informações sobre envio de trabalhos e inscrições

Práticas profissionais durante o processo de formação: O que você está fazendo pela biblioteconomia? Ou o que você poderia fazer?

Envio de trabalhos:

Relatos de experiência

Os trabalhos deverão ser relatos de experiência, apresentados na modalidade oral
e com no máximo 2 (dois) autores, em um dos eixos oferecidos:

1) Estágios – Obrigatórios, Não-Obrigatórios, Monitorias;
2) Pesquisas de Iniciação Científica;
3) Projeto Extensão/ Movimentos Estudantis e Associativos.

Prazo: até o dia 2 de março de 2012

Mais informações: http://erebdsul2012.paginas.ufsc.br/cientifica/

Inscrições

VALORES DOS PACOTES:     1º LOTE     2º LOTE     3º LOTE
25/01 a 16/03     17/03 a 24/04     A partir de 25/04
Inscrição     R$ 50,00     R$ 65,00     R$ 80,00
Inscrição+Alojamento     R$ 65,00     R$ 80,00     R$ 95,00
Inscrição+Alimentação     R$ 70,00     R$ 85,00     R$ 100,00
Inscrição+Alimentação+Alojamento     R$ 85,00     R$ 100,00     R$ 115,00

Para ver melhor a tabela com os valores da inscrição clique aqui: http://erebdsul2012.paginas.ufsc.br/files/2012/01/Cartaz-divulgação-Pacotes-4-com-logo-novo.pdf

Inscrições pelo site http://erebdsul2012.paginas.ufsc.br/inscricao/

Dados para o depósito:

CAIXA ECONOMICA FEDERAL
Wemylinn G F Andrade
Agência: 0420 Op: 013 Conta: 00184501-8

Para outras informações acesse o nosso site: http://erebdsul2012.paginas.ufsc.br/

Dúvidas em geral encaminhar e-mail para: erebdsul2012@gmail.com

Anúncios

Bibliotecas públicas e comunitárias da capital ganham 12 mil novos livros

Data de publicação:16/02/2012

Por: Prefeitura de Belo Horizonte

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura (FMC), distribuiu no último mês 12 mil novos livros para as bibliotecas públicas da cidade. Essa aquisição obtida pela FMC faz parte do projeto Belo Horizonte, Cidade Leitora, que já está em seu terceiro ano e, desde 2010, já adquiriu um total de 25 mil livros.

Segundo a diretora de Bibliotecas e Centros Culturais da FMC, Silvia Esteves, até agora 19 bibliotecas vinculadas à fundação e 12 bibliotecas comunitárias foram beneficiadas. “Ainda neste mês, mais 17 bibliotecas comunitárias receberão kits com 200 livros cada”, revelou.

De acordo com Silvia Esteves, para atender todas as idades e diversos gêneros literários, os livros foram escolhidos pela Comissão de Seleção de Acervo, composta de bibliotecários e especialistas em literatura da Fundação Municipal de Cultura. Segundo Silvia, a demanda dos leitores, a oferta do mercado editorial e as recomendações de jornais, revistas e sites especializados contribuíram para a escolha das obras. A Comissão de Seleção de Acervo se orientou pela diversidade de gêneros como informativos, obras de referência, romances, contos, crônicas, poemas, teatro e narrativas, entre outros, tendo como critério a qualidade literária e gráfica das obras.

Entre as novidades está a aquisição de livros para a primeira infância, direcionados a crianças de zero a 6 anos. “São obras em formatos criativos, com ilustrações envolventes, que extrapolam os conhecidos livros de tecido e de plástico. Seus textos lúdicos e inteligentes prometem prazerosos momentos de leitura entre as crianças pequenas e seus familiares, propiciando a intimidade com livros, palavras e imagens”, garante Silvia.

Pontos de leitura

Atualmente, a Fundação Municipal de Cultura trabalha na gestão de 19 bibliotecas públicas localizadas em várias regiões da cidade. Além disso, oferece apoio à rede de bibliotecas comunitárias. Os kits destinados às bibliotecas vinculadas à FMC são consideravelmente maiores, pois seus espaços são mais amplos e preparados para receber, disponibilizar e fazer circular os livros. As bibliotecas comunitárias funcionam em espaços pequenos, normalmente cedidos por pessoas que acreditam na leitura como condição para o exercício da cidadania. Uma sala, um quarto, uma varanda, um cômodo da associação comunitária ou da igreja se transformam em uma pequena biblioteca em dias e horários determinados para atender aos leitores. “Essa ação é muito importante e tem um alcance significativo, pois nasce do entendimento e da mobilização da população em torno da leitura,” opinou Silvia Esteves.

Na distribuição de livros, se leva em conta o tamanho do espaço das bibliotecas comunitárias. Em 2010, cada uma delas recebeu 400 livros. Em 2011, esse número foi redimensionado para 200, a partir da avaliação feita pela FMC e pela Associação de Amigos das Bibliotecas Comunitárias da Região Metropolitana de Belo Horizonte (Sabic).

Cadastro

Para se tornar leitor das bibliotecas vinculadas à FMC, basta apresentar o documento de identidade e o comprovante de endereço. Os menores de 12 anos precisam da autorização dos pais ou responsável. Além de empréstimo de livros e do apoio a pesquisas, as bibliotecas oferecem também acesso à internet, jornais e revistas para leitura local e atividades de estímulo e valorização da leitura. Todos os serviços e atividades como oficinas, clubes e rodas de leitura, são gratuitos e contemplam cidadãos de todas as idades.

Belo Horizonte, cidade leitora

Programa de qualificação das bibliotecas públicas da cidade, o Belo Horizonte, cidade leitora visa a valorização e a democratização do acesso à leitura. Trabalha com as bibliotecas vinculadas à Fundação Municipal de Cultura através de cinco linhas de ação:

• Promoção e qualificação das atividades de incentivo à leitura
• Consolidação de uma política de gestão de bibliotecas por meio de desenvolvimento, preservação, conservação e tratamento de acervo
• Formação continuada de seus profissionais com destaque para reflexões e atividades que promovam e estimulem a leitura, principalmente a literária
• Oferta de infraestrutura tecnológica, tanto para a gestão das bibliotecas quanto para o uso dos leitores
• Qualificação de seus espaços físicos, tornando-os adequados à boa disponibilização do acervo e oferta de serviços.

O programa contempla também o apoio às bibliotecas comunitárias, implantadas, geridas e mantidas pela sociedade civil, que atuam na cidade, através de uma parceria com a Sabic. A cada ano, elas recebem livros novos e cursos de capacitação para os mediadores de leitura, que têm como objetivo aproximar livros e leitores. Só nos últimos dois anos, 29 dessas bibliotecas receberam mais de 8 mil livros através do Belo Horizonte, Cidade Leitora.

Fonte: https://blogdaeci.wordpress.com/2012/02/17/presenca-digital-para-alcancar-novas-oportunidades-profissionais/

Presença digital para alcançar novas oportunidades profissionais

Data de publicação: 17/02/2012

Por Patricia Canarim

Hoje uma imensa fatia do mercado atua no meio online, portanto é preciso investir no seu perfil na web para não perder bons negócios.

Chegou o momento de compreender que ter uma presença digital ou uma reputação digital não é apenas um modismo de nerds. Um profissional liberal, um artista, um atleta, todos aqueles que constroem uma carreira devem pensar numa valorização e divulgação de seu nome e o melhor caminho para essa conquista é, sem dúvida alguma, a web.

É preciso estar atento às novas formas de presença profissional no mercado.

O profissional precisa aceitar a existência de uma nova forma de conduzir sua carreira, lidar com novos veículos e principalmente criar uma presença digital condizente com a velocidade de um mundo integrado digitalmente. Pode parecer difícil aceitar que tal presença seja essencial, mas basta observar a nova geração, ou melhor, os novos consumidores, como eles se relacionam com produtos, serviços e a quem destinam sua credibilidade.

Um profissional que deseja se dedicar na criação de uma relevância em torno de sua marca ou nome num ambiente de colaboração digital deve perceber uma mudança na maneira de se colocar no mercado, passando de um modelo fechado de divulgação, para um modelo de construção de imagem num ambiente próprio para a viralização da informação ou para um boca a boca muito mais amplo.

Há a necessidade de falar diretamente com seu público sem intermediários.

Esta mudança é estratégica e deve se aliar com ações operacionais que vão viabilizar o planejamento de sua presença digital. Há a premissa de um treinamento em web marketing, em saber o porquê das ações e não simplesmente seguir modismo e aprender a usar ferramentas.

Esta nova estratégia alia negócios com visão inovadora e tendências digitais para apresentar um cenário muito mais consistente e eficaz para sua atuação profissional. Ou seja, é impossível ficar limitado apenas à dimensão física e presencial! [Webinsider]

Fonte: http://webinsider.uol.com.br/2012/02/17/presenca-digital-para-alcancar-novas-oportunidades-profissionais/?utm_source=rss&utm_medium=rss&utm_campaign=presenca-digital-para-alcancar-novas-oportunidades-profissionais&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter&utm_term=%23webinsider

CCJ aprova Estatuto da Juventude depois de polêmica sobre confecção de carteira estudantil

Data de publicação: 15/02/2012

Por Simone Franco / Agência Senado

Passadas três horas de discussão e muita polêmica em torno da emissão da identidade estudantil, a Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou, nesta quarta-feira (15), parecer do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) ao projeto do Estatuto da Juventude (PLC 98/2011). Além de emendas próprias, Randolfe decidiu incorporar ao texto proveniente da Câmara sugestões dos senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP), Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Alvaro Dias (PSDB-PR), Demóstenes Torres (DEM-GO) e Pedro Taques (PDT-MT). A matéria segue, agora, para a Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Um apelo do presidente da CCJ, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), convenceu Demóstenes a desistir dos destaques para votação em separado em quatro pontos: faixa etária de cobertura do estatuto; meia-entrada em espetáculos financiados com recursos privados; desconto em passagens de transporte interestadual; e confecção da carteira de estudante. Após abrir mão de apresentar voto em separado à matéria, o senador por Goiás decidiu voltar a discutir esses temas na CAS e nas comissões de Educação, Cultura e Esporte (CE) e de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH), que também vão examinar o PLC 98/2011.

Idade e meia-entrada

Embora tenha elogiado as contribuições dos senadores, Randolfe não abriu mão de manter como beneficiários do estatuto as pessoas de 15 a 29 anos. Segundo justificou, sua posição segue recomendação da Convenção Iberoamericana de Juventude. Demóstenes defendia a redução da faixa para 18 a 21 anos.

Em relação à meia-entrada para estudantes em espetáculos culturais, de lazer e esportivos, Randolfe também não reviu sua proposta de limitar o benefício a 50% da capacidade do espaço em eventos financiados pelo Programa Nacional de Cultura e a 40% da lotação nos bancados com recursos privados. Demóstenes reivindicou a restrição da venda desses ingressos promocionais às apresentações patrocinadas ou subsidiadas exclusivamente pelo poder público, por entender que a classe artística não pode arcar com esse ônus financeiro.

Apesar de Demóstenes ter apoiado a decisão de Randolfe de excluir do texto o desconto generalizado de 50% nas passagens de transportes intermunicipais e interestaduais, ele divergiu da decisão do relator de reservar – apenas no transporte coletivo interestadual – duas vagas gratuitas por veículo para jovens com renda igual ou inferior a dois salários mínimos. Ocupados esses assentos, ainda haveria mais duas vagas por veículo com desconto mínimo de 50% para estudantes nessas mesmas condições.

Exclusividade

O debate mais acirrado ocorreu quando Demóstenes, Pedro Taques e Alvaro Dias questionaram a exclusividade dada para a Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), a União Nacional dos Estudantes (UNE) e a União Brasileira de Estudantes Secundaristas (Ubes), bem como a entidades estudantis estaduais e municipais a elas filiadas, confeccionarem as carteiras de estudante.

A princípio, o senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE) propôs uma saída para afastar uma eventual inconstitucionalidade do projeto ao se estabelecer essa limitação: suprimir o termo “exclusivamente” do dispositivo.

De início, a proposta foi acatada pelo relator. No entanto, a medida não deixou satisfeitos os três senadores que levantaram a crítica. Em sua avaliação, só a substituição do termo “exclusivamente” por “preferencialmente” livraria o estatuto de inconstitucionalidade. Demóstenes considerou ainda uma afronta à Constituição o projeto listar entidades encarregadas da emissão da carteira estudantil, mesmo admitindo-se que outras também possam fazê-lo.

– Vamos dirigir uma lei para beneficiar determinadas pessoas jurídicas, que são respeitáveis, mas isso é inconstitucional – argumentou Demóstenes.

O consenso foi possível quando Randolfe concordou em ajustar o texto. Ao fazer isso, acabou acatando parcialmente emenda de Alvaro Dias que também garantia a gratuidade da carteira para estudantes comprovadamente carentes. Essa emenda resgatava ainda o espírito da Medida Provisória 2.208/01, que acabou com a exclusividade de algumas entidades na expedição da identificação estudantil.

Fonte: http://www.senado.gov.br/noticias/ccj-aprova-estatuto-da-juventude-depois-de-polemica-sobre-confeccao-de-carteira-estudantil.aspx

Estatuto do jovem avança com acordo PSOL-DEM e derrota da UNE

Data de publicação: 15/02/2012

Por Carta Maior

Projeto passa por unanimidade na Comissão de Constituição e Justiça do Senado e segue à de Assuntos Sociais. Relatório de Randolphe Rodrigues (PSOL-AP) garante cotas de meia entrada em espetáculos, mas na última hora é alterado e impede que UNE tenha monopólio para emitir carteirinhas. PSDB e DEM queriam impedir fortalecimento da entidade, simpática ao governo.

Brasília – Com um plenário lotado de estudantes, o Estatuto da Juventude foi aprovado, nesta quarta-feira (15), na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, depois de um acordo entre PSOL e DEM. E com um recuo de última hora do relator que derrotou tentativa da União Nacional dos Estudantes (UNE) de fortalecer-se institucionalmente com monopólio para emitir carteirinha de meia entrada.

A exclusividade para confecção do documento foi o ponto mais polêmico da votação, que durou mais de três horas. O relator, Randolphe Rodrigues (PSOL-AP), havia aceitado uma proposta da UNE de dar a ela exclusividade no serviço, só compartilhada com a União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes) e com a Associação Nacional de Pós-Graduandos.

Era uma forma de garantir unidade política o movimento estudantil e, ao mesmo tempo, mais fonte de receita – o que também implicaria mais poder político -, já que a emissão da carteirinha é paga.

Os líderes do PSDB, Álvaro Dias (PR), e do DEM, Demóstenes Torres (GO), eram contra o monopólio e agiram para impedir que prosperasse. Ambos pertencentes a partidos de oposição ao governo Dilma, com quem a UNE tem uma relação simpática e mais próxima (embora a relação com o governo Lula fosse melhor), Dias e Demóstenes queriam impedir o fortalecimento da UNE.

Minutos antes da votação final, o relator desistiu de insistir no uso do termo “exclusivamente”, no que diz respeito às entidades que podem emitir carteirinha, e aceitou trocá-lo por “preferencialmente”.

Apesar dessa derrota específica, a UNE conseguiu uma vitória com a aprovação de um relatório que define regras mais claras sobre como os jovens vão usufruir o direito à meia entrada.

O parecer de Randolphe Rodrigues determina que deve haver cotas de 50% destinadas aos jovens com direito a desconto em todos os espetáculos financiados com dinheiro do Programa Nacional de Cultura. E de 40% nos demais. Não havia essa cota explícita no texto aprovado pelos deputados.

A meia entrada era um dos pontos mais polêmicos da votação. Outro era o recorte etário que define quem é jovem e se encaixa no Estatuto. O texto dos deputados e o parecer de Rodrigues definem como sendo pessoas de 15 a 29 anos.

Demóstenes Torres, que o DEM diz ser um potencial candidato do partido a presidente da República em 2014, diz achar um “absurdo” considerar alguém jovem com 29 anos. Ele queria que o recorte fosse de 18 a 21 anos. Acabou derrotado neste ponto.

O demista tinha apresentado, aliás, um relatório alternativo ao de Randolphe Rodrigues, o que poderia mais uma vez barrar a votação do projeto na CCJ. Mas um acordo entre ambos, no início da sessão, garantiu que não haveria mais adiamento.

O texto segue agora para uma outra comissão do Senado analisar, a de Assuntos Sociais.

Fonte: http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=19619

Conheça os principais problemas enfrentados na matrícula da universidade

Data de publicação: 15/02/2012

Por Univérsia Brasil

Documentação incompleta causa transtornos na hora de confirmar a vaga em universidades federais

Os primeiros meses do ano são especiais para os vestibulandos de todo o Brasil. É o momento em que as listas dos aprovados nos vestibulares das grandes universidades brasileiras são divulgadas. Mas a matrícula pode ser comprometida se os editais não forem seguidos a risca. Documentação incompleta e falta de atenção às datas podem colocar fim na alegria correndo o risco de perder a chance de estudar numa instituição federal.

A Universia Brasil entrou em contato com universidades federais do País para saber quais os problemas mais comuns nesta etapa da vida universitária. Acompanhe a seguir o que é enfrentado nos centros de matrículas de grandes instituições de ensino. A principal dica é: leiam o edital de matrícula com atenção , pois lá estão todas as informações necessárias para o procedimento acadêmico.

UNIPAMPA (Universidade Federal do Pampa)
Os problemas pontuais que ocorrem nos dez campi da UNIPAMPA (Universidade Federal do Pampa), no Rio Grande do Sul, têm a mesma origem: o desconhecimento do edital que rege o processo. A leitura superficial e desatenta também causa transtorno, pois resultam na falta de documentação ou descumprimento de algum critério essencial para a confirmação da vaga.

UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados)
Documentação incompleta também o principal problema enfrentado na hora de fazer a matrícula na UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), no Mato Grosso do Sul. A falta do histórico escolar impossibilita o processo. Outro ponto é a perda da data, principalmente a partir da segunda chamada.

UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro)
Na fluminense UFRRJ (Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro) os calouros costumam esquecer os comprovantes das Ações Afirmativas, como o histórico do Ensino Fundamental e Médio. Como bons brasileiros, alguns alunos também deixam para procurar a universidade na última hora, chegando atrasados.

UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre)
Calouros esquecem documentos importantes no momento da matrícula na UFCSPA (Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre), no Rio Grande do Sul. Além disto, levam apenas a cópia ou o original dos documentos, quando é necessário levar os dois itens.

UFG (Universidade Federal de Goiás)
Não levar histórico escolar e o certificado de conclusão do Ensino Médio é um problema corriqueiro no período de matrículas da UFG (Universidade Federal de Goiás). Mesmo com a relação de documentos publicada no edital muitas vezes o estudante só leva uma parte da documentação.

UFF (Universidade Federal Fluminense)
O maior problema, gerador de todos os demais na UFF (Universidade Federal Fluminense), é não ler com atenção o edital. Afinal, é nele que estão discriminadas todas as regras. Não verificar o dia, local e horário exatos da matrícula é sempre um problema, além de procurar o campus errado para a matrícula.

UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais)
Mais uma vez a falta de documentos é a vilã durante o processo de matrícula, principalmente aqueles que comprovam a conclusão do Ensino Médio. Além disto, na UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) há um problema em relação à dos documentos originais ou cópias serem ilegíveis.

UFABC (Universidade Federal do ABC)
Calouros da UFABC (Universidade Federal do ABC), em São Paulo, enfrentam dificuldade de efetuar a matrícula por que perdem o prazo e se esquecem da documentação completa. Além disto, existe a solicitação indevida da vaga de cotista, já que na universidade para obter a vaga especial é necessário ter cursado o Ensino Médio integralmente em escolas públicas e não ter concluído nenhum curso superior anteriormente.

UFPE (Universidade Federal de Pernambuco)
O problema mais corriqueiro que tem acontecido na UFPE (Universidade Federal de Pernambuco) está relacionado ao incentivo de 10% concedido na nota final para os alunos que tenham realizado todo o Ensino Médio em escolas públicas. Alguns candidatos oriundos de instituições particulares, ou que foram bolsistas de escolas particulares, ou ainda aqueles que possam ter feito os estudos numa combinação particular/pública, fazem a solicitação no ato da inscrição. Como a informação era falsa, a nota é recalculada, sendo o candidato remanejamentos para as próximas classificações.

Fonte: http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2012/02/15/911590/conheca-os-principais-problemas-enfrentados-na-matricula-da-universidade.html

Novas informações sobre o ENEBD 2012

Evento: XXXV Encontro Nacional dos Estudantes de Bibioteconomia, Documentação, Gestão da Informação e Ciência da Informação (ENEBD)

Tema: “Identidades e contrastes na área de Ciência da Informação: quem somos de onde viemos e para onde vamos”

Data: 15 a 21 de julho de 2012

Local: Belo Horizonte

Livro: Ciência da Informação e Literatura

Ciência da Informação e Literatura: práticas e reflexões transita por um vasto território que cobre das possíveis práticas abertas aos profissionais da informação, que queiram se envolver com a literatura, até reflexões sobre conceitos e autores __ sem estabelecer, entretanto, fronteiras e hierarquias entre uma coisa e outra. Desde a literatura infantil, passando por romance policial e literatura premiada, como os Nobéis, até a dramaticidade enigmática de Clarice Lispector e Franz Kafka, apresenta possibilidades para o cientista da informação abrir horizontes e renovar práticas, proporcionando, aos leitores, material para reflexão.


Fonte: http://www.grupoatomoealinea.com.br/livro.asp?livro_cod=8575165805

Museu Abílio Barreto oferece programação para festejar seus 69 anos

Data de publicação: 10/02/2012

Por Prefeitura de Belo Horizonte

O Museu Histórico Abílio Barreto (MHAB), instituição que guarda parte significativa da memória de Belo Horizonte, completa 69 anos no próximo dia 18 de fevereiro. Para celebrar a data, a Prefeitura preparou uma agenda especial de aniversário, que será oferecida ao público na terça-feira, dia 14, a partir das 17h. As atividades têm entrada gratuita. O museu fica na avenida Prudente de Morais, 202, no bairro Cidade Jardim.

A programação começa às 17h, com a abertura da exposição “De ribeirão a avenida: contornos de uma história”, instalada na ilha situada na confluência das avenidas Prudente de Morais e do Contorno. A exposição aborda o processo de criação da avenida Prudente de Morais, antes leito do Córrego do Leitão, que abriu caminho para lugares importantes para a memória da cidade, como os bairros Cidade Jardim, Coração de Jesus, Vila Paris, Luxemburgo, Morro do Papagaio, Santo Antônio, São Bento e Santa Lúcia. Na sua função de preservar memórias, o MHAB quer fazer recordar, nesse espaço, os percursos dessa história, que se inicia com a Fazenda do Leitão e estende-se aos dias de hoje.

Às 17h30, serão abertas duas pequenas mostras: “Pinacoteca MHAB” e “Peça do Mês”. A primeira exibirá, no hall de entrada do edifício-sede, uma tela do pintor Anibal de Mattos, produzida em 1940, em óleo sobre madeira, retratando a antiga “Fazenda do Leitão”, hoje Museu Histórico Abílio Barreto. A mostra “Peça do Mês”, instalada no mezanino, vai expor um conjunto de documentos administrativos e museológicos datados da inauguração do museu, em 1943, entre eles o termo de inauguração do então Museu Histórico de Belo Horizonte.

A inauguração do novo projeto de paisagismo e irrigação dos jardins do MHAB acontecerá às 18h30. Executado com recursos da Eletrobras, o projeto busca manter a unidade paisagística da área externa, levando em conta o projeto arquitetônico das duas edificações, o terreno e a arborização já existente. Desenhos ornamentais foram implantados nos canteiros dos jardins, utilizando plantas diversas, em um total de 12.660 unidades, com destaque para grama amendoim, hera inglesa, agapanto, maranata verde, dracena vermelha, beijinho americano, russélia, wedelia e íris da praia, entre outras. A revitalização desse espaço público de fruição, uma passagem ajardinada que integra a avenida Prudente de Morais às ruas Josafá Belo e Bernardo Mascarenhas, visa aprimorar a qualidade dos serviços prestados pela instituição por meio de um paisagismo que valorize a arquitetura do casarão colonial do século 19, bem como as linhas contemporâneas do edifício-sede. A proposta é adequar o espaço externo às ações educativas e às atividades culturais que integram a programação anual do museu, estimulando a interação da comunidade com a natureza e com o acervo histórico exposto na área externa.

A programação se encerra com a inauguração do projeto de iluminação dos jardins e dos dois edifícios que compõem o conjunto arquitetônico do museu, realizado com recursos da Associação dos Amigos do MHAB.

Fonte: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/noticia.do?evento=portlet&pAc=not&idConteudo=55529&pIdPlc=&app=salanoticias