Notícias

Tecnologia da Informação como instrumento para a gestão do conhecimento

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Rachel Leal da Silva

Na década de `90, o termo informática foi gradativamente substituído pela expressão “tecnologia da informação e comunicação” (TIC) que designa o conjunto de recursos tecnológicos e computacionais para a geração e uso da informação, abrangendo comunicação por redes de computadores, centrais telefônicas inteligentes, fibras óticas e satélites.

Durante toda a sua existência, a Embrapa teve o foco de suas pesquisas voltado para a produção de biomassa para alimentos e fibras. A nova realidade, protagonizada pela elevada demanda por energia renovável levou a empresa a incluir e priorizar em seu planejamento estratégico, pesquisas por geração de insumos energéticos a partir de biomassa, ou seja, a partir de fontes renováveis. Novos conhecimentos estão surgindo a partir destas pesquisas e processos e novas ferramentas estão sendo desenhados e utilizados visando dar suporte adequado à gestão destas informações.

A tecnologia da informação na Embrapa é resultado de um processo lançado no começo da década de 1970, por ocasião da criação da empresa. Naquela época a empresa dava os primeiros passos em relação a estruturar a sua rede de comunicação e informação.

O primeiro Plano Diretor de Tecnologia da Informação da Embrapa (PDTI 2010-2011) foi aprovado em 2010 e a estratégia para elaboração foi alinhar todas as ações de TI para atendimentos às diversas demandas da empresa em pesquisa, em administração, em comunicação e em negócios.

Na literatura de gestão da informação existe um consenso entre especialistas das mais diversas áreas de que as organizações bem-sucedidas no século XXI serão aquelas centradas no conhecimento, no fluxo intenso de informações e em pessoas capacitadas participando de decisões.

Continue lendo: http://www.cnpae.embrapa.br/destaque/destaque.2011-02-15.6338245626

Como organizar informações em um Portal Corporativo

Data de publicação: 14/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Olhar Digital

Nos últimos anos, com o crescimento exponencial dos dados armazenados em meio digital, as empresas se depararam com a difícil tarefa de gerenciar grandes volumes de dados e compartilhar informações e conteúdo por toda a organização de forma ágil e estruturada. Diante deste desafio, as empresas buscam por soluções tecnológicas  que  atendam uma visão de negócios orientada  pela estratégia da empresa  em organizar, consolidar, classificar e distribuir os diversos conteúdos de interesse de clientes, parceiros e funcionários aumentando a velocidade no processo de  tomada de decisão e usando o  tempo  destes usuários de maneira mais inteligente.
Sabe-se que em breve as estruturas empresariais não serão as mesmas; estruturas lineares e hierárquicas serão substituídas por estruturas interativas, a padronização de acesso a informações corporativas serão personalizadas para cada perfil de usuário. Tudo isto porque o uso da tecnologia intensifica-se a cada dia e os jovens que hoje utilizam blogs, mensagens instantâneas, redes sociais, etc para comunicar-se com amigos, organizar eventos e divulgar pensamentos utilizarão estas e outras tecnologias para executar, delegar e acompanhar suas atividades profissionais quando ingressarem no mundo corporativo.
Neste contexto, surge o portal corporativo, uma ferramenta que permite o acesso às informações consolidadas, em um formato útil e simples ao usuário, seja ele um cliente, parceiro ou funcionário da empresa. Servindo  como ponto único de acesso, o portal corporativo assume o papel de diversas ferramentas, tais como busca por conteúdo, gestão de documentos (repositório), business intelligence, fluxo  de trabalho/processos, entre outras, criando um centro aglomerador e distribuidor de conteúdo.
A identidade da empresa é representada, aos seus clientes na Internet, por seu portal corporativo. Sendo assim, este portal visa atender às demandas da Web 2.0, permitindo e estimulando a interatividade, ser colaborativo e  permitir  acesso pelos diversos dispositivos disponíveis (PCs, smartphones, Tablet PCs, etc). Também deve integrar de aplicações e personalização de conteúdo, bem como a geração e atualização de conteúdo por seus usuários. Suas funcionalidades devem ser acessadas de forma clara, amigável e intuitiva, atendendo  às expectativas  de usuários mais conservadores e também dos “nativos digitais”.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/negocios/digital_news/noticias/como_organizar_informacoes_em_um_portal_corporativo

Medir la influencia 2.0

Data de publicação: 01/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2010

Por JORDI SABATÉ

Diversos servicios permiten a usuarios y empresas conocer el grado de influencia que tienen en Internet

Los usuarios tienen una actividad en la Red muy similar a la que ejercen en el mundo físico y mayor de lo imaginado. En la sociedad no digital, sus conocidos les asignan un prestigio, escuchan sus opiniones y les toman más o menos en serio en función de su reputación. Lo mismo sucede en Internet y, sobre todo, en las redes sociales, donde cada vez está más claro que se debe cuidar qué se dice y qué se calla y se deben medir las palabras a fin de no perder influencia. No en vano determinadas empresas utilizan herramientas para medir la influencia 2.0 de los aspirantes a un puesto de trabajo y ponderar así su aptitud para el mismo. El usuario también dispone de una serie de soluciones que le pueden orientar sobre su situación cibersocial.

Ocho millones para medir reputaciones

Hace algo más de una semana, el blog del servicio de medición social Klout anunció con entusiasmo que acababa de cerrar una ronda de financiación por valor de 8,5 millones de dólares. Es mucho dinero para una pequeña plataforma que hasta ahora ha pasado desapercibida para la mayoría de los internautas, por lo que no está de más preguntarse qué tendrá de especial Klout. La respuesta es que mide con bastante detalle la reputación e influencia de las cuentas de usuario de Twitter.

Para ello, utiliza determinados algoritmos propios que le permiten saber el número de seguidores de una cuenta concreta y cómo influye sobre ellos, cómo reciben sus tweets y qué importancia les conceden. A partir de estos cálculos, propone una definición de la actividad del propietario de la cuenta y pormenoriza los logros a la vez que explica qué cosas le quedan por mejorar. Es decir, Klout realiza una consultoría automatizada de las cuentas de usuario.

Continue lendo: http://www.consumer.es/web/es/tecnologia/internet/2011/02/01/198268.php

Enseñar para la profesión o enseñar para la ciencia: ¿una falsa disyuntiva?

Data de publicação: 20/01/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Francisco Javier García Marco

UN PROBLEMA SERIO que se plantea hoy en día en la docencia universitaria es el debate entre enseñar para la disciplina o enseñar para la profesión, porque indudablemente ambas cosas son misión de la universidad y, aunque se retroalimentan, no se pueden reducir la una a la otra.

Durante muchos años, y salvando algunas carreras, el énfasis del profesor –y por tanto de la enseñanza, debido a su posición de liderazgo- ha estado claramente en la disciplina. Hoy en día entendemos con igual nitidez -y es uno de los puntos fundamentales del proceso de Bolonia- que el énfasis se ponga en la empleabilidad, esto es, en la incorporación a la profesión. La sociedad y la economía del conocimiento necesitan profesionales de alto nivel, de nivel universitario, capaces de detectar problemas y proponer soluciones; y la universidad debe contribuir a proporcionarlos.

La formación para la empleabilidad y el énfasis en los aspectos técnicos es fundamental en biblioteconomía y documentación. Las actividades de información y documentación son, en una parte muy importante, de carácter técnico, y por ello en los recientes planes de estudio se han primado los contenidos de este tipo. Por otra parte, el énfasis en la enseñanza práctica como contrapunto a los excesos de la docencia solamente teórica, han llevado a concentrar los esfuerzos en el manejo de programas y la aplicación de modelos y técnicas. Se trata de tendencias positivas, pero que también tienen su coste.

Aunque todo es deseable, no todo es alcanzable a la vez con los recursos disponibles. El problema que se plantea ahora es si no habremos caído sin querer en un nuevo desequilibrio, sólo que de dirección contraria. El aprendizaje de los aspectos más abstractos de las disciplinas científicas es el camino para un pensamiento creativo y crítico, absolutamente necesario para ejercer la actividad profesional en la sociedad del conocimiento, en la que las tareas repetitivas son cada vez más ejecutadas por autómatas y lo que se necesita son personas que dirijan esa extraordinaria fuerza de producción que la informática y la automática ponen a nuestro servicio.

Continue lendo: http://www.thinkepi.net/ensenar-para-la-profesion-o-ensenar-para-la-ciencia-una-falsa-disyuntiva

La responsabilidad social es responsabilidad de todos Actualizado Jueves

Data de publicação: 17/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Anna Carballo

La Responsabilidad Social es una actitud y como tal, nace de las personas. Tener empresas responsables depende en gran medida de que las personas que las forman tomen decisiones y actúen con esta actitud responsable.

Teniendo en cuenta que la Responsabilidad Social se debe tratar de manera transversal y por tanto, como base de la estrategia empresarial, tendrá cabida en todos los departamentos de la organización y en todas las acciones que se lleven a cabo. Es importante que se impulse desde la dirección de la empresa u organización, pero es imprescindible la involucración y participación de todas las personas que tienen relación con la empresa, no sólo los trabajadores de la misma,  sino que hay que tener en cuenta a todos los grupos de interés (clientes, proveedores, consumidores, comunidad,…) y por ello una de las primeras tareas, además de un interesante ejercicio de reflexión, será identificarlos a todos ellos para poder hacerlos participar del proceso de desarrollo e implantación de la Responsabilidad Social en la propia organización.

Si nos detenemos en las mejoras que se refieren a las políticas de Recursos Humanos, una medida de RS a aplicar es sin duda la integración laboral de colectivos en riesgo en exclusión social. En muchas ocasiones nos encontramos con empresas que, a menudo por desconocimiento, no tienen en cuenta los beneficios que la contratación de este tipo de colectivos puede reportarles

Puesto que una de las responsabilidades que tiene le empresa es para con sus accionistas, hablemos de beneficios para ésta en materia de Responsabilidad social y su aplicación:

•Contratar a una persona con el perfil adecuado: en el caso que la empresa solicite perfiles profesionales a entidades sociales con departamentos de inserción laboral, se garantiza que la selección de candidatos se ajustará a personas que cumplan el perfil específico que la empresa necesita y además facilitan un seguimiento de la persona durante un período en que se evalúa no sólo el buen desarrollo del empleado en su trabajo, sino también la satisfacción de la empresa que le recibe.

Continue lendo: http://rrhhdigital.com/ampliada.php?sec=46&id=75046

Web 3.0 será uma realidade em breve, diz pesquisador

Data de publicação: 16/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Pesquisa Mundi

Uma palestra que chamou a atenção dos participantes do TEDxRio, evento de tecnologia, conhecimento e multiplicador de boas ideias, na tarde desta terça-feira, foi a do cofundador da Cortex Intelligence e coordenador do CortexLabs, núcleo de pesquisa e inovação do Rio de Janeiro referência internacional na área de Web 3.0, Web Semântica e Inteligência Artificial, Christian Aranha.

“Estamos dentro da próxima onda da internet, a Web Semântica, que nada mais é do que o computador em um nível no qual a máquina por si só começa a interagir com outra máquina, que atingem um nível de inteligência e começam a conversar entre si e trocar informações”, diz Chistian, explicando o trabalho que desenvolve na área da internet.

Ele mesmo diz que pode parecer “loucura” mas este é o futuro. “A Web 3.0 será uma realidade em breve, acredito que antes de 2020, teremos os computadores oferecendo e fornecendo um serviço mais aprimorado para o homem, algo diferente da interação atual, 2.0, humanos x humanos”, afirma.

Para Christian, o Brasil ainda está longe da realidade da Web 3.0. “Aqui não tem nada, ela ainda irá existir. O Tim Berners-Lee promete isso há dez anos e nada aconteceu. É fato que teremos o controle, mas essa nova tecnologia não se dará pelo humano e sim pelos computadores, na comunicação entre eles. Um bom exemplo é o de que não navegaremos por páginas, e sim por informação. O novo Google não te levará a uma link, e sim à informação contida naquele site, o que de fato você procura”, diz.

Continue lendo: http://pesquisamundi.blogspot.com/2011/02/web-30-sera-uma-realidade-em-breve-diz.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Alfabetización digital:nuevas tecnologías para todos

Data de publicação: 16/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Alba Arnau

La obsolescencia no es un mal que afecta sólo a los aparatos. También las personas nos quedamos obsoletas cuando no nos preocupamos de conocer cuales son las novedades tecnológicas que aparecen a nuestro alrededor. Y para ello es de vital importancia desterrar la idea de que las novedades digitales y tecnológicas son terreno de jóvenes y adolescentes.

Los avances en estos sectores buscan mejorar la vida de todas las personas, independientemente de la edad que tengan. La Web 2.0, Internet o las redes sociales no entienden de edades cuando por encima de esto prima el interés y las ganas de aprender.

Hoy en día las herramientas que se diseñan para el uso doméstico son muy intuitivas, y a poco que tengamos tiempo para experimentar podemos aprender a utilizar rápidamente muchos programas de diversa índole y aprender a movernos como pez en el agua entre las comunidades virtuales.

Sin embargo hoy en día la cantidad de dispositivos, herramientas o programas que nos pueden ser útiles sobretodo en nuestro lugar de trabajo, para ser más productivos o realizar mejor nuestro cometido, son infinitas. Es en estos casos cuando es mejor confiar en la experiencia de personas cualificadas y buscar algún tipo de formación que nos permita ampliar nuestros conocimientos en estas materias.

Hacer una relación de los cursos de formación que podemos hacer es a la vez que inviable, desproporcionado, y es que en esta sociedad tecnológica existen tantas especializaciones y concreciones que no acabaríamos nunca de enumerarlas. Lo que si podemos es delimitar los campos en los que conviene bucear para no quedarse fuera de línea.

Continue lendo: http://noticias.iberestudios.com/alfabetizacion-digital-nuevas-tecnologias-para-todos/?sms_ss=twitter&at_xt=4d5bdf25f3cca0c0,0

Políticas públicas potencializam conhecimento científico

Data de publicação: 15/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por ENSP

“A adoção de políticas públicas destinadas a relacionar aspectos da política econômica e da política social, associada ao progresso científico e tecnológico no setor saúde, impulsiona o desenvolvimento nacional para o centro da agenda governamental, revelando-se como indutora de movimentos que busquem a integração entre lógica econômica e lógica sanitária”, foi umas das conclusões de Mirian Cohen, na tese de doutorado Produção Científica e Inovação na Gestão do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária: Rede de Autorias e Complexo Industrial da Saúde (1999-2009), defendida no Programa de Saúde Pública da ENSP.

Orientado pela pesquisadora Regina Bodstein (DCS/ENSP), o estudo identificou ainda que não há uma rede integrada de produção de conhecimento científico, e sim uma formação de comunidades locais, que, por sua vez, são restritas, mas claramente identificáveis. A pesquisa teve como objetivo refletir sobre a produção científica em vigilância sanitária e sobre o destaque conferido ao conhecimento científico na gestão do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS), mediante a necessidade de adesão à agenda política governamental, com foco no fortalecimento do complexo industrial da saúde e sua missão de promover e proteger a saúde.

O estudo também propôs identificar, classificar e analisar a produção científica no campo da saúde pública, especificamente em Vigilância Sanitária, bem como analisar a rede de atores estratégicos na formulação científica da área de vigilância sanitária, identificando as conexões entre eles, as instituições de origem e a formação da rede de produção científica.

De acordo com Mirian Cohen, para o desenvolvimento da pesquisa, foi utilizado um método hipotético dedutivo, que consiste em perceber uma lacuna nos conhecimentos, formular uma hipótese e, pelo processo dedutivo, testar a predição da ocorrência do fenômeno. Nesse processo, privilegia-se o modelo de análise e as variáveis propostas pelos autores Souza e Contandriopoulos (2004) para avaliação da utilização do conhecimento científico no processo decisório (acessibilidade, disponibilidade, validade, características do contexto científico).

Continue lendo: http://www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/materia/index.php?origem=9&matid=24207

Cloud computing: una solución que te puede ayudar a esquivar la crisis

Data de publicação: 15/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Cotizalia

Está claro que uno de los sectores que medianamente se están salvando de la quema de la crisis es el tecnológico. Mientras muchos negocios basados en la vida offline caen al vacío sin esperanza siquiera de recuperación, la tecnología ha pasado de ser un complemento a ser la salvación para muchas empresas.

Lo malo de que un subsector aumente su éxito y su reputación es que, a menudo, estos dos factores no vienen asociados a un aumento proporcional de las ventas. Y es que si tenemos una empresa que desarrolla tecnología podemos hacer aplicaciones verdaderamente fascinantes, pero, ¿de qué nos sirve si nuestros potenciales clientes apenas tienen dinero para invertir?

Al hilo de este dilema entra en juego uno de los subsectores más en alza, el cloud computing, también conocido como la nube. Lo bueno del cloud computing es que es una tecnología que, incluso en tiempos de crisis, puede reportar grandes beneficios tanto al que la desarrolla como al que la consume.

En el primer caso la ecuación está clara: si vendemos cloud computing a las empresas, nuestros beneficios aumentarán exponencialmente. Además, es un servicio en claro auge. La consultora Frost & Sullivan hizo el año pasado un informe que aseguraba que el mercado de la nube aumentará su tránsito en un 80% a lo largo de 2011. Unas previsiones demasiado jugosas como para dejarlas escapar fácilmente.

Continue lendo: http://www.cotizalia.com/emprendedores/2011/cloud-computing-solucion-tanto-ofrece-recibe-20110215-64970.html

EL USUARIO 2.0 COMO CENTRO DE LA ESTRATEGIA ONLINE

Data de publicação: 14/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Alberto Alcocer

Son muchas las ocasiones en las que hemos hablado ya del usuario 2.0 como “rey de internet” o como “el que tiene el poder, el que manda, el que decide”. Y aunque estas dos frases queden quizás excesivamente destacadas, reflejan lo que está ocurriendo en la actualidad en la estrategia empresarial. El cliente se ha convertido en el centro de los negocios por lo que cualquier estrategia que se plantee (sobre todo en internet), tiene que estar orientada hacia el usuario.La aparición de la web 2.0 trajo consigo un modelo de negocio basado en la interacción, en la dinamización y la creación de contenidos, en la relación de tú a tú entre las páginas webs (empresas) y los usuarios 2.0 (clientes). Y además, con la aparición de las redes sociales, asomaron también de forma muy marcada la proactividad y la prescripción  en otros, rasgos, a fin de cuentas, muy característicos del usuario 2.0

Entender cómo es el usuario 2.0 en la actualidad es fundamental si queremos tener presencia activa en internet, bien sea mediante una página web o mediante actividad en las redes sociales. Entender qué es lo que quiere y cómo lo quiere nos permitirá adelantarnos a sus búsquedas para ser capaces de ofrecerle algo distinto, único, algo que le haga sentirse especial. Un algo llamado valor añadido y que posiblemente marcará la diferencia entre el éxito y el fracaso en la venta online.

¿Y cómo es el usuario 2.0?

En primer lugar, exigente. La inmensa cantidad de información existente en internet ha fomentado que cada vez más, los usuarios busquen en multitud de sitios antes de comprar un producto o servicio. Aquella máxima televisiva que rezaba “busque, compare y si encuentra algo mejor, cómprelo” es la mejor expresión de la realidad en internet.

Continue lendo: http://www.societic.com/2011/02/el-usuario-2-0-como-centro-de-la-estrategia-online/

Esquemas de ação de Piaget

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Elisângela Fernandes

O bebê explora, põe tudo na boca, descobre novos objetos. A menina brinca de casinha, o menino representa uma corrida com seus carrinhos de brinquedo. Um pouco mais tarde, ambos voltam a atenção às regras de conduta e moralidade. Já o adolescente, mais reflexivo, é capaz de construir argumentos para rebater os dos pais e planejar o próprio futuro. São formas diferentes de interagir com o mundo, que vão se tornando mais complexas à medida que o indivíduo cresce. Na obra de Jean Piaget (1896-1980), esses mecanismos recebem o nome de esquemas de ação e são considerados o motor do conhecimento.

Há inúmeras possibilidades de esquemas de ação (leia um resumo do conceito na última página). Mamar, sugar, puxar e prender são esquemas comuns no desenvolvimento da inteligência sensório-motora (em média, até 2 anos de idade). Imitar, representar e classificar é típico da inteligência pré-operatória (aproximadamente de 3 a 7 anos), assim como ordenar, relacionar e abstrair caracteriza o período operatório-concreto (de 8 a 11 anos). Já argumentar, deduzir e inferir aparece na estruturação da inteligência operatória formal (a partir dos 12 anos). É com base nesses esquemas que as pessoas constroem as estruturas mentais que possibilitam o aprendizado (leia um trecho de livro sobre o assunto no quadro da próxima página). “Inicialmente, isso se dá com a experiência empírica, concreta. Em seguida, conforme a criança vai se desenvolvendo, ela caminha em direção ao pensamento formal, abstrato”, explica Agnela da Silva Giusta, professora de Ensino de Ciências e Matemática da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG).

As pesquisas científicas de Piaget sobre as características do pensamento infantil receberam a contribuição de importantes acontecimentos em sua trajetória pessoal. Entre 1925 e 1931, nasceram seus três filhos, ponto de partida para uma etapa de observação de seus comportamentos. Após uma criteriosa análise dos dois primeiros anos de vida dos bebês, Piaget chegou à conclusão de que a inteligência se desenvolve desde o nascimento – e não com o surgimento da fala, como era comum pensar até o início do século 20.

Continue lendo: http://revistaescola.abril.com.br/formacao/formacao-continuada/esquemas-acao-piaget-sujeito-epistemico-jean-617999.shtml

Cinco melhores práticas para teste e desenvolvimento em cloud computing

Data de publicação: 13/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por James Staten

O barulho em torno da computação em nuvem é inegável, especialmente quando relacionado a como o conceito ajuda a economizar dinheiro nas organizações. Mas, infelizmente, o barulho desenha um quadro muito genérico de corte de custos que não corresponde à realidade.

Depois de incontáveis visitas a clientes, está se tornando mais claro para a Forrester que um retorno sobre investimento positivo da cloud computing não pode ser obtido de qualquer maneira, já que os benefícios da tecnologia variam de acordo com a aplicação e com a finalidade. A realização de testes e o desenvolvimento na nuvem estão entre as atividades que podem ser muito beneficiadas.

Um dos fundamentos da infraestrutura como serviço é o de que a plataforma oferece um ambiente virtual que é padronizado e automatizado para ser facilmente consumível por diferentes pessoas ou departamentos, com menos intervenção dos profissionais de TI. As plataformas públicas e privadas de nuvem medem consumo de recursos, dentro de um modelo que leva à mudanças no padrão e ao consumo consciente, fazendo com que as unidades empreendam seus próprios esforços para a redução de custos. Esse é um conceito crucial para entender mais a nuvem.

Pergunte ao gerente do laboratório de testes sobre os desafios que ele enfrenta. A reclamação mais comum, provavelmente, será sobre o excesso de exigência dos desenvolvedores e o tempo que é desperdiçado configurando e desmontando ambientes de desenvolvimento para eles.

Continue lendo: http://cio.uol.com.br/gestao/2011/02/13/cinco-melhores-praticas-para-teste-e-desenvolvimento-em-cloud-computing/

A política do bloqueia tudo funciona?

Data de publicação: 11/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Denny Roger

A ideia de escrever este artigo nasceu de uma conversa com a minha esposa, durante as últimas férias de verão, onde nossos filhos aproveitaram parte do tempo livre para uma visita ao nosso escritório. O tema “segurança da informação” surgiu quando a minha esposa fez uma observação curiosa a respeito do conteúdo que o meu filho de apenas 8 anos estava tentando acessar na internet: pornografia.

“Vamos bloquear tudo nos computadores para que ele não tenha acesso a este tipo de conteúdo”, disse a minha esposa. Na hora lembrei dos executivos que levam quase tudo na emoção. Por exemplo, a organização identifica que um colaborador, funcionário ou prestador de serviços, está burlando a política de segurança da informação ou as normas internas. Vamos imaginar que este colaborador realiza acessos, constantemente, a sites não relacionados aos negócios da empresa – fotos das musas do carnaval, receitas de culinária, sites de relacionamento etc. O executivo resolve aplicar uma medida disciplinar para que todos na organização saibam que este tipo de comportamento não será tolerado. Porém, o executivo esqueceu que antes de tudo isso é necessário a implantação de campanhas de conscientização sobre segurança da informação e o código de conduta.

Expliquei para a minha esposa que essa estratégia do “bloqueia tudo” não funciona. “Pelas condições atuais, onde as crianças acessam com mais facilidade qualquer tipo de conteúdo na internet, como você pretende resolver este problema?”, perguntava ela. Fazendo uma analogia, expliquei que não adianta colocar um controle sem um processo definido. Traduzindo para uma linguagem mais simples:

Campanha de conscientização

A primeira etapa era explicar para o nosso filho que é proibido acessar conteúdo pornográfico antes dos 18 anos (tenho certeza que você está rindo agora mas é exatamente isso que está descrito nos sites com conteúdo adulto).

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/blog/mente-hacker/2011/02/11/a-politica-do-bloqueia-tudo-funciona/

Isaac Mao: “Las redes sociales son el arma definitiva para acabar con la censura”

Data de publicação: 10/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Daniel Glez

En 2002 Isaac Mao se convirtió en el primer bloguero de China y no tardó en simbolizar la lucha contra la censura que el gobierno aplica en Internet. Mao recibió una gran atención mediática a raíz de una carta en la que criticaba el cambio de política de Google en China, que comenzó a someterse a las presiones y restricciones del régimen. En la actualidad, el bloguero da conferencias por todo el mundo hablando sobre la cultura de Internet libre. Durante una visita a Madrid para dar una de sus charlas, Mao concedió a 20minutos.es una entrevista en la que, pese a la seriedad del tema, demostró una gran simpatía y buen humor

¿Qué mecanismos utiliza el gobierno Chino para aplicar la censura en Internet?

Existen dos niveles de censura en China. El primer nivel es muy técnico. Tenemos la más gigantesca infraestructura para impedir que la gente pueda acceder a contenido de fuera del país, especialmente a contenidos de tipo político. Lo mismo sucede con sitios web como Twitter, Facebook o YouTube, que están bloqueados en China. El filtro también afecta a una serie de palabras clave que chocan contra ese gran firewall que intenta controlar a 400 millones de internautas chinos.

El otro nivel  es más doméstico.  El sistema emplea muchos recursos humanos. Hay alrededor de 100.000 personas en todo el país contratadas para monitorizar conversaciones, revisar publicaciones y controlar a la gente de diversas maneras.

¿Cuáles son los principales motivos que llevan a China a censurar contenidos?

El sistema de censura no es transparente, tiene reglas ocultas dirigidas tanto a las compañías de Internet como a los usuarios. Las reglas ocultas pueden definirse como una lista de términos clave que no pueden publicarse en la Red. Cualquier contenido en el que aparezcan esas palabras puede ser censurado.  Esto afecta incluso al texto de nuestra constitución, que tiene un hermoso artículo que habla sobre la democracia, la libertad y demás. Si publicas el contenido íntegro de la constitución en una web, éste puede ser eliminado ya que choca contra el muro de la censura.

El sistema de censura  tiene reglas ocultas dirigidas tanto a las compañías de Internet como a los usuarios

Esas reglas ocultas, que afectan a empresas y particulares por igual, generan miedo en la gente. Ellos no tienen el suficiente valor para publicar determinados contenidos. Creo que el motivo por el que el gobierno despliega todos esos medios es para evitar que la gente hable demasiado sobre cuestiones políticas, sobre cuestiones sociales, sobre la historia y los errores del partido comunista o sobre la revolución cultural.

Continue lendo: http://www.20minutos.es/noticia/955041/0/entrevista/isaac/mao/

Las empresas que integran las tecnologías 2.0 obtienen mayores beneficios

Data de publicação: 28/01/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Roberto Carreras

Una reciente encuesta de McKinsey, realizada entre 3.249 ejecutivos de distintas serie regiones, industrias y áreas funcionales, concluye que las empresas que utilizan intensamente la web 2.0 obtienen una mayor cuota de mercado y mayores ingresos que el resto. Investigación nueva encuesta de McKinsey concluye que las empresas que utilizan las distintas herramientas 2.0 intensamente obtener una mayor cuota de mercado y mayor margen de beneficios.

El estudio muestra la realidad en cuanto a la variedad de estructuras organizativas y unidades de gestión de las herramientas 2.0 dentro de las empresas, lo cual responde al impacto que tienen en todo el modelo de negocio. El 61% de los encuestados afirma como es el departamento de Tecnología el que se encarga de supervisar el uso de estas herramientas de forma interna, quizá más su implementación; mientras que las iniciativas surgidas hacia el cliente son dirigidas en el 74% de los casos por los departamentos de Marketing.

El estudio refleja como la naturaleza social de la mayor parte de la tecnología relacionada con Internet obliga a las empresas a una mayor interacción con el mundo exterior. Este es el verdadero cambio al que la empresa debe hacer frente, la apertura que ya mencionase Don Tapscott en su libro Wikinomics. Para hacer frente a este cambio, un 51% de los encuestados señala como sus empresas han adoptado políticas de participación formal (Social Media Policy) en la web social. Sin embargo, siguen siendo pocos los empleados que están autorizados a hablar en nombre de la empresa.

Continue lendo: http://robertocarreras.es/las-empresas-que-integran-las-tecnologias-2-0-obtienen-mayores-beneficios/?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+RobertoCarreras+%28Roberto+Carreras%29&utm_content=Google+Reader

Computação em nuvem: preocupação para TI, festa para os usuários

Data de publicação: 14/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por PC World/EUA

O que a nuvem tem a oferecer para os usuários “normais” – aqueles sem ou com pouco conhecimento técnico – pode superar em muito os supostos riscos.

A preocupação dos CIOs com a segurança dos dados na nuvem é justificada. Ainda assim, o modelo de computação em nuvem faz total sentido.

Existem muitas pessoas com uma visão crítica acerca da computação em nuvem e, provavelmente, sou uma delas. Ocorre que fatos importantes estão mudando minha maneira de pensar sobre o assunto.

Experimente apreciar outras características dessa plataforma e investigar o que, afinal de contas, a nuvem significa para uma miríade de pessoas – longe dos executivos e dos CIOs.

Para um público com pouca intimidade em TI, a nuvem oferece vantagens relevantes.  Quem nunca passou por uma situação e que há perda de documentos ou de dados importantes por causa de uma queda repentina no fornecimento de energia?

Suítes de produtividade online, como o Google Docs e o Microsoft Office Web Apps, tornam impossível perder um documento, pois os arquivos são salvos automaticamente a cada poucos segundos. Além disso é possível voltar ao estado anterior de uma planilha ou de um documento texto.

Salvar, o que é isso?
O mais interessante nesse modelo de funcionamento é que os usuários não precisam ter noção do que vem a ser “salvar” um arquivo. Não existem mais a necessidade de saber isso. O mesmo vale para tipos de sistemas de arquivos – ninguém precisa se preocupar com esse detalhe quando opera no modelo de computação em nuvem.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/telecom/2011/02/09/computacao-em-nuvem-preocupacao-para-ti-festa-para-os-usuarios/

Videos científicos 2.0: reinventando las formas de comunicación científica

Data de publicação: 07/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Fernando Gabriel Gutiérrez

Me pregunto si la ciencia, un campo del conocimiento que hace hincapié en la palabra impresa, está siendo afectada por la imagen y por las tecnologías de la web social. Así que me he puesto a buscar animosamente espacios web dedicados a la difusión de ideas científicas en formato video.  He encontrado varios, pero quiero recomendar tres: Scivee, JoVe y Sciencie Hack. Los tres tienen mecanismos de evaluación del material que presentan por autoridades de cada una de las disciplinas de las que trabajan. Es indudable que la calidad de los materiales es altísimo, aunque en el segundo muchos de los videos artículos se presenten en Acceso Abierto o Open Access. En los dos primeros para ingresar a su plataforma hay que registrarse para convertirse en miembros y poder acceder en la totalidad de los videos.

Scivee

Tiene entre otros respaldos al paladín del Open Acces: PLoS.Scivee es un sitio web científco donde investigadores pueden subir, ver y compartir ciencia en clips de video y difundir literatura científica, poster y diapositivas. Cualquier video sincronizado con alguna publicación escrita, lo llaman en este sitio “pubcast”, y además dan la posibilidad de añadir material audiovisual a los artículos. Incluso, el científico puede subir un podcast (audio web) contando la experiencia o un concepto. También se pueden encontrar videos de clases, conferencias, prácticas de laboratorio que convierten a Scivee en una colección interesante de buscar material diverso. La inscripción es gratuita para acceder a un espacio donde construir comunidad, además de compartir videos. Este sitio es el más parecido a Youtube a nivel científico.

Journal of Visualized Experiments

JoVe sería algo así como sinónimo de “publicación de experimentos visualizados”, y básicamente eso es exactamente lo que ofrece. Un nuevo concepto que trata de casarse con la presentación de informes científicos con vídeo. Piense en un artículo de revista típica descripción de un protocolo o un experimento, y ahora imagino que puede ver realmente el investigador realice los experimentos en el vídeo. Este es el formato JoVe utiliza para informe de investigación científica, y puesto que es también está indexados en PubMed.

Continue lendo: http://tecnomareados.blogspot.com/2011/02/videos-cientificos-20-reinventando-las.html

Herramientas sociales y Unidades de Información

Data de publicação: 07/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Julián Marquina

¿Conocemos realmente cuales son las principales herramientas en medios sociales?… ¿y nuestros usuarios las conocen?… Mucho hemos hablado ya de los Community Manager dentro de las Unidades de Información y si son realmente necesarios los Medios Sociales en nuestras organizaciones… pero aún no nos hemos metido en qué herramientas podemos utilizar y cuáles pueden ser las más efectivas para nuestra entidad.

En el panorama actual podemos encontrar muchísimas herramientas que nos permiten interactuar (y estar en contacto) con las personas. Ahora bien, ¿tengo que utilizar todas las herramientas para llevar al éxito a mi organización?… la respuesta, en la mayoría de los casos, es un NO rotundo… A la hora de gestionar nuestra presencia en los Medios Sociales debemos analizar qué herramientas son las mejores para el objetivo que queremos cumplir y a qué personas nos vamos a dirigir

Como estrellas de la fiesta de los Medios Sociales, ahora, podemos encontrar Facebook y Twitter por encima del resto… aunque no debemos olvidar viejas glorias y que siguen dando muchísima efectividad a las campañas que queramos poner en marcha (o que ya tengamos en funcionamiento), como son: blogs, foros, wikis, listas de distribución

En ocasiones se presupone que todo el mundo (nuestros usuarios offline) conocen estas herramientas y lo primero que van a hacer al llegar a casa es hacer un “Me gusta” en nuestra página de Facebook de la biblioteca o un “follow” a nuestro perfil de Twitter de nuestro archivo. Podemos caer en un grave error si no tenemos esto en cuenta. Debemos entender que esto se hace para las personas y que sin ellas al otro lado todo lo trabajado en los medios sociales nos va a servir para bien poco.

Continue lendo: http://comunidad20.sedic.es/?p=375

Ideas para la innovación

Data de publicação: 07/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Rebeca Hernandez

Hace unas semanas estaba delante de la tele viendo un documental sobre Arzak, el cocinero vasco. Y de repente me dio la clave para la temática de este post. Estaba enseñando las instalaciones de su restaurante en San Sebastián y llegó a un lugar al que se refirió como “Banco de Sabores”. Este sitio era un almacén de más de 1.500 productos traídos de los lugares más recónditos del mundo, que se encontraban convenientemente etiquetados y ordenados. Además, añadió que para poder localizarlos había creado (junto a su hija y el resto del equipo que trabaja en la empresa) una pequeña base de datos sobre todos esos ingredientes con información adicional sobre el origen, el sabor, la textura y sus posibles mezclas. Sin duda es una fuente de inspiración y un lugar donde las ideas se pasean libres entre los fogones.

Viendo eso, le di la vuelta a la tortilla (nunca mejor dicho en este contexto) y rápidamente pensé que se trataba de un claro ejemplo de gestión de la información y del conocimiento con un fin bastante concreto: la innovación. Con estos parámetros me he puesto a investigar y he encontrado los Bancos de Ideas, que están bastante extendido en diferentes sectores.

Las aplicaciones de los bancos de ideas son de lo más variadas. He encontrado bancos de ideas en comarcas que buscan que sus habitantes se impliquen en el desarrollo de la región aportando ideas innovadoras y que gracias a esa creatividad se consigan beneficios en cuanto a avances tecnológicos, laborales, etc; iniciativas públicas promovidas por organismos dedicados a la innovación en la agricultura, en el turismo, etc: BIC Galicia o RedLabora; parques tecnológicos que buscan que entre sus empresas se produzcan sugerencias que les preparen para los posibles cambios en un futuro; colectivos de artistas hacen tormentas de ideas que recogen en bases de datos para promover la creatividad en el ámbito cultural o social.

Continue lendo: http://www.biblogtecarios.es/rebecahernandez/ideas-para-la-innovacion?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Na “Intranet 2.0″, é a informação que busca você

Data de publicação: 14/01/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Ricardo Saldanha

Virada de ano é sempre momento de falarmos sobre tendências. O que o futuro nos reserva, afinal? No mundo das intranets e portais corporativos 2.0, uma das principais é a “disseminação seletiva da informação” – contraditoriamente, algo um tanto antigo, mas que nunca foi tão atual quanto hoje.

Afinal, no universo corporativo, em nosso trabalho diário, lidamos com uma massa absurda de informações, como nunca antes. Encontrar a agulha no palheiro significa alcançar o “just in time da informação”, que deveria estar facilmente acessível. Mas… como?

Aposto que muitos leitores pensarão que a solução está numa potente ferramenta de busca. Mas isso não basta (embora seja importante). Implica em você saber o que quer encontrar. E implica em esforço – ou seja, o ônus de achar a informação relevante ainda é seu, mesmo que facilitado parcialmente pela tecnologia.

Mas a tendência é que as intranets e portais corporativos avançados estejam um passo a frente da sua necessidade. Isso mesmo: estamos falando de um ambiente “inteligente“, que deduz o que você precisa e se torna pró-ativo, empurrando para você o que é relevante (segundo o processo em que está atuando e o seu papel na organização, por exemplo). É a onda “push“, baseada em categorias, algoritmos e, sobretudo, em uma lógica probabilística (típica da web 2.0).

Complicado? Nem tanto: quando você consulta um produto numa loja virtual e ela te informa “quem comprou isso comprou também”, tudo isso está acontecendo nos bastidores. Baseado na navegação e nas ações dos demais usuários, o sistema deduz que seu comportamento pode ser similar ao de outros e sugere itens que provavelmente podem te interessar. Sem que você tenha pedido nada – de forma pró-ativa, portanto. Mais “push”, impossível.

Continue lendo: http://www.hsm.com.br/blog/2011/01/na-intranet-2-0-e-a-informacao-que-busca-voce/

O conhecimento e o cubo mágico

Data de publicação: 01/01/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/03/2011

Por Rivadávia Drummond

Tablet de menos de 1kg vira caderno, livro e apostila de alunos no Brasil

Data de publicação: 09/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/03/2011

Por Laura Brentano

Instituições de ensino no país substituem as apostilas por tablets.

Professores e alunos também trocam livros por equipamento próprio.

A extensa lista de material escolar no início do ano letivo está sendo substituída por um único item. No lugar da mochila abarrotada de livros, cadernos e lápis, um computador portátil de menos de 1 kg reúne todas as necessidades do aluno e começa a fazer parte do ambiente escolar. É uma das mudanças proporcionadas pela revolução dos tablets, formato que promete substituir a maioria dos notebooks e desktops nos próximos anos.

“A minha ideia é usar o iPad para fazer anotações e substituir o caderno. Acho a minha letra muito feia, nem eu entendo, às vezes”, conta Samuel Silva, de 15 anos, que está no 2º ano do Ensino Médio do Colégio Batista Mineiro, em Belo Horizonte (MG). “Para as aulas de Física e Matemática, vou comprar um caderno tradicional, já que fica muito ruim fazer gráficos usando o dedo”, disse Samuel, que comprou o iPad no dia do lançamento do tablet da Apple no Brasil, em dezembro.

“Em 2010, eu já usava o iPhone para a minha organização escolar. Não uso agenda há dois anos. Pretendo substituir os livros de literatura pelo iPad também”, conta o estudante, que está lendo “1984”, de George Orwell, no tablet. Samuel já conseguiu autorização da coordenadora da escola para usar o equipamento em aula. “Descobri outros dois alunos do colégio que também estão usando iPad”.

Continue lendo: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2011/02/tablet-de-menos-de-1kg-vira-caderno-livro-e-apostila-de-alunos-no-brasil.html

A Wikipedia e o trabalho colaborativo

Data de publicação: 10/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/03/2011

Por Cezar Taurion

Em 15 de janeiro de 2011 o Wikipedia fez 10 anos. É, até aqui, um dos melhores exemplos da Web 2.0 e é o quinto site mais visitado da Internet.  No ano passado, foi acessado por mais de 400 milhões de pessoas em busca dos seus 19 milhões de verbetes, em 270 idiomas.

O reconhecimento de sua importância pelos internautas pode ser comprovado pelo sucesso na obtenção, em 2010, de 16 milhões de dólares, via doação, em apenas oito semanas, para se manter operando de forma independente. Mas, outro dia, estive debatendo o Wikipedia com alguns colegas e professores universitários, e eles me disseram que no meio acadêmico não existe um consenso sobre seu uso. Aliás, existem extremos de opinião que variam do “incentivo meus alunos” a “proíbo meus alunos” de pesquisar na Wikipedia.

Apesar de numerosos papers mostrando a qualidade de seu conteúdo, que podem ser acessados a partir de http://en.wikipedia.org/wiki/Reliability_of_Wikipedia, a desconfiança ainda existe. Na minha opinião, a Wikipedia não deve ser usada como única fonte de informação para qualquer estudo ou projeto de pesquisa acadêmica, mas com certeza ele pode ser um bom ponto de partida.

Que tal pensarmos nos estudantes usarem a Wikipedia de outra forma, não apenas como consumidores passivos de seu conteúdo? Que tal pensarmos na Wikipedia não como uma enciclopédia, mas como uma comunidade vibrante de geração e troca de conhecimento?

Continue lendo: http://computerworld.uol.com.br/blog/tecnologia/2011/02/10/a-wikipedia-e-o-trabalho-colaborativo/

Facetas profesionales dentro de un todo: el entorno audiovisual

Data de publicação: 12/01/12

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/03/11

Por Eugenio López de Quintana

Existe desde hace algún tiempo un debate abierto acerca de la necesidad de redefinir el perfil profesional de los gestores de información sobre los nuevos parámetros de accesibilidad y hábitos de consumo surgidos en torno a los contenidos digitales.

En estos planteamientos a menudo se hace evidente la dificultad de aplicar criterios comunes a los diferentes colectivos del sector en función del ámbito organizacional o temático en el que éstos desarrollan su actividad.

El debate es en última instancia identitario, y en este sentido el contexto laboral de determinados entornos institucionales, como pueden ser por ejemplo los de las bibliotecas públicas y académicas o el de los archivos históricos, contribuye a preservar la identidad original de los gestores de información al menos en su componente nominal, evidentemente sin renunciar a la evolución lógica de toda actividad profesional.

Sin embargo no ocurre así en otros ámbitos como por ejemplo en la documentación de empresa, donde las fronteras de la gestión de información están menos definidas y aún se diluyen más a medida que los documentos se van progresivamente desasociando de los soportes físicos, y donde la denominación de la categoría profesional es muy reciente y no tiene un carácter tan universal. Un estudio de la Special library association citado recientemente por Tomàs Baiget (2010) cifra en más de 2.000 los términos diferentes con los que sus socios se autodenominan.

Es preciso por tanto fragmentar por sectores estas reflexiones sobre el futuro de los profesionales de la información en nuestro país, analizar cuáles son los condicionantes específicos que marcan el cambio de tendencia en cada caso y, lo que es más importante, identificar qué requisitos profesionales demanda el mercado y adecuar los programas académicos y las necesidades de autoformación a esta demanda. Sólo de esta forma nuestro colectivo podrá escapar del plano teórico en la búsqueda de su nuevo rol a desempeñar dentro de las organizaciones y orientar la acción hacia la obtención y mejora del empleo.

Continue lendo: http://www.thinkepi.net/facetas-profesionales-dentro-de-un-todo-el-entorno-audiovisual

Menos impactolatría y más racionalidad en la evaluación científica

Data de publicação: 09/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 01/03/2011

Por Javier González de Dios

El factor de impacto (FI) es un indicador bibliométrico basado en el recuento de citas del Science Citation Index-Journal Citation Reports (SCI-JCR) que se calcula, para cada revista, estableciendo la relación entre las citas que en un año determinado han recibido los trabajos publicados durante los 2 años anteriores (numerador), y el total de artículos publicados en ella durante esos dos años (denominador).

El problema es que sólo se computa en el numerador las citas generadas desde el conjunto de revista incluidas en SCI-JCR, mientras que las citas generadas en el resto de revistas “no cuentan”. Asimismo, en el denominador sólo se tienen en cuenta los artículos “citables” (substantive, citables o source ítems) que no siempre son fáciles de determinar cuáles se escogieron, aunque en principio no incluyen ni “editoriales” ni “cartas al editor”. El motivo de coger 2 años es que es el tiempo promedio a partir del que se calcula que un trabajo circula plenamente en la comunidad científica y puede ser utilizado y citado.

En relación con el análisis de citas, aunque para la mayoría de los autores no tienen duda de su utilidad como un indicador bibliométrico, su aplicación práctica no está libre de deficiencias. Apuntamos 10 limitaciones que cabe considerar en el análisis del FI:

– Punto crucial: el FI se hizo para revistas, no para autores
– A través de datos obtenidos del SCI-JCR, aproximadamente el 25% de los artículos publicados no son citados nunca; el 55% se cita sólo una vez, y sólo el 1% recibe 50 o más citas. Además, del 10 al 20% aproximadamente de todas las citas son autocitas. Se conoce que como promedio un 15% de los artículos acapara el 50% de todas las citas
– No existe una definición operativa de lo que SCI-JCR considera como documento citable o fuente.
– SCI-JCR no realiza una vaciado documental de las revistas con un criterio estable a lo largo del tiempo
– SCI-JCR tiene un claro sesgo a favor de las publicaciones en lengua inglesa y, concretamente, está dominada por las norteamericanas

Continue lendo: http://www.pediatriabasadaenpruebas.com/2011/02/menos-impactolatria-y-mas-racionalidad.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Usuarios: de las necesidades a los resultados

Data de publicação: 09/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 01/03/2011

Por  Evelio Martínez

Permitid que os cuente una breve historia. Hace algunos años, me encontraba trabajando como dependiente, en la sección de moda joven, de uno de los centros de una conocidísima firma de grandes almacenes. Necesitaba cubrir gastos, y aquella me pareció una opción tan buena como cualquier otra. Mis conocimientos sobre el mundo de la moda eran pocos y pobres (exactamente igual que ahora), así que nunca agradeceré lo suficiente los sabios consejos y el buen humor que me brindaron algunos de mis compañeros.

Durante los meses en los que ejercí mis funciones, había una pregunta que me hacía con cierta frecuencia: ¿por qué la gente venía a comprar a nuestro centro? De promedio, los precios de sus artículos eran más altos que en cualquier otro comercio. Además, el centro estaba (y continúa estando) en una zona de oficinas de Barcelona, un tanto alejada de las principales zonas de servicios de la ciudad. Así, aquellas personas que venían a nuestra “superficie comercial” a adquirir nuestros productos, además de pagar más por los mismos, tenían que desplazarse hacia casi las afueras de la ciudad. Muy poco racional.

La respuesta oficial a mi pregunta (¿por qué la gente viene a comprar aquí?), nos dice que el factor clave es el servicio al cliente, o más exactamente: la calidad en el servicio al cliente. Me parece que en cierta manera eso es cierto. Pero también me parece poco convincente. Hay muchos comercios en los que el servicio es igual de exquisito, y en los que los precios son más ajustados. AsÍ pues, ¿qué es lo que pasa aquí?

Con la perspectiva que da el tiempo, creo que puedo ofrecer una respuesta más convincente: la gente está dispuesta a pagar más porque los servicios les ayudan a conseguir los resultados que desean. La clave, por tanto, no son los productos, ni siquiera los servicios, sino la oportunidad de obtener unos determinados resultados en caso de ser necesario. En nuestra historia, el resultado podía ser un envío a casa del producto sin costo adicional, peticiones de productos a otros centros y envío de los mismos en tiempo récord, devolución del importe de la compra si el cliente no queda satisfecho,… En otras palabras: el servicio influye, pero no aporta un valor en sí al cliente. O, mejor aún, el servicio sólo aporta valor en la medida en que permite conseguir unos resultados.

Continue lendo: http://www.biblogtecarios.es/eveliomartinez/usuarios-de-las-necesidades-los-resultados?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Los docentes universitarios podrán aparcar las clases para investigar en proyectos relevantes

Data de publicação: 09/02/2011

Data de publicação: 01/03/2011

Por  SELINA OTERO – VIGO

Los profesores universitarios con capacidad y experiencia para embarcarse en proyectos de investigación de alto nivel podrán dejar de dar clase para dedicarse en exclusiva a la tarea científica por un tiempo definido. Una vez cumplido el cometido y terminada la investigación, cuyos resultados serán medidos por la Administración, los docentes volverán a las aulas.

Esta es una de las directrices que incorpora el nuevo Plan Gallego de Investigación, Innovación y Crecimiento 2011-2015, “para intensificar la actividad investigadora” en Galicia. “Consiste en liberar de la docencia, durante un periodo de tiempo limitado, a aquellos profesores universitarios que participen en proyectos de investigación de relevancia”, explica el plan que esboza la estrategia en I+D de la comunidad gallega en los próximos cinco años. Esta opción para los profesores, vinculada al programa I3 del Ministerio de Ciencia, incluye la “cobertura de costes derivados de la sustitución del profesor” cuando se requiera su faceta científica.

Tal y como estaban planteadas hasta el momento las categorías de la carrera investigadora en Galicia, una de las principales vías para consolidar la vida laboral de un científico era la contratación, con un puesto estable, en las universidades como ” personal investigador-docente”. La etapa de consolidación es más restringida con el nuevo plan gallego y, por otra parte, potencia la faceta de investigación de los propios profesores, de modo que la docencia no sea un handicap para que puedan aportar su saber científico a proyectos de investigación clave para Galicia.

La Xunta deja en manos de las universidades y organismos públicos de investigación la capacidad de estabilizar científicos con contratos de carácter estable pero no sacará un número de plazas definido para este cometido. El incentivo económico a estos organismos para la contratación procederá del programa I3 del Ministerio de Ciencia. “Los recursos del programa I3 podrán ser complementados con recursos de la comunidad autónoma cuando el volumen de personal incorporado así lo aconseje”, incluye el nuevo plan.

Continue lendo: http://www.farodevigo.es/galicia/2011/02/09/docentes-universitarios-podran-aparcar-clases-investigar-proyectos-relevantes/516869.html

Aplicativos móveis: por onde começar?

Data de publicação: 09/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 01/03/2011

Por Fabio Nunes

O mundo da tecnologia vive em constante transformação. Há algumas décadas, a grande maioria dos softwares tinha sua arquitetura baseada em cliente-servidor. Após alguns anos, com a dominância da Internet, esses sistemas foram ultrapassados por aplicativos via Web, que consolidam em um cliente central (o navegador web) todos os seus acessos.

A tecnologia do momento é a mobilidade, a era dos smartphones e suas possibilidades que nos surpreendem a cada dia e nos remetem novamente à velha arquitetura cliente-servidor. Para fornecedores e consumidores de TI, esses momentos são críticos, pois exigem um direcionamento estratégico de plataformas, sistemas, produtos e arquiteturas a serem seguidas. São as escolhas de hoje que irão definir os esforços de manutenção no futuro, por isso a importância do assunto.

A era da mobilidade exige uma atenção especial dos executivos quando se fala de plataforma. No mundo web, a diferença está basicamente nos navegadores, com dominância do Internet Explorer e Firefox, que trazem pequenas diferenças para apresentar os sistemas baseados em Web. O mundo mobile é muito mais híbrido e “despadronizado”, com uma grande variedade de fabricantes de aparelhos e sistemas operacionais.

Estamos falando de diversas plataformas – Java, iPhone, Symbian, Blackberry, Android e Windows Mobile, para citar as principais. Isto sem contar as características de hardware de cada aparelho: com ou sem câmera, com ou sem GPS, teclado touch ou qwerty e os mais variados tamanhos e resoluções de telas. Como orientar seu desenvolvimento e estratégias frente a um mundo com tantas alternativas?

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/blog/plural/2011/02/09/aplicativos-moveis-por-onde-comecar/

Por que o Egito falhou na tentativa de derrubar a Internet

Data de publicação: 08/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/02/2011

Por Mike Elgan

Quais foram os ensinamentos que a crise no Egito nos deixa? Será mesmo possível bloquear a comunicação entre seres humanos?
Ontem à noite, já passava das dez quando recebo um telefonema em meu iPhone. Para minha grata surpresa, era meu filho que ligava – do outro lado do mundo – para ter a mais trivial das conversas comigo. Era algo sobre o iTunes; ele perguntava como adicionar músicas a partir de outro PC.

A chamada fora efetuada usando o Skype e a qualidade da ligação era próxima a da perfeição.

“É paradoxal”, pensei alto. Conversar com alguém a milhares de quilômetros está tão fácil quanto se comunicar com quem está no quarto ao lado. O preço, pelo menos, é o mesmo.

Ele usou a Internet para me ligar, eu usei a Internet para receber a chamada.

Apesar de corriqueira, toda a sessão me pôs a pensar sobre os limites da Internet. Estariam as redes de telefona celular “dentro” da Internet? E as linhas de telefonia fixa, essas também? Se esse for o caso, pergunto: existe algo que não esteja na Internet?

Teria a Internet assimilado a raça humana? Se for considerar os eventos ocorridos no Egito na semana passada, temo que a resposta seja sim.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/internet/2011/02/08/artigo-por-que-o-egito-falhou-na-tentativa-de-derrubar-a-internet/

Inovação Aberta fomenta relação Universidade/Empresa

Data de publicação: 08/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/02/11

Por Thamires Andrad

Ao invés de pesquisar, desenvolver e comercializar por conta própria, bem como assumir todos os riscos do processo inovador, muitas empresas internacionais e algumas nacionais começam a atentar a um novo modelo de inovação: a Inovação Aberta ou Open Innovation, como a modalidade é conhecida no mundo. O processo substitui o isolamento das ações pelo compartilhamento de conhecimentos. Os investimentos em recursos humanos que antes se restringiam ao quadro de funcionários ganham reforços com a colaboração de talentos de fora da organização. As portas, antes fechadas, se abrem para parcerias com IES (instituições de Ensino Superior) e até mesmo outras empresas.

Segundo Bruno Rondani, fundador e diretor executivo do Centro de Open Innovation Brasil, esse modelo já é considerado uma tendência em países desenvolvidos, como Estados Unidos, Inglaterra e França. Mas ele garante também que a alternativa, gradativamente, ganha destaque no mercado nacional. “A Petrobras, bem como a Braskem, Natura, Embrãr, Vale, Intel e IBM começam a criar programas internos para adequar seus processos ao modelo Open Innovation”, exemplifica ele.

Esse processo de transformação é uma adequação às exigências do próprio mercado de trabalho. ? o que garante André Saito, pesquisador do GVcepe (Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital da Fundação Getúlio Vargas). “Como o modelo tradicional exige mais tempo e custo, as companhias foram obrigadas a buscar alternativas mais compatíveis com as exigências do mundo do trabalho”, justifica o pesquisador. Para ele, no entanto, a cultura da inovação ainda é incipiente no País. “Os empresários começam agora a se acostumar com os termos e processos que envolvem o setor”, diz ele.

Rondani acredita que a inovação é viabilizada apenas em países em que há um ecossistema propício às relações e as cooperações. “Não se inova isoladamente. O processo depende de IES para formar bons profissionais, de um arcabouço legal e jurídico para suportar essas transações e de estrutura financeira para acesso a recursos. Sem essas políticas não é possível progredir com sucesso”, diz o diretor, que reconhece o potencial do Brasil. “O País mantém base científica relevante e parque industrial muito rico, além de estabilidade econômica e forte movimento de incubadoras. Essa série de condições só colabora para o desenvolvimento do Brasil como um todo”, acrescenta.

Para as empresas brasileiras utilizarem esse cenário a seu favor, Rondani recomenda o entendimento do conceito da inovação aberta. Enquanto no modelo de inovação tradicional os investimentos são feitos apenas em centros de pesquisa especificamente montados para inovar e que tenham vínculo formal com a empresa, no conceito aberto essa perspectiva é um pouco mais ampla. Na prática, qualquer pessoa física ou jurídica sem ligação com um centro de pesquisa pode participar dos processos inovadores e ser beneficiada com os investimentos.

Continue lendo: http://noticias.universia.com.br/destaque/noticia/2010/10/08/760359/inovao-aberta-fomenta-relao-universidadeempresa.html

Blog: a hora da evolução

Data de publicação: 7/2/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/02/2011

Por Barbara Oliveira

Em 1994, o estudante de jornalismo de São Francisco Justin Hall decidiu criar um site com relatos de seu cotidiano e compartilhar isso com amigos. Nascia ali o primeiro weblog de conteúdo pessoal. Passados 16 anos, o blog evoluiu para a segmentação, ficou mais profissional, incorporou ferramentas de atualização e se transformou em uma das principais fontes de informação para milhões de internautas.

Ao contrário do que se poderia imaginar – que os blogs estariam com os dias contados a partir da popularização das redes sociais e do Twitter – tais serviços  ganharam fôlego. Os blogueiros enriqueceram seus conteúdos e se engajaram às novas tecnologias. As fronteiras entre o blog, os microblogs e as redes sociais começam a desaparecer com posts replicados em outros endereços. Assim, os relatos diários passaram a influenciar e a integrar o cotidiano de qualquer internauta ávido por notícias ou informações sobre algum assunto específico, sejam eles games, tecnologia, futebol, comida, política, viagens e dezenas de outros temas.

Só o Technorati, o mais importante indexador da blogosfera, listava na semana passada 1 milhão e 255 mil blogs ativos e cadastrados no serviço, todos em língua inglesa. No topo da lista dos cinco primeiros do Technorati, e medidos pelo critério de influência e permanência na web, está o Huffingtonpost.com, uma rede de blogs com textos de 9 mil voluntários (entre eles Hillary Clinton, o cineasta Michael Moore e a cantora Sinead O’Connor).  Com uma equipe de 195 pessoas que complementam o conteúdo jornalístico, o Huffpost tem sido fundamental na cobertura dos protestos no Egito nos últimos dias, contando histórias e relatos de quem está na região e sob vários pontos de vista. A rede recebe 24 milhões de visitas únicas/mês e o sucesso é tão grande que a AOL, uma das maiores companhias de internet dos EUA, anunciou ontem que comprará a empresa  por US$ 315 milhões. Segundo a criadora da rede, Arianna Huffington, haverá também uma versão brasileira – o primeiro lançamento internacional.

Os serviços de tecnologia são outros que representam a segmentação e sucesso na web. Quatro deles estão entre os Top 5 do Technorati: o Engadget, o TechCruch, o Mashable e o Gizmodo. Não se sabe exatamente quantos endereços de blogs existam hoje, mas estima-se que superem a 150 milhões.

Continue lendo: http://www.dcomercio.com.br/materia.aspx?id=61840&canal=53

El futuro de la comunicación se basará en la experiencia y la realidad virtual

Data de publicação:10/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/02/2011

Por Marketing Directo

“El hombre es Dios. Está en todas partes, es cualquier persona y lo sabe todo”. Así empieza el vídeo de Casaleggio Associaty “The Future of Communication” en el que habla del futuro de la comunicación y el mundo digital que podremos ver en los próximos años. Se trata de una aproximación a lo que puede ser el mundo dentro de 10, 30 o 40 años, centrado en los mundos virtuales y la experiencia.

Todo empezó con la revolución de los medios en internet, a finales del siglo XX, que provocó la desaparición de los viejos medios. A pesar de las reacciones del viejo mundo para evitar las copias ilegales y la libertad que ofrecía este nuevo mundo, los medios se fueron digitalizando, y también los usuarios. A estas alturas, cualquier persona ya puede ser a la vez productor y consumidor de información y, con la generalización de los mundos virtuales en internet, las personas pueden tener varias identidades online. Pero, según afirma el vídeo, en 2011 podría haber llegado el punto de inflexión, ya que la inversión publicitaria está en la red y los periódicos digitales se han convertido en un producto masivo donde cualquiera puede leer cualquier cosa.

Las previsiones del vídeo apuntan a que el 2015 los periódicos, la televisión y las plataformas digitales terrestres desaparecerán, y la radio se consumirá en la red. El mundo de los medios estará cada vez menos poblado y sólo sobrevivirán los más grandes. Además, asistiremos a la compra de Microsoft por Google y de Yahoo! por Amazon, lo que los convertirá en los líderes universales de contenido, junto con CNN, BBC y CCTV. La información estática se transformará en un flujo de conocimiento y la publicidad la elegirán los creadores de contenidos y los propios autores para convertirla en información, comparación y experiencia.

Continue lendo: http://www.marketingdirecto.com/actualidad/tendencias/el-futuro-de-la-comunicacion-se-basara-en-la-experiencia-y-la-realidad-virtual/

O fosso entre universidade e indústria

Data de publicação: 17/01/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/02/11

Por José Goldemberg

“Descompasso deve-se à ausência de políticas públicas que induzam à inovação”

José Goldemberg é professor da Universidade de São Paulo (USP), presidente de honra da SBPC e foi secretário de Meio Ambiente da Presidência da República. Artigo publicado em “O Estado de SP”:

O IBGE divulgou recentemente os resultados de uma pesquisa realizada com as indústrias brasileiras – mais de 100 mil – para verificar quais delas investiram em inovação e quais simplesmente se restringiram a fabricar os mesmos produtos ano após ano. A pesquisa cobriu o período de 2006 a 2008.

Inovação é um fator decisivo para aumentar a competitividade das empresas e inclui desde produtos ou processos novos até o desenvolvimento de novos usos para produtos já existentes. Na generosa definição usada pelo IBGE, são considerados como inovação a pesquisa e o desenvolvimento, a aquisição de pesquisas externas, os investimentos em máquinas, o treinamento de pessoal e a introdução de produtos no mercado, entre outros.

Os resultados da pesquisa são interessantes: cerca de 38% das empresas fizeram algum tipo de inovação – nos anos de 2003 a 2005 esse índice era de 34% e, portanto, aumentou. Na Alemanha, por exemplo, mais de 70% das empresas, porém, são inovadoras. Pior ainda, somente cerca de 5 mil empresas nacionais realizaram atividades internas de pesquisa e desenvolvimento.
As atividades de inovação não se devem, por conseguinte, de forma significativa a pesquisas, mas a desenvolvimento e licenciamento de programas de computador, telecomunicações, outros serviços de tecnologia da informação e tratamento de dados, que não são realmente muito criativos e não deram origem a um grande número de patentes, área em que o Brasil continua com índices muito baixos.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=75901

Cresce o uso de SMS para os negócios

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/02/2011

Por TI Inside

Muitas empresas já perceberam a importância do SMS que, ao longo dos últimos anos, se popularizou e ganhou força em todo o mundo. Segundo dados da ONU (Organização das Nações Unidas), publicados em novembro de 2010, a estimativa mundial de envios de SMS a cada segundo é de aproximadamente 200 mil mensagens. Um volume bastante considerável e facilmente explicado pela expansão do número de celulares em todo o planeta. O mesmo levantamento da ONU também apurou que americanos e filipinos aparecem no topo da lista dos países que mais enviam SMS.

No Brasil, dados divulgados pela Anatel indicam que, desde outubro de 2010, o número de celulares já ultrapassou o número de pessoas no país. Para se ter uma ideia, no Distrito Federal a densidade de celulares no mesmo período – outubro de 2010 – se consolidou como a maior do Brasil, chegando a 170,85. Surpreendentemente, São Paulo apareceu na segunda colocação, com 117,75 celulares para cada 100 habitantes. Em terceira posição está o Mato Grosso do Sul, com 114,29 cel/hab. A quarta posição é do Rio de Janeiro, com densidade de 111,10 cel/hab. E o Rio Grande do Sul aparece em quinto lugar, com 108,03 celulares para cada 100 habitantes.

Essas estatísticas comprovam que a comunicação através do celular está se tornando cada vez mais importante. Hoje, por meio de uma simples mensagem de texto, é possível acessar praticamente qualquer pessoa, de forma direta e instantânea.

Um dos pontos mais fortes do SMS é, sem dúvida, a instantaneidade. Basta um pequeno sinal sonoro no bolso do destinatário, para que a mensagem seja imediatamente, aberta e lida. Contudo, para que o SMS possa agregar valor às relações entre organizações e público-alvo, sua relevância precisa ser diretamente proporcional à responsabilidade com que a empresa se comportará ao adotar esse canal. As mensagens têm de ser pertinentes ao seu público, que deve ter autorizado previamente este tipo de contato.

Continue lendo: http://si.knowtec.com/scripts-si/VerEmailAberto?idEmailAberto=219&nomeCliente=KNOWTEC&idContato=1

A crítica 2.0 e a impossibilidade do pensamento único na internet

Data de publicação: 11/02/2011

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/02/2011

Por Fabio Malini

Entrevista que concedi ao Diego Viana, repórter de Valor Econômico, o que o ajudou na produção da reportagem Crítica 2.0, divulgada hoje,  na versão impressa do jornal.

Os processos criativos da internet, particularmente os processos colaborativos, alteram radicalmente o sentido das noções de “objeto”, “autor” e “leitor”, que são basilares na lógica tradicional de circulação de bens culturais, em que se insere a crítica. Que espaço tem a crítica na lógica digital?

Há na internet a generalização da crítica, seja ela acadêmica ou seja a mais factual (aquela cujo principal “gênero” é a resenha). Se a crítica sempre se constituiu como o campo do “franco falar”, por tabela, vivemos um período amplo da franqueza na análise dos produtos culturais. O digital tem uma particularidade: nunca gera peça única. Se há uma iamgem que demonstra como a crítica se faz na internet é aquela que vemos quando há um fluxo intenso de respostas que ocorre numa lista de emails: << Re: Re: re: re: >>. A crítica na internet é como uma espiral infinita de respostas. Veja o filme “tropa de Elite II”. Numa pesquisa rápida no Google, há mais de 600 mil resenhas do filme, desde aquelas escritas por  grandes especialistas em cinema brasileiro até outras, por adolescentes especializados em filmes de ação. O que isso significa? Qua a franqueza se torna a cada dia que passa o elemento mais vital da crítica digital. Porque o crítico, na internet, é público também. E sabe que a crítica se faz em comunidade. Nesse sentido, a crítica na web se revela ainda mais passional, porque o leitor do blog de cinema quer mesmo é consumir o jeitão de escrever de seu blogueiro e não necessariamente a qualidade de análise estética do crítico. A internet não funciona muito como um lugar do theorós, ela é um dispositivo de Eros.

Tem gente que atribui justamente à internet, com seus comentários de blogs e Diggs, com os retweets, com o “like” do Facebook etc., a propalada “derrocada” da crítica. Outros dizem que essa derrocada é muito anterior e obedece a preferências do mercado ou à incapacidade da própria crítica de dialogar com o leitorado, mas a internet pode ser, ao contrário, um novo sopro para a crítica. A crise existe? Onde a cultura digital se encaixa nisso?

A crítica vive o esplendor com a internet. É o seu melhor momento. A web hospeda desde a crítica acadêmica até aquela mais rasa, que beira ao comentário do “mimi”. Sem dúvida, o filtro feito por esses agentes que funcionam como editores coletivos (likes, diggs, retweets etc) é um dispositivo que faz circular um sentido geral sobre determinada obra. Uma reputação que se faz sem centro, sem editor. Isso não significa que o crítico morreu. Ao contrário, se analisarmos as críticas mais reputada na web, veremos que se saem melhor aqueles que se dedicam ao fazer crítico diário, com qualidade e ótima formações humana e especializada. Até porque o internauta sabe que, na web, há uma promiscuidade do link. Sabe que aquele grupinho que faz a comunidade de determinado blog fica sempre circulando os mesmos links, as mesmas opiniões, para fazê-las presentes no campo maior da crítica. Então o usuário se protege contra isso buscando mais referências. Quando temos buscadores, como o Google, o caos informacional é reduzido. E podemos mergulhar nos pontos de vista alternativo. Um exemplo banal. Um usuário que precisa viajar. O mercado de turismo hoje funciona, em boa parte, graças à reputação coletiva de blogueiros, youtubeiros, facebookeiros,comentaristas, que dizem, com toda franqueza, a qualidade dos hotéis, dos pacotes das agências, analisam aos serviços de determinada cidade, enfim, é a crítica que nos torna mais bem informado sobre “aquela cidade”. E se discordamos, qualificamos tudo ao contrário do que foi dito nos mesmos lugares onde tudo se apresenta como mil maravilhas. O mesmo ocorre com o cinema, a literatura, as artes visuais, enfim, com toda gama de manifestações culturais. Elas dependem da produção coletiva da crítica para ganhar mais complexidade e também para serem desmitificadas. De novo, não há pensamento único na internet. E os canônes, marcas de uma economia da escassez – do editor, da indústria que intermediava a cultura – são cada vez mais difíceis de aparecer, porque a internet revela também que a criação é recheada de links. Um escritor da nova geração, que começou fazendo um blog, por exemplo. Você entra na página dele e vê lá no seu blogroll com quem ele dialoga, o mantra que ele repete e a forma de escrever que ele reiventa. De forma que o esforço da crítica é hoje de ver mais a blogosfera que aquele escritor faz parte do que necessariamente isolar a sua escrita como algo original. Vivemos um período do coletivo como autor. É o inverso desde a invenção do livro, que, como dizia o Macluhan, inventou o público. A internet inventou o “amigo”. E toda crítica mais dura e mais relevante está em compreender como essa dimensão afetiva e subjetiva atravessa a crítica. É a amizade o motor da nova web, para além do bem e do mal. Veja um problema formidável para os estudos culturais, por exemplo: os realizadores estão dependentes da visibilidade trazida pela micromídia da rede. Através de um blog ou de um canal do Youtube, o “autor” cria a sua obra, recebendo aqueles insights fantásticos da sua comunidade, de forma que quanto mais produz, mais ele circula (mesmo que de maneira tautológica). Daí me pergunto: é possível criar num regime de fragmentação da atenção? Qualquer neurocientista vai lhe afirmar que isso é impossível. É preciso se dedicar às ideias, porque elas têm um tempo. Então o recolhimento do autor para produzir a sua linguagem é hoje um desafio, porque aquele autor-blogueiro é dependente do afago e da inteligência da comunidade que gira em torno dele. Não se trata de fãs, se trata de amigos. Então a criação se vê mergulhada nessa dependência por visibilidade em tempo real. Isso é um drama para os autores. Alguns resolvem publicando em seus blogs: “estou de férias, volto logo”. Há outros que ficam presos a essa Caverna de platão às avessas, onde se está preso às luzes e não às sombras.

Continue lendo: http://www.fabiomalini.com/?p=9109

O que o estado mais teme: informação

Data de publicação: 16/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/02/2011

Por Jonathan Finegold Catalán

A história nos mostra que a batalha homem versus estado é cíclica: o homem persistentemente cria novas ideias e o estado incansavelmente se esforça para destruí-las.  A burocracia nunca foi amiga das ideias que solapam sua artificial legitimidade.

Por demais frequente, a história nos fornece exemplos de queimas de livros patrocinadas pelo estado e outras formas de censura extrema.  Muitos de nós hoje tomamos como um fato consumado a nossa “liberdade de expressão”, e poucos se dão conta de quão difusa e generalizada continua sendo a censura governamental.  É verdade que muitos de nós nunca passamos pelos piores tipos de censura já ocorridos na história do mundo — poucos hoje se lembram, por exemplo, dos rituais de queima de livros promovidos pelos nazistas ao longo da década de 1930, quando mais de 18.000 obras foram incineradas.

De um modo geral, todos os esforços de censura foram relativamente bem sucedidos até épocas bastante recentes.  Queimas de livros, principalmente em tempos mais modernos, não conseguiam eliminar por completo um livro de circulação mundial, mas definitivamente conseguiam obstruir severamente sua circulação dentro das fronteiras dos governos em questão.  Quantas cópias de Ação Humana circularam dentro da Alemanha nazista entre 1940 e 1945?  Aventuro-me a dizer que foram pouquíssimas.

A batalha sempre foi do mercado contra o estado, ou da capacidade do homem de contornar os tentáculos do governo por meio do progresso econômico.  Pelo menos até muito recentemente, o homem sempre esteve em desvantagem tecnológica.  Sua capacidade de evitar uma queima de livros se equivalia à sua capacidade de saber esconder o livro.  O fim da censura na Alemanha, por exemplo, veio somente após o fim do regime nazista. (Para a Alemanha Oriental, a censura extrema não acabou até 1989).

Atualmente, nossa capacidade de obter conhecimento está ameaçada porque tal conhecimento representa uma ameaça ao estado — não à “segurança nacional”, como tem sido dito mundialmente, mas à legitimidade do próprio estado.  Julian Assange, por meio do site WikiLeaks, disponibilizou para todas as sociedades uma vasta coleção de informações que solapam a legitimidade dos estados.  Assange rasgou o véu da benignidade governamental e fez com que todos passassem a duvidar seriamente das táticas dos estados.  Seu website arruína a autoridade moral dos governos.

Continue lendo: http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=855

Será a nuvem puro modismo? Com a palavra, os CIOs

Data de publicação: 29/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 23/02/2011

Por JULIAN GOLDSMITH – CIO/EUA

Pragmatismo e entusiasmo cercam os comentários de CIOs sobre as vantagens e desvantagens da cloud computing.

O anúncio dado pela Intel, no início do mês, de que pretende apoiar a iniciativa dos usuários de promoção de  padrões para a computação em nuvem desencadeou um debate sobre o desenvolvimento do outsourcing para infraestrutura e sua evolução.

O debate sugere haver ainda muita confusão em torno dos limites do modelo de cloud computing. Na perspectiva de CIOs, alvos de uma mercado lotado de fornecedores ávidos por convencê-los, o ceticismo é grande. Principalmente, em função de ofertas que parecem pouco inovadoras, mas cercadas de um vocabulário moderno. Muitas vezes essas soluções são de servidores internos, re-batizados de servidores de computação em nuvem locais.

A favor

Os esforços da Intel têm, até o momento, sido ovacionadas por líderes de TI que podem finalmente responder às perguntas de seus superiores.

Um deles, que prefere não se identificar, diz  que existe ambigüidade demais. “Sob o nome de nuvem, os provedores estão reembalando serviços conhecidos com nova roupagem; tentam aproveitar a tendência dos departamentos de TI em adotar cedo tecnologias com potencial não esclarecido e com poucos padrões. Sabe-se que há vantagens no modelo, mas que se não houver cuidado, acabará igual aos padrões abertos da plataforma Unix. Isso não é uma coisa boa”, afirma o executivo.

Continue lendo: http://computerworld.uol.com.br/tecnologia/2010/11/28/sera-a-nuvem-puro-modismo-com-a-palavra-os-cios/

La alfabetización digital, clave para la próxima década

Data de publicação: 23/11/2010

Data de publicação no Bçpg DA ECI: 28/11/2010

Por J. A. AUNIÓN

En la era del desconcierto, del temor y del cambio continuo, ¿qué educación necesitamos? Para el ex ministro de Educación de Argentina Juan Carlos Tedesco, hace falta una escuela que busque la justicia social. Cuando se celebra el 50º aniversario de la editorial, la Fundación Santillana dedicará la 25ª edición de su Semana Monográfica de la Educación a asomarse al futuro, ese que cuando llega apenas se parece a lo que todos imaginaban. ¿Cómo es posible, entonces, prepararse para ello? Juan Carlos Tedesco, en el documento básico que ha redactado para arrancar estas jornadas, propone un rumbo que fije el destino a través de las turbulencias (esa búsqueda de sociedades más justas) y algunas políticas que funcionan para ese fin, como comenzar la educación a las edades más tempranas posibles o dar a los docentes la confianza y las herramientas que necesitan para enseñar a los hijos de la sociedad del conocimiento. Y será clave, a su modo de ver, dar a las futuras generaciones los instrumentos imprescindibles para comprender el mundo, con la alfabetización científica, y para desenvolverse en él, con la alfabetización digital. Sin esta última, dijo, las personas no tendrán acceso a los circuitos “por donde pasa la información más importante”.

El ministro de Educación, Ángel Gabilondo, e Ignacio Polanco, presidente del grupo PRISA (editora de EL PAÍS) y del Patronato de la Fundación Santillana, presidieron ayer el acto con el que se inició la semana (con conferencias todos los días a las siete de la tarde hasta el viernes 26, en la sede madrileña de la editorial) bajo el título La educación en el horizonte de 2020. La mirada a medio plazo es imprescindible, dijo el presidente del Grupo Santillana, Emiliano Martínez, porque “el día a día a veces ahoga la reflexión necesaria”. Y porque en este tiempo de incertidumbre, de crisis económica, “es momento de acciones de refuerzo de la educación”, añadió Polanco, “pero también de reflexión y puesta al día de objetivos y procesos”, pues nunca antes “ha sido tan esencial y determinante el éxito escolar para el futuro de las personas”.

Continue lendo: http://www.elpais.com/articulo/sociedad/alfabetizacion/digital/clave/proxima/decada/elpepusoc/20101123elpepisoc_8/Tes

La Imagen es el mensaje

Data de publicação: 18/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/11/2010

Por AntonioMaestre

Citando a Mcluhan podemos llegar a la conclusión de que en la comunicación actual, la imagen es el mensaje. En la estética actual de los informativos en televisión prevalece la imágen espectáculo, es mucho más importante la estética audiovisual de hollywood que la imagen como elemento dinamizador del mensaje, como valor añadido para la comprensión del discurso informativo.

La imagen es un elemento que dificulta la comprensión de la verdad en la forma en que es usada por los medios, y facilita la visión de la traslación de la verdad que quieren los medios y la proyección sobre la comprensión del espectador de esa visión de la verdad intencionada, y dirigida; es el medio que los poderes establecidos usan para crear masa. Y esto es lo que debemos conocer para estar precavidos ante ello, debemos ser “semióticamente” fuertes para ser seres no manipulables y que afronten la realidad de forma crítica y desafiante.

En los medios de comunicación los documentalistas forman parte de la cadena informativa que usa la imagen como medio caliente de la comunicación, la imagen apela a los sentimientos y a la parte emocional del individuo, es por ello que debemos ser conscientes deontológicamente del poder de influencia que tienen las imágenes en la mayoría de la población que son según el pedagogo Paulo Freire, Masa, y para ello ser muy cuidadosos de las imágenes que proporcionamos para la realización de cualquier programa informativo. Obviamente el documentalista no tiene la ultima palabra en el proceso de selección de las imágenes que serán usadas, pero si podemos formar parte del proceso de educación semiotica para ayudar a que los receptores del mensaje sepan no solo decodificarlo, sino adaptarlo a su proceso cultural para dotarlo de un significado crítico, que no los convierta en meros receptores pasivos susceptibles de convertirse en masa.

Continue lendo: http://www.biblogtecarios.es/antoniomaestre/la-imagen-es-el-mensaje

Acender o fósforo repetidas vezes

Data de publicação: 19/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/11/2010

Por Ignácio Loyola Brandão

Depois da colisão com Monteiro Lobato, veio a escorregadela do Enem. Esse ministério não aprende que errar uma vez é humano, errar duas é burrice. Vem também o ministro dizer que os critérios para avaliação internacional do ensino brasileiro, abaixo do da Cochinchina, estão errados e que temos um alto nível. De onde será que o ministério olha? Como avalia? O que salva o ensino brasileiro são atitudes isoladas que, felizmente, existem aos borbotões. Tenho andando, sentido e testemunhado. Como esquecer as professoras que fazem da Casa Meio Norte, em Teresinha, um exemplo esplendoroso (palavra boa, sonora) de como ensinar contra todas as adversidades?

Dia desses, estive em Santo André, convidado pela Luciana Tavares, bibliotecária da Escola 221 do Sesi. Foi uma alegria chegar e ser recebido com um tapete vermelho feito de papel pardo com tiras coloridas. Símbolo afetuoso que os alunos montaram atravessando todo o pátio até a biblioteca. Comoveu ver alunos do ensino médio com o meu romance Não Verás País Nenhum – que não é fácil de ler – nas mãos, porque o livro está sendo trabalhado ali. Algum tempo atrás, quem compareceu foi o Rubem Alves, um parceiro meu em viagens deste tipo. Falar do Brasil, da literatura, da educação, abrir cabeças, abrir mundos, iluminar caminhos. Em momentos assim, tanto Rubem como eu fazemos a mala, esquecemos cachês e trabalhamos por amor. Compensa, alegra.

Há por essa imensidão do Brasil, sim, há, centenas de professores e bibliotecários idealistas lutando para realizar alguma coisa contra currículos esquisitos, diretores obsoletos, normas mal formuladas, entraves burocráticos, kafkianos, incompreensões. Porém, eles vão em frente. Comovente ver os alunos da 221 interessados em literatura, apaixonados por um livro que, tendo sido escrito há 30 anos e sendo meu livro mais traduzido, acabou mostrando a realidade que chegou à nossa porta: o aquecimento global, a angústia da falta d”água, as cidades superpovoadas, a violência, os congestionamentos, as doenças indiagnosticáveis, a miséria. Os professores que estão estudando o Não Verás avançam nas propostas, fazem uma análise abrangente, o que se vê é a própria história do Brasil e as consequências de políticas obsoletas.

Continue lendo: http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20101119/not_imp642080,0.php

Mercado em mídias sociais exige profissional multidisciplinar

Data de publicação: 17/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/11/2010

Por Redação Terra

Você chega ao trabalho e twitta algum pensamento que teve no caminho para o escritório. Enquanto ouve a sua banda preferida no MySpace, aproveita para checar o Facebook e dar aquela olhadinha rápida no Orkut. Uma prática que há dez anos nem existia dominou o cotidiano de boa parte do mundo: participar de redes sociais. Já é uma realidade tão comum que elas superaram até a pornografia enquanto primeira atividade na web, de acordo com Erik Qualman, autor do livro Socialnomics.

Com 96% da geração Y – grupo de pessoas nascidas principalmente nos 80 que apresenta extrema facilidade de lidar com a tecnologia – participando de alguma rede social e com o Facebook que já chegou a ganhar do Google em termos de acesso semanal, começa a se formar a necessidade de profissionais focados para esse meio, que lida com muito dinheiro e pessoas. Apenas o Facebook alcançou sozinho 200 milhões de usuários em menos de um ano.

Pensando em um mercado de trabalho ainda em formação, Eric Messa coordena o curso de extensão Comunicação e Mídias Sociais: Estratégias e Tendências, na Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), em São Paulo. “Comecei a observar o crescimento das redes sociais, especialmente do seu uso como ferramenta de comunicação empresarial”, afirma o professor, que pensa no projeto desde um ano e meio atrás.

As aulas foram criadas para jovens profissionais da Comunicação Social que estão iniciando a carreira. Um publicitário pertence a esse mercado porque deve fazer campanhas para a nova mídia, um relações públicas encaixa-se na área porque precisa cuidar da presença de uma marca na rede social e jornalistas podem aproveitar para produzirem conteúdos específicos no meio.

Continue lendo: http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI4795912-EI8266,00-Mercado+em+midias+sociais+exige+profissional+multidisciplinar.html

Hacia una Estrategia del Contenido Web

Data de publicação: 19/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/11/2010

Por Evelio Martinez

Pongámonos en situación. Supongamos que el/la lector/a planea crear un sitio web con el objetivo de ofrecer contenidos que cubran las necesidades (formativas o informativas) de los usuarios en un determinado sector. Probablemente, el plan para el diseño del sitio se centrará en aspectos tales como: la arquitectura de la información más idónea para el sitio (estructura de menús, relación entre las páginas,…), el sistema de indización /clasificación, las recomendaciones sobre usabilidad a tener en cuenta, la elección de un determinado sistema de gestión de contenidos,…

Mientras estos aspectos son llevados a la práctica, a medida que avance el proyecto, hará su aparición el inevitable “Lorem ipsum”: esos fragmentos en latín que vienen a rellenar el espacio dedicado al contenido, y que tienen la función de permitirnos visualizar el aspecto global del sitio.

Pero rebobinemos un momento. Si la finalidad del sitio es ofrecer contenido relevante para los usuarios, ¿no deberíamos planificar qué contenido vamos a ofrecer, y no deberíamos determinar qué factores van a determinar que dicho contenido sea percibido como relevante, antes de comenzar a elaborar el sitio?

Si el/la lector/a ha contestado afirmativamente a esta sencilla pregunta, entonces está de acuerdo con los proponentes del emergente campo de práctica, dentro del mundo del diseño web, conocido como Web Content Strategy (o Estrategia del Contenido Web: ECW, de ahora en adelante).

La ECW busca, por tanto, ofrecer una respuesta a preguntas tales como: ¿se crean los contenidos siguiendo un plan que asegure su relevancia?; ¿se tienen en cuenta los mensajes que los usuarios esperan encontrar en un sitio web determinado?; ¿qué sistema de categorización de contenidos proporciona una mejor experiencia de usuario?;…

Continue lendo: http://www.biblogtecarios.es/eveliomartinez/hacia-una-estrategia-del-contenido-web?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Hacia un nuevo paradigma en el acceso abierto: devolucionismo

Data de publicação: 19/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/11/2010

Por jmartinezmorilla

He estado comprobando que las licencias Creative Commons suponen un sustituto al tradicional copyright. Los autores deciden el nivel de restricción de la obra a través de las distintas licencias que adjudiquen a su creación. Esto supone de hecho el control de cada documento que deberemos analizar antes de poder utilizarlo.

En mi viaje a través de la red he comprobado como el paso para que realmente construyamos un mundo donde al información fluya y pueda ser usada sin cortapisas pasa por el devolucionismo.

El devolucionismo defiende la defensa de la progresiva reducción -hasta su eliminación total- del tiempo de explotación de patentes, copyrights, derechos de autor y otras formas de propiedad intelectual, ampliando el dominio público con las creaciones de las últimas décadas.

(consultar: http://lasindias.net/indianopedia/Devolucionismo).

El devolucionismo surge de la constatación, a partir de 2000, tanto teórica (con los trabajos de Boldrin y Levine) como práctica (estudio de Heidi Williams sobre los efectos de las patentes en 2009) del carácter contraproducente para la innovación del monopolio de propiedad intelectual.

Aunque el devolucionismo recomienda a los autores que publiquen sus obras como dominio público, defiende que:
El camino principal para conseguir la Devolución es la reforma legal: conseguir que los tiempos de explotación de patentes, derechos de autor y copyrights se reduzcan hasta desaparecer.

Continue lendo: http://oaulpgc.wordpress.com/2010/11/19/hacia-un-nuevo-paradigma-en-el-acceso-abierto-devolucionismo/?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

As mídias sociais e as empresas – uma relação em pleno crescimento

Data de publicação: 22/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 27/11/2010

Por Alexandre Mendes

Mídias Sociais em destaque

Em pesquisas sobre esse tema, foi verificado que, apesar de todos os focos direcionados às mídias sociais, as empresas ainda têm um longo caminho a percorrer para adotá-las de vez como uma forte aliada comercial.

Com todo o modismo e impacto das redes sociais em nossa sociedade, ainda é pequeno o numero de empresas brasileiras que as utilizam, apesar de já ser notado um crescimento de seu uso.

As empresas que mais utilizam esse novo filão do marketing são as que têm forte ligação com seu consumidor final, conhecidas B2C, ou Business-to-consumer. Isso tem um pouco de lógica, pois hoje, mais do que nunca, grande parte dos consumidores está navegando pela web, e as empresas querem a atenção deles, mais ainda, querem fazer negócios com eles. Grande parte delas utiliza as mídias visando a fortalecer sua marca e a monitorar o mercado, seus clientes e a concorrência.

Podemos citar alguns setores campeões no uso dessas plataformas: TI, telecomunicações, comércio varejista e têxtil, alimentos e vestuário. Já, ao contrario, com pouca utilização estão os setores de Mineração, papel, açúcar, álcool entre outros.

Continue lendo: http://imasters.com.br/artigo/18811/midiasocial/as_midias_sociais_e_as_empresas_uma_relacao_em_pleno_crescimento/

Hora de escolher onde e como fazer. Blogs corporativos.

Data de publicação: 12/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Dennis Altermann

Os blogs corporativos estão sendo usados por muitas empresas como uma ferramenta de comunicação e um canal de relacionamento eficaz. Apesar da evolução dentro desta área do marketing digital, sempre há muita dúvida quando se trata de escolher o melhor endereço e hospedagem do blog corporativo.

Ferramentas gratuitas Vs ferramentas pagas.

Essa é uma grande pergunta que todos se fazem ao criar um blog. Blogspot e WordPress.com ou investir em um servidor próprio e  partir para o WordPress.org e semelhantes? A melhor resposta para estas perguntas é sempre a mesma: “Depende do objetivo, estratégia e posicionamento desta nova ferramenta a ser usada.”

A principal diferença entre o uso de servidor gratuitos ou servidores pagos é a liberdade de modificação que você tem. Vamos analisar cada uma destas ferramentas para entender melhor a suas diferenças.

Blogspot ou WordPress. Qual melhor para blogs corporativos?

Continue lendo: http://www.midiatismo.com.br/2010/11/hora-de-escolher-onde-e-como-fazer-blogs-corporativos.html

2025: Occidente no controlará internet

Data de publicação: 11/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Miguel Àngel Criado

Los nativos digitales de los países emergentes dominarán la red. Según un estudio, habrá una reacción antitecnológica

Aquellos que asistieron ayer a la sede de la Fundación Telefónica en Madrid pudieron observar cómo será internet en 2025. Un informe, apoyado en cinco tendencias actuales, dibuja cómo será la red del futuro. Sólo faltan 15 años, pero, como muestra el pasado reciente, en la era de la tecnología pasarán siglos. Hace tres lustros, por ejemplo, nacía Netscape, el primer navegador para una red que hoy usan 2.000 millones de personas. O, en 2005, acababa de ver la luz Facebook, donde hoy hacen su vida social 600 millones de internautas. Es tal la incertidumbre sobre el futuro tecnológico que los autores de La evolución de internet han dibujado cuatro escenarios.

El informe, obra de Cisco Systems , la principal empresa de infraestructuras de red, y la consultora estadounidense GBN , especializada en el diseño de escenarios futuros, echa un vistazo a la internet de 2025 y su impacto en la vida. Presentado en inglés en agosto pasado, ayer se dio a conocer en español. Para jugar a adivinar el futuro, los autores han contado con informes algunos confidenciales y entrevistas a expertos como Chris Anderson, director de la revista Wired; Esther Dyson, ex presidenta de la ICANN el Gobierno de internet, y Steve Weber, director del Instituto de Estudios Internacionales de la Universidad de Berkeley.

Con las respuestas de los expertos, el estudio establece cinco premisas que empiezan a vislumbrarse ahora pero que configurarán el futuro. “Se puede contar con ellas, al menos relativamente”, dice el director de economía y estrategia para mercados emergentes en Cisco Systems, Enrique J. Rueda, coautor del informe. Optaron por escenarios y no por el modelo de realizar predicciones “para evitar pensar en probabilidades, porque habríamos acabado por no ver las partes del futuro que no queremos ver”, añade.

Continue lendo: http://www.publico.es/ciencias/346012/2025-occidente-no-controlara-internet

Diversão e usabilidade para o público infantil

Data de publicação: 10/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Íris Ferrera

Como deixar a experiência divertida e funcional (importante para crianças), mas sem perder força na função educativa?

Nestes últimos tempos estou envolvida em projetos de públicos bem diferentes e aqueles que me chamaram a atenção para estudo e entendimento de uma forma mais intensa foram os que envolveram crianças.

Os projetos infantis têm vários diferenciais para se considerar ao planejar interfaces. E, sem dúvida nenhuma, um ponto extremamente importante é a diversão.

E diversão é coisa séria em se tratando de envolvimento infantil. Como arquitetura de informação é estruturada em processos, metodologias, objetivos e toda essa conversa “de aparência quadrada” que deixa a diversão a anos luz de distância, a pergunta que não me saía da cabeça era:

– Como deixar a experiência divertida, funcional e, de quebra, educativa?

A busca pela resposta está sendo frenética. Muita coisa boa tem aparecido e Piaget virou meu grande amigo inteligente. Obviamente os insumos destas pesquisas foram grandes e geraram alguns bons artigos traduzidos e outros com adaptações sobre cognição infantil para interfaces de computadores.

Pretendo dividir aqui esta série de aprendizados, lembrando aos mais distraídos que crianças atualmente nascem inseridas no ambiente digital. Muitas coisas estão sendo criadas para este público e precisamos entendê-lo e adequar as funcionalidades dos ambientes digitais.

Hoje é grande a quantidade de softwares educacionais, sites infantis, jogos e aplicativos de smartphone e há uma infinidade de novos produtos voltados para esta faixa etária sendo criados e consumidos ativamente.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/11/10/diversao-e-usabilidade-para-o-publico-infantil/

YouTube começa a testar ferramenta de tags para auxiliar buscas

Data de publicação: 10/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Olhar Digital Beta

Ferramenta YouTube Topics sugere assuntos relacionados ao conteúdo que está sendo buscado e interação para incluir esse assunto na pesquisa inicial

O YouTube começou a testar um recurso de tags inteligentes na versão norte-americana do serviço que permite aos usuários explorarem temas gerais e outros termos de pesquisa através de pesquisas sugeridas, o YouTube Topics.

Basicamente, a novidade é uma nuvem dinâmica de temas sugeridos baseados nas pesquisas do usuário. O recurso aparece entre a caixa de pesquisas e os resultados, apresentando algumas sugestões de assuntos relacionados ao que o usuário está buscando.

Além disso, há também um botão de adição nos conteúdos relacionados. A função dele é a seguinte: imagine que pesquisou “Lady Gaga” e como um dos conteúdos relacionados apareceu “Justin Bieber”. Ao lado dessa sugestão há um mais (+) e, ao clicar sobre ele, o YouTube inicia uma nova pesquisa com as palavras “Lady Gaga Justin Bieber”. Uma forma rápida de incluir conteúdos na busca sem ter que digitar tudo, além de mostrar pesquisas que o usuário não tinha pensado que poderia estar relacionada ao assunto.

A escolha dessas tags de conteúdos relacionados terá como base padrões de visualização dos vídeos do site e também de comentários dos usuários.

O YouTube Topics estará disponível em breve no TestTube, o local do site onde estão as novas ideias para o serviço, e qualquer usuário poderá testar a novidade.

Fonte: http://olhardigital.uol.com.br/jovem/digital_news/youtube-comeca-a-testar-ferramenta-de-tags-para-auxiliar-buscas/14799

Lupa eletrônica facilita leitura em pessoas com baixa visão

Data de publicação: 10/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Valéria Dias

O projeto lupa eletrônica, desenvolvido a partir de uma pesquisa realizada na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, tem como principal objetivo facilitar a vida de pessoas com baixa visão, aliando conforto, praticidade e baixo custo. O equipamento é composto por uma câmera de vídeo que filma palavras, frases e imagens e as exibe num monitor (televisão ou computador) ampliando em 80 vezes o tamanho original do que está escrito. “A câmera percorre um trilho e, embaixo desse trilho, há um livro apoiado numa prancha de leitura”, descreve a médica e arquiteta Fernanda Bonatti.

Os dados do projeto estão na tese de doutorado Design para deficientes visuais: proposta de produto que agrega videomagnificação a uma prancha de leitura, apresentada na FAU em setembro de 2009, sob a orientação da professora Maria Cecilia Loschiavo dos Santos. O projeto acabou saindo do papel graças ao Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec), onde a empresa incubada Bonavision Auxílios Ópticos pôde aprimorar a ideia. Atualmente o produto já está sendo comercializado. A iniciativa também contou com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Sâo Paulo (Fapesp). Além da lupa eletrônica, a empresa também comercializa a prancha de leitura e a lupa, todas com pedido de patente em andamento.

“A lupa eletrônica fica fixada no trilho e pode percorrer toda a largura da página. Para mudar de linha, basta apenas mover o trilho para cima ou para baixo. É a própria pessoa quem comanda os movimentos. Essas características possibilitam que mesmo os portadores de mal de Parkinson, por exemplo, sejam beneficiados”, descreve a pesquisadora.

Outra vantagem, destaca a médica, é o preço: cerca de R$1.800,00, valor em que estão incluídos a prancha para leitura, o trilho, a câmera e os cabos para conexão. “Este preço é inferior a produtos similares que chegam a custar até R$5 mil. Alguns aparelhos importados que também incorporam o monitor, custam entre R$ 14 e 17 mil”, conta. Outro problema desses aparelhos é que diante de quebras, o conserto demora muito tempo.

Continue lendo: http://www.usp.br/agen/?p=40621

Os novos tempos da informação livre

Data de publicação: 04/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Jornal da USP

ENCONTRO

O acesso aberto à produção científica da Universidade é tema de evento promovido pelo Sistema Integrado de Bibliotecas e pelo Instituto de Estudos Avançados durante a 13ª Semana do Livro e da Biblioteca, realizada em outubro

Os novos tempos da internet, que permite o acesso às informações sobre todos os assuntos, inclusive à produção científica, vêm sendo motivo de debates em todo o mundo. Na USP, o Sistema Integrado de Bibliotecas (Sibi) e o Instituto de Estudos Avançados (IEA) vêm promovendo seminários e encontros para discutir a questão do acesso aberto na USP.

No dia 26 de outubro, durante a 13ª Semana do Livro e da Biblioteca, o Sibi e o IEA realizaram um fórum com a participação de professores, bibliotecários, funcionários, pesquisadores e estudantes. O encontro foi no auditório Altino Antunes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP. No evento, foi manifestado apoio ao acesso aberto na Universidade, no que se refere à produção técnico-científica, artística e didática da USP, que resultou na elaboração de uma carta que pode ser acessada no site www.acessoaberto.usp.br.

“Esse documento reconhece o papel dos autores, editores, bibliotecários, agências governamentais de fomento à pesquisa e instituições de ensino superior no registro, preservação e disseminação dos resultados das atividades acadêmicas e de investigação científica”, explica Sueli Mara Soares Pinto Ferreira, diretora do Sibi e professora do Departamento de Biblioteconomia da Escola de Comunicações e Artes (ECA) da USP. “Reconhece também o respeito aos direitos autorais, sejam eles morais ou patrimoniais, em relação ao conhecimento produzido e considera ser possível articular todos esses aspectos em benefício da democratização do conhecimento.”
Sueli explica que o Sibi está em sintonia com o movimento mundial.

Continue lendo: http://espaber.uspnet.usp.br/jorusp/?p=12287

Mapas como facilitadores na inclusão social de pessoas com deficiência visual

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Ruth Emilia Nogueira

De uma maneira ou outra os mapas sempre estiveram presentes na vida do homem, mesmo antes de surgir a escrita. Eles nasceram como uma forma de comunicação gráfica para registrar informações de itinerários importantes para a sobrevivência humana. Pontos, linhas e símbolos gráficos eram desenhados em um substrato qualquer para representar e localizar espacialmente elementos selecionados na realidade, como ainda se faz hoje.

Podemos explicar os mapas como sendo uma fonte de dados espaciais que têm como propriedades básicas mostrar o lugar de ocorrência e as características (atributos) de algum fenômeno geográfico. Essas propriedades são inerentes e independem do tipo de fenômeno ou tema que um mapa representa. Além dessas propriedades básicas existem outras que distinguem os mapas de um desenho qualquer: (a) Todo mapa mostra elementos selecionados da realidade através de pontos, linhas e áreas de forma reduzida; (b) Todo mapa tem um sistema de coordenadas explícitas ou implícitas; (c) Todo mapa representa uma parte da superfície curva da terra (ou toda ela) em um plano, utilizando projeções cartográficas; (d) Todo mapa tem um assunto, um lugar e um autor.

Em épocas remotas os mapas eram cuidadosamente desenhados por artistas e, por causa disso, eram restritos a uma pequena camada da população e muitas vezes guardados como segredo de estado. Nos dias de hoje eles se tornaram populares. Fazem parte do nosso dia-a-dia na televisão, jornais, revistas e na internet. Outros mapas, não tão públicos assim, são criados especificamente para atividades estratégicas da sociedade contemporânea, sendo verdadeiros sistemas de informação digital espacial.

O uso público dos mapas acontece com diferentes objetivos e de acordo com a necessidade ou motivação das pessoas. Por exemplo, um indivíduo pode buscar nos mapas algo que desconhece totalmente, outro pode estar procurando a reafirmação de algum conhecimento, e outro ainda pode estar procurando aumentar seu conhecimento sobre o que já conhece. Não obstante, o acesso do usuário aos mapas nunca foi tão facilitado à população como nesse início de século. A responsabilidade por essa revolução é a internet, ou seja, a rede mundial de computadores, surgida nos anos 1990, a qual modificou drasticamente as formas de disponibilizar a informação e a comunicação humana.

Porém, por mais populares que sejam os mapas nos dias atuais e que possam ser acessados e vistos pela maioria da sociedade em diferentes mídias e na internet, existe uma camada minoritária, desprovida do sentido da visão, que não pode ver e usar esses mapas convencionais. Então, como seria possível tornar os mapas “visíveis” para as pessoas com deficiência visual1?

Continue lendo: http://www.comciencia.br/comciencia/?section=8&edicao=61&id=767

Em nome do bem se faz muito mal

Data de publicação: 10/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/11/2010

Por Eliane Brum

As tentativas de censurar a literatura são mais graves e menos isoladas do que parecem

Apenas entre agosto e outubro deste ano foram três tentativas de censurar a literatura. Três que se tornaram conhecidas, podem ter ocorrido outras. A mais rumorosa delas foi o parecer do Conselho Nacional de Educação recomendando que o livro “Caçadas de Pedrinho”, de Monteiro Lobato, fosse banido das escolas públicas. Ou apresentasse notas explicativas alertando sobre a presença de “estereótipos raciais”. Os membros do CNE viram racismo na forma como a personagem Tia Nastácia é tratada no livro. Dois meses antes, em agosto, pais de estudantes do ensino médio da rede pública de Jundiaí, no interior de São Paulo, protestaram contra o uso do livro “Cem Melhores Contos Brasileiros do Século”. Segundo eles, o conto “Obscenidades para uma dona de casa”, de Ignácio de Loyola Brandão, usa “linguagem chula” para descrever atos sexuais narrados em cartas recebidas por uma dona de casa. Ainda em agosto, mais uma polêmica. Desta vez por causa do livro “Teresa, Que Esperava as Uvas”, de Monique Revillion, também destinado ao ensino médio. No conto “Os primeiros que chegaram” a autora descreve um sequestro com estupro e assassinato.

É bastante diferente quando a tentativa de censurar a literatura parte de pais ou pedagogos – indivíduos, portanto – e quando é encampada por um órgão que tem a tarefa de pensar a educação brasileira e ajudar a aprimorá-la com suas análises e recomendações. A má qualidade da educação na rede pública, como todos sabemos, é uma das maiores, senão a maior tragédia nacional. Entre as causas da indigência educacional brasileira está o fato de que os brasileiros leem pouco ou nada leem. Boa parte deles porque não tem acesso a bibliotecas, triste realidade que os programas governamentais têm tentado mudar com menos empenho do que seria necessário.

Quando soube das tentativas de censura, minha primeira reação foi rir. Era tão absurdo que parecia mesmo piada. Percebi então que enquanto nós rimos, eles proíbem. Esta última polêmica atingiu uma repercussão tão grande, capaz de fazer o ministro Fernando Haddad manifestar-se pedindo uma revisão do parecer, apenas por tratar-se de Monteiro Lobato, um autor consagrado. Quem teve a sorte de conhecer Tia Nastácia, Dona Benta, Pedrinho, Narizinho, Emília e todos os habitantes do Sítio do Picapau Amarelo deve ao autor uma das partes mais saborosas de sua infância. Tão deliciosa quanto os bolinhos da Tia Nastácia, aliás. Nos outros dois casos, os protestos e a repercussão tiveram um volume menor.

É assim que o autoritarismo vai se insinuando em nossas vidas, pelas bordas. Vai nos comendo aos poucos e um dia se instala em nosso cotidiano como se fosse um dado da natureza. Acontece quando a equipe responsável pela seleção dos livros depara com um conteúdo que já provocou polêmica antes e, para se poupar de problemas, acaba optando por uma obra mais palatável. Pronto, o livro em questão, apesar de sua reconhecida qualidade, jamais chegará às bibliotecas. Ou quando o professor na sala de aula, que já é criticado por quase tudo, prefere abster-se do risco. Em vez de escolher o melhor livro, opta por aquele que não causará a reação raivosa de nenhum pai ou mesmo uma discussão acalorada na classe. Pronto, os alunos só terão acesso a textos que nada provocam. Ou ainda quando algum escritor começa a se policiar nos termos que usa e nos temas que aborda para ter alguma chance de ser selecionado pelos programas de governo. É assim, muito mais pelo que não é dito, pelos caminhos subjetivos, que a vida se empobrece e o controle se instaura.

Continue lendo: http://livrosepessoas.blogspot.com/2010/11/em-nome-do-bem-se-faz-muito-mal.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed:+livrosepessoas+%28Livros+s%C3%B3+mudam+pessoas+:+%29%29&utm_content=Twitter

Democratização do acesso à informação científica é a marca dos dez anos do Portal de Periódicos

Data de publicação: 09/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 13/11/2010

Por Assessoria de Imprensa da Capes

Na abertura das comemorações dos dez anos do Portal de Periódicos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), realizada nesta terça-feira, 9, em Brasília, o diretor de Programas e Bolsas no País, Emídio Cantídio, falou que um dos motivos do sucesso do Portal é que ele se transformou em uma ferramenta imprescindível para a democratização do acesso à informação científica. “O Portal é fundamental para que a comunidade brasileira tenha acesso rápido ao que é produzido em ciência. Ele nivela o conhecimento disponível para pesquisadores do interior do Brasil com o do resto do mundo.”

Mais duas razões foram elencadas pelo diretor como essenciais para o amplo desenvolvimento do Portal. “A parceria de todos que fazem a ciência brasileira é outro fator que contribui para o sucesso, pois sempre contamos com o apoio de vocês, já que o portal não se desenvolve sozinho.” Emídio Cantídio também citou o fato de a Capes sempre olhar para o futuro, planejando novos passos para aperfeiçoar a ferramenta, e finalizou agradecendo aos profissionais da Capes, que compõem a equipe do Portal de Periódicos.

Para o secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), Ronaldo Mota, o Portal de Periódicos quebra o paradigma de que não é possível realizar no país trabalhos de qualidade para uma grande quantidade. “O Portal, com seus mais de 20 mil periódicos, constitui a possibilidade real desse feito”, afirma. Mota descreveu como o Portal de Periódicos pode contribuir para a inclusão do Brasil na nova era do conhecimento. “Estamos no limiar de um novo mundo, em que toda a informação estará disponível imediatamente e gratuitamente. Nesse novo cenário o mais importante é a gestão da informação. E quando essa realidade chegar, o Brasil já estará preparado”, concluiu.

A história do Periódicos também está contada na exposição inaugurada durante a solenidade. Portal de Periódicos: 10 Anos promovendo a democratização do conhecimento científico e tecnológico no Brasil é o nome da mostra que retrata um pouco da trajetória da política de promoção do acesso ao conhecimento, desenvolvida pela Capes.

Continue lendo: http://www.capes.gov.br/servicos/sala-de-imprensa/36-noticias/4211-democratizacao-do-acesso-a-informacao-cientifica-e-a-marca-dos-dez

Cliente não entendeu? Explique de novo. E de novo.

Data de publicação: 07/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 13/11/2010

Por Guto Kraft

Vida de freelancer não é fácil, então aprenda a não dificultar ainda mais, por mais complicado que seja seu cliente. Lembre-se: o produto depende não apenas do seu trabalho, mas da aprovação (e pagamento) dele.

Uma das coisas mais comuns no atendimento ao cliente é explicar o que foi ou precisa ser feito no projeto. Como em qualquer outra tarefa, requer prática. Todo profissional já se sentiu falando sobre a rebimboca da parafuseta ao usar termos técnicos que são, infelizmente, insubstituíveis.

Às vezes, é impossível facilitar a compreensão de certos procedimentos. O jeito é partir para o clássico “tim-tim por tim-tim” porque, no fim das contas, todo projeto tem inúmeras possibilidades e escolhas para as partes envolvidas. Lembre-se que, querendo ou não, o reflexo no resultado final é responsabilidade direta do desenvolvedor e do conhecimento repassado ao seu cliente para ele optar por A ou B ou X, Y e Z.

Durante minha empreitada como desenvolvedor e, mais recentemente, freelancer, já passei por muitas e muitas situações doidas. Algumas com feedbacks bons, outras problemáticas e, outras ainda, inacreditáveis. O fato é que cada uma delas me ensinou muito. E me propus a aprender, não apenas me gabar ou me revoltar com seus resultados.

Então, o que faço agora é dar algumas dicas de como evitar problemas relacionados nesse tipo de atendimento.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/11/07/cliente-nao-entendeu-explique-de-novo/

O acesso livre: avanços ou paralisia ? (I)

Data de publicação: 07/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 13/11/2010

Por Hélio Kuramoto

Recentemente, Stevan Harnad, um dos líderes mais atuantes e inteligentes que conheço, publicou um artigo em defesa do Open Access ou acesso livre ao conhecimento científico, o qual foi intitulado Opening Access by Overcoming Zeno’s Paralysis. No artigo o referido autor ressalta que o acesso livre é ótimo para as pesquisas, para os pesquisadores e suas instituições, assim como, para as agências de fomento porque maximiza o acesso à pesquisa, ampliando o seu impacto e a sua utilização. A íntegra deste artigo poderá ser lida no link: http://eprints.ecs.soton.ac.uk/12094/2/harnad-jacobsbook.pdf

Mais do que isto, Harnad acredita que o acesso livre a 100% dos artigos publicados em revistas científicas é viável, imediatamente e é ótimo, então, seria seguro dizer que o acesso livre é inevitável. Restam três questões: 1) Quando o acesso livre a 100% dos artigos científicos publicados nas cerca de 24000 revistas científicas existentes será alcançado? 2) Como? 3) O que tornou este processo tão longo?

Harnad se diz incapaz de responder precisamente quando o acesso livre atingirá aos 100% dos artigos publicados nos cerca de 24 mil títulos de revistas com revisão por pares existentes no globo terrestre, algo em torno dos 2,5 milhões de artigos publicados anualmente nessas revistas.

Continuem lendo: http://kuramoto.blog.br/2010/11/07/o-acesso-livre-avancos-ou-paralisia-i/

Webwriting – Entre o leitor e os buscadores

Data de publicação: 05/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 13/11/2010

Por Newton Alexandria

Dicas para driblar o desafio de escrever para os buscadores sem tornar o texto chato, enfadonho, e sim objetivo, coeso e atrativo para o leitor.

Convenhamos que é uma questão muito racional, para simples internautas, para a maioria das pessoas, estudar técnicas e mais técnicas de redação e engenharia para a web. Porém, do ponto de vista profissional e empresarial é uma necessidade estratégica e, portanto, deve haver esforços para o aprendizado.

Dois desafios básicos principais para quem escreve para a web, do ponto de vista estritamente técnico, a meu ver, são:

Otimizar e adaptar o texto para o formato web

Implica fundamentalmente ser atrativo aos buscadores ao utilizar (ou não) determinadas expressões, palavras-chaves, tags, hiperlinks etc., com o objetivo maior de fazer a relação do conteúdo com o comportamento de busca do usuário/leitor/consumidor.

Tornar o texto atrativo aos olhos e à mente do leitor

Aos olhos antes de tudo porque, além da própria natureza da tela do computador, deve trazer no início do texto, de preferência em forma de chamada, uma síntese, a ideia central, a noção do que se trata; deve ser uma linguagem mais do dia a dia, mais perto da linguagem falada, oral, pois se o leitor – a maioria – enxergar traços de prolixidade e rebuscamento, tende a se refugiar.

Continue lendo: http://midiaboom.com.br/2010/11/05/webwriting-%E2%80%93-entre-o-leitor-e-os-buscadores/

Qual o futuro da computação em nuvem?

Data de publicação: 07/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 13/11/2010

Por Olhar Digital Beta

Especialistas explicam o que é a Cloud Computing e como ela pode ajudar as empresas e o país no futuro

Computação na nuvem é a ideia de podermos acessar, de qualquer lugar, dados e programas armazenados em servidores que podem estar em datacenters em diferentes partes do mundo. Essa tecnologia já está bem disseminada: hoje, por exemplo, quase todo mundo tem uma conta de email. Mas, como o mundo da tecnologia não pára, a computação na nuvem também precisa evoluir.

“A visão do cloud 2015 é sobre como podemos ajudar a facilitar a implantação dos serviços em nuvem. Tornar mais fácil para am empresas atenderem mais rapidamente seus funcionários e outros clientes”, explica Frank Johnson, diretor de soluções corporativas para Américas da Intel.

Cassio Tietê, Diretor de Marketing da Intel, afirma que é essencial “definir como a cloud computing deve ser no futuro sobre o ponto de vista da segurança, interoperabilidade, habilidade de transacionar e migrar dados entre nuvens privadas e públicas”

Várias empresas de tecnologia estão se unindo numa alianaça chamada “Open Data Center Alliance”, ou Aliança para Datacenters Abertos, para definir padrões específicos para a computação na nuvem.

“Nós fomos convidados por um grande número de clientes ao longo do ano passado para que nós nos envolvêssemos e contribuíssemos para o estabelecimento dessa aliança. Foi o que fizemos, criamos uma oportunidade para que as empresas se reunissem e conversassem sobre os problemas,  e começassem a documentar suas necessidades”,  comenta Frank Johnson.

A ideia básica é a mesma: você não precisa investir na compra de softwares que usa ocasionalmente, pois é mais barato pagar apenas quando você os usa. Para as empresas, isso significa economizar milhões em infraestrutura.

Continue lendo: http://olhardigital.uol.com.br/negocios/central_de_videos/qual-o-futuro-da-computacao-em-nuvem/14732/integra

A ascensão e queda das tecnologias

Data de publicação: 07/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 13/11/2010

Por Aldo Barreto

O conceito de tecnologia está diretamente ligado à ideia de conhecimento quando definido como como o conjunto de informações que, absorvidas ou assimiladas, é capaz de modificar a estrutura cognitiva do indivíduo, de seu grupo e da sociedade.

Tecnologia, portanto, não é a máquina ou o processo de produção com suas plantas, manuais, instruções e especificações, mas  sim, os conhecimentos que geraram a máquina, o processo, a planta industrial e que permitem sua absorção, adaptação, transferência e difusão. O termo transferência de tecnologia só deve ser empregado quando se verificar a transferência do conhecimento associado a geração do produto ou processo criado  possibilitando (re)gerar uma outra tecnologia

Todo processo de geração de uma tecnologia envolve atividades de pesquisa e desenvolvimento. A pesquisa como a atividade de produzir novos conhecimentos compreende o uso sistemático do saber estocado visando à produção de novos materiais, produtos, equipamentos e processos. A tecnologia está sempre referenciada a um estoque de informação, a princípios científicos ou intuitivos e aos processos de uma determinada atividade.

A adoção da tecnologia  é diferente da sua simples transferência, pois a opção de adotar se transforma em inovação que é a ação de inclusão de um conhecimento, aceito por todos,  em uma realidade; a adoção da inovação representa  um conjunto de atos voluntários, pelos quais os indivíduos em conjunto reelaboram o seu mundo e modificando o seu espaço.

Uma inovação em convivência é um início de algo que nunca iniciou antes e que só se realiza na pluralidade  resultando sempre em uma modificação como consequência; ainda que,  possa ocorrer uma volta para uma permanência ao estado inicial. A decisão de adotar,  em si,  provoca a ação renovadora ; um fluxo  determinado pela decisão conjunta de querer modificar a realidade.

Continue lendo: http://lexias.tumblr.com/post/1505583025/a-ascensao-e-queda-das-tecnologias

Inclusão de deficientes visuais em escolas ainda é desafio

Data de publicação: 02/11/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 06/11/2010

Por Priscilla Borges

Apesar de o número de alunos ter triplicado, ainda é preciso superar dificuldades de acesso para garantir frequência no ensino

Ivan Siqueira Reis, 31 anos, está reaprendendo a viver há dez anos. Apesar de já ter passado um terço da vida com problema de visão, ele se lembra bem de como o mundo é mais fácil para quem enxerga. Pegar ônibus, se locomover entre as salas de aula, ter acesso a materiais didáticos. Para o aluno do 2º semestre de letras-japonês da Universidade de Brasília (UnB), tudo o que faz parte da rotina de qualquer estudante é precário.

Na UnB, Ivan pede ajuda para circular pelo corredor em busca das salas de aula, não esbarrar nas pessoas ou não tropeçar nas calçadas. Ele ainda não tem muita mobilidade para se locomover sozinho, mesmo usando bengala. Os prédios também carecem de melhor estrutura, como rampas de acesso, sinalizadores tácteis nas portas e a numeração das salas em Braille (sistema de linguagem táctil para cegos), por exemplo. “Eu brinco com todo mundo: é melhor continuar enxergando direitinho”, diz.

O estudante conta com a ajuda de um programa que dá apoio a pessoas com necessidades especiais na universidade para driblar os problemas. O projeto oferece tutores, material impresso em Braille ou sonoro e um laboratório de apoio aos deficientes, que possui equipamentos adaptados. Aos poucos, ele conta que os professores também vão se acostumando com a presença – e as necessidades – dele em sala de aula. “Os professores mudaram a forma de ensinar a língua por minha causa”, conta.

Ivan, que perdeu a visão em decorrência de um tumor no cérebro, ainda é minoria nos ambientes escolares. Na educação básica, os 68 mil deficientes visuais representam apenas 0,13% dos 52,6 milhões de alunos matriculados em escolas públicas e particulares do País. No ensino superior, o contingente de 5,2 mil deficientes visuais simboliza somente 0,09% dos 5,8 milhões de universitários, segundo o Censo da Educação Superior de 2008.

Continue lendo: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/inclusao+de+deficientes+visuais+em+escolas+ainda+e+desafio/n1237814761824.html#8

A colaboração e a gestão do conhecimento em instituições públicas

Data de publicação no Blog DA ECI: 06/11/2010

Por Ricardo Zimmermann

Gestão do Conhecimento

No contexto atual, o conhecimento consolidou-se como um dos fatores mais significativos na geração de riqueza e valor das organizações de um modo geral, sendo considerado por muitos o único diferencial competitivo sustentável. O desenvolvimento da gestão do conhecimento, e do consequente aprendizado organizacional, permite às organizações manterem-se atualizadas, agregando valor aos seus produtos e serviços e favorecendo a perenidade da empressa. A capacidade de absorção de novos conhecimentos está diretamente relacionada com a construção de um ambiente organizacional favorável à colaboração entre as organizações e entre as pessoas e com o comprometimento e motivação dos seus colaboradores.

No contexto das instituições públicas, existem algumas tendências contemporâneas que colocam em causa o modo de governação tradicional, ou seja, com a autoridade concentrada no Estado, com o Governo a corporizar a vontade e o interesse geral e a atuar com intervenções de caráter top-down, verticais e formalizadas. Essas tendências passam pela privatização, liberalização, desregulação, criação de incentivos para o envolvimento da sociedade civil e promoção da intervenção dos cidadãos em todos os níveis de governação, com partilha de tarefas e responsabilidades (FONSECA e CARAPETO, 2009).

Simplex Autárquico

A análise de três diferentes realidades dentro do Programa Simplex Autárquico – Porto, Águeda e Comunidade Intermunicipal do Vale do Minho, demonstrou o potencial deste programa como elemento incentivador da gestão do conhecimento para as Autarquias. O estímulo constante à implantação de melhorias nos serviços e à simplificação dos processos pode ser considerado um passo importante no sentido da formação de instituições públicas voltadas à geração e aplicação constantes de novos conhecimentos em Portugal. O compromisso assumido para a implantação das medidas faz com que as Autarquias trabalhem a melhoria contínua dos seus processos e serviços durante todo o ano.

Continue lendo: http://www.rcc.gov.pt/pt-PT/destaques/artigos/ContentDetail.aspx?id=2594

Então você quer escrever um blog de ciência

Data de publicação: 27/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/11/2010

Por Atila

Taí, depois de um comentário recente de uma companheira de departamento que se empolgou e criou um blog de divulgação científica, me dei conta do óbvio. Não conheço nenhum post discutindo como criar e manter um blog de ciência. Ocasião perfeita para eu dar meus palpites sem falar muita besteira, já que sou o primeiro.

Antes de tudo, tenho que avisar que existem blogueiros bem mais experientes do que eu. Muita gente já escrevia blog em 2004 ou antes, e entre os blogs de ciência, os que leio há mais tempo (e não necessariamente quer dizer que são mais antigos) são o Glúono 100nexos e o Ciência em Dia. Ou seja, se quiserem saber sobre a Idade Média da blogosfera, falem com os blogueiros sêniors.

Escrevo desde 2007, quando comecei o extinto Transferência Horizontal, que já começou errado, com uma piada interna de biólogo e um domínio que quase ninguém ia (http://transferenciahorizontal.blogspot.com/). Cerca de seis meses depois, mudei o nome e endereço do blog para Rainha de Copas (o endereço agora aponta para cá), e em mais uma esperteza da minha parte confundi o personagem de Lewis Carrol. Por fim, em agosto de 2008 (será que faz tanto tempo assim?) criamos o Lablogatórios, que se tornou ScienceBlogs, e mudei o nome para o personagem certo, Rainha Vermelha.

Mas acho que já escrevi o suficiente para poder dar algumas dicas, e a experiência de criar o Lablogatórios com o Carlos e ter os vizinhos fantásticos do ScienceBlogs com certeza ajudam. Então, aqui vão algumas dicas, desde para quem quer criar um blog até quem já escreve regularmente:

Como criar, onde criar?

Recomendo primeiramente que você dê uma olhada no Bê-a-Blog, um tutorial criado pela Nospheratt sobre os primeiros passos de um blog. Aproveite e dê uma boa lida no Blosque, são várias dicas muito boas. Ali você vai saber sobre os primeiros passos para criar um blog e começar a escrever.

Continue lendo: http://scienceblogs.com.br/rainha/2010/10/entao_voce_quer_escrever_um_bl.php

Redes sociais nas grandes corporações: uma ferramenta que aumenta a produtividade!

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/11/2010

Por Olhar Digital Beta

Como fazer com que as pessoas se entendam e se encontrem nas grandes empresas por meio das ferramentas de social media

Você conhece esse site, o WikiCrimes? Nele, os internautas que sofreram algum ataque ou roubo podem cadastrar a ocorrência online e assim, o mapa vai registrando, de forma orgânica, as regiões mais perigosas do planeta. E este outro site, o Sinal 3G? Nele, os usuários de rede de dados do Brasil inteiro são responsáveis por criar um mapa com informações sobre a qualidade da rede nas diferentes partes do país. Acessando o site você consegue saber, por exemplo, se vale a pena trocar de operadora ou se vai passar raiva ao tentar acessar a internet com a sua nova empresa de telefonia na cidade em que mora, com base na opinião dos próprios usuários do sistema. Este outro site aqui, o Mapa Wifi, reúne dicas de usuários, que contam onde existem redes wi-fi gratuitas abertas para o público no Brasil inteiro. E tem também o GuiaPostos, onde o pessoal se reúne para pontuar a qualidade do combustível e o preço cobrado pelos estabelecimentos. Todas essas redes foram criadas de forma espontânea. Isso mostra a importância da informação que está nas mãos de cada um de nós nos dias de hoje. Informação que não pode, de maneira alguma, ser descartada pelas grandes empresas. “Os jovens, de um modo geral, são muito adaptados. Essa geração Y quer as coisas muito rápidas e se adaptam muito rápido a esse tipo de mudanças. As pessoas de posto gerencial têm uma certa resistência para implementar esse tipo de mudança. Porém, o que a gente tem visto é um ganho muito grande de produtividade quando isso é feito de uma maneira geral dentro de uma empresa”, afirma Celso Poderoso, coordenador dos cursos de Tecnologia da FIAP/SP.

Mas como trazer o mundo das redes sociais para dentro de uma empresa? Antes de tudo, é necessário promover uma mudança cultural no ambiente corporativo. “Normalmente, as redes sociais estão associadas a falta de produtividade – o que é uma grande falta de percepção, na realidade. As pessoas podem ser muito mais produtivas utilizando as redes sociais”, afirma Poderoso.

Continue lendo: http://olhardigital.uol.com.br//produtos/central_de_videos/redes-sociais-nas-grandes-corporacoes-uma-ferramenta-que-aumenta-a-produtividade/14133/integra

Ingredientes para o Sucesso

Data de publicação: 27/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/11/2010

Por Tom Coelho

“Futuro é o período de tempo em que nossos negócios prosperam,
nossos amigos são verdadeiros e nossa felicidade está garantida.”
(Ambrose Bierce)

10 tópicos essenciais para o êxito nas corporações

Enquanto consultor, tenho tido a oportunidade de conhecer e estudar a realidade de empresas diversas, seja no porte ou na atividade econômica, concluindo que invariavelmente a distância entre o sucesso e o fracasso é mensurada pela qualidade da gestão. Desta experiência, posso afirmar que o êxito no mundo corporativo passa necessariamente pelos quesitos abaixo relacionados.

1. Propósito definido. Toda organização deve ser capaz de responder à seguinte questão: Qual é o seu negócio? Empresas de cosméticos vendem beleza, a expectativa das mulheres de se tornarem mais belas e atraentes. Companhias de transporte aéreo vendem economia de tempo, a promessa de fazer o usuário chegar mais rapidamente ao seu destino. Indústrias de freios e pneus vendem segurança. O que vende a empresa na qual você trabalha?

2. Valores e visão compartilhados. Os valores praticados (e não os meramente declarados) por uma empresa expressam seu DNA e sua personalidade. Definem o perfil de quem pode e deve vestir a camisa da corporação. E a visão, quando comungada pelos colaboradores, indica a trajetória a ser seguida. Os valores determinam o ponto de partida, e a visão, a estação de chegada.

3. Foco no cliente e na rentabilidade do negócio. O cliente é, há tempos, o fiel da balança. Do alto de sua subjetividade e infidelidade, sentencia quem capitula ou permanece no mercado, simplesmente decidindo onde e como gastar seus recursos. Mas que não se perca de vista a obrigatoriedade de a empresa ser lucrativa, e mais ainda, rentável. Este é o único caminho para a perenidade.

4. Metas factíveis, planejamento e monitoramento sistemáticos. Administrar uma empresa não é fruto do acaso. É um processo que demanda a determinação de metas específicas, quantificadas, ousadas e possíveis de serem alcançadas, traçadas dentro de um planejamento estratégico e continuamente monitoradas.

Continue lendo: http://www.arquivar.com.br/espaco_profissional/sala_leitura/artigos/ingredientes-para-o-sucesso-1

Avaliação de usabilidade, redesenho e gestão de sites

Data de publicação: 27/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/11/2010

Por Paulo Roberto Floriano

Mesmo após um redesenho, é possível que um site, uma intranet ou aplicação cresça de maneira desorganizada e volte a ter boa parte dos mesmos problemas.

Na maioria das vezes, os testes de usabilidade são realizados para apoiar um redesenho ou melhorias em um site, intranet ou aplicação.

Um pipeline de melhorias serve para resolver problemas específicos, rapidamente e com um menor custo. Muitas vezes não é suficiente pois os issues não são resolvidos de maneira sistêmica ao longo do produto, gerando inconsistências e diferença na aplicação de rótulos e padrões de navegação.

Em um redesenho, questões são resolvidas de maneira mais sistêmica, mas com custo e tempo maiores. Contudo, mesmo após um redesenho, é possível que o produto cresça de maneira desorganizada e volte a ter boa parte dos mesmos problemas.

Por quê? Porque muitas vezes os problemas encontrados nos testes de usabilidade são indícios – de que não há um processo de gestão efetivo nem regras que orientem seu crescimento sustentável.

Aplicação despadronizada de links, botões e menus, páginas que falam sobre o mesmo assunto com navegação e texto completamente diferentes, formas de navegar distintas em seções similares; tudo isso ocorre por falta de políticas, padrões e guias.

Sem estes instrumentos fica difícil organizar o trabalho principalmente em sites muito grandes, que possuem muitas equipes atualizando e implementando novas funcionalidades. Políticas, padrões e guias são documentos que orquestram o processo de atualização e evolução de um site de acordo com algumas regras essenciais e com direcionamentos básicos (recomendações), orientando cada uma das equipes. São importantes pois:

  • Garantem que certas regras não sejam quebradas;
  • Evitam a reinvenção da roda;
  • Agilizam o trabalho de arquitetos de informação, redatores, designers e editores.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/10/27/avaliacao-de-usabilidade-redesenho-e-gestao-de-sites/

Open Access no Brasil

Data de publicação: 19/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/11/2010

Por Hélio Kuramoto

Nesta semana de 18 a 24 de outubro de 2010, a comunidade científica internacional celebra a semana do acesso livre ou Open Access Week. Trata-se do movimento Open Access to Scientific Knowledge ou movimento do acesso livre ao conhecimento científico. O Brasil não ficou alheio a este movimento, vejam a seguir as nossas iniciativas.

Desde o início deste movimento, eu, enquanto funcionário do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), fui um dos seus entusiastas e, institucionalmente, promovemos, desde o seu início (2002), uma série de iniciativas com vistas ao desenvolvimento e implantação do acesso livre ao conhecimento científico produzido no Brasil.

No ano de 2005, com a colaboração da Profa. Sely Costa, hoje diretora da Biblioteca Central da Universidade de Brasília, elaboramos o Manifesto Brasileiro de Apoio ao Acesso Livre ao Conhecimento Científico. Este manifesto foi lançado em setembro de 2005 por intermédio de uma videoconferência, da qual participaram importantes autoridades da comunidade científica brasileira e pesquisadores de diversas áreas em salas localizadas em Brasília, Florianópolis, São Paulo, Fortaleza e Minas Gerais.

Em seguida, em abril de 2007 articulamos, com o apoio do Prof. Emir Suaiden, diretor do IBICT, com o Deputado Rodrigo Rollemberg, a submissão de um projeto de lei na Comissão de Ciência, Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados (CCTCI). Este projeto de lei torna obrigatório a todas as universidades e instituições de pesquisa públicas a construção de repositórios institucionais. Além disso, ele estabelece também a obrigatoriedade de os pesquisadores dessas instituições depositarem uma cópia de seus trabalhos publicados em revistas com revisão por pares. Tal projeto de lei recebeu a denominação de PL 1120/2007 e propõe em seu artigo segundo a criação de uma comissão de alto nível para discutir e definir uma política de acesso livre à informação científica para o País. Este PL encontra-se ainda em discussão na Câmara dos Deputados.

No ano de 2008, ainda que o PL 1120/2007 não tenha sido aprovado e sancionado, o IBICT promove o desenvolvimento de repositórios institucionais nas universidades e instituições de pesquisa públicas por intermédio da distribuição de 80 (servidores), que foram e estão sendo entregues, a essas instiuições, já preparados com os pacotes de software Dspace e SEER – Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas.

Continue lendo: http://kuramoto.blog.br/2010/10/19/open-access-no-brasil/

Pesquisadores debatem necessidades e tendências em serviços de rede no 16º SCI

Data de publicação: 19/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/11/2010

Por Rede Nacional de Ensino e Pesquisa

A primeira atividade após a abertura oficial do 16º Seminário RNP de Capacitação e Inovação (SCI), no dia 18/10, foi a mesa redonda “Serviços de rede – uma visão de futuro”. A sessão foi aberta pelo diretor de Engenharia e Operações da Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) e mediador da mesa, Alexandre Grojsgold.

Grojsgold explicou que o intuito da mesa era mostrar algumas das principais necessidades de serviços de rede das instituições usuárias do backbone operado pela RNP, além de traçar um panorama do que é feito hoje com os serviços disponibilizados pela organização. “A ideia aqui é que a voz seja a do usuário”, disse.

A mesa foi composta por quatro gestores de Tecnologia da Informação (TI) de instituições usuárias da RNP: Diego Luís Kreutz, da Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA); Edna da Silva Matos, do Instituto Federal da Bahia (IFBA); Lemuel Rodrigues Cunha, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG); e Yuri Evaristo Amorim, do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS).

Tecnologia para integração

Todas as apresentações abordaram em algum momento a importância das redes de alta velocidade como forma de reduzir distâncias geográficas, aproximando pesquisadores de seus objetos de estudo, possibilitando a colaboração entre estudiosos de um mesmo assunto ou ainda permitindo benefícios diretos e imediatos à população em geral.

Exemplo disso é o projeto Labweb, apresentado por Yuri Amorim, feito em parceria com a Rede de Nanotecnologia da Petrobras, que tem como objetivo possibilitar a operação remota das linhas de luz síncrotron do LNLS, usadas na análise de materiais. Com o Labweb, pesquisadores poderão utilizar a estrutura do laboratório, única na América Latina, sem precisar se deslocar de seus centros de pesquisa até a sede do LNLS, em Campinas. O projeto, que possuiu equivalentes em vários outros laboratórios síncrotron do mundo, prevê ainda ferramentas de tratamento e análise de dados, além de armazenamento e compartilhamento de informações, para aumentar a integração entre grupos de pesquisa. A primeira experiência de instrumentação remota do Labweb foi feita em junho, utilizando a rede experimental Giga, e contou com a colaboração da área de Pesquisa e Desenvolvimento da RNP.

Continue lendo: http://www.rnp.br/noticias/2010/not-101019.html

Confira as carreiras do momento no mercado de TI

Data de publicação: 15/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/10/2010

Por CIO/EUA

Pesquisa da IBM mostra que profissionais com habilidades em cloud e mobilidade serão os mais procurados nos próximos cinco anos.

O mercado de computação em nuvem e de aplicações em plataformas móveis são listados nos rankings das principais tendências de tecnologia há algum tempo, mas só a partir de 2011 esses segmentos devem realmente decolar. Com isso, os recrutadores já buscam preparar as melhores equipes para esse movimento.

Uma pesquisa anual da IBM em todo o mundo identificou que profissionais com habilidades em cloud computing e mobilidade serão os mais procurados nos próximos cinco anos. Dentre os dois mil profissionais de TI ouvidos, 91% esperam que a computação em nuvem supere as infraestruturas tradicionais como modelo primário de entrega de computação até 2015.

Além disso, 55% acreditam que, no mesmo prazo, as aplicações para dispositivos móveis superam os modelos tradicionais de desenvolvimento para PCs e servidores. Com essas crenças, é natural que as expertises nessas áreas sejam as mais buscadas.

Como efeito colateral, os profissionais de data centers, que empregam milhares de pessoas, devem se preocupar em adquirir um grande número de novas habilidades relacionadas aos novos conceitos. “A automação de tarefas reduz a necessidade de expertise em instalação de tecnologias e de aplicações, já que os fornecedores entregam produtos completos e integrados. Isso vai exigir uma mudança de área de uma boa parcela dos profissionais atuais”, avalia o gerente global de canais da IBM, Bob Getchell.

Continue lendo: http://computerworld.uol.com.br/carreira/2010/10/15/confira-as-carreiras-do-momento-no-mercado-de-ti/

Jardim Sensorial poderá ser implantado em praça pública de Rio Grande (RS)

Data de publicação: 08/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 23/10/2010

Por Vida Mais Livre

Projeto de lei foi aprovado pela Câmara Municipal no início de outubro. Agora, será examinado pelo Executivo.

Com o objetivo de implantar um Jardim Sensorial em uma praça do Rio Grande (RS), a vereadora, Luciane Compiani (PMDB), teve aprovada na segunda-feira, 4, pela Câmara Municipal, a indicação nº 243/2010, que será encaminhada ao Executivo Municipal para atendimento. A proposta visa promover atividades para beneficiar as pessoas com deficiência que precisam de relaxamento e contato com a natureza para estimular o corpo e os sentidos.

O papel de um jardim sensorial em uma praça pública transcende o espaço terapêutico e se ancora na inclusão social da pessoa com deficiência, principalmente visual. De acordo com a vereadora, grande parte dos jardins públicos não atende esta parcela da sociedade por conta da falta de adequações de seus espaços. “Em sua maioria, os jardins não são adaptados aos portadores de deficiência e idosos, incluindo em seus espaços espécies de plantas inadequadas, além de problemas com rebaixos e desníveis que dificultam a circulação dos deficientes”, destacou Luciane.

Continue lendo: http://www.vidamaislivre.com.br/noticias/noticia.php?id=2124&/jardim_sensorial_podera_ser_implantado_em_praca_publica_de_rio_grande_rs

Produza conteúdos institucionais que funcionem

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 23/10/2010

Por Beatriz Lins

Procure estruturar o site da empresa para que o visitante encontre o que procure. O processo começa não com a emissão da mensagem, mas sim com a pergunta do receptor.

Um bom texto institucional para web é como uma boa conversa. Baseado em perguntas e respostas. É assim porque, quando alguém visita um site ou faz uma busca na internet, tem sempre uma pergunta ou um tópico em mente.

A primeira coisa que o internauta faz ao chegar em um site é procurar por palavras específicas, que vão dar a ele indícios de que aquilo que ele está procurando se encontra no seu site.

É como se aquele princípio básico que aprendemos em comunicação, de emissor, receptor, código, mensagem e canal fosse invertido, começando o processo, não com a emissão da mensagem, mas sim com a pergunta do receptor.

O desafio então para produzir um conteúdo atrativo é tentar prever e responder essas perguntas.

Use personas para criar conteúdos interessantes

Uma forma interessante para tentar simular os interesses do seu público-alvo e as possíveis perguntas que ele faria é o desenvolvimento de personas. O uso de personas é originado na psicologia e foi popularizado no design por Alice Cooper.

É útil no planejamento e leiaute, mas pode ser especialmente interessante de ser utilizado quando estamos produzindo a carga inicial de conteúdo de um site, na fase em que fazemos o inventário de conteúdos a serem distribuídos dentro da arquitetura de informação.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/09/27/como-produzir-conteudos-institucionais-que-funcionem/

Programa gratuito preserva dados digitais para o futuro

Data de publicação: 06/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 22/10/2010

Por Restauro Bibliográfico

Cientistas europeus disponibilizaram gratuitamente um software desenvolvido com o objetivo de garantir que os dados armazenados digitalmente sejam preservados, acessados e compreendidos no futuro, sobrevivendo às contínuas mudanças tecnológicas. A ferramenta é resultado do CASPAR (Cultural, artistic and scientific knowledge preservation, for access and retrieval – preservação do conhecimento cultural, artístico e científico para o acesso e recuperação), um projeto que consumiu 8,8 milhões de euros de investimentos dentro do programa europeu Agenda Digital.

Os grandes volumes de dados eletrônicos, incluindo registros oficiais, arquivos históricos e resultados de pesquisas científicas estão se tornando ilegíveis ou correndo o risco de serem perdidos não apenas porque as novas tecnologias não conseguem lê-los, mas também porque os usuários não conseguem entender a informação. O objetivo do novo software de código aberto é eliminar esse problema de uma vez por todas, “por um futuro indefinido”, afirmam os pesquisadores.

Bases de dados do passado guardavam os registros em formatos diferentes e com precisão diferente das atuais, e as bases de dados do futuro também evoluirão com as necessidades e terão formatos diferentes dos atuais.

Continue lendo: http://restaurobibliografico.webnode.com.br/news/programa-gratuito-preserva-dados-digitais-para-o-futuro/

Smartphone com touchscreen que reproduz texturas é criado

Data de publicação: 06/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 2/10/2010

Por Rafael Alves

Os deficientes visuais estão sendo inseridos no contexto da inclusão digital. Uma empresa, a Nokia, inaugurou um projeto que está desenvolvendo um esforço nesse sentido: um Smartphone tátil, que pretende dar uma sensação de toque diferente a cada ícone. Com isso, a expressão “consigo usar esse aparelho até de olhos fechados” será uma realidade facilmente alcançável.

Embora ainda não haja previsão sobre quando esta novidade estará disponível no mercado, a empresa já apresentou um protótipo. É uma espécie de touchscreen em estado avançado, onde se pode sentir a textura daquilo que está na tela. A tecnologia é baseada em um efeito chamado eletro-vibração, no qual os receptores táteis da pele podem ser “enganados” na percepção. Quando você deslizar a ponta do dedo através de uma “camada de isolamento”, instalada acima de uma superfície de metal, um sistema de tensão elétrica alternada entre os pontos de toque vai lhe fornecer a sensação de relevo. Quanto maior a freqüência dessa tensão alternada, mais sublime e preciso é o sentido de textura na tela.

Continue lendo: http://hypescience.com/smartphone-com-touchscreen-com-texturas-e-criado/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+feedburner%2Fxgpv+(HypeScience)

La presión por publicar, ¿distorsiona los resultados de las investigaciones?

Data de publicação: 04/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/10/2010

Por Mercado Tecnológico

La frecuencia con la que los científicos inventan y falsifican datos o incurren en otras faltas constituye una cuestión controvertida. Un nuevo estudio financiado con fondos comunitarios afirma que la presión cada vez mayor que existe para producir resultados publicables puede repercutir de forma negativa en la calidad de la investigación científica.

El estudio contó con el apoyo del proyecto «Objective science» (Ciencia objetiva), al que se adjudicaron fondos del Séptimo Programa Marco con el fin de evaluar el sesgo de las investigaciones en los campos de las ciencias naturales y sociales. Tras analizar miles de artículos científicos, los investigadores demostraron la tendencia a informar de resultados de experimentos más «positivos» en un número reducido de instituciones de élite. ¿Pero son los resultados «positivos» más interesantes que los «negativos»?

Un resultado «negativo» no es aquel que declara que no se ha descubierto nada, sino que los indicios disponibles señalan que la hipótesis de partida era incorrecta. Y ello posee tanta validez científica como un resultado «positivo» que confirme la hipótesis. Pongamos por ejemplo el enunciado «Los datos demuestran sin ningún género de dudas que el calentamiento global antropogénico es real». Éste posee la misma validez que el enunciado «Los datos demuestran sin ningún género de dudas que el calentamiento global no es real», si es que así lo hicieron.

Sin embargo, las condiciones que se dan actualmente en el mundo académico se describen comúnmente mediante la expresión «publicar o morir». Cada vez es más común que la carrera académica de una persona se valore conforme al número de artículos científicos publicados enumerados en su currículum y el número de citas recibidas. Por consiguiente, para conseguir financiación y un empleo, los científicos deben publicar sin cesar. Igualmente, las probabilidades de que un artículo científico sea aceptado por una revista y citado posteriormente dependen de los resultados ofrecidos.

Continue lendo:  http://www.clud.es/clud.cordis.ofertas.2078678

Deficientes visuais não tem acesso a lista de candidatos em braile

Data de publicação: 04/10/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 17/10/2010

Por Vera

Portadores de deficiência visual, que votam na seção especial da escola estadual Otoniel Mota, apesar de terem tido urnas eletrônicas adaptadas, não puderam contar com uma listagem dos candidatos em braile, nem com a confirmação de áudio voto por voto.

O aposentado José Luiz Ichiro Yamamoto, 65, que é deficiente visual, disse que, devido ao problema, não sabe se conseguiu votar nos candidatos que queria. “Não tem a listagem completa dos candidatos em braile à disposição da gente. Não sei o que houve porque nos outros anos, sempre tinha lista em brail”, disse Yamamoto, que ficou irritado com a falha.

Outro portador de deficiência visual, o autônomo Waldir de Souza, 69, disse que só não se sentiu prejudicado porque havia decorado o número de todos os candidatos em quem iria votar. “Eu acho que é um problema muito sério e que isso precisa ser corrigido para a próxima eleição”, afirmou Souza. Segundo ele, o áudio da seção só informava que ele havia conseguido votar, mas não confirmava em quais candidatos ele estava votando. Souza, que vota no local desde 1960, disse se lembrar que em outras eleições eram disponibilizados áudio de confirmação candidato a candidato, além da listagem com o número dos candidatos em braile.

Continue lendo:  http://www.deficienteciente.com.br/2010/10/deficientes-visuais-nao-tem-acesso.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Blogueiro tem papel fundamental no conhecimento do futuro, diz pesquisadora

Data de publicação: 01/10/10

Data de publicação no Blog DA ECI: 17/10/10

Por MARINA LANG

Cerca de dez anos após o seu surgimento, os blogs –que já foram declarados como “mortos” em alguns cantos da internet– poderão ser a bola da vez no conhecimento do futuro.

Baseada nesta opinião, a pesquisadora e artista Raquel Rennó afirma que a visualização de dados é a nova forma de conhecimento do futuro. Isso ocorre porque o excesso de informação é um dos pontos nevrálgicos da sociedade 2.0.

“Você não sabe o que ler. Tudo está disponível, é difícil selecionar o que ler e absorver”, disse ela à Folha, durante o evento arte.mov no Museu de Arte Moderna em Salvador. Radicada em Barcelona, a brasileira também expõe no festival de arte eletrônica, cuja realização é da Vivo.

“A grande forma de poder do futuro será selecionar a informação. Relacionando informações, percursos, orientações de leitura, dizendo o que é importante ou não.”

É daí que vem a importância dos blogueiros, segundo Rennó. “Eles vão selecionando e vão dizendo o que é importante. O blogueiro tem papel fundamental no conhecimento do futuro”.

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/tec/807913-blogueiro-tem-papel-fundamental-no-conhecimento-do-futuro-diz-pesquisadora.shtml

Web 2.0 retomou conceito grego de democracia, diz pesquisadora

Data de publicação: 30/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por Livraria da Folha

A eleição de Barack Obama em 2008 revolucionou a história política mundial por conta da utilização da internet. Por meio da web 2.0, ou web participativa, os próprios eleitores fizeram campanha e divulgaram Obama em seus perfis no microblog Twitter, no Facebook, Youtube e outras redes sociais.

Este foi um dos casos utilizados por Drica Guzzi para ampliar sua tese de mestrado e produzir o livro “Web e Participação: A Democracia no Século XXI”. A pesquisadora tomou o tema de seu trabalho do período em que fez parte do programa Acessa SP, iniciativa do governo do Estado de São Paulo para aumentar a inclusão digital.

Guzzi observou que aqueles que dominavam o uso da internet tornavam-se mais participativos nas comunidades virtuais. Depois, esta postura era ampliada para a esfera pública e trazida para fora do mundo virtual. O estudo de caso para embasar sua pesquisa utilizou o Fala São Paulo, canal de expressão dos usuários do Acessa SP.

Em sua apresentação, escrita especialmente para tirar o caráter acadêmico do texto inicial, a autora relembra o conceito grego de democracia. Com isso ela faz um breve histórico da evolução do conceito democrático e como a web 2.0 resgatou a postura grega em relação à comunidade.

Leia abaixo trecho da apresentação de “Web e Participação: A Democracia no Século XXI”.

Contexto histórico: democracia e novas tecnologias de informação

Estamos vivendo o processo da mundialização, de implantação de uma nova forma de comunicação baseada em uma rede digital de dados extremamente complexa e descentralizada: a internet. O conjunto das atividades que ocorrem na rede, ou em decorrência dela, aponta para formas cada vez mais importantes em relação à atividade econômica, interações sociais, educacionais, culturais e políticas, enfim à era da sociedade em rede, também chamada sociedade do conhecimento ou sociedade da informação.

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/folha/livrariadafolha/807017-web-20-retomou-conceito-grego-de-democracia-diz-pesquisadora.shtml?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Era dos livros eletrônicos complica vida dos escritores

Data de publicação: 29/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por Redacção Zwela /  By Jeffrey A. Trachtenberg – The Wall Street Journal

Quando a agente literária Sarah Yake ofereceu a algumas editoras o romance de estreia de Kirsten Kaschock, chamado “Sleight”, ela pensava que seria um sucesso imediato com os editores nova-iorquinos.

“O projeto dela foi um dos melhores dos últimos dez anos”, diz Jed Rasula, que desde 2001 leciona no departamento de letras da Universidade da Georgia. “Eu tinha certeza que ela encontraria uma editora em Nova York.”

Mas as grandes editoras da cidade rejeitaram “Sleight”, um romance sobre duas irmãs que são treinadas numa arte fictícia. Agora o livro será publicado pela Coffee House Press, uma pequena editora de Minneapolis que ofereceu a Kaschock um adiantamento de US$ 3.500 — uma pequena fração do que as grandes editoras costumavam pagar.

Sempre foi difícil para um autor estreante conseguir publicar seu livro numa grande editora. Mas a revolução digital que está mudando o modelo econômico da indústria editorial tem tido um impacto exagerado na carreira dos escritores.

Por ter preços menores que os de livros tradicionais, muitas edições digitais rendem menos para as editoras. E as grandes varejistas têm comprado menos títulos. O resultado é que as editoras que acalentaram gerações de escritores americanos passaram a fechar menos acordos com escritores estreantes. A maioria dos que conseguem a publicação tem recebido adiantamentos menores.

“Os adiantamentos encolheram e não há tanta gente estreando como antes”, diz Ira Silverberg, uma conhecida agente literária. “Estamos todos tentando entender como vai ficar o negócio enquanto ele passa por essa turbulência digital.”

Da mesma maneira que a música barata na internet fez com que menos bandas conseguissem ganhar a vida fechando contratos com gravadoras, à medida que o e-book se popularizar, menos escritores conseguirão se sustentar, dizem editores e agentes. “Em termos de ganhar a vida como escritor, é melhor que você tenha outra fonte de renda”, diz Nan Talese, cujo selo Nan A. Talese/Doubleday publica autores como Ian McEwan, Margaret Atwood e John Pipkin.

Continue lendo: http://www.zwelangola.com/ler.php?id=3342

Digitalização de acervos

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por  Juliana Nepomuceno / Comunicação Social/MinC

Preciosidades do acervo da Funarte agora disponíveis na internet

Se o diálogo de Nelson Rodrigues se desencontrou em algum momento nos palcos, hoje, com grande parte do acervo fotográfico das peças do autor já digitalizada pelo Estúdio Foto Carlos, qualquer pessoa pode ver e rever grandes momentos, por meio da rede mundial de computadores.

E este acervo já digitalizado vai longe: ele ainda inclui Augusto Boal, Walter Pinto, o Projeto Pixinguinha, entre outras fotos da Coleção Foto Carlos. O universo digital, idealizado no ano de 2000 pela Fundação Nacional de Artes [Funarte], instituição vinculada ao Ministério da Cultura, possibilitou que em 2009 fosse lançado um projeto inovador, o Portal das Artes, viabilizado pelo projeto Brasil Memória das Artes, patrocinado pela Petrobras, Itaú Cultural e CSN.

O acervo do Centro de Documentação da Funarte preserva, por meio de fotos, vídeos e textos, momentos marcantes e históricos da trajetória das mais diversas expressões artísticas brasileiras, como teatro, dança, música, artes visuais, fotografia. Grande parte já está digitalizada e disponível na internet. “Inicialmente, o projeto enfrentou algumas dificuldades, já que as mídias digitais estão em constante atualização. Hoje, além do Portal, estamos no YouTube e no Twitter, e nossa intenção é trabalhar cada vez mais com outras mídias”, esclarece a coordenadora do Portal, a jornalista Ana Claudia Souza.  Segundo ela, o projeto representa a manutenção da memória cultural brasileira, que, ao articular-se com o presente, busca melhorar a comunicação da Funarte com o seu público, possibilitando o acesso de todos à arte.

O esforço em aproximar o acervo do público inclui destacar algumas peças importantes e propor uma abordagem específica. Ao comemorar 30 anos de morte do celebrado dramaturgo brasileiro Nelson Rodrigues, a equipe do projeto trouxe textos, como uma pequena biografia do autor, fotos, além de vídeos produzidos pela própria Funarte. Entre as fotos, cenas de “Vestido de Noiva” [1965], um marco do moderno teatro brasileiro, uma carta-homenagem de Nelson Rodrigues para a atriz Thelma Reston, que estreou na peça “A Falecida”, em 1980, além de uma rara participação do dramaturgo, jornalista e ator na tragédia carioca por ele escrita, “Perdoa-me por traíres” [1957], ao lado Léa Garcia.

Continue lendo: http://ebookpress.wordpress.com/2010/09/27/digitalizacao-de-acervos/

ProAgência lança manual para melhorar inteligência competitiva do setor turístico

Data de publicação: 29/09/2010

Dta de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por Agência Sebrae de Notícias

Nos últimos 10 anos, com avanço da internet e popularização das passagens aéreas, pequenas agências de viagem encontras dificuldades para se manter no mercado

Dez mil agentes de viagem e receptivos em todo o País vão receber em breve o manual ‘Estratégias de Inteligência Competitiva para as agências de viagens’, que foi lançado nesta quarta-feira (29), na sede da Associação Brasileira das Agências de Viagem (Abav), em São Paulo. O manual também será distribuído na Feira das Américas, um evento promovido pela entidade no Rio de Janeiro, em outubro.

O objetivo da publicação, que é uma iniciativa do ProAgência II (uma parceria entre Sebrae e Abav), é apontar as práticas e os conceitos da Inteligência Competitiva que devem ser utilizados pelo agente de viagens para antecipar-se às tendências mercadológicas e à evolução da concorrência.

Para o presidente da Abav, Carlos Alberto Amorim, o mercado de turismo no Brasil mudou muito e os agentes de viagem continuam como estavam há 10 anos. “Os agentes não têm acompanhado as mudanças. Queremos, com o manual, trazer mais capacitação e profissionalismo visando o futuro das agências no país”. Segundo a Abav, 95% das agências de viagens são micro e pequenas empresas.

Uma das grandes preocupações da instituição, diz Amorim, é que as agências perderam o grande filão da venda de passagens aéreas, feita agora diretamente entre as companhias e os clientes. Pesquisa feita pelo Ministério do Turismo revela que 75% dos viajantes negociaram diretamente com os fornecedores de produtos turísticos e apenas 24% utilizaram as agências de viagem. “Agora é hora de inovar e buscar um relacionamento diferente”, avalia Amorim.

Continue lendo: http://revistapegn.globo.com/Revista/Common/1,,EMI175661-17180,00.html

Projetos de inclusão digital terão recursos para tecnologia da informação

Data de publicação: 28/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por  Agência Brasil

O Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) lançou edital para selecionar projetos de extensão que tenham como suporte as redes e tecnologias de informação e comunicação. Serão investidos nas propostas aprovadas R$ 5,5 milhões. A iniciativa será viabilizada por meio da Secretaria de Ciência e Tecnologia para Inclusão Social (Secis) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Os projetos devem contribuir para a inclusão digital e social e para o desenvolvimento sustentável local, por meio da disseminação e transferência de tecnologia em comunidades. As propostas devem estar claramente caracterizadas como projeto de extensão inovadora nas áreas de comunicação, cultura, direitos humanos e justiça, educação, meio ambiente, saúde, tecnologia e produção e trabalho.

Cada projeto pode solicitar o valor de até R$ 68,7 mil e ter prazo máximo de execução de 12 meses. Caso haja acréscimo de recursos, o prazo de execução do projeto pode ser prorrogado por igual período. O projeto não pode ter duração superior a 24 meses.

Continue lendo:  http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=14300

Nem todos confiam na Web 2.0

Data de publicação: 28/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por B2B Magazine

A McAfee, Inc. (NYSE:MFE) divulga uma pesquisa global inédita, intitulada Web 2.0: Um equilíbrio complexo – O primeiro estudo global sobre utilização, riscos e práticas recomendadas na Web 2.0. Este estudo aponta o Brasil, a Espanha e a Índia como os países líderes na adoção da Web 2.0 no ambiente corporativo. Canadá, Austrália, Estados Unidos e o Reino Unido registram os menores índices de utilização dessas tecnologias. O levantamento, encomendado pela McAfee e de autoria do corpo docente afiliado ao CERIAS (Center for Education and Research in Information Assurance and Security / Centro de Educação e Pesquisas de Garantia e Segurança da Informação) da Universidade Purdue, nos Estados Unidos, contou com a participação de mais de mil entrevistados, em 17 países, incluindo empresas do Brasil de pequeno, médio e grande portes.

Os executivos ouvidos na pesquisa reconhecem a importância da Web 2.0 para impulsionar a produtividade e a geração de novas receitas para os negócios. No entanto, manifestam muitas preocupações sobre as ameaças à segurança dos dados das companhias. Segundo o levantamento, seis entre dez empresas (70%) já sofreram perdas de aproximadamente US$ 2 milhões, cada uma, o que resulta em uma perda coletiva de mais de US$ 1,1 bilhão com incidentes relacionados à segurança no último ano.

De acordo com o estudo, 50% das empresas estão bem atentas com a segurança dos aplicativos da Web 2.0, enquanto 60% delas se preocupam com os prejuízos à reputação devido ao mau uso da Web 2.0. A pesquisa também identificou os fatores que motivam o uso da Web 2.0 e das redes sociais nas empresas, avaliando benefícios e riscos. Ao mesmo tempo em que as organizações reconhecem o valor potencial inerente às ferramentas da Web 2.0, os responsáveis pelas decisões continuam a discutir se devem permitir o uso dessas redes no ambiente de trabalho.

“As tecnologias da Web 2.0 estão influenciando todos os aspectos relativos ao modo como as empresas realizam suas operações”, informa George Kurtz, diretor de Tecnologia (CTO) da McAfee.  “À medida que as tecnologias da Web 2.0 ficam populares, as empresas se deparam com uma escolha: permitir a propagação dessas tecnologias sem verificação adequada, bloquear as tecnologias ou aderir a ela e a seus benefícios, realizando o devido gerenciamento de forma segura”, comenta o executivo

Continue lendo: http://www.b2bmagazine.com.br/b2bmagazine/Portugues/detNoticia.php?codnoticia=24884&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Inova fala sobre propriedade intelectual em congresso de iniciação científica

Data de publicação: 24/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/09/2010

Por Veronique Hourcade

Com a proposta de ampliar a difusão sobre a importância da propriedade intelectual junto à comunidade acadêmica, a Agência de Inovação Inova Unicamp realizou na quinta-feira (23) uma palestra, dentro da programação do XVIII Congresso de Iniciação Científica da Unicamp – Pibic 2010. O objetivo foi o de mostrar o que é a proteção do conhecimento, normas que regem o sistema patentário e os benefícios que essa prática podem representar. A palestra foi apresentada pelo analista de propriedade intelectual Gabriel Gustavo Guion, no auditório do Centro de Convenções da Unicamp, que destacou a necessidade dos pesquisadores se preocuparem em utilizar, também, as bases de patentes como fonte de pesquisa, além das bases científicas.

Essa prática, de acordo com ele, evita o que chamou de reinvenção da roda, além de ser um recurso que permite o acesso a uma ampla gama de informações a respeito do que vem sendo desenvolvido, tanto no Brasil como em outros países do mundo. As bases de patentes que Guion recomendou são: do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), a dos Estados Unidos (USPTO), a européia (Esp@net) e, principalmente, a Derwent, que a comunidade interna da Unicamp tem acesso gratuito. No site da Inova é possível encontrar os links dessas e outras bases.

Guion aproveitou a palestra para apresentar ao público presente, formado principalmente por alunos da graduação, além de docentes, o trabalho que a Agência de Inovação desenvolve. A reprodução do vídeo institucional, produzido em 2008 em comemoração aos cinco anos da Inova, ilustrou o atendimento prestado aos pesquisadores.

Continue lendo: http://www.unicamp.br/unicamp/divulgacao/2010/09/25/inova-fala-sobre-propriedade-intelectual-em-congresso-de-iniciacao-cientifica

Os desafios da ‘nuvem’

Data de publicação : 25/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por Agências

As empresas de tecnologia se preparam para a grande revolução na internet da chamada computação na nuvem, um fenômeno que soa etéreo e inócuo, mas que ajuda perigos reais associados ao secretismo dos centros de dados.

A popularização dos dispositivos portáteis como celulares e leitores digitais, cada vez menores, potentes e acessíveis, e a universalização da internet favoreceu o florescimento de serviços informáticos acessíveis pela rede sem necessidade de instalar um software específico ou de armazenar a informação em um disco rígido.

Esse ciberespaço, conhecido como nuvem, não é novo e tem como porta-bandeira o e-mail, mas seu potencial excede amplamente à mera revisão de correspondência virtual.

Atualmente já existe inúmeros software on-line criados por empresas de renome como Microsoft, Oracle e Google, mas o boom das redes sociais e aplicativos, cada vez mais integrados na vida cotidiana, desenha um futuro promissor a essa nova dimensão.

“Todos os aparelhos se conectarão à nuvem, cada um para um uso específico”, explicou Jamin Spitzer, diretor de Estratégia na Nuvem da Microsoft em um recente encontro com jornalistas latino-americanos.

“Uma geladeira poderá interagir com seu proprietário através de uma base de dados e avisá-lo por telefone para que compre mais leite porque o que tem ficou azedo”, exemplificou Spitzer.

Uma das grandes vantagens de operar na nuvem é que o usuário pode se esquecer totalmente de manutenção, atualizações e segurança associada aos programas. Ele ganha ubiquidade, onipresença seus arquivos viajam com ele aonde quer que vá.

Continue lendo:  http://blogs.estadao.com.br/link/os-desafios-da-nuvem/

Entrevista a Iría Álvarez, coordinadora de la edición digital de Revista de Libros

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/09/2010

Por María Benítez

Iría Álvarez es coordinadora de la edición digital de “Revista de Libros”. Hoy comentará con nosotros acerca del panorama actual de la edición electrónica así como la forma en que “Revista de Libros” se ha sabido adaptar a los tiempos que corren no dejándose llevar por la novedad y apostando por conservar a sus lectores de siempre.

En el  Quiénes somos su web afirman que al crear Revista de Libros en 1996 pretendían llenar un vacío existente hasta ese momento: “opinión cultural de altura para un público muy formado y con intereses más amplios que los correspondientes a su especialidad”. ¿Tan necesitado se veía el panorama en aquel momento? ¿Cuál era su baza frente a otras publicaciones a parte de la novedad del enfoque?

Cuando la Fundación Caja Madrid encargó a Álvaro Delgado-Gal la creación de Revista de Libros, ya existían buenos suplementos culturales, revistas literarias de calidad y revistas de opinión política. Los suplementos culturales presentaban, por la fuerza de las cosas, un perfil periodístico; las revistas literarias eran eso, literarias, y las publicaciones de orientación política estaban especializadas en los dos o tres temas que rigen la agenda de la vida pública. Lo que no había era una revista que pudiese ofrecer opinión experta sobre una amplísima gama de temas, desde las ciencias puras a la economía, la política y la literatura. Ahí entró el tándem compuesto por Álvaro Delgado-Gal y Amalia Iglesias, director y jefa de redacción respectivamente. El formato natural para desempeñar ese trabajo era la reseña de libros con aliento ensayístico.

Al mirar atrás, ¿creen que es específicamente ése el público lector que compra Revista de Libros? ¿Ha podido darse algún tipo de evolución desde que la revista salió a la calle? ¿Cuál es la media de edad?

Desde el departamento de edición digital, trabajamos para situar nuestros contenidos en canales que hasta el momento permanecían inexplorados: plataformas digitales, librerías online y kioscos electrónicos, index especializados, etc. IRex, Papirex, Illiad… –también Kindle y iPad, a partir del próximo trimestre–. Los nuevos formatos y dispositivos de lectura nos han permitido aproximar la revista a un público más joven, altamente familiarizado con las nuevas tecnologías y dispuesto a pagar los 35 € que cuesta una suscripción, pero también consolidar nuestra implantación en el ámbito académico, ofreciendo a las bibliotecas y consorcios de bibliotecas nuevas facilidades de acceso a nuestros contenidos.

Continue lendo: http://www.recbib.es/blog/entrevista-a-iria-alvarez-coordinadora-de-la-edicion-digital-de-revista-de-libros

CNJ investe mais de R$ 100 milhões em tecnologia da informação nos tribunais

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) investiu, nos últimos três anos, R$ 106 milhões em tecnologia da informação em diversos tribunais do país. A maior parte dos recursos, 90%, foi destinado aos tribunais estaduais para modernizar e aperfeiçoar o Judiciário e proporcionar mais agilidade à tramitação dos processos.

Esses recursos foram utilizados para aquisição de equipamentos de informática (computadores, scanners, impressoras), licenças e programas necessários para a modernização dos sistemas e atende à Resolução 90 do CNJ, que determina o nivelamento das áreas de Tecnologia da Informação (TI), no âmbito do Poder Judiciário, e a elaboração de um planejamento específico para a área de TI dos tribunais estaduais. “Estamos buscando maior rapidez e eficiência do Poder Judiciário, além de maior automação da Justiça”, explicou o juiz Marivaldo Dantas, auxiliar da presidência.

Para fornecer os equipamentos, o CNJ criou um Comitê Gestor de Sistemas Informatizados (CGTI) integrado por juízes auxiliares e servidores das áreas administrativas e de tecnologia da informação, que se reuniu com representantes dos departamentos de informática e orçamento dos tribunais para discutir o assunto. Os equipamentos foram repassados aos tribunais estaduais pelo CNJ mediante convênio.

Continue lendo:  http://www.direitodoestado.com.br/noticias/11038/CNJ-investe-mais-de-R$-100-milh%C3%B5es-em-tecnologia-da-informa%C3%A7%C3%A3o-nos-tribunais

Deficientes nas universidades em Mato Grosso são menos de 2%

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 03/10/2010

Por Vera

Barreiras físicas, burocráticas e sociais dificultam o ingresso dos deficientes físicos no ensino superior. Menos de 2% de graduandos das universidades de Mato Grosso tem algum tipo deficiência. Na Universidade do Estado (Unemat) esse índice é apenas é 0,07%, muito pouco frente a estimativa de 250 mil deficientes que vivem no Estado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Parece mentira, mas a falsa ideia de que essas pessoas devem ficar em casa em vez de estudar e trabalhar ainda tem raízes no censo popular. Kamila Cristhine Fonseca, 24, tem deficiência auditiva, viveu essa realidade, mas não se deixou abater pelos comentários. “As pessoas não acreditam que um surdo pode fazer uma faculdade, mestrado, doutorado”, conta com os gestos rápidos e precisos de quem domina a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

Uma das coisas mais complicadas para o surdo é entender a língua portuguesa, pois além da Libras utilizar outra sintaxe – disposição das palavras na frase – não há a fonética. Por isso, disciplinas como português, redação, história e geografia tornam-se um dilema na vida de um deficiente auditivo. Essa dificuldade o acompanha desde o momento que coloca o pé na escola e se agrava no vestibular.

Para ingressar no curso de Sistema de Informação, na Universidade de Cuiabá (Unic), Kamila dedicou grande parte da sua vida escolar para o estudo do português. Para fazer o vestibular, focou na redação como nenhum outro candidato. Aprovada, começava outra dificuldade, compreender aquilo que o professor dizia.

Desde os primeiros anos de escola, Kamila nunca teve a oportunidade de ter um intérprete. Para superar essa carência, sempre sentou na frente do professor e prestava atenção em tudo. Sofreu, reprovou, mas nunca desistiu. Ao chegar à universidade percebeu que a situação era diferente, mais complicada, e com as dicas de uma amiga mudou a realidade da universidade. Ela entrou com um pedido de ação no Ministério Público, solicitando um intérprete e nem isso foi fácil. Para provar que sabia a língua dos sinais precisou fazer um vídeo em que aparecia “falando” em libras.

Continue lendo: http://www.deficienteciente.com.br/2010/09/deficientes-nas-universidades-em-mato.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Aprendizagem informal não é bagunça

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 02/10/2010

Por José Cláudio Terra

Aprender na escola, na faculdade, na pós-graduação e também nos cursos e treinamentos oferecidos pela Universidade Corporativa isto eu entendo. É bem organizado, tem avaliação e eu consigo mostrar os resultados inclusive em forma de gráficos. Pois bem, meu salário está justificado.

Racionalidade pura. Certo? Não. Errado.

Talvez certo do ponto de justificativa da manutenção de empregos, de enquadramento dentro de uma lógica baseada na eficência, no operacional. Mas com certeza errado quando falamos de aprendizado individual e, principalmente, organizacional regenerativo, voltado para o conhecimento coletivo e para a criação de conhecimento voltados para inovação.

O aprendizado formal não vai desaparecer. Longe disso. Mas o informal será cada vez mais prevalente à medida que caminhamos para uma ubiquidade cada vez maior no acesso à informação, uso de redes sociais e foco em dinâmicas de trabalho e organicionais nas quais o conhecimento, e mais ainda, a capacidade de contribuição e aprendizado individual fica menos bloqueada em função de barreiras de status, hierárquicas e geográficas.

Continue lendo: http://www.terraforum.com.br/blog/Lists/Postagens/Post.aspx?List=b2b6952d-29c2-4624-a3d1-c2d79dda6ca4&ID=281&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Apagão de mão de obra

Data de publicação: 24/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 02/10/2010

Por Ana Clara Cenamo

Sobram oportunidades, faltam profissionais. Como resolver a equação?

Há 10 anos, em 2000, quem precisava contratar especialistas digitais frequentemente se deparava com um personagem batizado por Michel Lent (VP de Criação da Ogilvy Interactive) de “estragadinho da web“: jovem, entre 20 e 25 anos, com uma autoestima hiper elevada, totalmente fora da realidade salarial e com baixíssima capacidade de entrega real.

Como a escassez de mão de obra era imensa, o mercado atuava “estragando” jovens que, sem orientação, experiência e principalmente sem formação acadêmica, se vendiam ao maior lance do leilão. Este era o cenário no ano 2000, pouco antes do estouro da “bolha” e da evasão de mão de obra que se seguiu.

De 2000 para cá aconteceu um grande gap: um crescente desinteresse pelas profissões relacionadas à internet devido à “tragédia” vivida por quem apostou na Web em 2000 e viu o sonho se desfazer de uma hora para outra. Os que persistiram e continuaram apostando no mercado digital são hoje os poucos profissionais sêniors que se desdobram para dar conta da oferta de oportunidades e necessidade por parte das marcas existentes.

Hoje vivemos um segundo boom de oportunidades de desenvolvimento digital.

Anunciantes percebem que a participação das classes C e D na internet é uma realidade. Saber o que fazer neste ambiente e estabelecer presença no meio digital é imperativo e requer uma estratégia bem traçada.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/09/24/apagao-de-mao-de-obra/

Acesso à inovação e qualificação de mão de-obra são principais desafios de pequenas empresas

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 02/09/2010

Por Cristina Tolentino

O acesso à inovação tecnológica e o esforço de qualificação dos empregados das micro e pequenos empresas são dois dos principais desafios de incentivo ao segmento no País e requerem atenção especial de todos que atuam na área.

A avaliação é do diretor de administração e Finanças do Sebrae, José Claudio dos Santos, em palestra proferida nesta quinta-feira (23) no X Encontro Nacional de Estudos Estratégicos, promovido pela Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. O objetivo foi debater a segurança e o desenvolvimento do Brasil até 2022.

José Claudio participou do painel que tratou sobre Inovações para Qualificar o Trabalhador e Fomentar o Empreendedorismo no Brasil. “As pesquisas mostram que as micro e pequenas empresas não têm, sozinhas, condições de investir para fazer os aportes necessários na área de tecnologia”, disse. Ele destacou esforços do Sebrae nesse sentido e reforçou a importância do apoio, também, de demais órgãos e instituições que atuam na área como o Ministério da Ciência e Tecnologia e a Finep (Financiadora de Estudos e Projetos).

O desafio da formação de mão-de-obra nessas empresas, “se não for enfrentado de maneira bastante efetiva, inclusive com aporte de investimentos, será um sério problema mais à frente”, disse o diretor. Para José Claudio, não apenas a capacitação de pessoas, mas também dos próprios pequenos negócios precisam estar no centro dos debates sobre desenvolvimento até 2022, em virtude da sua importância econômica e social.

“Estamos falando de 5,8 milhões de micro e pequenos empreendimentos, que representam mais de 99% do total de empresas do País, respondendo por 13 milhões de empregos, ou 52% do total de trabalhadores com carteira assinada”, lembrou. “É preciso achar uma forma adequada e inovadora de buscar as soluções”.

Continue lendo: http://www.arquivar.com.br/espaco_profissional/noticias/dicas-e-noticias-franquias/acesso-a-inovacao-e-qualificacao-de-mao-de-obra-sao-principais-desafios-de-pequenas-empresas

Falhas mostram despreparo de sites de redes sociais

Data de publicação: 27/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 02/010/2010

Por Altieres Rohr

Problemas são significativos, mas não afetam o PC do usuário.

A semana começou a terminou do mesmo jeito: com ataques em alguma rede social. Na terça (21), Twitter. Na sexta (24) e sábado (25), Orkut. No domingo (26), Twitter e YouTube. De certa forma, a semana resume o mês, que no início teve um ataque às comunidades do Orkut, e em seguida dois dias seguidos de falhas no Twitter que permitiram a criação de vírus. O que esse cenário mostra é o despreparo das empresas que criam portais de internet para lidar com segurança. Entenda as falhas e por que elas são significativas na coluna Segurança para o PC de hoje.

XSS – o Cross-site Scripting e o “vírus de perfil”

Chamar os códigos que se espalharam pelas redes sociais de “vírus”, ou mesmo o termo mais técnico “worm”, é um certo abuso do termo. Vírus infectam o computador. Essas pragas são no máximo “vírus de perfis”, porque atuam somente no campo da rede social.

Isso acontece porque um site não tem permissão para colocar arquivos maliciosos no computador do internauta. Isso só é possível por meio de um download ou por meio da exploração de uma falha de segurança no navegador.

Para se espalhar de um perfil a outro, no entanto, basta uma falha no próprio site. A falha mais comum desse tipo é a chamada de Cross-site Scripting (XSS). É um tipo de brecha que permite ao atacante incluir um código no site.

Por exemplo, um tweet deve conter apenas texto e links. Não é possível – sem o uso de vulnerabilidades – que a simples visualização de um tweet faça com que você abra um site ou poste algo no serviço de microblog.

Continue lendo: http://g1.globo.com/tecnologia/noticia/2010/09/falhas-mostram-despreparo-de-sites-de-redes-sociais.html

Usabilidade na internet: será coisa para especialista?

Data de publicação: 25/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 02/10/2010

Por Klaus Junginger

Um engano que se comete ao analisar a usabilidade de um site é entregar o trabalho nas mãos de um especialista ou de basear essa verificação apenas em itens de cunho predominantemente técnico.

Essa foi a essência da apresentação de Ana Martins, analista de SEO (Search Engine Optimization – otimização de sites para buscadores, como o Bing) durante a palestra inaugural do UAISEO, mais um evento voltado às comunidades de search e de SEO brasileiras, que começou hoje, 25/9, em Belo Horizonte.

Ana explica que “o usuário entra na internet disposto a converter”, essa conversão pode ser, inclusive, uma compra – a rainha das conversões. Mas ele entra disposto a deixar um comentário, a clicar no botão “curtir” ou a dar um RT no endereço do conteúdo com que acaba de encontrar. Sabendo disso, os administradores de sites acreditam que o olhar que lançam sobre o conteúdo e a forma de usar o site estão alinhados às intenções da marca e ou empresa. “É onde ocorre o erro”, diz Ana, enquanto ocupa o placo do congresso que, apesar de vários atrasos ocasionados por voos e por estradas congestionadas, já contava com mais de 200 profissionais de web sentados no auditório da UniBh.

Para o heavy user, pessoas acostumadas a passar horas e mais horas surfando na internet, um link tem uma função óbvia. Mas esse não é o caso dos early users, como Ana se refere àqueles que vez por outra se digladiam com os WWWs, com os pedidos de login e termos de uso, podem ser pessoas de mais idade, podem ser internet newbies (os bebês da internet). “Alguém aqui já assistiu um teste de usabilidade feito em laboratório?” pergunta a palestrante. “É sensacional, a gente fica do lado da pessoa para observar a maneira como ela navega pelo conteúdo do site; chegam a passar com o mouse por cima dos links várias vezes, viram para você e perguntam onde devem clicar”. Se navegar na web deveria ser uma experiência agradável e dar ao usuário a sensação de estar ganhando alguma coisa, essa experiência vai por água abaixo à medida que “o potinho de paciência líquida”, com que todo internauta acessa a web, evapora.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/blog/jornalismoonlineseo/2010/09/25/testes-de-usabilidade-de-sites/

Derecho de información vs. desinformación

Data de publicação: 23/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 26/09/2010

Por Maria Eugenia Yabar

El novísimo artículo 52-A de nuestra Ley General de Sociedades (LGS), impacta en el ejercicio del derecho de información de los accionistas de sociedades anónimas distintas a la sociedad anónima abierta (SAA).

Un antes y un después

Con excepción de las SAA, hasta el pasado julio los accionistas de las sociedades reguladas por la LGS podían solicitar a la sociedad información directamente relacionada con asuntos a ser desarrollados en la Junta General de Accionistas (JGA) convocada. La solicitud debía realizarse desde el día de la publicación de la convocatoria a JGA o durante su desarrollo y el derecho de información se encontraba delimitado por materia y oportunidad. No era absoluto.

La delimitación arriba descrita ha quedado bruscamente impactada.

El artículo 2º de la Ley Nº 29566, “Ley que modifica diversas disposiciones con el objeto de mejorar el clima de inversión  y facilitar el cumplimiento de obligaciones tributarias” (la Ley), que crea el artículo 52-A, señala que las sociedades anónimas deberán entregar la información requerida por los accionistas en cualquier momento y sobre cualquier materia. Parecería que dicho derecho se puede ejercer 24/7, siendo extremos, no importa el día ni la hora. Los únicos requisitos: que la solicitud verse sobre asuntos relacionados con la sociedad y su operación; que sea formulada por escrito por accionistas que representen no menos del 5% del capital pagado (no importa si las acciones tienen o no derecho a voto); y, que no se traten de asuntos reservados o cuya divulgación pueda causar daño. Este último bastante subjetivo.

Continue lendo: http://semanaeconomica.com/articulos/58941-derecho-de-informacion-vs-desinformacion

Entre o passado, o presente e o futuro: inspiração nos caminhos da memória

Data de publicação: 23/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 26/09/2010

Por Rodrigo Cogo

Para compreender os estudos de memória, e fazer uma incursão mais específica sobre memória organizacional, é interessante perceber que, para muitos pesquisadores, a história seria, na verdade, o reino do inexato, conforme manifesta Le Goff (2003). No geral, a história parece querer tornar as coisas contemporâneas, mas ao mesmo tempo tem que reconstituir a distância e a profundidade da lonjura histórica. Este autor trata da história vivida das sociedades humanas e do esforço científico para descrevê-la e interpretá-la, como dois pólos entre os quais se resume o próprio conceito de história. Ao tempo natural e cíclico das estações e do clima se justapõe, e até se contrapõe, a percepção de duração registrada pelos homens; e a memória pessoal e coletiva fica submetida ao calendário e ao relógio, instrumentos de domesticação e de domínio do tempo. Nessa contínua defasagem, insinuam-se a ideia de história, ambígua e mutável, e a relação entre o passado e o presente.

É como assinala Chesneaux (1995, p.67), quando afirma que “os fatos históricos são contraditórios como o próprio decorrer da história; eles são percebidos diferentemente (porque diferentemente ocultados) segundo o tempo, o lugar, a classe, a ideologia […] por outro lado são suscetíveis apenas de aproximações progressivas, sempre mais próximas do real, nunca acabadas nem completas”. Neste mesmo sentido, Pollak (1992, p.209) acredita que a história está se transformando em histórias, parciais e plurais, até mesmo sob o aspecto da cronologia. As cronologias também estariam plurais, em função de seu modo de construção, no sentido do enquadramento da memória, e também em função de uma vivência diferenciada das realidades.

Na França, desde os finais dos anos vinte do século XX, crescia em influência a chamada École des Annales, que buscava afastar a historiografia da sua dependência para com a política, como era o gosto da corrente positivista. O postulado é de que outros temas deviam servir de interesse, que não se limitassem mais às visitas aos arquivos estatais atrás das decisões dos governantes, dos reis ou dos presidentes. Uma outra história deveria então nascer, abarcando as mentalidades das épocas passadas, a geografia, o clima, os costumes, a vida cotidiana. Para Gagete e Totini (2004, p.114-115), aproximando o tema do universo organizacional, é preciso valorizar os historiadores da ‘nova história’, que incorporam novos temas, novos protagonistas, novos ângulos para a história empresarial e trazem para este campo a dimensão do simbólico, revisando a visão ortodoxa de Alfred Chandler, pesquisador da Harvard Business School notabilizado pelas biografias empresariais, relatórios anuais, livros e revistas de negócios.

Continue lendo: http://www.aberje.com.br/acervo_colunas_ver.asp?ID_COLUNA=362&ID_COLUNISTA=18

A nuvem da internet, uma revolução virtual com desafios

Data de publicação: 23/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 26/09/2010

As empresas de tecnologia se preparam para a grande revolução na internet da chamada computação na nuvem, um fenômeno que soa etéreo e inócuo, mas que ajuda perigos reais associados ao secretismo dos centros de dados.

A popularização dos dispositivos portáteis como celulares e leitores digitais, cada vez menores, potentes e acessíveis, e a universalização da internet favoreceu o florescimento de serviços informáticos acessíveis pela rede sem necessidade de instalar um software específico ou de armazenar a informação em um disco rígido.

Esse ciberespaço, conhecido como nuvem, não é novo e tem como porta-bandeira o e-mail, mas seu potencial excede amplamente à mera revisão de correspondência virtual.

Atualmente já existe inúmeros software on-line criados por empresas de renome como Microsoft, Oracle e Google, mas o boom das redes sociais e aplicativos, cada vez mais integrados na vida cotidiana, desenha um futuro promissor a essa nova dimensão.

“Todos os aparelhos se conectarão à nuvem, cada um para um uso específico”, explicou Jamin Spitzer, diretor de Estratégia na Nuvem da Microsoft em um recente encontro com jornalistas latino-americanos.

“Uma geladeira poderá interagir com seu proprietário através de uma base de dados e avisá-lo por telefone para que compre mais leite porque o que tem ficou azedo”, exemplificou Spitzer.

Uma das grandes vantagens de operar na nuvem é que o usuário pode se esquecer totalmente de manutenção, atualizações e segurança associada aos programas. Ele ganha ubiquidade, onipresença seus arquivos viajam com ele aonde quer que vá.

Continue lendo: http://tecnologia.terra.com.br/noticias/0,,OI4693223-EI12884,00-A+nuvem+da+internet+uma+revolucao+virtual+com+desafios.html

A falta de mão de obra na área digital

Data de publicação: 21/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/04/2010

Por Mariana Ditolvo

Crescimento robusto da publicidade online vem acompanhado de grandes dificuldades para contratar

Os números do Projeto Inter-Meios mostram que a internet é o meio que mais cresce seu faturamento publicitário no Brasil nos últimos anos. No primeiro semestre de 2010, o salto foi de 36,7% frente ao mesmo período do ano passado, totalizando R$ 539,2 milhões, o que lhe dá uma fatia de 4,3% do bolo nacional. As perspectivas para o futuro nem de longe passam por queda ou estabilidade, uma vez que o amadurecimento da internet vem atraindo novos anunciantes e verbas cada vez mais robustas daqueles que já têm como prática a utilização do meio.

Ao mesmo tempo em que esse cenário é celebrado, porém, um problema assola o mercado digital: a escassez de profissionais que dominem ou estejam comprometidos em desbravar o universo da publicidade online. Segundo Luciana Bastos, diretora da área voltada ao recrutamento digital da The Talent Business, os problemas para contratação estão em todas as disciplinas e abrangem os mais variados níveis de experiência, sendo que os cargos que exigem maior maturidade apresentam demanda mais latente.

“Capacidade de liderança e habilidade para gerenciamento de conflitos são algumas das características cada vez mais necessárias e mais difíceis de serem reunidas em um profissional”, comenta. “Isso se deve em parte ao aumento no número de funcionários mais novos contratados para suprir a demanda imediata das agências”, explica.

Apesar disso, Luciana vê como positivo e inevitável o aumento de jovens profissionais na cadeia digital. Para ela, é preciso apenas que as agências e outros empregadores passem a investir pesado em capacitação para formar líderes no médio prazo. Sua opinião é compartilhada por César Paz, presidente da Associação Brasileira das Agências Digitais (Abradi) e da AG2 Publicis Modem.

Segundo ele, se não for feito um trabalho de base com esses jovens talentos, muito em breve os salários pagos a pessoas sem a experiência desejada chegarão a níveis tão absurdos a ponto de encarecerem os serviços prestados e prejudicarem o desenvolvimento sustentável do setor. “As agências digitais crescem, em média, 30% ao ano. Não há desemprego nesse setor, sendo que qualquer agência de médio porte tem entre 10 e 15 vagas em aberto. Nesse cenário, a rotatividade é inevitável e alterá-lo exige menos apelo salarial e mais propostas diferenciadas de projetos e desafios”, acredita Paz.

Continue lendo: http://www.mmonline.com.br/noticias.mm?url=A_falta_de_mao_de_obra_na_area_digital&origem=mmbymail&id_noticia=143742

Quanto vale a informação da sua empresa?

Data de publicação: 22/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Marcus Moraes

As informações sempre foram bens preciosos para empresas, governos e instituições. Mas, nas últimas décadas, com a informatização de todas as áreas das companhias, as informações saíram dos livros fiscais, dos registros e dos contratos em papel para assumirem a forma de dados – e, muitas vezes, trafegarem pela internet. Casos de vazamento de informações não param de chegar ao noticiário.

Dois recentes casos ganharam destaque no Brasil e no mundo. O vazamento das informações pessoais dos candidatos que participaram do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) nos últimos três anos e de milhares de documentos do Exército Americano arquivados sobre a guerra do Afeganistão. Mas esses não são casos isolados. Se olharmos para o mundo corporativo, o vazamento de informações é mais comum do que podemos pensar. Segundo pesquisa do Gartner, em 2010, entre 80% e 90% dos vazamentos de informações delicadas serão não-intencionais, acidentais ou resultantes de processos empresariais ruins.

Uma pesquisa do Ponemon Institute – realizada em 45 empresas dos Estados Unidos que perderam dados em 2009 – mostrou que cada registro de informação perdida teve custo médio de U$S 6,7 milhões de dólares. A pesquisa revela ainda que as violações de dados atingiu US$ 204 dólares por registro perdido ou roubado em 2009. O valor aumentou US$ 2 dólares em relação a 2008, mas uma comparação com os últimos cinco anos mostra um crescimento de US$ 138 dólares. A mesma Ponemon diz que 59% dos dados corporativos foram desviados por ex-funcionários das empresas.

Esses números e fatos tiram o sono dos executivos que fazem cada vez mais investimentos em segurança da informação. Mas será que os CEOs e os CIOs estão no caminho certo? Se muitos dos seus dados já estão soltos na internet, o que o leva a crer que uma solução caseira e interna seja a opção mais adequada? E o custo para gerenciar, atualizar, manter ativos todos esses sistemas de segurança e manter atualizada toda a equipe de TI em relação a todas as novas pragas virtuais?

Continue lendo: http://imasters.uol.com.br/artigo/18324/seguranca/quanto_vale_a_informacao_da_sua_empresa/

MEC compra máquinas de escrever em braille para rede pública

Data de publicação: 22/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Redação Terra

O Ministério da Educação (MEC) comprou 625 máquinas de escrever em braille da Perkins School for the Blind, instituição dos Estados Unidos especializada na educação e inclusão de pessoas com deficiência visual.

As máquinas serão distribuídas para escolas públicas de todo o Brasil. Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais são os estados mais beneficiados, que receberam, respectivamente, 68, 50 e 47 equipamentos. A distribuição acontece por meio da revendedora autorizada Civiam, que ganhou licitação do MEC para realizar o trabalho.

As máquinas estão sendo dispostas em salas de aula com recursos especiais para alunos portadores de deficiências visuais, em diferentes níveis de gravidade. Segundo a Secretaria de Educação Especial do MEC, além da compra das 625 máquinas, a pasta adquiriu ainda 55 impressoras de grande porte para a modernização do parque gráfico dos CAPs – Centro de Apoio Pedagógico para Atendimento às Pessoas com Deficiência Visual. Estes são números referentes a todo o ano de 2010.

Segundo a Civiam, até agora 500 máquinas já foram distribuídas. Em outubro, os outros 125 equipamentos serão levados às escolas restantes.

Fonte: http://noticias.terra.com.br/educacao/noticias/0,,OI4691921-EI8266,00.html

Cadeirante critica órgãos públicos sobre “desinformação” quanto às leis que asseguram direitos

Data de publicação: 23/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Vera (Deficiente Ciente)

O estudante de 21 anos, morador de Nova Mutum (Mato Grosso), vive hoje numa cadeira de rodas, superando desafios e dificuldades que um deficiente físico enfrenta no cotidiano.

No dia em que se comemora a Luta dos Direitos das Pessoas com Deficiência (21), o jovem comenta que mesmo limitado, é independente, mas que ainda sofre discriminação e pior, não é respeitado como cidadão.

“Desde o acidente não mudei meu dia a dia. Continuo dirigindo meu carro, que sofreu algumas adaptações para minhas necessidades, mas barreiras como estacionamento irregular no município e falta de consciência das pessoas são alguns dos problemas enfrentados por nós, cadeirantes”, dispara.

Em uma apuração do site Expresso MT no município, é notado que poucos locais dispõem de acessibilidade aos deficientes.
No comércio, são poucas vagas para estacionamento com a medida correta para os carros adaptados, rampas com inclinações, além de portas e corrimãos. Nos bancos, a história é a mesma.

Das cinco unidades presentes, apenas uma possui estacionamento acessível para cadeirantes, mas o acesso ao atendimento ainda não é realizado. “Um desses bancos tem uma escadaria enorme. O mais engraçado é que nas poltronas de atendimento consta um lugar reservado para deficientes físicos. Mas como vamos subir senão tem rampa de acesso?”, questiona.

Continue lendo: http://www.deficienteciente.com.br/2010/09/cadeirante-critica-orgaos-publicos.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Jogos eletrônicos têm potencial para ensinar

Data de publicação: 08/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Bruno Loturco

Além do conteúdo, jogadores desenvolvem habilidades gerenciais

A movimentação em comunidades virtuais voltadas a discutir estratégias e situações de jogos de computador e videogame permite supor que jogadores que de fato se envolvem com o enredo dos jogos não se restringem à tela e às tentativas incessantes para melhorar o desempenho. Eles são, sim, estimulados a buscar conteúdo que lhes permita desenvolver técnicas e estratégias.

Pelo menos é o que afirma o artigo “Gamers brasileiros: quem são e como jogam?”, de Lynn Alves e Tânia Maria Hetkowski. “Nas comunidades de jogadores, as discussões giram em torno das estratégias dos jogos e até questões relacionadas com as narrativas que exigem conhecimento científico. Um exemplo é a comunidade do jogo Metal Gear Solid, existente no Orkut, na qual os membros discutem questões que vão desde clonagem, terrorismo internacional a questões filosóficas que aparecem de forma implícita no game”, diz o texto.

Lynn, professora e pesquisadora do Departamento de Educação da Uneb (Universidade do Estado da Bahia), vai além e afirma que, para entender melhor as questões mitológicas apresentadas no jogo God of War, os jogadores, às vezes, buscam fontes para confrontar as informações apresentadas. “Um jogo é sempre uma situação problema, que exige confrontação o exercício de habilidades e administração de recursos. Tudo isso é aprendizagem cognitiva que pode ser utilizada em outras situações, como quando é preciso realizar planejamentos diversos”, explica ela.

Aprendizado segmentado

É importante notar que o aprendizado que ocorre com os jogos eletrônicos se divide entre a absorção de conteúdo, como no caso de jogos como Rome Total War, que explora fatos históricos do império romano, e o chamado aprendizado colateral – ou tangencial -, como o promovido por SimCity, por exemplo, em que o jogador dirige cidades, desenvolve habilidades de gerenciamento e administração.

Continue lendo: http://www.universia.com.br/universitario/materia.jsp?materia=20354

Inovação tecnológica impulsiona inovação pedagógica, diz professora da PUC-SP

Data de publicação: 19/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por UOL Educação“A inovação tecnológica não traz, sozinha, a mudança; ela impulsiona a inovação pedagógica”, diz Maria Elizabeth Almeida, professora da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo), sobre o programa UCA (Projeto Um Computador por Aluno), do governo federal. A professora, que ajudou a implantar o piloto da ação no país, diz que as inovações tecnológicas, tais como os computadores do projeto, são apenas ferramentas para que haja a inovação pedagógica”, diz.

Segundo Elizabeth, que participou do 3º encontro sobre laptops na educação, em São Paulo, não há resistência por parte dos professores para a aplicação do projeto, mas a alta rotatividade dos docentes temporários das redes públicas e a rigidez dos currículos podem limitar o uso de micros em sala. “É difícil transformar a mobilidade tecnológica em mobilidade pedagógica, porque os currículos têem margem de abertura pequena. O computador provoca a abertura disso, e isso provoca o repensar sobre o que é o currículo”, diz.

Durante o encontro, foi reforçada a ideia de que o docente não deve somente repassar conhecimento, mas deve ser um “facilitador”, ou seja, ele também deve atender às demandas das crianças e pode, inclusive, aprender com elas.

Continue lendo: http://www.ondajovem.com.br/noticias.asp?idnoticia=8031

Segurança da Informação situa-se no “Top 5”

Data de publicação: 21/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Eduardo Brito

Especilista fala sobre os principais desafios da área de TI.

Neste momento, em vários lugares do mundo, há milhares de executivos de TI atormentados com um conjunto de preocupações em comum. Estas preocupações giram certamente em torno da  questão central de como encontrar a melhor forma de superar os principais desafios de “governar” a TI de forma a torná-la um instrumento eficaz para o crescimento do negócio. Dentre os principais desafios destaco: como racionalizar os custos da TI e demonstrar que se faz bom uso do orçamento; como contribuir de forma relevante para o negócio (inovações); como melhorar a eficiência dos processos de negócio (automatizar a operação); como atender auditorias, leis e marcos regulatórios (SOX, Hipaa, 3380 etc); e, por fim, como reduzir os riscos mantendo a segurança e a privacidade das informações mais críticas.

Dos desafios “top 5” listados acima, a princípio pode parecer que somente três deles (produtividade, compliance e riscos) estão relacionados diretamente à disciplina da Segurança da Informação. Mas, podemos afirmar sem medo de errar, que todos os cinco desafios estão associados a esta necessidades estratégica, mais precisamente no tocante ao uso de sistemas de gestão de identidades e acessos. O que comprova que a “boa” Governança de TI é altamente dependente da boa gestão da Segurança.

Um sistema de gestão de identidades e acessos é capaz de automatizar os processos de “criar, modificar, revogar, excluir e controlar” identidades de usuários e direitos de acessos e senhas de forma centralizada, intercalando fluxos de trabalho de requisições, avaliações, aprovações, operacionalizações (aprovisionamentos), reportes e controles.

Continue lendo: http://www.docmanagement.com.br/portal/noticia.asp?cod=4202

Internet obriga a pensar de forma ligeira e utilitária, diz Nicholas Carr

Data de publicação: 20/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Marcelo Leite

Nicholas Carr cutucou a onça da internet com um argumento longo e bem-desenvolvido no livro “The Shallows What the Internet is Doing to Our Brains” (que poderia ser traduzido como “No Raso O que a Internet Está Fazendo como Nossos Cérebros” e será lançado no Brasil pela Agir). Em poucas palavras, a facilidade para achar coisas novas na rede e se distrair com elas estaria nos tornando estúpidos.

Era o que estava implícito no título de um artigo de Carr em 2008 (ele prefere o qualificativo de “superficiais”) que deu origem a uma controvérsia acesa. E, também, ao livro, que já vendeu mais de 40 mil cópias nos Estados Unidos e está sendo traduzido em 15 línguas.

Carr recusa a pecha de alarmista, mas sua preocupação com os efeitos não pretendidos das “tecnologias de tela” é tanta que ele recomenda a restrição do acesso de alunos à internet nas escolas. Não descarta que a rede possa evoluir para a veiculação de ideias menos superficiais, mas tampouco vê indícios de que irá nessa direção.

“A internet, sendo um sistema multimídia baseado em mensagens e interrupções, tem uma ética intelectual que valoriza certos tipos de pensamento utilitários”, lamenta o jornalista. Ele já foi assinante de Facebook e Twitter, mas abandonou esses serviços para manter a concentração e a capacidade de refletir em profundidade.

Leia abaixo trechos da entrevista telefônica dada por Carr da casa de parentes em Evergreen, Colorado, onde se refugiou depois de evacuado em consequência de incêndios florestais que se aproximavam de sua casa nas montanhas Rochosas.

FOLHA – Seu livro, “The Shallows”, deplora a internet como ameaça à mente formada pela invenção de Gutenberg, que nos deu o Renascimento, o Iluminismo, a Revolução Industrial e o Modernismo. Mas a invenção de Gutenberg também não destruiu a mente e a filosofia medievais, assim como toda a cultura clássica greco-romana? Ou seria mais preciso dizer que ambas as invenções amplificaram e continuaram a cultura do passado?

NICHOLAS CARR – Toda tecnologia de comunicação e escrita traz mudanças. Perdemos coisas do passado e ganhamos outras coisas novas. Isso é verdadeiro mesmo para o período anterior a Gutenberg, com a invenção do alfabeto, pela maneira como alterou a memória humana e nos deu maior capacidade de intercambiar informação. A internet, assim como tecnologias anteriores, amplifica certos modos de pensar e certos aspectos da mente intelectual, mas também, ao longo do caminho, sacrifica outras coisas importantes.

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/ciencia/801267-internet-obriga-a-pensar-de-forma-ligeira-e-utilitaria-diz-nicholas-carr.shtml

Você utiliza algum tipo de documentação?

Data de publicação: 05/03/2007

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Henrique Costa Pereira

Existem várias maneiras de documentar o desenvolvimento de projetos web. Como você faz com os seus? Quando isso ocorre? Usa alguma ferramenta específica?

Eu não faço a mínima idéia de quantos leitores que passam por aqui diariamente trabalham com algum tipo de documentação ou fluxograma nos projetos em que participam. Este texto é uma espécie de pesquisa para descobrir isso. Quais os tipo de documentação você lida e em que contextos?

Pessoalmente nos últimos tempos eu comecei a “arquitetar a informação” de um projeto de forma mais gráfica utilizando diagramas, em específico o diagrama de Garrett. Tenho participado também do processo de análise (mesmo não tendo formação em ciências da computação ou algo parecido) fazendo o levantamento de requisitos funcionais e não funcionais, descrevendo o que o sistema terá, fluxos de navegação e interação do usuário etc (posteriormente nos diagramas), em equipe, junto com o programador.

Neste meu recente contexto, apenas eu e o Flávio Kaminisse (o programador) somos a “equipe”. Mesmo que ambos tenhamos especialidades diferentes, os questionamentos mútuos contribuíram para dar soluções ao nosso “problema”. Juntos nós fizemos o levantamento destes requisitos, documentamos os campos do sistema e posteriormente ele sozinho escreveu um documento de regras de negócios dentre outros específicos para que os futuros programadores que venham a trabalhar no projeto não se sintam perdidos. Mas o que eu percebi de vantagens nessa brincadeira foi o quanto participar desse processo inicial em equipe foi fundamental ao evitar erros futuros, ao detalhar trechos complexos e requisitos não funcionais do sistema que teriam algum impacto no desenvolvimento.

Após todos estes detalhes da análise e de requisitos é que eu montei um diagrama com a interação do usuário e adicionei pequenos comentários nele, (construído noVisio ) em cada “página”, com os tipos de campos e detalhes que seriam úteis se algum outro designer chegar a colocar a mão no meio do processo de desenvolvimento. Coloquei alguns comentários também do tipo, “isto deve ser em formato de telamodal”, ou então “deve utilizar o script tal e usar máscara nos campos”, e assim por diante.

Continue lendo:  http://webinsider.uol.com.br/2007/03/05/voce-utiliza-algum-tipo-de-documentacao/

Velocidade da web causará perda de memória, diz Umberto Eco

Data de publicação: 12/05/2008

data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Folha de S.Paulo e Folha Online

Em entrevista publicada no jornal espanhol “El Pais” e reproduzida pelo caderno Mais! deste domingo, o romancista Umberto Eco fala sobre a velocidade da internet e como ela afeta a troca de informação.

Antes de se consagrar como romancista, Eco já era considerado um importante semiótico, autor de obras marcantes como “Apocalípticos e Integrados” e “Super-Homem de Massa” (sobre a cultura de massa, analisando romances de folhetim e quadrinhos), “Como Se Faz uma Tese” e “Obra Aberta” (Perspectiva).

Na ficção, além de “O Nome da Rosa” (Best Seller), publicou “O Pêndulo de Foucault”, “A Ilha do Dia Anterior”, “Baudolino” e “A Misteriosa Chama da Rainha Loana” (Record). Sobre tradução, saiu no Brasil em 2007 “Quase a Mesma Coisa” (também pela Record).

Confira trechos da entrevista abaixo.            *

PERGUNTA – Existe alguma saída para esse mal-estar universal?
ECO – No momento, não. E, se eu tivesse a receita, a venderia ao presidente dos EUA por alguns bilhões de dólares!

PERGUNTA – Com certeza. E quem será ele?
ECO – E que sei eu? Os escritores não somos Nostradamus.

PERGUNTA – O que é certo é que alguns anos atrás o sr. disse que viveríamos de modo rapidíssimo, e agora vivemos em velocidades supersônicas.
ECO – E tudo o que existe agora será obsoleto dentro de pouco tempo. Até o e-mail será obsoleto, porque tudo será feito com o celular.

Talvez as novas gerações se acostumem a isso, mas existe uma velocidade do processo que é de tal calibre que a psicologia humana talvez não consiga adaptar-se. Estamos em velocidade tão grande que não existe nenhuma bibliografia científica americana que cite livros de mais de cinco anos atrás.

O que foi escrito antes já não conta, e isso é uma perda também quanto à relação com o passado.

PERGUNTA – A fé cega na internet, por outro lado, cria monstros.
ECO – Sim, parece que tudo é certo, que você dispõe de toda a informação, mas não sabe qual é confiável e qual é equivocada. Essa velocidade vai provocar a perda de memória.

E isso já acontece com as gerações jovens, que já não recordam nem quem foram Franco ou Mussolini! A abundância de informações sobre o presente não lhe permite refletir sobre o passado. Quando eu era criança, chegavam à livraria talvez três livros novos por mês; hoje chegam mil. E você já não sabe que livro importante foi publicado há seis meses. Isso também é uma perda de memória. A abundância de informações sobre o presente é uma perda, e não um ganho.

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/folha/informatica/ult124u400939.shtml

Estudo mostra avanço na sociedade da informação

Data de publicação: 31/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Ana Luiza Mahlmeister | Valor

O Brasil cresceu acima da média da América Latina no uso de tecnologia da informação (TI) no segundo trimestre, segundo o Indicador da Sociedade da Informação (ISI), estudo da consultoria espanhola Everis realizado em parceria com a IESE Business School, na Espanha.

Comparado ao trimestre anterior, o Brasil teve um crescimento de 14,7% no número de computadores para cada grupo de mil habitantes, com 272 equipamentos. Em servidores, a expansão foi de 10,2%, com 3,6 por mil habitantes, o maior crescimento da região. “Junto com o Chile e o Peru, o Brasil integra o grupo dos países com os maiores índices em relação ao mesmo período do ano anterior”, afirma Teodoro López, presidente da Everis Brasil.

O gasto anual per capita em tecnologia da informação e comunicação (TIC) foi de US$ 617, um aumento de 21,6% no ano, também acima da média de outros países da América Latina. Nesse item, o Brasil foi o segundo da região, atrás do Chile, que teve um gasto de US$ 647, e à frente da Argentina, com US$ 422.

Outro destaque da pesquisa da Everis foi o avanço das conexões em banda larga e dos telefones celulares no Brasil. Em aparelhos móveis, o país tem 924 aparelhos por mil habitantes, com aumento de 14% comparado ao mesmo período do ano passado. Nesse item o Brasil fica em terceiro lugar, atrás da Argentina com 1.251 mil aparelhos, e do Chile, com 1.006 celulares por mil habitantes.

No acesso à internet no Brasil, são 365 usuários para cada grupo de mil pessoas, um aumento de 7,6% no trimestre. O país está em segundo lugar na região: a Colômbia figura em primeiro, com 467 usuários, e o Chile vem em terceiro, com 387 usuários.

Continue lendo: http://br.noticias.yahoo.com/s/31082010/87/economia-estudo-mostra-avanco-na-sociedade.html

Artistas ganham mais na era do compartilhamento de arquivos

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Nátaly Dauer

A internet parece não ser o monstro que todos acreditam para os artistas e os direitos autorais – pelo menos na terra dos vikings.

Um estudo desenvolvido na Noruega parece mostrar que a ideia de que os músicos estão sempre próximos da falência após a chegada da era digital e do compartilhamento ilícito de arquivos não é tão correta assim. Pelo contrário, os resultados indicam que tanto o número de artistas quanto sua renda média aumentaram na última década.

Em matéria publicada nesta terça-feira, o site Torrent Freak apresenta os estudos feitos pelos alunos da Escola Norueguesa de Administração, Anders Sørbo e Richard Bjerkøe, em sua tese de Mestrado, disponível no Scribd. O trabalho leva em consideração diferentes tipos de rendimentos na indústria musical (entre 1999 e 2009), buscando respostas para o efeito dos arquivos digitais e da pirataria na economia dos artistas do país nórdico.

Um dos resultados encontrados foi o significativo aumento do lucro total dessa indústria, passando de 1,4 bilhões de coroas norueguesas (cerca de R$ 390 milhões) em 1999, para 1,9 bilhões de coroas (R$ 530 milhões) em 2009, chegando a um aumento de 4% depois de descontada a inflação. Pode não parecer muito, mas as coisas continuam favoráveis para a música quando se olha para os lucros dos artistas.

Os valores médios para seus ganhos tiveram um aumento de 114% nesta década, passando de kr$ 255 milhões (R$ 71 milhões) para kr$ 545 milhões (R$ 153 milhões), com valores individuais médios passando de kr$ 80 mil (R$ 22 mil) para kr$ 133 mil (R$ 38 mil) anuais. É claro que não se pode deixar de considerar também o crescimento considerável no número de músicos, na faixa de 28%.

Continue lendo: http://tecnologia.ig.com.br/noticia/2010/09/15/artistas+ganham+mais+na+era+do+compartilhamento+de+arquivos+9591214.html

32 tendencias de cambio

Data de publicação: 16/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Hace unos días cayó en mis manos el libro “2010-2010. 32 Tendencias de cambio” de Juan Freire y Antonio Gutiérrez-Rubí. Es muy fácil y rápido de leer. Vale la pena leerlo, ya que nos puede ayudar a entender un poco mejor el mundo en el que nos vamos a desenvolver en un futuro muy cercano y fuertemente condicionado por las tecnologías digitales. Se puede descargar el pdf desde la página http://www.gutierrez-rubi.es/32-tendencias-de-cambio-2010-2020/.

Algunas ideas que nos pueden servir en la Universidad, en el ámbito de la tecnología y la innovación educativa:

  • Tendencias en computación: accesibilidad y ubicuidad a través de la convergencia de dispositivos (ordenadores portátiles, netbooks, smartphones, libros digitales, reproductores de audio y video, …) y la computación en la nube.
  • Realidad aumentada: nuevas interfaces de acceso a la información en función del contexto (el usuario y la geolocalización).
  • Evolución de la capacidad de almacenamiento y procesamiento de datos: la web 2.0 pone a nuestra disposición un conjunto de herramientas, fáciles de usar, para la creación y publicación de contenidos digitales, de forma que los usuarios pueden convertirse en creadores y gestores de conocimiento y, además, pueden trabajar organizados en redes sin necesidad de su formalización e institucionalización.

Continue lendo: http://blogs.ua.es/blogvrtie/2010/09/16/32-tendencias-de-cambio/

Cidades criativas, sociedade da informação e e-governo

Data de publicação: 20/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Ana Neves

O Twitter trouxe mais uma pérola consigo – desta vez pelo bico do Frederico Lucas (@fredericolucas). Trata-se um texto de opinião assinado por Leonel Moura no Jornal de Negócios de dia 17 Setembro.

O texto é sobre Cidades Criativas. Nele, Leonel Moura procura traduzir o conceito promovido por Richard Florida à realidade portuguesa.

Deixo aqui algumas passagens muito interessantes em jeito de provocação para que leiam o texto completo:

tem-se “confundido o desenvolvimento de uma economia criativa com a criação cultural, em si mesma, que é uma coisa muito diferente. Ou seja, a cultura criativa inicial, assente na economia digital e no design, transformou-se num mero incremento de manifestações culturais, de tipo artístico, normalmente centralizadas pela própria gestão das cidades. Em suma, muitas Câmaras imaginaram que as suas cidades se tornariam criativas pelo simples facto de oferecerem mais espetáculos e exposições.”

“Em vez de gastar fundos em mais centros culturais e museus da rolha, as autarquias deviam apostar nos centros de criatividade, através da disponibilização gratuita de espaços para encontro, cooperação e produção.”

“Assim, a Cidade Criativa 3.0 não é tanto aquela que exibe muita criatividade, mas sim a que gera as condições tecnológicas e ambientais para que a criatividade possa emergir e desenvolver-se.”

Ao ler este texto vieram-me à cabeça duas questões bem actuais e que têm sido exploradas e implementadas apenas superficialmente, daí produzindo resultados tão aquém daquilo que gostaríamos de observar.

Continue lendo: http://kmol.online.pt/blog/2010/09/20/cidades-criativas-sociedade-da-informacao-e-e-governo

Quando o cliente não sabe explicar direito

Data de publicação: 20/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Ademir Novaes Jr

Ao iniciar novos projetos com o cliente, pergunte bastante. Uma reunião ou um briefing básico por e-mail não são suficientes para criar um novo produto.

Quando um cliente chega pra você com uma necessidade ou uma nova ideia para um projeto, muito provavelmente ele não saberá direito o que quer. Na verdade, ele pode até saber o que quer, mas não conseguirá te explicar. O que fazer, então? As perguntas certas, claro!

Muitos profissionais acabam encontrando problemas durante a realização de projetos justamente pela falta de planejamento e pela falta de comunicação com o cliente e, em alguns casos, com os outros envolvidos nos projetos.

Afinal, alguém acha que é possível criar algo que seja bom e atenda aos objetivos se for feito individualmente e sem questionar, nesse caso, quem solicitou esse hipotético novo produto?

Pode ser perigoso para seus projetos pensar que uma reunião ou um briefing básico enviado por e-mail podem ser tudo que se precisa para criar um novo produto. Com certeza esse não é nem o começo da história. Conversas com os clientes, patrocinadores e, por que não, com quem virá a ser usuário desse produto lhe dirão muito mais do que você imagina.

Quando você conversa com os envolvidos sobre determinado produto/projeto, consegue extrair ao máximo aquilo que eles desejam ou imaginam que seja ideal ou necessário. Mais ainda, em alguns casos pode ser que o cliente perceba, durante uma conversa ou outra, que alguns conceitos imaginados para aquele novo produto estavam na verdade errados e que talvez fosse preciso pensar naquilo sob outro ponto de vista.

Saber o que perguntar irá definir o futuro de seus projetos. Pense nisso.

Fonte: http://webinsider.uol.com.br/2010/09/20/quando-o-cliente-nao-sabe-explicar-direito/

Acesso a informações na internet cria o cybercondríaco

Data de publicação: 19/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 25/09/2010

Por Mariana Pastore – Colaboradora da Folha.com

Dor de cabeça ou tumor? Um sintoma cabe em muitas doenças e a confusão é comum, em tempos de doutor Google. Muita gente prefere “ele” à consulta médica, na busca da causa do mal-estar.

A hipocondria digital é um mal contemporâneo batizado de cybercondria. O fenômeno preocupa os médicos, porque além de causar autodiagnóstico e automedicação, pode evoluir para ansiedade e síndrome do pânico.

De acordo com pesquisas internas do Google, 61% dos americanos adultos buscam informações de saúde. A grande oferta de sites especializados colabora para a autossugestão.

Um exemplo é o site americano de informações de saúde WebMD, que disponibiliza uma animação do corpo humano para o autodiagnóstico. O usuário clica na região onde tem dor e ele abre uma tabela com sintomas que corresponderiam à determinada área e à doença relacionada.

A cybercondria, em diferentes graus, já aparece no cotidiano dos profissionais.”Os pacientes já chegam ao consultório com informações da internet e ainda fazem buscas após a consulta”, afirma Paulo Olzon, clínico-geral da Unifesp.

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/801122-acesso-a-informacoes-na-internet-cria-o-cybercondriaco.shtml

Superar desafios para educar, livro debate “Aprendizagem a Distância”

Data de publicação: 06/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

Por Livraria da Folha

Aos poucos, a educação a distância (EAD) ganha mais adeptos no Brasil. Professores, estudantes e outros interessados no ensino, conseguem ver com bons olhos os lados positivos e negativos desta forma de aprendizagem.

No livro “Aprendizagem a Distância”, Frederic M. Litto, atual presidente da Associação Brasileira de Educação a Distância (ABED), inova na forma de apresentar o tema.

Estudioso da EAD desde 1957, o professor escolhe por escrever de maneira divertida, leve e objetiva — sem o rigor acadêmico que deixa os textos chatos – sobre o significado da aprendizagem no passado, presente e futuro. As primeiras formas de educação a distância são relembradas, como o uso das cartas e posteriormente do rádio e da televisão. O texto avança até o universo virtual da internet, onde as novas propostas e criações são construídas. E nesse campo, há muito a ser dito e pensado.

As ilustrações do cartunista Paulo Caruso também só acrescentam no sentido de deixar a obra mais interessante para se ler. O livro, pois sim, é um exemplo de educação a distância, e o professor Litto faz bem uso desta “plataforma” e na tarefa de transmitir todo seu conhecimento.

Continue lendo: http://www1.folha.uol.com.br/folha/livrariadafolha/793905-superar-desafios-para-educar-livro-debate-aprendizagem-a-distancia.shtml

Livro Mobilize: o potencial dos dispositivos móveis

Data de publicação: 17/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

Por Ricardo Cavallini

Mobilize é um guia para entender as reais aplicações da plataforma em negócios e comunicação. Contém conceitos de mobilidade, números e cases já realizados no Brasil.

Mobile marketing nada mais é do que marketing feito a partir e através de celulares e dispositivos móveis. Na encruzilhada entre publicidade e tecnologia, o marketing móvel é absolutamente complementar e simultâneo às outras mídias e permite construir uma relação, em tempo real, entre marcas e pessoas.

Somado a isso, vivemos num país onde há mais acesso à telefonia móvel do que à rede de esgoto ou água tratada. Por mais chocante que soe este fato, essa comparação serve para ratificar a altíssima penetração deste meio.

Como meio é mídia, nada mais natural do que entender o grande potencial dos dispositivos móveis quando aplicados a negócios e à comunicação.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/09/17/livro-mobilize-o-potencial-dos-dispositivos-moveis/

No ciberespaço existe um descompasso entre o corpo e a mente pela velocidade das trocas de informação

Data de publicação: 17/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

A crise inicial da ciência da informação, senão resolvida, foi bastante minorada pelo Computador por volta de 1980. A atual crise que nos cerca é mais profunda, pois, nestes quase 50 anos que se passaram, desde o artigo de Vannevar Bush, “As we may Think,” no “Atlantic Post” muitas pessoas não acompanharam a mudança radical dos modelos relacionados à tecnologia da informação.

As modificações no formato e velocidade de acesso à informação ocorrida durante os últimos anos reorganizaram todas as atividades a ela associadas. A sociedade sempre foi afetada pelas transformações da tecnologia em um prazo mais longo. Aqueles que convivem mais perto destas alterações enfrentam uma maior carga das consequências sociais e físicas e uma enorme ansiedade tecnológica.

A chegada da sociedade eletrônica modificou a delimitação de tempo e espaço da informação. A importância do instrumental destas tecnologias forneceu infraestrutura para modificações, sem retorno, das relações dos textos com seus receptores. As transformações associadas à interatividade e interconectividade indicam estas modificações:

a)      interatividade ou interatuação multitemporal representa a possibilidade de acesso em tempo real à informação em múltiplas formas de interação entre o usuário e uma estrutura da informação. A interatividade modifica o fluxo: usuário – tempo – informação pelo imediatismo do acesso online.

Continue lendo: http://lexias.tumblr.com/

Nova identidade do brasileiro terá certificação digital

Data de publicação: 16/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

Por Redação do IDG Now!

Decisão do Comitê Gestor do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil transforma identidade civil em identidade eletrônica.

O Comitê Gestor do Sistema Nacional de Registro de Identificação Civil (SNRIC), coordenado pelo Ministério da Justiça, aprovou no início da noite de quinta-feira (15/7), em Brasília, a certificação digital do cartão RIC (Registro de Identificação Civil) e os estados candidatos que participarão do projeto-piloto de emissão da nova carteira de identidade do brasileiro.

Alagoas, Bahia, Maranhão, Rio de Janeiro, Santa Catarina e o Distrito Federal serão os estados candidatos a receber os primeiros cartões RIC. O Ministério da Justiça assinou acordo de cooperação técnica com o TSE, que disponibilizará a base de dados biométricos e biográficos colhidos em 64 municípios de 23 estados da federação, a fim de participarem do projeto piloto juntamente com os estados candidatos.

Em reunião anterior, o Comitê já havia definido o modelo carteira que substituirá as cédulas de RG a partir de dezembro deste ano e também sobre que informações do cidadão constarão na nova identidade. A previsão é emitir 2 milhões de cartões RIC no lançamento do cartão. A substituição da carteira de identidade pelo RIC será feita, gradualmente, ao longo de 9 anos.

Já há algum tempo o Comitê Gestor do SNRIC, criado com a publicação do decreto presidencial instituindo o RIC em maio deste ano, discute a viabilidade de inclusão da certificação digital na identidade civil, como já fazem países como Portugal. Alguns ministérios, dos oitos que integram o Comitê Gestor do SNRIC,eram favoráveis à inclusão da certificação desde o início, bem como o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), Autarquia Federal vinculada à Casa Civil da Presidência da República responsável pelo padrão de certificação ICP-Brasil.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/seguranca/2010/09/16/nova-identidade-do-brasileiro-tera-certificacao-digital/

A webmilitância

Data de publicação: 17/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

Por Domitila Becker

A mobilização social pela internet tem revitalizado o papel do militante político nas campanhas

Antes em camisetas, broches e bonés, os logotipos dos partidos agora ilustram perfis em redes sociais. Os panfletos viraram e-mails. As discussões acaloradas nas ruas e nos bares são feitas, silenciosamente, em 140 caracteres. Uma das principais novidades desta eleição é a mobilização social pela internet; O movimento tem o mérito de revitalizar o papel do militante político nas campanhas.

“A web possibilita aos militantes atuarem de forma efetiva com pouco investimento”, explica o cientista político Rubens Figueiredo, diretor do Centro de Pesquisas e Análises de Comunicação (Cepac). “Com apenas um clique, é possível atingir milhares de eleitores. Não é mais necessário gastar tempo nem dinheiro para ir a comícios ou reuniões”. Para Figueiredo, o fator custo-benefício tem contribuído para aumentar o número de militantes.

Na eleição deste ano, todos os partidos – inclusive os nanicos – adotaram estratégias virtuais. Elas incluem a divulgação on-line das propostas e das agendas dos candidatos, a distribuição de material de campanha, o cadastramento dos eleitores em sites e a participação em redes sociais como o Facebook, o Orkut e o Twitter. Além disso, foram publicadas cartilhas com conselhos para a mobilização virtual de eleitores. O PSDB, por exemplo, estimula os simpatizantes de José Serra a enviar e-mails em larga escala sobre a campanha. Os coordenadores da campanha tucana ressaltam que são bem-vindas vídeos postados no Youtube.

Os especialistas divergem sobre a eficácia dessas estratégias para conquistar votos, principalmente porque o alcance da internet no Brasil ainda é pequeno. Cerca de 30% da população tem acesso à rede, enquanto nos países ricos a taxa média é de 64%, segundo dados da União Internacional de Telecomunicações. “O fato é que o uso do marketing viral na web é fundamental para incentivar a mobilização pessoal”, acredita Ricardo Caldas, cientista político da Universidade de Brasília (UnB). “Nesse ponto, a tática funciona”. Figueiredo acrescenta que a webmilitância é um complemento do trabalho boca a boca e não substitui a militância tradicional – que distribui panfletos, carrega placas e participa de comícios.

Continue lendo: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/a-webmilitancia

Sexta-feira, 17 de setembro de 2010 às 09h30

Planejamento Estratégico e TI: existe relação?

Data de publicação: 17/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

Por Nilo Rocha

“Se você não sabe para onde vai, qualquer caminho serve.” Esse trecho da obra “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carol, já foi uma realidade em muitas empresas. Hoje, no entanto, elas buscam a sua consolidação no mercado e sabem exatamente onde querem chegar e é o planejamento estratégico que direciona o board para essa missão.

Embora seja um assunto exaustivamente discutido no mundo dos negócios, o conceito de estratégia nasceu no campo militar. A “Arte da Guerra”, um dos mais conhecidos livros sobre o tema, foi escrito por volta do século IV a.C. por Sun Tzu e acredita-se, inclusive, que foi usado por grandes personagens da história, como Napoleão Bonaparte. A obra discorre sobre estratégias e táticas de batalhas e guerras. É atualmente referência no mundo dos negócios justamente por trazer conceitos que se adaptam confortavelmente à realidade corporativa contemporânea. Nesse cenário, as batalhas geralmente são travadas no campo da concorrência e na busca incansável por qualidade, inovação tecnológica, conquista de novos mercados, entre outros.

E o que TI tem haver com tudo isso?

A Tecnologia da Informação, principalmente na última década, deixou de ser apenas uma provedora de infraestrutura técnica e de serviço para ser tornar parceira dos negócios. As empresas que entendem esse novo papel de TI – e sabem também que essa área possui o potencial de adicionar valor agregado aos negócios por meio da otimização dos seus processos e no suporte às definições de investimentos em infraestrutura necessários para alcançar os objetivos – poderão se concentrar quase que exclusivamente nas atividades fim da empresa. Nesse contexto, TI não só é um componente importante do planejamento estratégico, mas um dos facilitadores nesse processo.

Continue lendo: http://imasters.uol.com.br/artigo/18272/tecnologia/planejamento_estrategico_e_ti_existe_relacao/

Avalie qual é o melhor momento para a pós-graduação

Data de publicação: 31/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/09/2010

Por Amanda Assad

Dar continuidade aos estudos exige análise da atuação profissional

Além de conviver com a tensão das provas e do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), os universitários que já estão a um passo da formatura começam a se preocupar com a continuidade dos estudos. Uma dúvida que emerge diz respeito a emendar ou não os quatro anos da graduação com uma pós-graduação. De um lado, a cobrança do mercado de trabalho por constantes atualizações profissionais. Do outro, a necessidade de conhecer melhor a prática da profissão até mesmo para definir qual o caminho será seguido.

Dúvidas comuns, mas que, segundo Robert Verhine, pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UFBA (Universidade Federal da Bahia), devem ser sanadas antes do término da graduação. Na opinião dele, as exigências do mundo coorporativo levam à antecipação dos planos de cursar a pós-graduação. Para ele, ainda que não seja no primeiro ano da vida profissional, o curso deve sim ser planejado no decorrer da carreira. “O mundo é competitivo, o que torna a pós-graduação cada vez mais valorizada pelos empregadores”, garante.

A hora certa para investir na pós-graduação, no entanto, é subjetiva e depende da área de atuação do profissional. É o que diz Verhine. “Enquanto nas áreas aplicadas é recomendado que se adquira experiência prática antes de optar pela especialização, em outras áreas, como as acadêmicas, o ideal é se dedicar diretamente à continuidade da formação”, aponta o pró-reitor da UFBA.

Ainda sim Débora Barem, professora do curso de Administração da UnB (Universidade de Brasília), aconselha que os estudantes não percam o ritmo entre a graduação e a pós-graduação. “É interessante que o aluno comece, ainda durante a própria graduação, a delimitar o tipo de profissional que pretende ser e identificar na área profissional o que mais lhe atrai”, indica a professora da UnB.

Continue lendo: http://www.universia.com.br/posuniversitario/materia.jsp?materia=20289

Mercado brasileiro lidera inovação tecnológica na América Latina, diz BID

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por Redação do IDG Now!

Em contrapartida, o relatório aponta que o País ainda sofre com a burocracia e a falta de articulação com os empresários

Um relatório do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) coloca o Brasil como líder em inovação tecnológica na América Latina, sendo responsável por 60% todos investimentos em pesquisa e desenvolvimento realizados na região, em 2007. Além disso, é o único País do continente que destina mais de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) para a inovação.

Segundo o BID, um dos pontos fortes do Brasil é dispor de mecanismos de fomento à pesquisa tecnológica. No entanto, o País ainda sofre com a burocracia e a falta de articulação com os empresários, fatores que impedem o crescimento da inovação brasileira e uma melhora de sua posição no ranking mundial.

“Em termo de disponibilidade de instrumentos para fomento da inovação, o Brasil, provavelmente, tem mais instrumentos do que qualquer outro país da América Latina”, afirmou Flora Painter, chefe de Divisão de Ciência e Tecnologia do BID. “No entanto, quando fui aos estados e conversei com o setor empresarial, escutei queixas de que os mecanismos são burocráticos, lentos e não tem informação suficiente”.

Um dos mecanismos governamentais para estimular a inovação empresarial é a chamada subvenção econômica – recursos liberados em edital por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Ministério da Ciência e Tecnologia. De acordo com o ministério, desde 2006, foram liberados mais de R$ 1,7 bilhão. No entanto, as empresas reclamam que a liberação em forma de edital não acompanha o fluxo industrial.

Continue lendo: http://cio.uol.com.br/gestao/2010/09/15/mercado-brasileiro-lidera-inovacao-tecnologica-na-america-latina-diz-bid/

OA, OAI: o que são?

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Po Hélio Kuramoto

Tenho participado de bancas de exame de teses e dissertações em diversas universidades, assim como, de avaliação de artigos para revistas e eventos e o que mais tenho deparado é com trabalhos com citações controvertidas a respeito do OAI e do OA, ou seja, do Open Archives Initiatives e do Open Access, dando conta de que ambos referem-se a movimentos.

É importante que se esclareça que OAI é a sigla do Open Archives Initiative, que não se refere a nenhum movimento, mas a um conjunto de padrões para o estabelecimento da interoperabilidade entre dois sistemas de informação. Aliás, OAI tem mais a cara de um projeto ou organização que tem por objetivo desenvolver padrões, normas ou mecanismos para promover a interoperabilidade entre dois sistemas de informação. Nesse sentido, o OAI desenvolveu e estabeleceu o OAI-PMH, Open Archives Initiatives Protocol for Metadata Harvesting. E, nos últimos quatro anos, esta iniciativa vem desenvolvendo o OAI-OREOpen Archives Initiative Object Reuse and Exchange, um conjunto de padrões para a agregação de recursos da WEB.

Enquanto que o OA, ou Open Access refere-se ao movimento do acesso livre ou aberto ao conhecimento científico, definindo estratégias para proporcionar maior acesso e visibilidade à produção científica de uma coletividade, seja uma instituição, uma área do conhecimento, ou de um País. Essas estratégias utilizam um modelo de interoperabilidade que é definido pelo OAI, basicamente, o OAI-PMH.

É natural que com a evolução das tecnologias e, principalmente, das sociedades diversas siglas apareçam e, que ninguém tem a obrigação de conhecer todas elas. No entanto, nós, na qualidade de pesquisadores em ciência da informação, temos o dever de ir a fundo nesta questão, e conhecer, detalhadamente, o que significam tais siglas e saber distinguir uma organização ou um movimento. Portanto, temos que ter muito cuidado quanto ao uso de uma citação e verificar outras fontes de informação para se ter certeza a respeito de uma determinada informação.

Fonte: http://kuramoto.blog.br/2010/09/15/oa-oai-o-que-sao/

A TI está despreparada para lidar com novas tecnologias, adverte especialista

Data de publicação: 16/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por Ted Schadler – CIO/EUA

Vice-presidente da Forrester aponta que 34% dos funcionários da área de tecnologia gostariam de buscar soluções inovadoras, mas não têm apoio do CIO para isso.

O quanto os profissionais da equipe de TI estão capacitados a solucionar problemas de clientes, internos ou externos, relacionados a tecnologias emergentes? E como o CIO está envolvido nessa preparação? “Estas duas perguntas deveriam estar na cabeça do gestor de TI, principalmente, porque elas não saem do radar dos líderes das áreas de negócio”, avalia Ted Schafer, vice-presidente e analista da consultoria Forrester Research.

O especialista lembra que, enquanto os departamentos comerciais se esforçam para melhorar seus argumentos de vendas, a partir do uso de conteúdo interativo, e o departamento de marketing busca novas ferramentas de comunicação nas redes sociais, a equipe de TI, na maior parte dos casos, representa um entrave a esses projetos. Isso acontece seja pela dificuldade de oferecer os recursos tecnológicos adequados ou pela incapacidade de entender as demandas específicas dos clientes e o impacto dos projetos para a organização.

No novo ambiente de negócios, Schafer acredita que o CIO precisa melhorar a qualidade dos serviços prestados para os usuários e, principalmente, precisa ter profissionais dedicados a buscar soluções tecnológicas inovadoras e que possam trazer resultados efetivos à organização. “Em um levantamento realizado com 4 mil profissionais de TI, apenas 20% disseram que estão aptos a dar conta desse tipo de questão”, explica o vice-presidente. “Ao mesmo tempo, outros 34% informaram que até podem assumir desafios maiores, mas não têm a oportunidade para isso”, acrescenta.

Para o analista da Forrester, o primeiro passo para melhorar os serviços prestados pela TI é encontrar os profissionais da equipe capacitados a buscar soluções inovadoras e que aceitem esse desafio. “Cabe a essas pessoas ainda a tarefa de treinar os colaboradores”, pontua Schafer, que ressalta: “Os demais funcionários da organização irão adotar novas tecnologias, com ou sem a aprovação do CIO. A diferença é que eles não têm noção de questões de segurança e do impacto que isso pode ter para o parque instalado.”

Fonte: http://cio.uol.com.br/gestao/2010/09/15/a-ti-esta-despreparada-para-lidar-com-novas-tecnologias-adverte-especialista/

Divulgador, traidor?

Data de publicação: 16/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por: Franklin Rumjanek

Alguns pesquisadores julgam que a divulgação científica corrompe o conhecimento que quer transmitir. Franklin Rumjanek contesta esse ponto de vista, explica por que devemos fazer divulgação e discute o seu alcance para motivar o interesse pela ciência.

A pergunta “É possível divulgar ciência?” pode parecer estranha em uma publicação dedicada a essa missão. No entanto, esse questionamento existe até por parte de cientistas influentes, para os quais a divulgação da ciência, por adotar uma forma imperfeita ou incompleta, transmite apenas uma imagem aproximada ou mesmo corrompida do que pretende divulgar. E, como tal, não divulgaria nada.

É o caso de Ilya Prigogine (1917-2003), químico teórico russo-belga, para quem seria impossível, por exemplo, explicar a teoria da relatividade a um público leigo. Segundo Prigogine, a relatividade não poderia ser entendida pela metade, ou com menos de 100% de seu conteúdo.

Para que essa teoria fosse devidamente apreciada, o público-alvo teria que conhecer os fundamentos da física, o que constituiria uma situação equivalente a ensinar aos já iniciados. De acordo com essa visão, um bom livro sobre a teoria da relatividade necessariamente abrigaria todos os conceitos relevantes e por isso não seria, em essência, um livro de divulgação, e sim um livro de física. Reservado somente aos ‘eruditos’.

A restrição de Prigogine e de outros puristas se aplicaria a qualquer área da ciência. Essa, porém, é uma noção razoável? Provavelmente, não. Tal percepção trai uma grande dose de fundamentalismo que confunde a tradução ao pé da letra da realidade científica, incluindo sua dialética, com a interpretação da essência da pergunta formulada pelos cientistas e a explicação da estratégia metodológica usada por eles na busca da resposta.

Continue lendo: http://cienciahoje.uol.com.br/revista-ch/2010/274/divulgador-traidor

QRCodes: realidade aumentada, Internet das coisas e crossmídia

Data de publicação: 13/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por Martha Gabriel

Apesar de já serem populares há bastante tempo no Japão, somente agora os QRcodes começam a ser usados mais amplamente ao redor do mundo, inclusive no Brasil.

Conforme a banda larga móvel se torne disponível e economicamente viável para a população, o potencial de uso dessa tecnologia é gigantesco, não apenas pelas possibilidades técnicas que permite – realidade aumentada, internet das coisas, crossmídia e rastreamento da mídia offline -, mas também por contribuir com a sustentabilidade.

QRcodes são códigos de barra bidimensionais que podem ser escaneados por um telefone celular. Esses códigos podem armazenar textos, dados de contato, SMS e também URLs, ou seja, endereços na web. Essas características já dão algumas pistas da importância dessa tecnologia:

a) qualquer pessoa com um celular com câmera e acesso à internet pode ler QRcodes (não é necessário hardware dedicado de leitura como no caso dos códigos de barra lineares);

b) a possibilidade de armazenar URLs no código transforma um QRcode impresso em um botão físico para a web, ou seja, um gateway para o mundo online. Considerando-se que a penetração de telefones celulares com câmera e acesso à internet está crescendo ao redor do planeta, em breve, virtualmente, grande parte das pessoas estará habilitada a ler esses códigos onde quer que estejam.

Continue lendo:  http://idgnow.uol.com.br/blog/estrategia-digital/2010/09/13/qrcodes-realidade-aumentada-internet-das-coisas-crossmidia-e-rastreamento-com-sustentabilidade/

Executivo da Microsoft critica posição brasileira sobre software livre

Data de publicação: 14/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por Renato Rodrigues, do IDG Now!

Para Hernán Rincón, presidente da empresa para a América Latina, missão dos governos não deve ser desenvolver aplicativos para plataformas abertas.

O presidente da Microsoft para América Latina, Hernán Rincón, criticou a decisão de alguns governos da região, incluindo, e especialmente o Brasil, de incentivar – ou mesmo obrigar – a adoção de software livre em seus serviços públicos e sistemas educacionais.

Para o executivo, a opção pela plataforma aberta significa que os governos precisam investir também em desenvolvimento de serviços e aplicativos. “Com todo respeito ao Brasil, mas qual deveria ser o papel do governo? Desenvolver software ou melhorar a vida da pessoas?”, questionou, durante café da manhã com jornalistas latino-americanos em Redmond, sede da companhia. “A inovação precisa ser deixada para o setor privado”, disse.

Rincón disse que a Microsoft “co-existe” cordialmente com os sistemas livres, mas que eles não incentivam a inovação e o empreendedorismo. “Se você cria uma ferramenta para uma plataforma aberta, precisa liberar o código. E não conheço uma empresa que tenha isso como modelo de negócios”, afirmou. E foi mais além: “quando você não consegue competir com a Microsoft, declara que faz software aberto”, provocou.

O executivo também alfinetou uma das grandes ondas da computação corporativa atual: o cloud computing, ou serviços em nuvem. “Os concorrentes falam muito sobre isso, mas a Microsoft já oferece cloud há 16 anos, com o Hotmail”, argumentou. “Só o Live Messenger possui 400 milhões de usuários na região”, afirmou.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/mercado/2010/09/14/executivo-da-microsoft-critica-posicao-brasileira-sobre-software-livre/

El peligro de perder a toda una generación de científicosInpi quer criar fórum de discussão acadêmica sobre propriedade intelectual

Data de publicação: 16/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por CARLOS M. DUARTE

La afirmación del Gobierno de que los ajustes presupuestarios preservarían la financiación publica en I+D se fundamentaban, principalmente, en el compromiso de mantener la financiación del Plan Nacional de I+D, que finalmente este año también ha sufrido recortes. Habría sido una buena noticia para un país que lucha por salir de la crisis con un nuevo modelo de crecimiento, basado en el conocimiento. Como suele ocurrir, el demonio se esconde en los detalles y el debate en torno a la financiación de la I+D, centrada en el Plan Nacional de I+D, oculta que este Plan, que permite ejecutar proyectos de investigación, solo garantiza el avance científico en la medida que los proyectos sean propuestos por científicos con ideas brillantes y los conocimientos técnicos avanzados necesarios para desarrollarlas. Es este pilar básico de nuestro sistema de I+D, la consolidación de una comunidad científica de excelencia, y no el Plan de I+D, lo que el ajuste presupuestario ha colocado en grave riesgo.

La formación de investigadores es un proceso largo, que se extiende durante cerca de 12 años, en promedio, desde la licenciatura, en ciclos pre y posdoctorales hasta que los científicos consolidan su carrera con un puesto de trabajo permanente en la universidad, en los Organismos Públicos de Investigación o -en contados casos- en los departamentos de I+D de empresas. La consolidación laboral del joven investigador es importante más allá del punto de vista de la estabilidad laboral, ya que es requisito imprescindible para que alcance la plena independencia científica y forme un grupo de investigación, pasos necesarios para poder desarrollar sus ideas.

El periodo de crecimiento de la ciencia española en financiación, plataformas para la investigación y en recursos humanos durante los últimos seis años la impulsó por una senda de progreso sin precedentes que la prestigiosa revista Nature calificó como una “Edad de Oro de la ciencia Española”. Fruto de este renacimiento es la generación más brillante de jóvenes científicos que nuestra sociedad haya dado, como se plasma en el éxito y competitividad de nuestros jóvenes investigadores en las convocatorias del European Research Council (ERC), que ejecuta el programa Ideas del 7º Programa Marco de la UE. Nuestros jóvenes investigadores ocupan el sexto puesto en número de contratos del ERC, que es extraordinariamente exigente en la selección, bajo el único criterio de la excelencia de los investigadores y sus ideas.

Continue lendo: http://www.elpais.com/articulo/sociedad/peligro/perder/toda/generacion/cientificos/elpepisoc/20100916elpepisoc_6/Tes

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 16/09/2010

Por Alana Gandra

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) promove a partir de hoje (15), no Rio de Janeiro, o 3º Encontro Acadêmico de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento (Enapid), cujo tema central é Propriedade Intelectual como Instrumento de Desenvolvimento Econômico. Segundo o presidente do Inpi, Jorge Ávila, o objetivo é “organizar e divulgar a pesquisa sobre a propriedade intelectual”.

A ideia do Enapid é criar um fórum de discussão acadêmica sobre a propriedade intelectual, para ampliar o debate sobre o assunto “e as formas de apropriação do resultado do esforço de pesquisa e as implicações que isso tem nos programas de inovação para o desenvolvimento econômico e para a inserção das empresas”, de acordo com Ávila.

Em entrevista à Agência Brasil, ele disse que o tema se desdobra em um conjunto de linhas de pesquisas nessa área que vêm surgindo no país e que são o objeto central da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do Inpi.

“O que se busca é aprofundar o entendimento do papel que a propriedade intelectual desempenha dentro do sistema nacional de inovação, ou seja, nas relações entre empresas, universidades e governo.”

Continue lendo: http://agenciabrasil.ebc.com.br/home?p_p_id=56&p_p_lifecycle=0&p_p_state=maximized&p_p_mode=view&p_p_col_id=column-2&p_p_col_pos=2&p_p_col_count=3&_56_groupId=19523&_56_articleId=1042761

Destaque do empreendedorismo digital: Anderson de Andrade

Data de publicação: 14/09/2010

Data de publicação: 14/09/2010

Por Maria Fernanda Lacerda Pereira

Seguindo a nossa linha de entrevistas com pessoas relevantes para a comunicação digital, hoje temos o prazer de postar um bate-papo com Anderson Andrade. Desta vez dividimos o conteúdo em duas partes.

Anderson atua no mercado da Internet brasileira desde 1998, é fundador e presidente da ACADi, consultor de E-business e mercado digital, líder educador e diretor da A2C (agência de comunicação digital que já atuou com clientes como Itaú e Totvs).

A A2C é uma agência que atua com “inovação, estratégia e tecnologia”. De que maneira essa combinação, pouco comum em Santa Catarina, aconteceu?

A A2C é uma agência full service digital que cria iDeias e experiências interativas relevantes para gerar relacionamento e negócios. Uma agência única, que aproxima pessoas e marcas e identifica oportunidades para os clientes nos ambientes digitais. Sempre tivemos essa definição em mente e este é o nosso diferencial: inovação digital com estratégia e foco em resultados, que é o que o cliente deseja quando inicia uma parceria conosco.

Confira o resto da entrevista: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/destaque-do-empreendedorismo-digital-anderson-de-andrade/48135/

Uma década de ‘livre acesso’ científico, artigo de Alysson Muotri

Data de publicação: 14/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 14/09/2010

Por Alysson Muotri

“Talvez seja cedo para apostar no livre acesso como uma forma de negócio rentável. Por outro lado, talvez não haja opção num futuro próximo”

Alysson Muotri é biólogo e pesquisador do Instituto Salk para Estudos Biológicos, em San Diego. Artigo publicado no “G1”:

A ideia de tornar as publicações científicas da área de saúde “abertas”, ou seja, de livre acesso na internet completa dez anos. A ideia inicialmente surgiu de um grupo de biólogos que notaram que os jornais científicos estariam se tornando cada vez mais caros, de difícil acesso a pacientes ou outros profissionais da área de saúde.

Até mesmo outros cientistas estariam tendo dificuldade em acessar os trabalhos publicados, pois nem toda biblioteca possui condições financeiras de arcar com as assinaturas dos jornais científicos atuais.

Duas propostas emergiram desse grupo. Primeiro, cientistas deixariam as publicações disponíveis num repositório por um determinado período e qualquer pessoa com acesso à internet poderia ler ou baixar os artigos naquele intervalo.

Segundo, criaram um tipo de jornal em que os autores pagariam uma determinada taxa para publicar os resultados. Assim, o jornal teria uma forma de se financiar por meio dos próprios pesquisadores em vez de depender de assinaturas do público. Essa taxa poderia sair das fundações que financiam a pesquisa, sejam governamentais ou privadas. O jornal então disponibilizaria a pesquisa tão logo fosse aceita para publicação. Estava criado então o conceito de publicação de acesso livre, conhecida no meio como “open access”.

A premissa era que a ciência caminharia mais rapidamente, pois qualquer um poderia ver os resultados publicados imediatamente, facilitando colaborações etc. Além disso, o modelo deixaria a pesquisa mais próxima dos pacientes, médicos e outros interessados e não apenas aos acadêmicos ou pesquisadores.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=73439

Internet mata seus próprios filhos

Data de publicação: 11/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 11/09/2010

Por Aurélio Paiva

Em meados de 2004, a moda era ter um blog. Um ano antes existiam 3 milhões de blogs, mas isto era só o início. Três anos depois, em 2007, eram estimados em 70 milhões. Em 2008, o número de blogs abriu o ano em mais de 120 milhões, e surgiam cerca de 120 mil blogs por dia. Por modismo, idealismo, pura vontade ou crença em uma futura boa fonte de renda, o negócio era criar um blog. E, além de tudo, era um status de quem estava antenado na revolução trazida pela Web 2.0.

Blogosfera foi o nome criado para a imensa rede mundial de blogs. Os arquitetos da Web 2.0 concebiam que esta rede teria vida própria, capaz de construir a verdade absoluta a partir de algoritmos probabilísticos. Quando centenas de milhões de pessoas divulgavam torrentes de informações, falsas ou verdadeiras, a verdade e o senso comum surgiriam em meio aos grandes números.

Os blogs, acreditavam, substituiriam todas as mídias tradicionais (jornais, rádios e TVs), que estavam fadadas à extinção diante do meteoro gigantesco, chamado Internet, que se chocara no Planeta da Comunicação. Como os mamíferos há 65 milhões de anos, os blogs seriam a alternativa de evolução aos agonizantes dinossauros da mídia.

Mas, assim como a natureza do nosso planeta, a natureza da internet também tem sua face treteira. E a suprema ironia é que a blogosfera, que crescera à velocidade de um brontossauro, está sendo extinta antes de tomar conhecimento de que ela própria havia envelhecido. E uma das causas de seu extermínio foi, a exemplo dos dinossauros, o seu próprio tamanho.

Desde 2008, o ritmo de crescimento dos blogs estagnou, fato que se repetiu em 2009. Mas o principal sintoma de que as células (os blogs) da blogosfera estavam morrendo veio em um relatório do Technorati (motor de busca de blogs), divulgado no ano passado. Mostrava que dos 133 milhões de blogs acessados pelo sistema de busca, apenas 7,4 milhões haviam sido atualizados nos últimos 120 dias. Ou seja, 95% deles não eram atualizados há mais de três meses.

Continue lendo: http://www.diariodovale.com.br/noticias/1,27935.html

Em busca das cidades invisíveis

Data de publicação: 07/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 11/09/2010

Por: Isabela Fraga

Sociólogo propõe ir além dos estereótipos para apreendermos o sentido de nossas cidades e apresenta tecnologias móveis e virtuais que ajudam a trazer à tona configurações ocultas desses centros urbanos.

Uma cidade formada por redes de conexões on-line, na qual cada atualização no Twitter – de imagem ou texto – forma um ponto, unido a muitos outros à medida que outras atualizações acontecem. A proposta de revelar uma camada até então desconhecida do ambiente urbano faz parte do projeto Invisible Cities [Cidades invisíveis], do designer americano Christian Marc Schmidt.

A ideia de ‘cidades invisíveis’ remete primeiramente ao romance homônimo do escritor italiano Italo Calvino (1923-1985). No livro, o autor conta uma conversa entre Marco Polo e o conquistador Kublai Khan, na qual o viajante descreve as cidades que compõem o vasto domínio do imperador.

Mais que descrever sensorialmente as cidades que visitou, Marco Polo as decifra em seus símbolos e significados. “Somente nos relatórios de Marco Polo, Kublai Khan conseguia discernir (…) a filigrana de um desenho tão fino ao ponto de evitar as mordidas dos cupins”, escreve Calvino.

Pequenas assinaturas

Esse conceito de cidade oculta é defendido pelo sociólogo André Lemos, coordenador do grupo de pesquisa Cibercidades, na Universidade Federal da Bahia (UFBa). Na semana passada, Lemos apresentou o Invisible Cities e outros projetos similares em seminário realizado na Casa da Ciência, no Rio de Janeiro.

Sua tese: perspectivas generalizantes ou muito abrangentes a respeito das cidades tornam-nas invisíveis.

Dizer, por exemplo, que o Rio de Janeiro é a cidade ‘maravilhosa’ insere confortavelmente seu habitante num imaginário partilhado, ao mesmo tempo em que oculta suas articulações numa ‘visibilidade genérica’.

Continue lendo: http://cienciahoje.uol.com.br/noticias/2010/09/em-busca-das-cidades-invisiveis

Relatório classifica sistema de ensino superior brasileiro como relativamente bom

Data de publicação: 09/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/09/2010

Agência Brasil

O sistema de ensino superior brasileiro foi classificado como relativamente bom, de acordo com o Relatório de Competitividade Global 2010-2011 divulgado hoje (9/9). Para o diretor-presidente do Movimento Brasil Competitivo (MBC), Erik Camarano, o levantamento indica também que o desempenho do país no ensino primário ainda é baixo e que precisa de investimentos. “Há um processo que tem que ser olhado como uma etapa de inclusão das pessoas, como foi feito no Brasil, mas temos quer fazer o segundo salto e melhorar a qualidade do ensino e o desempenho desses estudantes”.

No ranking de competitividade mundial, o país caiu duas posições em relação a 2009 e passou para a 58ª posição. O Brasil está na terceira colocação entre os países que compõem o Bric, atrás da China e da Índia. O estudo foi elaborado pelo Fórum Econômico Mundial, em parceria com o Movimento Brasil Competitivo (MBC) e a Fundação Dom Cabral.

Segundo Camarano, o levantamento mostra que a melhoria consistente da economia brasileira continua do ponto de vista da competitividade, o que indica que a tendência de mudança está na direção correta, mesmo com a perda de dois pontos ante a avaliação anterior. “Parece que estamos perdendo uma corrida e na verdade o importante é verificar que a tendência está na direção correta, mas talvez a velocidade de mudança em alguns aspectos pudesse ser mais rápida”.

Continue lendo: http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=13855

Educar não é formar técnicos, é formar pessoas

Data de publicação: 05/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/09/2010

Por  Eduardo Zugaib

Modelos de educação sustentados no puramente técnico se tornaram commodity e isolados não promovem diferencial algum. Sobram diplomas, falta qualificação.

O que caracteriza uma nova era? Arrisco dizer que uma nova era surge quando o mundo percebe que aquilo que era diferencial, de tanto ser desejado, perseguido e conquistado, acabou transformando-se em commodity.

Ou seja: quando mais e mais pessoas passam a ter acesso, o fato de simplesmente “ter” esse ou aquele bem ou informação já não representa mais diferencial algum.

Assim é com a tecnologia. Assim é com a informação. Assim deveria ser com as atitudes, estas sim, difíceis de se transformar em commodities. São justamente elas que hoje compõem o grande diferencial, numa sociedade onde “ter” e o “ser” ainda confundem a cabeça de muita gente.

A formação do ser humano integral, que além do conhecimento em si, também desenvolva-se material, cultural e socialmente, tem sido um dos grandes desafios de quem promove educação, seja ela acadêmica ou corporativa.

Educação é porta de entrada e de saída. Porém, além de trabalhar conhecimento, habilidades e atitudes em igual importância, ela deve estimular a capacidade de combinação e de entrega destes fatores pelo indivíduo. Focar apenas em conhecimentos e habilidades é correr o risco de formar gênios incompreendidos.

Focar apenas em atitudes, desconsiderando conhecimentos e habilidades, também é problema grave: nada mais perigoso do que burros altamente motivados.

Continue lendo:  http://webinsider.uol.com.br/2010/09/05/educar-nao-e-formar-tecnicos-e-formar-pessoas/

Una cinemateca que duplica esfuerzos

Data de publicação: 05/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/09/2010

Por Pablo Sirvén

Desde hace 61 años, funciona la que fundó Roland; ahora, la Presidenta creará una estatal

Entre tanto tumulto informativo, pasó un poco inadvertido un hecho aparentemente insignificante, pero que no lo es tanto: la firma, el lunes último, del decreto reglamentario de la ley 25.119 que crea la Cinemateca y Archivo de la Imagen Nacional (Cinain).

Lo llamativo es que esta norma -idea original de Fernando Solanas (“Pino”)- fue vetada a mediados de 1999 por el entonces presidente Carlos Menem. Pero el Congreso insistió poco después y, si bien su texto fue sancionado con leves variantes, durmió el sueño de los justos hasta que vino a despertar en el febril impulso que en estos días le da el Poder Ejecutivo a intervenir más decisiva y polémicamente en el mundo de las comunicaciones argentinas (el avance sobre Papel Prensa, Fibertel y Cablevisión).

No es casual que con el monopolio estatal sobre la TV digital y el Fútbol para Todos, al Gobierno se le empiece a abrir fuerte el “apetito” por los contenidos.

El anunciado nacimiento de nuevas emisoras oficiales por cable, que vendrán a sumarse al siempre atractivo canal Encuentro, ha llevado al Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales (Incaa) a firmar urgentes acuerdos para que la caldera de la producción propia empiece a funcionar (llamó a concursos de cortos y documentales terminados; puso en marcha un plan operativo de fomento y promoción de contenidos audiovisuales para TV digital y firmó un “convenio de colaboración” entre el Incaa y la Anses, etc.).

Estos movimientos, además, coinciden con otra feliz noticia bibliográfica. La semana pasada, saludábamos la aparición de un libro que recuperaba toda la historia de Radio Nacional. Ahora es el turno de brindar un gran aplauso a El cine cuenta nuestra historia / 200 años de historia, 100 años de cine (Instituto Nacional de Cine y Artes Audiovisuales, Buenos Aires, 2010), un libraco de casi 500 páginas, en 16 capítulos escritos por expertos que repasan los hitos y fenómenos que lo atravesaron desde que echó a andar la producción nacional y profusamente ilustrado, todo en una impresión de excelente calidad. Tanto el libro de Radio Nacional como éste no llegarán al circuito comercial, lo cual supone una gran contrariedad para aquellos particulares que más que consultarlos sólo en bibliotecas públicas desearían conservarlo, tema que harían bien en resolver las autoridades disponiendo, aunque más no sea, de una partida limitada de ejemplares en algunas conocidas librerías.

Continue lendo: http://www.lanacion.com.ar/nota.asp?nota_id=1301379

Brasil regionaliza formação de doutores

Data de publicação: 09/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 10/09/2010

Por Luciano Máximo, do Valor

Universidades, públicas ou privadas, de 13 Estados brasileiros do Norte, Nordeste e Centro-Oeste não haviam formado sequer um doutor até 1999. Uma década mais tarde, esse quadro mudou bastante. A formação de mestres e doutores nessas três regiões cresce proporcionalmente mais do que no Sul e Sudeste, elevando sua participação no mapa atual da pós-graduação e da produção científica do país, graças ao maior fluxo de recursos do governo federal e de agências estaduais de fomento à pesquisa.

A desigualdade na oferta de programas de mestrado e doutorado, contudo, persiste – fator que retarda o desenvolvimento e os avanços do sistema educacional, do nível básico ao superior. O cenário regional revela forte concentração nos Estados mais ricos: em 2009, 79% dos pesquisadores brasileiros saíram das universidades do Distrito Federal, do Sul e do Sudeste, 15% das instituições de ensino superior do Nordeste e 6% das regiões Norte e Centro-Oeste; a mesma relação há dez anos apresentava distorção maior: 88%, 9% e 3%, respectivamente.

Para Danielle Carusi, pesquisadora do Centro de Estudos sobre Desigualdade e Desenvolvimento da Universidade Federal Fluminense (Cede-UFF), o atraso na criação de programas de pós-graduação e a falta de investimento nos anos 1980 reprimiram uma grande demanda no interior do país. “Estamos num momento de retomada, o que é positivo porque descentraliza cada vez mais a formação educacional do eixo Rio-São Paulo e contribui para o desenvolvimento regional”, avalia a economista.

Odenildo Sena, diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam), reconhece a descentralização da aplicação de recursos federais em favor da produção de conhecimento no interior do país, mas ressalva que o momento é de “correr atrás do prejuízo”. “As melhores universidades e os melhores centros de pesquisa e de inovação tecnológica estão em São Paulo. Como competir com isso, enquanto estamos no centro da maior biodiversidade do planeta, com milhares de espécies de peixes e plantas medicinais à espera de classificação, e nos falta capital intelectual para transformar isso em conhecimento, em riqueza?”, questiona.

Continue lendo: http://www.bv.fapesp.br/namidia/noticia/39558/brasil-regionaliza-formacao-doutores/

‘Eureca’ na sala de aula

Data de publicação: 09/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 09/09/2010

Por Thiago Camelo

Deixar que os alunos aprendam por meio de descobertas: eis a essência do método de ensino criado há um século pelo inglês Edward Armstrong, que um físico brasileiro propõe resgatar.

Você, professor e cientista, já deve ter lido e ouvido falar sobre o método heurístico na ciência. Mas não se assuste com o termo difícil caso nunca tenha topado com ele.

Etimologicamente, heurística significa a ‘arte da descoberta’ (a raiz é a mesma que encontramos na interjeição eureca!). Em ciência, a palavra é usada para designar o conjunto de métodos que levam à descoberta e à invenção. Não estamos distantes, portanto, do empirismo e da experiência.

A sala de aula seria lugar para experimentar, conhecer com os erros e acertos

Pois bem: o método heurístico se aplica também à educação. Essa semente foi plantada há mais de um século por um químico e educador inglês – pouco conhecido, podemos dizer – chamado Henry Edward Armstrong (1848–1937).

Sua ideia: a sala de aula seria lugar para experimentar, conhecer com os erros e acertos.

No dicionário Houaiss, há uma definição simples e precisa do que seria a heurística no ensino: “método educacional que consiste em fazer descobrir pelo aluno o que se lhe quer ensinar”.

Com a heurística, Armstrong tentou convencer a Inglaterra do início do século 20 a mudar a forma de se ensinar ciência. A aprendizagem deveria ser por meio de descobertas, e não por fórmulas que não se relacionariam diretamente com a vida do aluno.

Foi bem-sucedido, tanto na Europa quanto nos Estados Unidos, onde suas ideias também chegaram. Com a guerra e com a velocidade que o mundo impôs às pessoas, porém, a prática de ensino de Armstrong foi superada por uma educação mais técnica e imediatista. A heurística, nas escolas, era uma utopia.

O químico inglês defendia o aluno-professor, que podia – e devia – ser uma espécie de descobridor original. Muitos o criticaram por essa ideia. Os defensores das teorias educacionais do filósofo alemão Johann Friedrich Herbart, por exemplo, acreditam mais na instrumentalização do indivíduo e, portanto, na essencial presença de um professor para formar o estudante.

Continue lendo: http://cienciahoje.uol.com.br/alo-professor/intervalo/a-ciencia-em-experimentar

Marc Augé: “El mundo digital construye la ilusión de conocer todas las respuestas”

Data de publicação: 02/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 05/09/2010

Por Guido Carelli Lynch

El antropólogo francés dio una conferencia sobre identidades virtuales y literatura, en el Malba, en la apertura del Festival de Literatura de Buenos Aires.

Que las dos ediciones del Festival Internacional de Literatura de Buenos Aires hayan sido inauguradas por dos figuras ajenas al ámbito estrictamente literario es por los menos extraño. Y ya casi una tradición.

En 2008 fue el turno del filósofo italiano Gianni Vattimo. Ayer le tocó al antropólogo francés Marc Augé. Con él, en un colmadísimo auditorio del Malba, se puso en marcha el Filba 2010.

El festival ideado por Pablo Braun y Soledad Costantini tendrá esta vez un total de siete sedes en las que, hasta el domingo, habrá conferencias. Y performances como la anterior a la intervención de Augé, del cuentacuentos colombiano Nicolás Buenaventura.

El autor de El viajero subterráneo. Un etnólogo en el metro se refirió a la evolución de la antinomia entre los conceptos de “lugar” y “no lugar”, que acuñó y le dio fama. Con la segunda categoría, Augé se refería a los espacios dominados por una naturaleza transitoria, como un aeropuerto o un supermercado; en oposición a los “lugares”, donde siempre es posible leer mejor “las inscripciones sociales”. “En la actualidad un supermecado es un lugar de encuentro para jóvenes de la periferia parisina”, contrapuso.

Sin embargo, para este etnólogo de la Escuela de Estudios en Ciencias Sociales de París, Internet y el horizonte virtual de las comunicaciones son los motores que revolucionan las relaciones humanas.

Continue lendo: http://www.revistaenie.clarin.com/notas/2010/09/02/_-02207676.htm

A educação navegando pela internet

Data de publicação: 31/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/09/2010

Por Alexandre Mendes

Caros leitores, desta vez vamos tratar das incursões da Educação na internet. Mais uma área que está tendo grande impulso revolucionário ao usar as novas ferramentas que agilizam a comunicação e as relações entre os usuários. Então vamos lá…

Há alguns anos foi disponibilizada na internet uma nova geração de ferramentas, no ambiente chamado por alguns de web 2.0, que possibilitou o desenvolvimento de novas formas de relacionamento entre organizações e seus clientes, parceiros, fornecedores etc. Essa relação já é vista além das tradicionais áreas inovadoras como as da Engenharia, Bancária, Indústria automobilística e Informática, como por exemplo, nas áreas de Jornalismo, Saúde, Cosmética, Moda e Educação.

A Educação na internet

Quando se fala em educação, muitos pensam logo nas estruturas arcaicas que não acompanharam as mudanças da sociedade, do esquema de ensino quase mecânico de repetição e de memorização; mas muito tem se avançado nessa área, especialmente com o uso da internet, basta ver o sucesso da EAD (Educação à distância).

Outro indicativo desse sucesso é constatar a quantidade de sites, blogs e fóruns de órgãos ligados à educação, como escolas e universidades que disponibilizam diversas informações aos alunos, pais e para a própria comunidade acadêmica. Assim, com uma nova estrutura que privilegia a interatividade entre seus membros, aumentam-se as possibilidades de aprendizagem. Agora participam também dessa revolução gestores, diretores, professores e colaboradores de um lado e pais e alunos de outro, trocando idéias, avaliando e contribuindo para a qualidade do ensino e da administração escolar.

Continue lendo: http://imasters.uol.com.br/artigo/17663

Universidade e políticas culturais

Data de publicação: 30/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/09/2010

Por Antônio Canellas

Recentemente o Ministério da Cultura lançou o Programa Cultura e Universidade, visando fomentar projetos acadêmicos na área cultural e promover e difundir a produção artística e cultural das Universidades. O Programa congrega sete projetos que vem sendo executados em parceria com as Universidades e alguns deles com o Ministério da Educação.

O Programa é, sem dúvida, muito bem vindo e começa a resgatar uma dívida do Governo Federal com a atuação cultural das Universidades, em especial as públicas e federais. Desde a separação dos Ministérios da Educação e da Cultura em 1985 e com as políticas neoliberais impostas por sucessivos governos (Collor, Itamar e FHC) a atividade cultural nas Universidades foi colocada no limbo: nem recebe apoio do Ministério da Educação, pois é cultura; nem do Ministério da Cultura, pois é educação superior.

Cabe relembrar que a Universidade brasileira, apenas de ser muito recente – tem menos que 100 anos – se comparada inclusive à Universidade na América Latina, teve papel cultural relevante em determinados momentos da história nacional. Os anos 60 e 70 são exemplos disto. Nos 60 a Universidade foi uma das impulsionadoras da emergência da riqueza cultural daqueles anos e nos 70 ela se destacou como lugar relevante de resistência político-cultural à ditadura e as suas políticas autoritárias.

Continue lendo: http://www.movimentoculturabrasil.com.br/blog/?p=1871

Manter o blog corporativo como parte da estratégia

Data de publicação: 03/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/09/2010

Por Diego Monteiro

Tudo bem usar Twitter ou Facebook como parte da estratégia de mídias sociais na comunicação nas empresas, mas não esqueça o valor do blog.

A “febre” das mídias sociais contagiou boa parte das empresas. Em consequência, elas passaram a buscar desesperadamente a solução para seus negócios em algumas ferramentas da moda, como Twitter e Facebook, esquecendo, muitas vezes, da importância de ter um blog próprio.

Entretanto, antes de começar a falar sobre os motivos que devem levar as empresas a criarem seus blogs é necessário alertá-las das razões pelas quais elas não devem criá-los.

Se a ideia é ter milhares de visitas/dia, centenas de assinantes e gerar inúmeros leads através do blog, não invista nesse canal. A comunicação através das redes sociais e, principalmente, dos blogs não tem esse objetivo e, sem dúvida, será um erro desastroso para o sucesso da marca no ambiente digital.

Por outro lado, se a ideia é se relacionar com o público, ter uma comunicação de duas vias com ele (que significa falar e estar disposto a ouvir) e gerar evangelizadores, então vamos apontar as vantagens de se ter um blog corporativo.

O formato dos conteúdos é outro ponto importante para justificar a criação desse canal. Diferente das outras mídias sociais, em um blog não há limite de caracteres. Isso possibilita que as mensagens da empresa sejam mais aprofundadas. Além disso, com o link dessas postagens, o conteúdo pode ser divulgado em outras redes sociais, com tamanho de textos pré-definidos, como é o caso do Twitter, e que por esse motivo acabam limitando a dimensão da comunicação.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/09/03/mantenha-o-blog-corporativo-como-parte-da-estrategia/

Introducción a la Documática, el manual clásico

Data de publicação: 02/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/09/2010

Por Jesús

Han transcurrido catorce años desde la redacción original de Introducción a la Documática. 1. Teoría, en 1996. Publicada en papel en enero de 1997, durante este tiempo la obra original ha sido ampliamente utilizada como material para estudiar oposiciones, preparar asignaturas, impartir cursos, y muchos otros usos (seguramente algunos de ellos inconfesables). Agotada rápidamente en su versión papel, se publicó en formato HTML en el web en 2002. Desde ese momento hasta 2010 ha estado disponible en el dominio http://docunautica.com, generando un tráfico que ha ido oscilando alrededor de 1000 visitantes y entre 3000 y 4000 páginas vistas cada mes. Estuvo a punto de ser retirada en 2006, pero numerosas peticiones de usuarios me persuadieron de que aún resultaba de utilidad, y que merecía la pena mantenerla accesible.

El devenir de mi trabajo en la Universidad me ha ido haciendo posponer la idea de redactar una actualización, que he ido dilatando en el tiempo. Finalmente, y tras un plazo de alejamiento y reflexión, no voy a llevar a cabo esa posible modernización. Esta reedición en formato digital de 2010 va a ser la última versión. No tengo la disponibilidad necesaria ni de tiempo ni de recursos que me exigía para redactarla con la calidad y profundidad adecuadas. Otros temas de investigación, más cercanos a los usuarios, acaparan mi interés y dedicación. A beneficio de la comunidad, he decidido liberar el contenido bajo una licencia GNU Free Documentation License. El contenido completo de docunautica.com puede descargarse y reutilizarse según los términos establecidos en dicha licencia.

El lector encontrará partes que mantienen plena validez, y que sólo necesitan ser completados con los útlimos avances, y capítulos que suenan a históricos, como el dedicado a la teledocumentación, o algunas partes sobre internet, junto a otros plenamente superados, como la parte dedicada al formato MARC. La acelerada evolución de la disciplina hace difícil tener una perspectiva histórica del tremendo cambio que ha supuesto la última década. En todo caso, y liberado el contenido, puede ser el momento de que otros autores colaboren en el desarrollo y evolución de la obra original. Quizá un wiki colaborativo, en plena efervescencia de la gestión de información 2.0, puede ser una buena idea…

Continue lendo: http://tramullas.com/2010/09/02/introduccion-a-la-documatica-el-manual-clasico/

Gestão do conhecimento e sustentabilidade

Data de publicação: 27/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/09/2010

Por Sonia Wada

O grande desafio do século XXI é promover o desenvolvimento sustentável. O que significa atuar de forma economicamente viável, socialmente justa e ambientalmente correta. O crescimento econômico não pode se contrapor aos pilares da sustentabilidade, portanto, as organizações precisam, cada vez mais, adotar práticas sustentáveis. Manter políticas de administração responsáveis, buscar alternativas de produção que utilizem recursos renováveis, promover ações que protejam o meio ambiente e a sociedade são algumas das iniciativas a serem tomadas e a gestão do conhecimento pode facilitar sua aplicabilidade.

O conceito de desenvolvimento sustentável possui três variáveis principais: Social – pela visão de uma sociedade mais equilibrada, com melhoria da qualidade de vida, mais distribuição de renda, mais saúde e oportunidades de educação e emprego. Econômica – com melhor alocação e gerenciamento mais eficiente dos recursos, um fluxo constante de investimentos públicos e privados e menor desigualdade de renda. Ecológica – com o uso racional dos recursos naturais, consumo de energias renováveis, redução de poluentes e resíduos e proteção ambiental.

Por meio da gestão do conhecimento aplicada às práticas de sustentabilidade, empresas passam a se preocupar não só com sua viabilidade econômica, mas assumem a responsabilidade social perante todos envolvidos na cadeia produtiva, desde os acionistas, investidores e governos até a comunidade e o meio ambiente, passando por clientes, colaboradores e fornecedores.

Preceitos de geração de conhecimento não são estratégias inovadoras, sempre foram utilizados para a tomada de decisões. A diferença é como gerir esse saber acumulado, esquematizá-lo e disponibilizá-lo da melhor maneira possível para aprimorar a cultura da organização. Saber como usar o conhecimento, estabelecendo práticas, padrões e sua disseminação junto aos públicos internos e externos trazem vantagens competitivas e benefícios duradouros para a sustentabilidade.

Continue lendo: http://www.investimentosenoticias.com.br/ultimas-noticias/artigos-especiais/gestao-do-conhecimento-e-sustentabilidade.html

Falta de motivação é comum entre profissionais

Data de publicação: 27/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por Amanda Assad

Passados menos de cinco anos desde sua formatura, o biólogo Alan De Simone, 27 anos, luta contra a falta de ânimo e o descontentamento profissional. A baixa remuneração aliada à ausência de perspectivas de crescimento coloca em xeque a escolha de Simone, que já pensou em largar a carreira de professor de Ensino Médio e Fundamental mais de uma vez. Até situações, que antes eram comuns e traziam certa satisfação, tornam-se maçantes. As dificuldades começam ao acordar e transpassam toda a rotina de trabalho. “No Brasil, a profissão de professor não tem o reconhecimento merecido, o que influencia no salário. Como conseqüência de um retorno financeiro inferior, muitos profissionais acabam buscando outras áreas de atuação”, constata o biólogo.

Esse desânimo, de acordo com Ruth Duarte, coordenadora do Ibmec Carreiras do Rio de Janeiro, não é exclusivo dos professores. Ela afirma que o sentimento é comum entre profissionais das mais variadas áreas como consequência do choque entre a teoria aprendida na universidade e a realidade do mercado de trabalho. “Muitas vezes, os profissionais vivenciam situações contraditórias entre o que aprendeu na faculdade e o que vive no cotidiano, como o trabalho em grupo, o processo de liderança e a obrigação de lidar com pessoas diferentes”, explica.

Esse é apenas um entre uma série de fatores que podem causar a desmotivação, como a velocidade de crescimento proporcionada pela empresa, o cargo ocupado e até a falta de desafios, salienta Ruth. Já Daniella Forster, professora do curso de Administração da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e coordenadora do PUC Talentos, acrescenta outro aspecto de influência no estado de ânimo dos profissionais. “Algumas vezes, o candidato escolhe uma empresa priorizando o salário, mas não consegue ser produtivo porque não há alinhamento entre os objetivos”, exemplifica ela.

As falhas de postura também podem ocasionar o descontentamento, tanto por parte das empresas quanto das pessoas que ingressam no mercado de trabalho. É o que diz Ruth. “Muitas vezes, na hora de recrutar, as empresas exigem competências que não são utilizadas no dia a dia, o que pode frustrar o empregado. Em contraponto, o jovem é ansioso e deseja crescimento rápido, o que pode ser uma armadilha para a carreira já que, naturalmente, ele ainda está adquirindo maturidade profissional”, observa a coordenadora do Ibmec Carreira

Continue lendo: http://www.universia.com.br/carreira/materia.jsp?materia=20249

Gerenciar avalanche de informações transformou-se em desafio diário para as empresas

Data de publicação: 25/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por Fábio Melo

Diariamente, as empresas geram uma quantidade imensa de conteúdo e documentos em papel ou por meio eletrônico. A explosão é mundial. Estudos globais preveem que o volume de informações no planeta deverá crescer cerca de 44 vezes nas próximas décadas. No Brasil, esse crescimento avança a um ritmo médio de 25% ao ano, de acordo com a Associação Brasileira de Gerenciamento de Documentos (ABGD).

Quando toda essa produção (principalmente e-mails, contratos, notas fiscais) não é devidamente gerenciada com eficiência – e normalmente não é – o quadro é bastante preocupante para os gestores sob vários aspectos: competitividade, custos, desempenho, vazamento de dados e perda de informações, segundo o consultor Walter Koch. No ano passado, o volume de dados mundial ficou em cerca de 0,8 zettabytes ou 800 bilhões de gigabytes, um crescimento em torno de 62% na comparação com 2008.

As tecnologias para buscar, gerenciar, digitalizar, armazenar, preservar e disponibilizar conteúdos e documentos caminham a passos largos, mas os desafios continuam. Levantamento da ABGD mostra que os gestores gastam quatro semanas por ano procurando informações devido a problemas com armazenamento inadequado ou com a desorganização de arquivos, além da perda de um documento a cada 12 segundos por parte das grandes corporações.

Continue lendo:  http://gestaodeconteudo.blogspot.com/2010/08/gerenciar-avalanche-de-informacoes.html

Estudantes adotam os eBooks

Data de publicação: 25/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por eBook Reader

Professores acreditam que os e-books não vão substituir os livros tradicionais. Para eles, os dois irão conviver juntos. Estudantes que usam os e-books dizem que os dois tipos têm suas vantagens. Enquanto isso, cada vez mais as empresas aprimoram os aparelhos que vendem aos leitores e editoras começam a lançar e relançar obras no formato digital.

A professora de Letras da Universidade Católica de Pernambuco [Unicap], Fa­bia­­­na Câmara não acredita na substituição dos livros pelos meios eletrônicos. “Creio que não vai haver uma substi­tuição, até mes­mo porque o impresso pro­voca uma maior vontade de ler do que o formato digital. Um livro grande, como ‘Gran­de Sertão Veredas’ exi­ge concentração, que a pessoa volte a página para reler algo que precise relembrar”, compara.

A estudante Joana Turton, 17 anos, comprou um dos primeiros tipos de e-reader [aparelho para leitura dos e-books] da Sony durante uma viagem que fez aos Estados Unidos no final do ano passado. Ela já sabia da exis­tência dos aparelhos e pes­quisou preços antes da viagem. Para a garota, os e-books ajudam na leitura de livros estran­geiros. “Eu leio muito em inglês e, às vezes, é difícil achar livros em inglês nas livrarias daqui. A vantagem é que eu compro livros para o e-reader pela internet e uso para ler neste idioma”, contou Joana. Co­mo o aparelho da garota foi um dos primeiros, ela já o acha “arcaico” em relação aos mais novos.

Continue lendo: http://ebookpress.wordpress.com/2010/08/25/estudantes-adotam-os-ebooks/

EMC Brasil lança edição nacional de livro sobre Tecnologia de Armazenamento de Informação

Data de publicação: 13/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por Wesley Moraes

Conteúdo publicado em parceria com a editora Bookman é fonte de consulta definitiva sobre o assunto

A EMC Brasil, líder em armazenamento e gerenciamento de informação, anuncia o lançamento nacional do livro Armazenamento e Gerenciamento de Informações: Como armazenar, gerenciar e proteger as informações digitais. O livro, publicado no Brasil em parceria com a editora Bookman, especializada em tecnologia, foi lançado em 2009 nos Estados Unidos, pela John Wiley & Sons (Wiley Publishing, Inc., maio de 2009).

A nova obra é fonte de consulta definitiva sobre o espectro completo de tecnologias de armazenamento de informações para todos que precisam entender como armazenar, gerenciar e proteger informações digitais de forma eficiente — desde estudantes até profissionais de TI em campo e tomadores de decisão no mercado de tecnologia.

Para melhor abordar o data center moderno, em geral composto por múltiplas tecnologias de vários fornecedores, este abrangente livro sobre tecnologia adota uma perspectiva “aberta” para o armazenamento e o gerenciamento de informação, enfocando conceitos e princípios ao invés de elementos específicos de produtos. O livro Armazenamento e Gerenciamento de Informações foi escrito por um grupo de especialistas da EMC, capitalizando os 30 anos de experiência da companhia em tecnologias de armazenamento de dados, e editado por G. Somasundaram e Alok Shrivastava, respectivamente diretor e diretor sênior de Serviços Educacionais da EMC.

O forte crescimento do volume de informação digital, os ambientes de TI cada vez mais complexos e a importância estratégica crescente da informação no mundo dos negócios exigem que os profissionais de TI tenham níveis de conhecimento técnico cada vez mais elevados e tornam mais desafiador, para as organizações, encontrar profissionais com as habilidades e o conhecimento necessários para competir. A obra preenche esta lacuna crescente de conhecimento sobre tecnologia de armazenamento.

Continue lendo: http://blogs.forumpcs.com.br/releases/2010/08/13/emc-brasil-lanca-edicao-nacional-de-livro-sobre-tecnologia-de-armazenamento-de-informacao/

Salto evolutivo

Data de publicação: 12/07/2002

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por Carlos Graieb

Se lhe disserem que o livro está morrendo, não acredite. Ele está mudando, e para melhor

Tempos atrás, esteve em voga a discussão sobre “a morte do livro”. Especulava-se a respeito do impacto que a internet teria sobre os leitores, ou sobre a substituição da página impressa pela página eletrônica. O assunto, hoje, está praticamente encerrado. Ao contrário do que previam os alarmistas, a produção e a venda mundial só cresceram nos últimos anos. Como disse certa vez o historiador da leitura Alberto Manguel, “o melhor recipiente para um texto continua sendo o livro tradicional”. E existe, ainda, uma outra observação a fazer: longe de estar moribundo, o livro é um objeto em evolução. O brasileiro que freqüenta livrarias está em boa posição para constatar esse fato. No prazo de uma década, ele assistiu a duas revoluções. A primeira foi a revolução do design. As editoras resolveram contratar artistas gráficos para mudar a cara de seus produtos. O resultado se fez sentir sobretudo nas capas, que passaram a ser mais modernas e bonitas. A segunda revolução aconteceu nos últimos quatro anos e tem a ver com métodos de produção industrial. Surgiram novos tipos de encadernação, novos materiais para acabamento e até novas formulações de cola que tornam os volumes mais robustos e duráveis.

Desde 1998, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), em São Paulo, submete os livros didáticos e paradidáticos adquiridos anualmente pelo Ministério da Educação a uma bateria de testes, para avaliar sua chamada “qualidade física” (por oposição ao conteúdo, que eles não analisam). São 43 experimentos, alguns deles realizados em engenhocas (veja quadro), que observam desde as falhas de impressão até a alvura do papel e a tensão que uma página agüenta antes de se rasgar ou se desprender da lombada. “Os defeitos diminuíram em 80% desde que começamos”, diz Maria Luiza Otero D’Almeida, responsável pelo Laboratório de Papel e Revestimento. “Desde 1999, por exemplo, não encontramos uma capa descolada.” Ela ressalta que, como só testa os livros didáticos, não pode garantir a qualidade, digamos, das obras de ficção na lista de mais vendidos de VEJA. Mas, nas grandes gráficas, os mesmos equipamentos e materiais dos livros escolares são empregados nas obras de literatura – cujo acabamento tende a ser mais sofisticado. Velhas colas que ressecavam, por exemplo, saíram de uso. Um composto bem mais resistente se tornou padrão, e hoje é muito improvável que um romance se desmonte em suas mãos enquanto você lê na praia.

Continue lendo: http://veja.abril.com.br/120602/p_142.html

O futuro da Web Social

Data de publicação no Blog DA ECI: 280/08/2010

Por SB Virtual

Você já deve ter ouvido falar na web 2.0, mas cá entre nós, será que existe diferença entre 1.0 e 2.0? O que nós temos nesta nova onda online de início de século é nada mais do que uma melhor compreensão do que a web pode fazer por nós e de como podemos utilizá-la. Desde que a WWW nasceu, nós já eramos capazes de publicar nosso próprio conteúdo na rede, porém recentemente surgiram vários sites-serviços que facilitaram para o mundo este processo de publicação. Estes sites ficaram conhecidos como Mídias Sociais.

Entendemos por Mídias Sociais, aquelas cujo conteúdo é produzido por e para seus próprios usuários que compartilham interesses comuns. E é nessa definição que surge o problema que vamos discutir nesse post. Repare: “o conteúdo é produzido por e para seus próprios usuários“, em outras palavras, as mídias sociais não conversam entre si.

A princípio isso pode não soar como um problema, mas se olharmos mais a fundo para a estrutura da internet, veremos que a rede em si como nós a conhecemos não seria possível se não fosse por sua interoperabilidade. Se as redes sociais não interagem entre si, não temos uma Internet, mas uma Multinet, uma coleção de múltiplas redes isoladas lutando por espaço num universo infinito de bits.

A solução apontada para isso é Web Social Federada. Entenda federação como um conjunto de partes atuando para um objetivo comum. Nós vimos e usamos protocolos de comunicação federada antes. O próprio e-mail é um conjunto de servidores diferentes comunicando-se entre si para permitir que a rede @abcd.com conecte-se com a rede @efgh.com, pois se baseia em padrões de operação em prol dessa coletividade.

Continue lendo: http://sbvirtual.com/o-futuro-da-web-social/

Será que a Realidade Aumentada Pode Salvar a Indústria das Publicações Impressas?

Data de publicação: 24/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por Diogo Bedran e Chris Cameron

O filme Minority Report tem uma cena memorável onde um homem lê um jornal futurista com atualizações ao vivo de multimídia com as últimas notícias. Mesmo que isto ainda esteja longe de acontecer, pelo menos para o público em geral, um jornal alemão deu um pequeno passo nessa direção com o lançamento de uma edição especial da sua revista com a tecnologia da Realidade Aumentada (RA).

O Süddeutsche Zeitung (SZ), o maior jornal nacional da Alemanha, fez uma parceria com a fornecedora de RA metaio para oferecer aos assinantes uma experiência de leitura imersiva que aponta para o futuro da publicação. A experiência é similar à edição de realidade aumentada do Esquire de Novembro de 2009, mas com avanços que foram feitos com a tecnologia RA dos smartphones, uma webcam desktop não é necessária para visualizar o conteúdo.

A revista apresenta várias experiências de RA pelas páginas que podem ser ativadas com o uso do aplicativo da metaio para iPhone e Android. A capa da revista tem uma personalidade popular da TV alemã que ganha vida em um vídeo interativo que pode ser visto ao manter seu iPhone acima da revista, claro, com o aplicativo junaio. Outros recursos de RA da revista são: uma ilustração que se torna 3D, uma entrevista exclusiva com mais citações e palavras cruzadas, cujas respostas aparecem no smartphone.

Continue lendo: http://readwriteweb.com.br/2010/08/24/sera-que-a-realidade-aumentada-pode-salvar-a-industria-das-publicacoes-impressas/?utm_source=feedburner&utm_medium=twitter&utm_campaign=Feed%3A+ReadwritewebBrasil+%28ReadWriteWeb+Brasil%29

Braile portátil

Data de publicxação: 20/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/08/2010

Por Thiago Camelo, Ciência Hoje On-line

Uma criação que dá outra dimensão ao sistema braile. Agora, ele parece um dado, gira e obedece uma lógica.

Na reunião anual da SBPC deste ano, um expositor provocou a plateia: estendeu a mão, mostrou um objeto amarelo cúbico e com pontinhos (lembrava um dado), e perguntou: “Alguém saberia me dizer para que serve isso?”.

O público demorou para acertar. Muitos acharam que era uma peça de um jogo qualquer. Outros entenderam que se tratava de algo que tinha a ver com educação (a palestra falava do ensino no Brasil), mas ainda estavam longe de matar a charada. Até que um espectador esperto chutou certo: “Serve para se comunicar!”, gritou.

Sim, o ‘dado amarelo’ era, na verdade, um novo jeito de se apreender o braile, o sistema de leitura criado para os cegos.

Gira-braile

De volta à redação, no Rio, a CH foi atrás do criador do chamado Gira-braile. Evaldo Hermany é de Ijuí, cidade do Rio Grande do Sul. Tem 49 anos e uma doença genética degenerativa – doença, aliás, partilhada com mais três irmãos. Ele hoje não enxerga mais, mas enquanto ainda tinha visão estudou informática e chegou a trabalhar na profissão. Quando sua doença piorou, aposentou-se.

– Após o período de assimilação da doença, tive o estalo. Todo o sistema braile se resume a uma linguagem em código. Há uma lógica de matriz três por dois [três fileiras e duas colunas]. E as pessoas, não sei por quê, não aprendem com a lógica, aprendem decorando – explica, por telefone, Evaldo.

Continue lendo: http://bibliofflch.wordpress.com/2010/08/24/gira-braile-o-braile-portatil/

Especialistas alertam para os cuidados no uso do Twitter

Data de publicação:  12/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 27/08/2010

O uso de redes sociais como o Twitter (veja abaixo) pode ser uma eficiente ferramenta de comunicação no ambiente empresarial. Mas também pode diminuir a produtividade e se transformar em uma vitrine para gafes, alertam especialistas. Afinal, os textos postados chegam aos computadores de dezenas, centenas ou milhares de pessoas em questão de minutos. É preciso ter limites, pois mesmo quem não tem cadastro no sistema pode acessar o conteúdo publicado.

Especialista em comportamento corporativo e professora da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Daniela Lago afirma que os profissionais devem aproveitar os benefícios das redes sociais. “Se a pessoa tiver um perfil vinculado ao trabalho, ela não deve postar assuntos particulares. Dependendo do comentário, a imagem da empresa pode ser prejudicada e, consequentemente, a do próprio funcionário”, diz. Ela mesma já passou por uma saia justa quando um comentário que comparava turmas para as quais havia dado aulas gerou repercussão negativa entre vários alunos em poucas horas.

O auxiliar administrativo Leonardo Moura, 23 anos, tem um perfil pessoal e um ligado à papelaria ABC Office Shop, onde trabalha há um ano e dois meses. No relacionado à empresa, ele acompanha as publicações de especialistas da sua área de trabalho. Além disso, Moura lê diariamente “tweets” das empresas concorrentes para saber mais sobre as novidades desenvolvidas por elas. “As redes sociais podem ser usadas positivamente no trabalho, desde que se tenha cautela com comentários que possam ser prejudiciais, além de saber controlar o tempo”, observa o auxiliar.

Por mais que Moura garanta que acompanha as páginas das empresas concorrentes apenas para saber as novidades, o professor da FGV Fernando Arbache, alerta que as organizações devem ficar atentas ao tipo de informação publicada.

Continue lendo:http://noticias.admite-se.com.br/empregos_correiobraziliense/template_interna_noticias,id_noticias=40102&id_sessoes=305/template_interna_noticias.shtml

Universidades no futuro

Data de publicação: 13/8/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 27/08/2010

Por Fabio Reynol

Agência FAPESP – Programas de cooperação com outros países serão mais frequentes. Boa parte dos cursos será oferecida a distância. Alunos de graduação terão formação cada vez mais interdisciplinar.

Essas são algumas das tendências que deverão formar o perfil da universidade na década de 2020, segundo Julio Cezar Durigan, vice-reitor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), que coordenou o 1º Ciclo de Debates “A universidade pública brasileira no decorrer do próximo decênio” , realizado nesta quarta-feira (11/8) no campus da Barra Funda, na capital paulista.

“O evento foi extremamente produtivo e cumpriu o objetivo de trazer visões de especialistas de outras instituições para contribuir com o debate”, disse Durigan, que preside a Comissão Permanente de Gestão do Plano de Desenvolvimento Institucional da Unesp, à Agência FAPESP.

Participaram dos debates os professores Olgária Matos, da Universidade de São Paulo (USP) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Luiz Antonio Constant Rodrigues da Cunha, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Gerhard Malnic (USP), Naomar Monteiro de Almeida Filho, reitor da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Hélio Nogueira da Cruz (USP) e Marco Aurélio Nogueira (Unesp). Abriram a sessão o reitor da Unesp, Herman Jacobus Cornelis Voorwald, e o secretário de Ensino Superior do Estado de São Paulo, Carlos Vogt.

Uma das tendências mais lembradas no encontro foi a crescente interdisciplinaridade. Almeida Filho falou sobre a experiência da Universidade de Bolonha, na Itália, na qual os graduandos têm uma formação genérica nos três primeiros anos e escolhem uma carreira específica, fazendo um curso de mais dois anos.

“Na primeira fase, o estudante já obtém o diploma de graduação, e, após os dois anos de especialização, sai com o título de mestrado”, disse Durigan. No entanto, segundo ele, há vários obstáculos para que esse modelo seja adotado no Brasil, como, por exemplo, a falta de reconhecimento desse tipo de pós-graduação pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

Continue lendo: http://www.agencia.fapesp.br/materia.php?id=12623

Quanto mais livros em casa, maior o nível de escolaridade do filho

Data de publicação: 12/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 27/08/2010

Estudo internacional analisa a relação entre leitura e escolaridade em 27 países

Livros em diversas estantes dentro de casa, no quarto ou até mesmo espalhados pelos cômodos da residência. Quem gosta de livro é assim, parece até uma bagunça. Mas, segundo pesquisa, quanto mais às crianças crescem rodeadas por livros, elas podem ter até três anos a mais de escolaridade, independentemente da formação ou ocupação de seus pais. Esse foi o resultado apontado pelo maior estudo já feito sobre a relação entre os livros no ambiente doméstico e a educação escolar.

A pesquisa mostra que, as pessoas que cresceram em casas com até 500 livros têm 33% a mais de chance de concluir o ensino fundamental e 19% de se graduar numa universidade. Para chegar a esses números, pesquisadores americanos ouviram mais de 70 mil pessoas em países como China, Rússia, França, Portugal, Chile e África do Sul.

Quem liderou esse estudo foi Mariah Evans, da Universidade de Nevada, ela acredita que o atual modelo de educação busca uma cultura erudita, baseada no estímulo à leitura, além do mais, políticas de estado deveriam ser criadas para incentivar a educação. “Uma das conclusões mais importantes é que fazer as famílias lerem mais pode trazer recompensas substanciais para a educação mundial”, diz a socióloga à CH On-line.

Ao final de seu estudo, a socióloga sugeriu que se meça a quantidade de livros em cada casa de família e que o governo providencie mais exemplares para onde houver poucos. No trabalho, ela argumenta que tal medida seria eficaz até mesmo para o desenvolvimento educacional e econômico de algumas comunidades rurais

Continue lendo: http://www.portaleducacao.com.br/educacao/noticias/41519/quanto-mais-livros-em-casa-maior-o-nivel-de-escolaridade-do-filho

Na era do e-book, indústria aposta no livro de papel

Data de publicação: 22/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 27/08/2010

A previsão é de vendas até 7% maiores para o segmento de papel para imprimir e escrever neste ano

São Paulo – Embora o mercado editorial ainda seja um nicho para grandes indústrias, a disputa pelo fornecimento de produtos específicos ao setor mostra uma mudança na balança de interesses das fabricantes em papel para impressão. Aos poucos, os livros para leitura “recreativa” ganham parte da atenção antes voltada aos didáticos, que garantem volumes maiores.

Para Tadeu Souza, diretor comercial da MD Papéis, o investimento nos papéis off-white se explica pelo fato de o espaço para o crescimento do mercado editorial ser bem maior. “O Brasil produziu 380 milhões de livros no ano passado, o que é menos de 2 livros por habitante. Há um espaço enorme de crescimento. Já os livros didáticos vão se expandir somente com a população, que hoje cresce menos”, argumenta.

O executivo prevê vendas até 7% maiores para o segmento de papel para imprimir e escrever em 2010. Ele também descarta que os e-books venham a atrapalhar o desempenho das vendas para as editoras. “Os livros eletrônicos não substituem a experiência do papel. Um livro pode ser grifado, emprestado a outros e guardado”, diz Souza. Uma pesquisa do instituto GfK mostra que, pelo menos por enquanto, ele está certo: segundo o levantamento, 67% dos brasileiros desconhecem os e-books.

Dados do mercado editorial mostram que a produção e a venda de livros cresceram acima da média da economia em 2009, quando o PIB brasileiro recuou 0,2%. A produção de livros saltou 13,5%, para 386 milhões de exemplares. Por conta da queda do preço médio do livro, o faturamento do setor subiu 2,1%, para R$ 3,4 bilhões (veja quadro). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: http://livrosepessoas.blogspot.com/2010/08/na-era-do-e-book-industria-aposta-no.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+livrosepessoas+%28Livros+s%C3%B3+mudam+pessoas+%3A+%29%29&utm_content=Twitter

Para a ‘Wired’, a web morreu. Será?

Data de publicação: 21/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 22/08/2010

O físico e editor-chefe da revista Wired, Chris Anderson, tem um passado recheado de polêmicas. Aos 48 anos, já decretou a 3ª revolução industrial, defendeu o crescimento dos mercados de nicho e, em seu último livro, Free, foi até acusado de plágio. Desta vez, levantou uma nova tese para receber, novamente, os holofotes virtuais. Na edição de setembro da publicação, uma das mais respeitadas do mundo na área de tecnologia, ele divide espaço com Michael Wolff para sentenciar: “a web está morta”.

O texto explora o argumento de que os usuários conectados estão utilizando aplicativos e não mais os navegadores – como o Internet Explorer, Chrome ou Firefox – para acessar o conteúdo disponível na internet. Segundo um estudo encomendado para a publicação, o tráfego de dados da internet provém de vídeos e troca de conteúdos P2P (rede de compartilhamento de arquivos) e não da web em si.

Não é a primeira vez que a Wired destaca a hipótese. Em 1997, a revista já havia anunciado a morte da web (e dos navegadores) com um argumento parecido. Contudo, a atualização do diagnóstico está sob forte ataque virtual. E Chris Anderson é contestado por todos os lados. O BoingBoing, um dos blogs mais acessados em todo o mundo, classificou o gráfico utilizado no artigo para comprovar a morte da web como “impreciso e suspeito” por não levar em consideração o crescimento no tráfego total da internet ao longo dos anos. A The Atlantic, revista literária e cultural com mais de 110 anos de história, também acredita que os argumentos expostos não têm fundamento. “Eles querem é dinheiro”, avisa

Continue lendo: http://veja.abril.com.br/blog/vida-em-rede/culturaweb/para-a-wired-a-web-morreu-sera/

Gestão do Conhecimento na Esfera Pública: desafios e oportunidades

Data de publicação: 22/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 22/08/2010

Por José Cláudio Terra

Os desafios públicos demandam soluções inovadoras para lidar ou solucionar desafios cada vez mais complexos e sistêmicos. É com esta perspectiva que advocamos o uso mais intenso da visão, preceitos, métodos e ferramentas da Gestão do Conhecimento na esfera pública. Os desafios da incorporação da Gestão do Conhecimento de forma profunda são enormes, mas também inúmeras são as possibilidades e as oportunidades.  As oportunidades advém da combinação dos seguintes elementos: trabalho em rede, larga escala, inteligência coletiva, agilidade e capilaridade.

As organizações públicas têm, ao mesmo tempo, a vantagem e a desvantagem da perenidade. A vantagem é que seus funcionários ainda têm sua vida profissional amplamente ligada à organização e à sua evolução, o que facilita o compartilhamento e a retenção de conhecimento. A desvantagem óbvia é que a ausência de competição, do risco de falência ou perda de mercado levam a uma certa acomodação, o que leva a uma perda do senso de urgência em termos de capacitação, criação de conhecimento e inovação.

Por razões legais específicas brasileiras, nas organizações públicas o conhecimento está muito mais intimamente associado a um cargo específico do que na empresa privada. Afinal, os funcionários prestam concurso público para um determinado cargo, função, etc. Isto gera como consequência indesejada a visão do indivíduo muito mais amarrado ao cargo e à função do que às suas competências e potencial. Numa sociedade em que o aprendizado constante, a lateralidade e a flexibilidade são importantes características de quem trabalha com  conhecimento o vínculo estreito com o cargo não é algo desejável. Na Sociedade do Conhecimento, pelo contrário, os indivíduos passam a ser vistos em todo o seu potencial criativo, pelo acúmulo de suas experiências ao longo de sua vida e pelo seu potencial de se engajar em diferentes tipos de comunidades de aprendizado, práticas e projetos.

Neste contexto é fácil tornar a Gestão do Conhecimento no setor público apenas mais um processo burocrático, uma tarefa adicional para os funcionários, e com isso não trazer nenhum valor para a sociedade. A fórmula ou o antídoto para este possível desvio é focar a Gestão do Conhecimento em ações que agreguem diretamente valor aos serviços e produtos oferecidos aos cidadãos. Neste sentido, alguns objetivos da Gestão do Conhecimento podem incluir, por exemplo: facilitar a compreensão e a busca dos serviços do governo disponíveis para o cidadão via Internet, inclusive móvel; a replicação de boas práticas de serviços entre diversas unidades espalhadas pela cidade, estado ou país; compartilhamento de custos de capacitação entre diversas instâncias de governo por meio do uso mais intensivo de tecnologia de informação, etc.

Continue lendo: http://www.terraforum.com.br/blog/Lists/Postagens/Post.aspx?List=b2b6952d%2D29c2%2D4624%2Da3d1%2Dc2d79dda6ca4&ID=262&utm%5Fsource=twitterfeed&utm%5Fmedium=twitterOrkut testa novo layout para páginas de comunidades

Data de publicação: 20/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 21/08/2010

Novidades, ainda em desenvolvimento, podem ser conferidas em comunidade-teste

Por Célio Yano, de EXAME.com

O Orkut está testando um novo layout para as páginas de comunidades, para torná-las mais integradas ao restante do site, que desde outubro de 2009 tem passado por alterações. O desenho mais moderno, já pode ser conferido em uma comunidade de teste, criada para avaliação por parte dos membros da rede social.

Uma das novidades destacadas pelo Google, responsável pelo Orkut, são os espaços específicos que os administradores da comunidade terão para fazer anúncios sobre novidades, informar regras de participação e ajuda. Até agora, os proprietários dos grupos geralmente utilizavam a área de descrição para publicar essas informações. Com a mudança, apenas a descrição ficará visível para todos os usuários do Orkut – anúncios, regras e ajuda poderão ser lidos apenas por membros da comunidade.

O novo desenho separa as informações em apenas duas colunas, para dar mais espaço aos tópicos em discussão e às enquetes. Além disso, as mensagens poderão ser postadas sem a necessidade de sair da página inicial da comunidade.

Continue lendo: http://portalexame.abril.com.br/tecnologia/noticias/orkut-testa-novo-layout-paginas-comunidades-589643.html

Redes sociais fazem jovens escreverem mais

Data de publicação: 19/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 21/08/2010

Por André Vinícius

Os jovens nunca escreveram e se expressaram tanto como atualmente. A conclusão é de especialistas em linguística e educadores presentes no debate “A língua praticada nas redes sociais e a construção da identidade”, que aconteceu no sábado (14/8), na 21ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo.

Com as redes sociais, o jovem pode se expressar de maneira a afirmar melhor sua identidade, já que não é obrigado a produzir apenas o que o professor determina em sala de aula. “O fato de escrever mais é importante para percebermos a identidade do jovem, o que está pensando”, disse a jornalista da Agência de Notícias dos Direitos da Infância (Andi), Ciça Lessa, que mediou o debate. “A língua é parte constitutiva da identidade. Um blog tem características de um diário pessoal, mas não é para ficar na gaveta.

Tem um caráter de informação de acordo com quem escreve”, afirmou a especialista em estilística e professora, Guaraciaba Micheletti. “No blog de uma adolescente, toda a subjetividade dela está marcada ali e quem comenta nesse blog também tem o mesmo perfil. Quando são obrigados a fazer seminários na escola, eles se expressam de forma diferente”, completou. Os debatedores ainda afirmaram que são falsos os temores de que a Internet e as novas redes sociais causaram a morte da língua culta. “Ouvimos que o português vai muito mal, que está em decadência, e que o ?internetês? é a prova disso. Mas antigamente escrevia-se em um pergaminho de couro. Como era caro, para aproveitar aquele espaço pequeno, eram utilizados vários sinais. Na Internet, o espaço também é pequeno. As abreviações e símbolos voltaram”, analisou o linguista Ataliba Castilho.

Continue lendo: http://www.oficinadanet.com.br/artigo/internet/redes_sociais_fazem_jovens_escreverem_mais

9º Congresso Brasileiro de Gestão do Conhecimento abre inscrições para trabalhos até 17/09

Data de publicação: 19/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 21/08/2010

Autores de trabalhos científicos, relatos técnicos e pôsteres sobre gestão do conhecimento e sustentabilidade podem inscrever suas pesquisas, até o dia 17 de setembro, no 9º Congresso Brasileiro de Gestão do Conhecimento (KM Brasil 2010). Com o tema “Gestão do Conhecimento como Estratégia para um Mundo Sustentável”, o evento promovido pela Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento (SBGC) acontece no mês de novembro, na cidade de Gramado, região serrana do Estado de Rio Grande do Sul.
.
A SBGC realiza nos dias 3, 4 e 5 de novembro o KM Brasil 2010, evento formado pelo 9° Congresso Brasileiro de Gestão do Conhecimento e pela Expo KM Brasil 2010, feira para lançamentos de produtos, serviços e realização de negócios. O encontro, que acontece na Expo Gramado, em Gramado (RS), discute o tema Gestão do Conhecimento como Estratégia para um Mundo Sustentável.

Até 19 de setembro, os organizadores do congresso KM Brasil 2010 recebem trabalhos científicos, relatos técnicos e pôsteres sobre gestão do conhecimento e sustentabilidade. A seleção ocorre em 17 de outubro. Os interessados deverão abordar os subtemas: Gestão do conhecimento para a sustentabilidade ambiental, Gestão do conhecimento e inovação para a sustentabilidade, Criação de conhecimento em redes de cooperação interorganizacional ou temas interdisciplinares.

Continue lendo: http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=13362

Uso de novas tecnologias favorece ampliação de conhecimento e qualificação
Data de publicação: 18/08/2010 Data de publicação no Blog DA ECI: 21/08/2010
O Sistema Intermunicipal de Capacitação em Planejamento e Gestão Local Participativa, que começou a funcionar na semana passada, tem como objetivo capacitar e difundir o conhecimento de boas práticas em planejamento e gestão participativa, utilizando a tecnologia.A capacitação semipresencial, que está sendo ofertada por meio de videoconferência, visa proporcionar o conhecimento teórico e prático dos conceitos de democracia, propiciar um espaço de troca de conhecimentos e reflexão com ênfase na gestão local e metropolitana, potencializar as formas de diálogo entre os participantes, qualificar e prover noções e princípios básicos relativos à gestão pública e à participação popular.Segundo o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Informação, Helvécio Magalhães, a utilização da tecnologia a favor do conhecimento será uma política permanente da Prefeitura, por meio da Escola Virtual de Governo. “Este é um momento importante para a administração municipal, em que estamos retomando com fôlego o projeto Gestão Participativa com novas ideias, reavaliações e entendendo que a cooperação, por meio da troca de experiências e das boas práticas entre as cidades, contribui para aperfeiçoar nossas ferramentas e ações de governo. Um exemplo disso é que estamos utilizando hoje um produto construído a várias mãos, dando maior dinamismo na formação das pessoas, ao conhecimento e ao estímulo à pesquisa, por meio da tecnologia”, disse.De acordo com Claudinéia Jacinto, coordenadora do curso, a capacitação originou-se do interesse da Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação em desenvolver as capacidades dos gestores e funcionários com interface direta com o OP em planejamento e gestão local participativa. Posteriormente, a ação será expandida para os demais gestores e funcionários com atividades em recursos humanos da Prefeitura de Belo Horizonte e para representantes da sociedade civil.

Continue lendo :http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/noticia.do?evento=portlet&pAc=not&idConteudo=39656&pIdPlc=&app=salanoticias

Projeto Mais Livro, Mais Leitura

Data de publicação: 14/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 20/08/2010

Publicado por Murilo Cunha

Autora: Neila Baldi.
Fonte: Ministério da Cultura. Data: 06/08/2010.

O primeiro curso online do projeto Mais Livro, Mais Leitura nos estados e municípios começou nesta segunda-feira, 9 de agosto. Na modalidade de ensino à distância, o treinamento prevê a capacitação de gestores municipais para a elaboração de planos locais, assim como o Plano Nacional de Livro e Leitura (PNLL), instituído em 2006 pelos Ministérios da Cultura e da Educação.

A primeira turma é formada por gestores de localidades que participaram do Fórum Nacional ou de Fóruns Regionais de discussões sobre a instituição dos Planos Estadual (PELL) e Municipal de Livro e Leitura (PMLL). A partir de setembro, cidades cadastradas no portal do PNLL (http://www.pnll.gov.br/) receberão informações sobre a abertura de novas turmas.

A capacitação tem cinco módulos, com previsão de 10 semanas, totalizando cinco horas por semana. Os gestores podem fazer o curso no horário que escolher, mas ao fim de duas semanas precisam ter completado o módulo para seguir para o próximo. O curso fornece o passo a passo para a elaboração do plano local, contemplando a elaboração do diagnóstico da realidade, a formação do grupo de trabalho, a definição de metas, objetivos e a construção de um plano de trabalho.

Continue lendo: http://a-informacao.blogspot.com/2010/08/projeto-mais-livro-mais-leitura.html

MEC vai distribuir livros famosos e histórias em quadrinhos para escolas públicas

Data de publicação: 13/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 20/08/2010

Títulos que fazem sucesso entre adolescentes dividirão espaço com clássicos da literatura

Por Angélica Paulo

“Senhora”, “Memórias de um Sargento de Milícias”, “O Cortiço”. Que levante a mão aquele que nunca se deparou com estas obras ao longo de sua vida escolar. Amados por uns, detestados por outros, a escolha dos livros trabalhados em sala de aula sempre causou certa polêmica entre os alunos e professores. Para tentar agradar a gregos e troianos,  o Ministério da Educação montou uma lista diversificada das obras que serão enviadas às escolas públicas do sexto ao nono ano do ensino fundamental em 2011.

Além de clássicos de Machado de Assis e José de Alencar, o acervo inclui títulos como “Para Sempre”, da escritora americana Allyson Nöel, nova sensação entre os jovens, além de “Percy Jackson e o Ladrão de Raios”, que já ganhou sua versão para os cinemas nos EUA.

“Os professores precisam lidar com certas realidades em sala de aula e uma delas é que o padrão de leitura dos alunos mudou. Eles hoje se interessam muito mais por Crepúsculo e Harry Potter do que por Quincas Berro D’Água e O Cortiço”, afirma o professor de portuguës Felipe Diogo. “É preciso respeitar seus gostos e conseguir uma forma de aliar o novo e o tradicional”.

De acordo com o MEC, as escolas receberão os livros independentemente do número de alunos matriculados. A escola com o menor número de estudantes receberá um acervo com 50 títulos e as maiores, três acervos com 150 títulos. Dados do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia do MEC responsável pelo Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), mostram que 49.799 escolas do sexto ao nono ano do ensino fundamental e 17.830 do ensino médio serão atendidas. No conjunto, o PNBE 2011 vai distribuir para essas bibliotecas escolares 7 milhões de livros de literatura.

Continue lendo: http://livrosepessoas.blogspot.com/2010/08/mec-vai-distribuir-livros-famosos-e.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+livrosepessoas+%28Livros+s%C3%B3+mudam+pessoas+%3A+%29%29&utm_content=TwitterProjeto estimula blogs em escolas

Data de publicação: 13/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 20/08/2010

Por por Tatiana Dias

O número é conhecido: quase 90% dos brasileiros que acessam a internet estão em redes sociais. Enquanto alguns lugares encaram o fenômeno com preocupação, por aqui há um projeto para fazer com que os alunos transformem a web 2.0 em um espaço de aprendizagem.

Criado no início de junho, o Palco Digital quer estimular alunos das escolas da rede pública e privada a criarem blogs. A ideia é que eles reúnam nessas publicações atividades culturais gratuitas na própria comunidade, tornando o blog um espaço de conhecimento local.

Para Kátia Gonçalves Mori, coordenadora Pedagógica de Projetos do Instituto Faça Parte, responsável pelo projeto, hoje as redes sociais ainda não são vistas como um espaço de aprendizagem. O projeto quer mudar isso — e tem apoio do programa Mais Cultura, do Ministério da Educação. “Esse projeto virou política pública porque foi considerado uma tecnologia educacional”, diz ela.

O projeto atua em três frentes: estudantes, escolas e secretarias. Todos eles podem enviar propostas. No site do projeto, a proposta é fazer um grande panorama dessas iniciativas 2.0. “É a significação para aquela comunidade, porque é o ponto de encontro das experiências de todo o Brasil”, diz Kátia. “A gente quer provocar essa participação crítica e mais ativa dos meninos tanto localmente quanto na internet. No Palco Digital, eles poderão ver não só o que acontece no bairro”.

Fonte: http://www.blogmidia8.com/2010/08/projeto-estimula-blogs-em-escolas.html

Ciência Web usa internet para popularizar conhecimentos científicos

Data de publicação: 19/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 20/08/2010

Por Luiza Caires / USP Online

Seja utilizando-se de laboratórios e equipamentos sofisticados, ou de amontoados de livros indecifráveis para a maioria dos mortais, no fim das contas, a ciência é feita para as pessoas – e quanto mais delas puderem se beneficiar dos avanços, melhor. Faz então, todo sentido que as pessoas comuns saibam também como ela funciona, e o que se anda estudando nos inúmeros centros de pesquisa.

Esse é só um dos motivos da importância de projetos como a Agência Multimídia de Difusão Científica e Educacional (Ciência Web), ligada ao Instituto de Estudos Avançados (IEA) da USP em São Carlos, que procura aproximar a ciência do cotidiano de todos.

Criada em 2007 a partir de um projeto coordenado pela professora Yvonne Primerano Mascarenhas, inicialmente o trabalho da Ciência Web se concentrava no incentivo e na orientação de professores para o uso de recursos audiovisuais no ensino de ciências. Atualmente, a iniciativa se expandiu, e além da TV Ciência Web e do Mural da Escola, produzidos em colaboração com escolas públicas da região de São Carlos, inclui uma Agência de Notícias.

De caráter mais profissional, a Agência foi criada para abastecer os veículos de mídia do interior do estado com pautas e informações sobre as pesquisas desenvolvidas nas principais universidades da região: USP e UFSCar.

Continue lendo: http://www4.usp.br/index.php/educacao/19593-ciencia-web-usa-internet-para-popularizar-conhecimentos-cientificos

Leitura e aprendizado

Data de publicação: 20/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI

Frei Betto

Escritor, autor de Maricota e o mundo das letras (Mercuryo Jovem), entre outros livros para crianças e jovens
No Brasil se lê, em média, 1,3 livro por ano. Nos EUA, 11; na França, 7; e na Argentina, 3,2. E há em nosso país 2.980 livrarias, uma para cada 64 mil habitantes. A Unesco considera razoável uma livraria para cada 10 mil habitantes.

O Ministério da Cultura garante que até o fim do governo Lula serão inauguradas bibliotecas públicas em 2 mil municípios. Tenho minhas dúvidas. O prazo para captar recursos do governo federal destinados à revitalização de bibliotecas públicas se encerrou em meados de julho. Apenas 300 dividirão os R$ 30,6 milhões liberados.

O que significa que cada município, com apenas R$ 102 mil, deverá modernizar instalações, atualizar o acervo, melhorar o acesso de leitores portadores de deficiências e ainda criar bibliotecas ramais (em distritos, bairros da periferia e zona rural). Também duvido, a menos que as prefeituras descubram como multiplicar dinheiro e capacitação de pessoal.

Há, em todo o país, 4.763 bibliotecas. Uma para cada 33 mil habitantes. Na Argentina há 1 para cada 17 mil. Em 420 cidades brasileiras não existem bibliotecas ou se encontram fechadas. As nossas emprestam, em média, apenas 296 livros por dia, o que é muito pouco. E só 29% delas têm acesso à internet. Os dados são do Censo Nacional das Bibliotecas Públicas Municipais, realizado pela Fundação Getulio Vargas a pedido do Ministério da Cultura.

Pesquisa do Observatório do Livro revela que o alto preço é, para 67% dos leitores, a principal razão de se recorrer à copia xerox de um exemplar, embora isso seja proibido por lei. Outros 20% justificam a ilegalidade por não encontrarem o título nas livrarias. E 13% alegam que, nas faculdades, é mais fácil xerocar do que procurar o livro a ser emprestado ou comprado.

Continue lendo: http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=13374

Escrevendo sobre o ato de escrever textos acadêmicos

Data de publicação: 01/08/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 02/08/2010

Aldo Barreto

Existe atualmente uma crise da escrita e leitura tradicional. Uma linguagem nova urdida no imediatismo dos meios digitais está querendo fechar um capitulo na história das narrativas impressas em formato papel. Desde 1990 as tecnologias da informação digital estão definitivamente inseridas no contexto do pensamento e dos atos para gerar e receber a informação. Fatos e ideias tinham um percurso formal e bem definido dentro de um mundo onde a textualidade era pautada pela escrita em papel. Existe, hoje, uma diferente configuração para plublicitar fatos e ideias.

O imaginário do receptor ampliado por novas visualizações na aventura hipertextual explodiu o formato dos meios tradicionais. Palavras e enunciados tem na condição digital um caminho de significantes liberados. Acredito que iniciamos um novo padrão da escrita e da leitura nestes tempos digitais. As pessoas, ainda escrevem com todo o maneirismo da escrita para o papel. Mas na tela, e só se pode ler um hipertexto na tela, existe um novo olhar para um novo documento que antes de tudo deve ser leve e agradável a esta apreciação diferenciada de uma leitura onde o imaginário se liberta no link. Uma escrita que não quer ser impressa.

Um artigo científico deve ser escrito com clareza, precisão e, sobretudo, quando todos vão ler na web com uma visualização adequada para esta leitura online. O leitor deve ficar interessado na narrativa para se manter conectado e ser capaz de entender o seu conteúdo facilmente. Uma escritura deve apresentar adequadamente os objetivos, o porquê e como foi escrito – a sua metodologia – os resultados encontrados e suas aplicações.

Artigos científicos e técnicos são recusados para publicação devido a qualidade na sua apresentação. Possuem frequentemente um excesso de informação irrelevante, ausência de conclusões precisas, tabelas e gráficos mal arranjados e em demasia e deficiência na apresentação dos resultados.

O escrever acadêmico é rico em citações. Mas deve ser lembrado que em cada citação o autor passa a autoria do seu texto para a voz de outrem. Se uma narrativa possui mais da metade de suas linhas como citações, incluindo alguns quadro e tabelas, a autoria é difusa e em rede. Não há mais um autor definido.

Pela mesma razão não se pode ter um texto de 20 páginas com muitas citações, links, quadros e tabelas de outra autoria e ao concluir tudo isso o seu autor o faz em apenas uma lauda. Como diria Pessoa “arriscamos ou ao ridículo ou à incompreensão”.

Além de manter uma boa organização na apresentação dos objetivos, fatos e conclusões, há que cuidar da ortografia e a gramática para que o leitor não tenha problemas para entender o que está dito. Ele não pode perguntar ao texto uma nova explicação.

Continue lendo: http://avoantes.blogspot.com/2010/08/escrevendo-sobre-o-ato-de-escrever.html

Cinco dicas para escrever melhor

Data de publicação: 27/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 30/07/2010

Escrever não é tão difícil. Já dizia Pablo Neruda: É só começar com uma letra maiúscula e terminar com um ponto final. No meio, você coloca ideias.

Por Fernando Luz

Ok. Na verdade, são apenas três. As outras duas você já conhece. Não contam. São os clichês dos (aprendizes de) escritores. Mas tão úteis e verdadeiras, que eu acho praticamente impossível alguém escrever bem sem segui-las. Aliás, vamos começar por elas.

1. Leia

Escrever é consequência da leitura. Você só vai ter vontade de escrever se ler. Eu, por exemplo, leio em média um livro por semana. Vez ou outra alguém me pergunta como arrumo tempo/paciência para isso. Meu segredo é: eu só leio o que gosto. E ponto. Não ligo pro que vão achar. No ano passado, li até Marley e Eu, só pra você ter ideia. Atualmente, estou lendo humor. Assim que acabar Cuca Fundida do Woody Allen, lerei o clássico Anedotas de Ari Toledo. O negócio é ler o que der na telha, sem ambição de agradar qualquer pseudo-intelectual formado em Letras.

2. Escreva

Não tenha medo do Word em branco. Escreva sobre qualquer coisa. Não fique à espera da Big Idea. Escreva sobre a vida. E sem medo de fazer feio. Alguns escritores chegam a refazer mais de dez vezes cada linha que redigem. Mesmo que você não sonhe em ser o novo Hemingway, escrever vai melhorar sua lógica e o modo como você se expressa, além de enriquecer seu vocábulo. Separe cinco minutos por dia e escreva. Faça isso todo dia. Em menos de um mês, você vai estar se comunicando melhor e, espero, escrevendo mais de cinco minutos.

3. Conheça as regras (para poder quebrá-las)

Uma gramática mediana custa uns dez reais. Compre uma. Você nem precisa lê-la inteira. É claro que se conseguir, melhor. Mas seja ao menos curioso. Aprenda a pontuar. Entenda um pouquinho de concordância e estrutura. Não é tão difícil quanto parece. E, depois de conhecer as regras e saber usá-las em seu favor, não tenha medo de quebrá-las. Vale tudo. Inventar palavras, inverter estruturas, pontuar demais, pontuar de menos. O teclado é seu e quem manda nele são seus dedos.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/07/27/cinco-dias-para-escrever-melhor/

Pequena livraria sai da crise com ajuda da internet

Data de publicação: 30/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 30/07/2010

Em janeiro de 2009, a crise econômica mostrava sua face mais opressiva. Por toda parte, o que se via eram negócios fechando as portas e funcionários antigos perdendo seus empregos. Era um fim de tarde quando parei na livraria do meu bairro em Portland, estado de Oregon, para pegar alguns livros que minha mulher precisava para um curso. Eu era o único cliente. O silêncio parecia assustador. “Como vão as coisas?“, perguntei à proprietária, Roberta Dyer, enquanto ela recebia o meu pagamento. Eu era um cliente habitual da Broadway Books havia mais de uma década, mas há meses não entrava na loja. Roberta fez uma pausa antes de responder, e imaginei o pior. “Nosso ano foi péssimo“, admitiu. “Mas, em dezembro, aconteceu um milagre.

Há 17 anos, Roberta enfrentava com coragem o desafio de manter a loja aberta, mesmo diante da concorrência das franquias e das livrarias on-line. Nunca pensei nela como alguém que acreditasse em milagres. Por isso, ao ouvir sua resposta, imaginei que ela ainda estivesse abalada pelos fatos do ano anterior. Qualquer que fosse o golpe de sorte que havia salvado a livraria – uma herança de família, uma doação de um cliente ou outro fato inesperado – , o mais provável era que ainda estivesse muito emocionada para pensar claramente.

Eu estava enganado. A história que ela me contou a seguir era absolutamente surpreendente. Não é todo dia que as novas tecnologias, consideradas as destruidoras das antigas tradições, colaboram para manter de pé dois pilares da velha cultura – os livros e a tradicional loja de bairro, comandada pelo dono. Mas não era só isso. O que eu ouvi de Roberta Dyer era uma história sobre uma mãe e um filho que se conectaram, apesar de sua diferença de gerações; sobre blogs, burritos e tempestades de neve; e sobre o poder de resistência quase místico das pequenas empresas locais. Só o cético mais insensível não chamaria aquilo de milagre.

Continue lendo:  http://ebookpress.wordpress.com/2010/07/30/pequena-livraria-sai-da-crise-com-ajuda-da-internet/?utm_term=%23bibliotecno&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Avanços tecnológicos desafiam cientistas da informação

Data de publicação: 28/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/07/2010

UnB Agência

Departamento de Ciência da Informação e Documentação promove ciclo de palestras sobre a história da organização de dados

Há quem nem conheça ou não se lembre que existiu uma mídia finíssima, do tamanho aproximado de uma fotografia, para armazenar dados nos anos 1980. Era o disco flexível de 5”1/4 , que guardava no máximo 1 MB de informação. Hoje, quem tiver de extrair dados dessa mídia provavelmente não terá entrada compatível no computador. E se tiver, é provável que não tenha um programa que leia o disco. O mesmo pode acontecer no futuro com as mídias que usamos atualmente como CDs, DVDs e pendrives. Encontrar saídas que preservem a informação digital é um dos grandes desafios dos profissionais da área de Ciência da Informação.
O tema foi discutido em ciclo de palestras sobre História da Documentação, realizado nesta terça-feira, 27 de julho, no Departamento de Ciência da Informação e Documentação (CID) da Universidade de Brasília. Especialistas traçaram um panorama sobre a origem e os rumos da documentação.

“O papel ainda ocupa um processo importante na conservação e distribuição da informação”, afirma Francisco Palleta, diretor da Faculdade de Computação e Informática da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP), de São Paulo. Para Francisco, a sociedade atual vive um momento de transição em que a tecnologia se insere gradualmente na vida das pessoas e se mostra como desafio para o futuro. “O mundo moderno demanda uma grande capacidade de competição que está associada à informação”, afirma. “Quem organiza melhor o conhecimento tem maiores vantagens competitivas”.

Francisco afirma que os rumos para garantir a preservação das informações atuais merece a atenção dos profissionais da área. “Como evitar que o tempo destrua anos de pesquisa e infinitos terabytes de informação?”, questiona. “O papel nos permite ter acesso a informações de até 3 mil anos atrás. Nosso desafio é reter o conhecimento atual para o futuro”.

Continue lendo: http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=12787

Indicadores e métricas de Gestão do Conhecimento: não tão simples, não tão complexo

Data de publicação: 14/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 27/07/2010

A definição de indicadores e métricas relacionadas aos ativos intangíveis das organizações tem representado um desafio significativo para suas lideranças. O conhecimento – ainda que muitas vezes referido como “o ativo mais importante da organização” – e os processos diretamente relacionados a ele muito frequentemente são tratados com indicadores genéricos, que pouco ou nada contribuem para sua efetiva gestão.

Mas por que as empresas têm tanta dificuldade em definir indicadores que efetivamente ajudem a direcionar os esforços e a avaliar os resultados de iniciativas de gestão do conhecimento (GC)? Será pela natureza do “produto” conhecimento, de difícil tangibilização? Pela simples falta de familiaridade com o tema? Ou ainda, como comentei no início da semana neste blog, porque os gestores demandam por indicadores de GC pelos motivos errados – para provar SE, e não COMO, vale a pena fazer gestão do conhecimento? (Qual a sua opinião? Fique à vontade para registrar seu comentário neste post.)

Os motivos podem ser muitos, mas as discussões com empresas de vários setores nos mostram que, apesar do tema não ser trivial, também é menos complexo do que pode parecer. Além de um enfoque mais diretamente integrado ao negócio, fundamental neste assunto, a adoção de uma abordagem mais estruturada, que contemple algumas dimensões específicas, pode ser um bom começo para estabelecer indicadores que permitam tanto avaliar os resultados operacionais de GC quanto direcionar e aferir a contribuição estratégica do conhecimento organizacional.

Continue lendo: http://www.terraforum.com.br/blog/Lists/Postagens/Post.aspx?List=b2b6952d%2D29c2%2D4624%2Da3d1%2Dc2d79dda6ca4&ID=238&utm%5Fsource=twitterfeed&utm%5Fmedium=twitter

Analfabetos digitais terão vida difícil na sociedade

Data de publicação: 25/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 26/07/2010

A afirmação é do consultor Don Tapscott, autor de “A Hora da Geração digital”, que pesquisa de que forma os jovens nascidos na era da internet estão mudando o mundo

Valmir Moratelli, iG Rio de Janeiro

A geração atual já nasceu em frente a uma tela de computador, foi alfabetizada com auxílio das novas tecnologias e, por isso mesmo, é classificada como a geração dos “jovens multifuncionais”. São os que trocam mensagens, estudam, falam ao telefone, namoram, fazem upload de vídeos, navegam no twitter, trocam fotos e apóiam candidatos à presidência. Tudo ao mesmo tempo e pela internet.

Para o pesquisador canadense Don Tapscott, autor do recém-lançado livro “A Hora da Geração Digital (Ed. Agir), a educação digital provocou uma reviravolta na forma do aprendizado. Por isso mesmo, aqueles que não têm acesso a computadores vão disputar de forma desigual um espaço no mercado de trabalho e na sociedade. “Eles terão que aprender essas ferramentas em uma fase posterior da vida, e vão estar em desvantagem. Os jovens que crescem sem as tecnologias digitais estão na mesma desvantagem que os imigrantes digitais, como eu”, diz Tapscott, que é presidente da empresa de pesquisa e consultoria nGenera Innovation Network, professor da Universidade de Toronto e autor de mais de dez livros sobre internet, entre eles o Best-seller “Wikinomics” (sobre a cultura da realidade virtual).

Em conversa com iG, Tapscott defendeu o uso escolar de pesquisas online. “Não acho que, automaticamente, o Google faz as pessoas mais inteligentes, mas certamente ajudam as pessoas a tomarem decisões mais informadas. Nas escolas, por exemplo, por ter esse corpo enorme de informações em um dos dedos, é menos importante memorizar os fatos. Isso libera o tempo dos alunos a concentrar-se em conceitos mais importantes”, analisa.

Confira a entrevista: http://ultimosegundo.ig.com.br/educacao/analfabetos+digitais+terao+vida+dificil+na+sociedade/n1237727504459.html

O fim dos jornais impressos?

Data de publicação: 23/07/2010

Data de Publicxação no Blog DA ECI: 26/07/2010

Por Francisco Beltrame Trento

O anúncio feito nesta semana sobre a migração do Jornal do Brasil para plataforma totalmente digital reacendeu as discussões sobre a substituição dos meios impressos de comunicação por conteúdos digitais. A partir de setembro, o periódico surgido em 1891, no Rio de Janeiro, e considerada uma das mais tradicionais publicações da imprensa nacional, estará disponível apenas através da internet, mediante pagamento de uma assinatura mensal. Uma das motivações da reformulação consiste na adequação do famoso JB ao iPad e similares.

Diante do fato, opiniões contrastantes surgiram: alguns afirmam que se trata de um caso isolado, decorrente de problemas organizacionais da empresa carioca. Outros, mais apocalípticos, acreditam ser este mais um sinal de que os jornais impressos, assim como livros e conteúdos culturais físicos, não continuarão existindo por muito tempo.

No início do ano, o semiologista e escritor Umberto Eco lançou um livro – em parceria com os franceses Jean Claude Carrière e Jean-Philippe de Tonac, roteirista de cinema e jornalista, respectivamente. Intitulada Não contem com o fim do livro, a obra tem distribuição no Brasil pela Editora Record e é traduzida por André Talles. Nela, os três autores dialogam e sugerem alguns argumentos para mostrar que o papel dificilmente será substituído de forma total por tecnologias digitais.

Continue lendo: http://www.adnews.com.br/artigos/106504.html

Belo Horizonte é a capital da Tecnologia da Informação

Data de publicação: 23/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 26/07/2010

O Conselho de Desenvolvimento Econômico (Codecom) instalou a Câmara Temática de Inovação e Tecnologia da Informação. A reunião foi marcada pela presença maciça do setor de Tecnologia da Informação da cidade, além de outras entidades e universidades. Este setor é de grande importância para Belo Horizonte, que se destaca no cenário nacional como capital da Tecnologia da Informação (TI). Alguns dados mostram esta força, como mais de 1.300 empresas existentes, R$ 2,8 bilhões de faturamento anual e 7.240 empregos diretos formais e qualificados, o que significa um crescimento de 348% no último ano.

Secretário Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação e secretário executivo do Codecom, Helvécio Magalhães, contextualiza a instalação da Câmara dentro do momento vivido pela cidade, em franco desenvolvimento e grandes projetos e investimentos em curso, como o planejamento estratégico de curto e longo prazos da PBH, as oportunidades originadas pela Copa do Mundo de 2014. Além disso, há a importância do setor para a economia e a geração de empregos no município.

Segundo o secretário, Belo Horizonte se firma cada vez mais como portadora de uma economia diversificada, com base em serviços de alto valor agregado e de tecnologia de ponta em várias áreas. “Além disso, tem uma clara vocação para a contemporânea economia do conhecimento ou nova economia, sendo este claramente o desenho do seu futuro. Mediar estas oportunidades e potencializá-las vem sendo cada vez mais o papel inovador da PBH, conforme orientação estratégica do prefeito Marcio Lacerda”, disse.

Durante a instalação da Câmara, foi apresentado pela Secretaria Executiva do Grupo Gestor Tecnologia da Informação e Comunicação (CGTIC) o Plano Diretor de Tecnologia da Informação (PDTI) da Prefeitura, com destaque para o volume de investimentos previstos para os próximos quatro anos, cerca de R$ 200 milhões. A ideia foi dar conhecimento ao setor de TI deste importante propósito da Prefeitura em investir no setor, com possibilidade de alavancar o setor na capital mineira.

Continue lendo: http://portalpbh.pbh.gov.br/pbh/ecp/noticia.do?evento=portlet&pAc=not&idConteudo=38979&pIdPlc=&app=salanoticias

O Facebook e a Web Semântica

Data de publicação: 0707/2007

Data de publicação no Blog DA ECI: 0707/2007

por Diogo Bedran and Richard MacManus

O uso crescente do RDFa, o código que é inserido no HTML de páginas para acrescentar significado, foi um dos principais temas da recente conferência Semantic Technology em São Francisco.

Talvez não exista um exemplo melhor do uso do RDFa do que o do Facebook. Conversamos com o evangelista de padrões abertos do Facebook David Recordon para sabermos mais.

Em Abril deste ano o Facebook anunciou uma nova plataforma chamada Open Graph. O objetivo declarado do protocolo Open Graph era de permitir que os administradores “integrem suas páginas no gráfico social.” Basicamente, cada página da web pode se tornar um “objeto” do grafo social do Facebook (que é o termo usado pelo Facebook de como as pessoas se conectam umas às outras em sua rede). Isso significa que as páginas podem ser referenciadas e conectadas nos perfis de usuários da rede social, em posts de blogs, resultados de buscas, no News Feed do Facebook, e mais.

Continue lendo: http://readwriteweb.com.br/2010/07/07/o-facebook-e-a-web-semantica/?utm_source=feedburner&utm_medium=twitter&utm_campaign=Feed%3A+ReadwritewebBrasil+%28ReadWriteWeb+Brasil%29&utm_content=Twitter

A escassez de profissionais qualificados para TI

Data de Publicação: 04/07/2007

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/07/2007

Existe fartura de mão de obra pouco qualificada. TI não pode ser commodity. E estamos perdendo excelentes e experientes profissionais para o exterior, mesmo com o mercado mundial ainda passando pela crise.

Por Jorge Castro

Resolvi escrever esse insight após assistir a entrevista intitulada: “Por que profissionais qualificados não conseguem empregos?”, exibida no programa Espaço Aberto da Globo News.

O programa contou com a participação de Paulo Resende, professor da Fundação Dom Cabral, e Leyla Nascimento, presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH-RJ). Apesar de não ter sido citado na entrevista, sem dúvida, o setor de Tecnologia da Informação está relacionado à abrangência da questão.

Enquanto preparava o material e buscava ideias para escrever, resolvi utilizar os vários profissionais do setor de TI, RH, gestores e dirigentes de empresas que fazem parte de nossa network, que atualmente ultrapassa seis mil profissionais. Sinceramente me surpreendi com a diversidade de opiniões.

Obtive um ótimo resultado e agradeço a todos que participaram da enquete. Com isso, busco fomentar o assunto para – no mínimo – incentivar à reflexão. O tema em questão possui relevância, pois não se refere somente à falta de mão de obra e a profissionais buscando empregos, mas ao desenvolvimento nacional

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/07/04/a-escassez-abundante-de-profissionais-qualificados-para-ti/

Um dos maiores acervos de discos da região, com mais de 20 mil unidades, será integralmente digitalizado

Data de publicação: 04/07/10

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/07/2010

Marcelo Calfat – Jornal Correio de Uberlândia

Mais de 60 anos da história da música serão resgatados com a digitalização de 20 mil discos de vinil do acervo da Rádio Cultura, de Uberlândia. Raridades como um disco autografado de Roberto Carlos, da década de 60, e coletâneas de Frank Sinatra e Michael Jackson, incluindo o Long Play (LP) “State of Shock” (1984), que o cantor pop gravou com o vocalista dos Rolling Stones, Mick Jagger, e os irmãos Jackson serão pré-selecionadas e separadas em pastas de acordo com o gênero. Em seguida serão digitalizadas e passadas para uma unidade de armazenamento de 10 terabytes. “É a história musical de Uberlândia que está sendo revitalizada. É tudo aquilo que já tocou um dia no rádio uberlandense, independente da época”, disse Renato Carioca, coordenador artístico da Rádio Cultura HD e Regional FM.

Segundo Renato Carioca, a ideia é futuramente disponibilizar os arquivos para o público. “Não adianta guardar isso e não dividir com a comunidade. Queremos que todo mundo tenha acesso ao conteúdo. Não sabemos qual tecnologia vamos usar, mas vamos compartilhar isto com todos”, afirmou.

O processo tem estimativa para ser finalizado em dois anos e foi iniciado pelo discotecário Neimar Alves. “Vamos selecionar, limpar e tirar arranhões de cada disco para transformá-los em um arquivo digital”, disse.

Os dois equipamentos para a digitalização foram importados dos Estados Unidos e já estão na rádio. Depois do processo finalizado, todos os discos de vinil serão guardados no acervo da rádio.

Continue lendo: http://www.correiodeuberlandia.com.br/texto/2010/07/04/46081/trabalho_resgata_historia_do_vinil.html

Divulgação científica: um novo paradigma de escrita e leitura

Data de publicação: 04/07/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 04/07/10

Aldo Barreto

Existe atualmente uma crise da escrita e leitura tradicional. Uma linguagem nova urdida no imediatismo dos meios digitais está querendo fechar um capitulo na história das inscrições impressas em formato papel. Desde 1990 as tecnologias da informação digital estão definitivamente inseridas no contexto do pensamento e dos atos de gerar e receber a informação.

As mudanças provocadas pela Internet criando uma infraestrutura eletrônica de documentos em fluxo transformou os métodos associados com o pensar e com as práticas da informação e sua divulgação; mudaram, também, as condições de acesso aos conteúdos e a o modo de como se lê a narrativa e, a qualidade da percepção para interiorização.

Fatos e ideias tinham um percurso formal e bem definido dentro de um mundo onde a textualidade era pautada pela escrita em papel. Existem, hoje, novas configurações para plublicitar fatos e ideias.

O meio não é mais a mensagem. A interatividade possível com os arquivos eletrônicos permite uma atuação multitemporal com os fatos, ideias e ocorrências de uma vivência global. O receptor agora pode ter acesso as “fontes” e estabelecer um dialogo diferenciado e de seu interesse, sem intermediários: arranja a sua informação de uma maneira subjetivamente individualizada por suas preferências, independente dos meios formais de comunicação.

A velocidade na interação gerador/receptor impõe à escrita digital outro traço, o traço de uma escrita que se quer livre do signo estritamente demarcado por um código rígido e fixo. Um significado preso a uma relação única com o significante aprisiona o pensamento. O imaginário do leitor está livre, expandido, adiado para avaliar suas opções de perceber. Um imaginário livre é tematicamente desfamiliarizado de tópicos classificados e de universos simbólicos padronizados.

Continue lendo: http://aldobarreto.wordpress.com/2010/07/04/divulgacao-cientifica-um-novo-paradigma-de-escrita-e-leitura/

Preservação da memória registrada dos dias atuais a caminho do abismo

Data de publicação: 03/07/2010

Data de publicação no Bloga DA ECI: 03/07/2010

Alex da Silveira

Para quem acompanha o Bibliotecno desde o início deve lembrar que o site iniciou apenas com a temática de preservação de webjornais, que foi ampliadas para toda a web até que chegarmos a temática biblioteconomia e tecnologia. Pelo conteúdo do site é fácil encontrar textos relacionados sobre o assunto, mas o que fez o Bibliotecno retomar um texto inicial sobre o tema foi  o conteúdo publicado no site cultura digital e intitulado “a cultura do século 20 está mais ameaçada que a dos séculos anteriores“.

Não é preciso dizer o quanto concordo com as palavras da professora da Universidade de Buenos Aires e membro da Fundación Via Libre, Beatriz Busaniche, só que peço que por um momento possamos fugir um pouco da questão do direito autoral, que realmente é complicadíssima, delicada e que impede na maioria dos casos a preservação.Vamos pensar no bibliotecário, principalmente naqueles ligados a memória.

Primeiro temos o tempo do ocorrer das coisas e o tempo do bibliotecário, que ainda age como se estivéssemos há uma eternidade de 10 anos atrás. Sim, o ano de 2000 é uma eternidade e para quem duvida convido a entrar em um dos sites de preservação da web e acessar algum website no início do século, para depois sentir como se os bondes de tração animal ainda fossem nosso principal meio de transporte. Ao olhar para o passado vemos o bibliotecário se “acomodando” sempre que surge um novo tipo de documento em mãos, sempre que se depara com uma nova tecnologia, sempre que tem dúvidas sobre a confiabilidade de um documento.

Continue lendo: http://alexdasilveira.com/?p=894&utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Falta de referência

Conferência mostra que ainda é necessário investir em avaliações sobre o impacto das novas tecnologias na aprendizagem escolar

Beatriz Rey

De todos as temáticas relacionadas ao uso de tecnologia na educação, há uma que tem preocupado mais expressivamente os principais teóricos da área: a ausência de avaliações que indiquem os impactos das chamadas tecnologias da informação e comunicação (TICs) na sala de aula. A angústia não é só nacional. Os especialistas estrangeiros presentes na Conferência Internacional “O impacto das TICs na Educação”, realizada pela Unesco em Brasília, no mês de abril, compartilharam o esforço pela busca de metodologias capazes de responder à seguinte pergunta: afinal, a tecnologia pode ou não ter impacto positivo na aprendizagem do aluno?

As tentativas se espalham mundo afora. Um documento produzido em 2006 pela Comissão Europeia em TICs avalia que há três tipos de estudos sendo conduzidos naquele continente. O primeiro, dedicado à avaliação em termos de infraestrutura e acesso, concentra-se na disponibilidade de computadores, número de computadores por escolas e nível de conectividade, entre outros. O segundo, considerado um nível acima do anterior, busca identificar e medir o uso da tecnologia no ambiente escolar e também seu uso doméstico, ambos com fins educacionais. Por último, há poucos que estudam se há ou não uma relação de causa e efeito entre tecnologia e educação. Para justificar a falta de produção nessa área específica, o documento cita a dificuldade encontrada pelos pesquisadores para isolar a tecnologia de todas as outras variáveis que incidem sobre a aprendizagem do aluno.

“Se a tecnologia está dentro de um conjunto de fatores que afetam o desempenho, como posso dizer que ela faz diferença?”, questiona Ocimar Alavarse, professor da Feusp. Como fatores que moldam a aprendizagem, Ocimar cita o nível socioeconômico das famílias (e, consequentemente, do aluno) e o trabalho do professor. Para ele, além da tarefa de isolar a tecnologia como variável, é também preciso definir o tipo de uso que está sendo feito do computador. Por exemplo: há uma proposta pedagógica por trás da ferramenta? “O pesquisador precisa ir à escola para entender isso. Apenas um dia de estudo não dará essa resposta. Para a interferência externa ser diminuída, é preciso ficar no mínimo duas semanas ali”, avalia

Continue lendo: http://revistaeducacao.uol.com.br/textos.asp?codigo=12915

Políticas Públicas para Acervos Digitais: propostas para o Ministério da Cultura e para o setor

Data da publicação: 30/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 01/07/2010

por: Gabriela Agustini

Dois meses após o Simpósio Internacional de Políticas Públicas para Acervos Digitais, foi entregue esta semana aos representantes do Ministério da Cultura um documento com propostas e diretrizes para orientar políticas públicas do setor, resultante das discussões feitas no evento. O documento, produzido por Roberto Taddei, foi encomendado pelo próprio MinC como forma de consolidar as ideias apresentar e discussões levantadas pelos especialistas e grupos de trabalho.

Segundo o resumo de apresentação, “o documento propõe a criação de um Comitê de Digitalização e Acesso à Cultura e Conhecimento no Brasil, e a implementação de um Plano Nacional de Digitalização e Acesso à Cultura e Conhecimento no país. As duas propostas surgiram em debates relacionados ao Simpósio Internacional de Políticas Públicas para Acervos Digitais, realizado em São Paulo entre os dias 26 e 29 de abril de 2010.

Continue lendo: http://culturadigital.br/simposioacervosdigitais/2010/06/30/politicas-publicas-para-acervos-digitais-propostas-para-o-ministerio-da-cultura-e-para-o-setor/

Os quatro Is da comunicação digital

Data de publicação: 29/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 30/06/2010

Identificar (algo relevante ou inovador), Ideia (que vai gerar negócios), Intenção (do cliente em abraçar a ideia) e Investimento (ao alcance do cliente).

Por Felipe Morais

Não pretendo ser nenhum teórico dizendo que os 4 Ps (price, policy, product, promotion) do marketing acabaram ou que hoje estamos na era dos 5 Ps – afinal, Kotler não incluiu o P de público-alvo em sua teoria.

O objetivo aqui é apenas dividir um conceito que tem me ajudado na construção dos meus processos de planejamento estratégico digital. Compartilhar uma ideia é o pilar básico das redes sociais.

Nos meus processos de planejamento, tenho como primeiro passo construir uma “espinha dorsal” para depois nela incluir o conteúdo.

Ou seja, monto uma espécie de índice com itens como objetivo, mercado, público-alvo, estratégias, táticas, mensuração, plano de ação, régua do planejamento, investimento e análise de ROI – basicamente esses pilares. E depois começo a destrinchar cada um delas.

Fora isso há outros processos que nós, planners, devemos ter: como pensar a pesquisa; como avaliar o mercado; como traçar uma estratégia; como entender as novas tendências, Enfim, o planejamento final passa, também, por uma série de metodologias, processos e análises que juntas montam um planejamento.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/06/29/os-quatro-is-da-comunicacao-digital/

Arquitetura da Informação mais Inteligência Artificial. Que resultado teria esta soma?

Data de publicação: 10/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 29/06/2010

por Gabriel Hackme

Você já pensou em entrar em um portal onde as informações são apresentadas de acordo com o seu perfil? Imagine então os anúncios sendo apresentados de acordo com sua necessidade ou a de seus dependentes.  Nada de ficar perdido ou se distrair com informações irrelevantes e ainda mais, quando uma informação ou promoção de algum produto for lançada, você poderá ser notificado através do seu e-mail ou celular de forma simples, respeitosa e ser tratado como indivíduo.

Para quem ainda não sabe, a disciplina de Arquitetura da Informação (AI) é responsável por disponibilizar as informações de forma mais relevante aos usuários. Sendo assim, a idéia é unir essa disciplina com o conceito de Inteligência Artificial (IA), de forma que através de um algoritmo elaborado por profissionais de AI, o usuário com a sua permissão, possa ser acompanhado por um sistema inteligente, que aprenderá com este, seguindo cada ação para definir a personalidade e gostos do usuário para que as informações sejam cada vez mais relevantes.

Com a personalidade do usuário traçada, o site poderá além de categorizar as informações de forma única e especial, os sistemas de buscas internos poderão ser otimizados, os anúncios terão maior CTR com um público bem mais segmentado, campanhas de e-mail marketing e mobile poderão ser feitas automaticamente focando o relacionamento, além de que os relatórios obtidos terão informações fantásticas para futuras decisões.

Continue lendo: http://turma4a201001.bligoo.com/content/view/829203/Arquitetura-da-Informa-o-mais-Intelig-ncia-Artificial-Que-resultado-teria-esta-soma.html#content-top

A informação para o desenvolvimento e o desenvolvimento da informação.

Data de publicação: 27/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 29/06/2010

Aldo Barreto

Os projetos e relatórios de pesquisas em desenvolvimento sustentável quase nunca indicam a participação da ciência da informação e dos conteúdos de  informação em C&T  na sua explanação e na sua metodologia. Utilizam, estes,  dos processos, aplicações e técnicas do campo como um insumo que não merece ser relacionado ou relatado.

As Nações Unidas já  reconheceram a importância dos  significados de informação no processo de  desenvolvimento sustentável, mas tem havido muito pouca reflexão e literatura sobre a questão e o  progresso social e econômico.  As próprias áreas de informação ficam incertas quanto a esta relação e poucos falam disso.  Frequentemente os planos econômicos e sociais indicam a participação da Internet em seus estudos, pelo seu apelo a uma modernidade moda,  mas esquecem de que a rede é um grande estoque de informação em fluxo.

Um problema básico é a dificuldade de associação de conceitos altamente fluidos como os de informação, sociedade da informação e sociedade do conhecimento com a  ideia, também complexa de desenvolvimento. Falta  uma articulação que coloque o estoque e os fluxos de informação  participantes do  processo de desenvolvimento,  o que  seria importante para o status da ciência da informação e das disciplinas de sua vizinhança. Mas, não existe uma articulação coerente, teórica ou metodológica, suportando ou posicionando a ação de informação nos documentos de políticas Públicas de informação e desenvolvimento.

Processo eletrônico será a verdadeira reforma do Judiciário, afirma vice-presidente do TST

Data de publicação: 18/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 29/06/2010

Tribunal Superior do Trabalho

O vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro João Oreste Dalazen, afirmou que a implantação do processo eletrônico, “mais do que qualquer lei ou código”, provocará uma revolução silenciosa – a verdadeira e profunda reforma do Poder Judiciário. A declaração foi feita durante solenidade de abertura do I Congresso Brasileiro sobre Processo Judicial Eletrônico Trabalhista, em Campina Grande (PB), no dia 7 de junho.

Após revelar-se “um entusiasta do processo eletrônico”, o ministro Dalazen disse que a informatização do processo judicial será a saída, “a verdadeira tábua de salvação para a Justiça enfrentar a crônica e angustiante lentidão de que padece”. Citando Ruy Barbosa, exultou: “Justiça tardia não é justiça, senão injustiça qualificada e manifesta”. O congresso, promovido pelo Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (PB), foi realizado no auditório da Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (Fiep), no período de 7 a 9 de junho, e contou com a presença de magistrados, administradores e especialistas em Tecnologia da Informação.

Na palestra de abertura, o ministro Dalazen disse ser auspicioso constatar que os Tribunais Regionais do Trabalho partiram para soluções próprias, a exemplo do TRT da Paraíba, que marcou seu pioneirismo com a implantação da primeira Vara do Trabalho totalmente eletrônica no país, em Santa Rita, e ampliou para outros municípios, culminando com a inauguração da Vara Eletrônica do Fórum de Campina Grande, “experiência que também foi adotada na 18ª Região (GO)”.

Continue lendo: http://www.internetlegal.com.br/2010/06/processo-eletronico-sera-a-verdadeira-reforma-do-judiciario-afirma-vice-presidente-do-tst/

Quem devia liderar a revolução da comunicação nas empresas?

Data de publicação: 24/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/06/2010

Jornalistas, agências de propaganda e marketing ou as próprias empresas? Na maioria dos eventos relacionados a web 2.0, blogs vs. mídia ou comunidades virtuais e que se preocupam com a temática corporativa ou impactos na forma de se fazer negócios, sempre temos blogueiros dando dicas e opinando, jornalistas debatendo o tema, profissionais de comunicação dando o tom da conversa e raramente empresas apresentando casos concretos ou ajudando construir conhecimento no assunto discutido.

Acho isso muito sério. Entendo que leva algum tempo para que as empresas absorvam idéias revolucionárias ou novas formas de gestão que acadêmicos ou especialistas no assunto desenvolvem, mas no caso específico da comunicação com o cliente na nova era da web 2.0, a teoria se desenvolve principalmente na prática. Afinal de contas é errando que se aprende. E é por conta de poucos visionários que se arriscaram que muitas das invenções da humanidade deram certo.

Continue lendo:  http://www.blogmidia8.com/2010/06/quem-devia-liderar-revolucao-da.html

Blogs corporativos e redes sociais x novo consumidor

Data de publicação: 24/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/06/2010

Que estamos engatinhando quanto ao “sumo” que se pode tirar da internet nas relações de consumo e fortalecimento de uma marca, não é novidade. Nem precisa ser um guru cibernético para perceber que a internet vem empreendendo mudanças significativas no comportamento de compra do usuário, que certamente continuará a sofrer cada vez mais influência do mundo virtual no processo de decisão no mundo real. Aliás, é cada vez mais difícil discernir o que realmente é real e o que é virtual, já que a mudança de comportamento é um fato de nossos tempos.

Diante de tanta mudança e tanta rapidez – parece que nenhum conhecimento é mais suficiente – já estava na hora de alguém se propor a estudar este “novo consumidor”, entender seu hábitos, como a compra se constrói em sua cabeça, seus anseios de consumo e tudo mais.

Foi isto que o Instituto Ibope Mídia fez! Desenvolveu uma importante pesquisa com mais de 3,4 mil pessoas com mais de 18 anos em todo o território nacional e com a ajuda do Target Group Index definiu quem é o novo consumidor brasileiro, ou se preferir, definiu o perfil do novo consumidor no Brasil.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/06/blogs-corporativos-e-redes-sociais-x.html

O segredo do profissional desejado pelas empresas

Data de Publicação: 23/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/06/2010

Por Daniela Maimone

Formar profissionais capazes de interagir, difundir e unificar ideias é uma tarefa da empresa focada. Gente com que realmente dialogue e busque alternativas para burlar a mesmice.

O diálogo se atém a um princípio básico: qualidade.

Uma das características do homem moderno que ganhou mais fôlego com a revolução tecnológica é a preocupação com a economia do tempo. Com isso houve perda em dois importantes direcionamentos: escutar e saber compartilhar idéias; inconstantes e invariáveis revoluções que fatalmente passamos por cima a favor do tempo, precioso e tão somatizado.

Existe aí um desperdício muito grande de energia e pouca sinergia para captarmos boas tendências e respostas para o mercado.

Falta fundamento e por isso há pautas que precisam fazer parte do dia-a-dia de um profissional interessado:

  • Ter uma visão geral da relação do plano de comunicação com o planejamento estratégico de marketing,
  • Traçar objetivos e estratégias de comunicação
  • Saber elaborar, desenvolver e aprovar briefings de criação, produção e mídia,
  • Apresentar, desenvolver e aprovar campanhas publicitárias, mídia, produção, RTV e pesquisa.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/06/23/o-segredo-do-profissional-desejado-pelas-empresas/

O que fazer com o lixo eletrônico?

Data de publicação: 23/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 28/06/2010

Comprou um celular, computador ou mp3 novinhos e não sabe o que fazer com o velho? Alguns guardam, outros vendem ou doam, mas muitos jogam no lixo, sem o menor tratamento. O problema é que os componentes dos eletrônicos são extremamente tóxicos, por conterem materiais que contaminam o solo e água, com o chumbo. Por ano, 40 milhões toneladas de lixo eletrônico é descartado no mundo, e a fatia de contribuição do Brasil é bem grande, cerca de 96,8 mil toneladas, segundo dados da ONU (Organização das Nações Unidas).

Para evitar que mais dano seja feito ao meio ambiente, algumas iniciativas foram elaboradas. Uma delas é da Universidade de São Paulo (USP), ao criar o Cedir (Centro de Descarte e Reuso de Resíduos de Informática). Com um investimento de 250 mil reais, funcionários desmontam computadores e outros eletrônicos doados, aproveitam peças em PCs remanufaturados, e mandam para centros de reciclagem aquilo que não pode ser aproveitado. Infelizmente, eles só aceitam doações de alunos ou funcionários da Universidade. O serviço está previsto para ser aberto ao público geral em abril.

Continue lendo: http://blogs.shoptour.com.br/shoptourweb/o-que-fazer-com-o-lixo-eletronico/#more-3160

Conhecimento ampliado pela Web

Data de publicação: 25/06/2010

Da ta de publicação no Blog DA ECI: 28/06/2010

Sandra Turchi fala de iniciativas inovadoras nascidas a partir do acesso a internet. Confira!

O movimento de ampliação do acesso à informação trazido pela internet está em um estágio embrionário, pode-se dizer. O que temos visto nos dias atuais ainda está para ser compreendido. A verdade é que ninguém – ninguém mesmo – pode prever o que vai acontecer com relação a isso. Há estudos demonstrando que o acesso à internet modifica o cérebro e faz com que os usuários mais frequentes tenham uma atividade maior na área de raciocínio complexo e mais velocidade na tomada de decisões.

Uma iniciativa interessante é a da Fundação Edge, criada nos anos 80 para estimular o debate entre grandes nomes da ciência. Em estudo recente, a entidade aborda como a web está mudando o processo de pensamento. Dentre suas análises, fica claro que, embora a internet tenha trazido maior capacidade de acesso ao conhecimento, também ampliou a incerteza com relação à informação.

A mudança de opinião é frequente e os interesses sobre inúmeros assuntos multiplicam-se. Essa experiência todos nós estamos passando, é fato. Nessa pesquisa, utiliza-se inclusive um termo adequado para descrever isso, que é “liquidez mental” – afinal, os pensamentos tornaram-se fluidos. Se somarem a isso todas as preocupações recentes com relação à privacidade – como no caso do Facebook – os problemas de direitos autorais, entre outros, fica claro que é impossível prever os resultados de toda essa transformação.

Continue lendo: http://br.hsmglobal.com/notas/58087-conhecimento-ampliado-pela-web

O papel da TI na comunicação só tem a crescer

Data de publicação: 18/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 19/06/2010

A Tecnologia da Informação almeja deixar para trás o passado de processamento de dados e assumir definitivamente o seu papel na comunicação.

Por Jorge Castro

Por que o passado não reconhece o seu lugar e busca estar sempre presente?

“Não quero que nos tornemos um país de blogueiros. Acho que precisamos de mais conteúdo editorial que nunca. O que temos de encontrar é uma maneira de fazer as pessoas pagarem por esse conteúdo…”.

Essa declaração do Steve Jobs, publicada no O Globo Digital, feita na conferência All Things Digital, deixa alguns questionamentos que demandam certo grau de reflexão.

Por que soa tão incoerente? Quais seriam os verdadeiros interesses por de trás de uma exposição pública como essa, principalmente quando se atenta para o fato da crescente expansão da social media, que tem em sua essência o uso do meio eletrônico para interação entre pessoas?

Enquanto Steve Jobs discursa sobre conteúdos pagos e alguns tantos interesses, outros simplesmente inovam.

Em seu blog, o consultor e empresário, Alan Dubner escreve: “os sistemas de relacionamentos digitais combinam textos, imagens, sons e vídeo para criar uma interação social de compartilhamento de experiências. O ser humano é antes de tudo um ser social, as ferramentas digitais estão potencializando essa tendência e alterando completamente a comunicação dessa nova economia… é uma maravilha estar aqui e agora!”.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/06/18/o-papel-da-ti-na-comunicacao-so-tem-a-crescer/

10 dicas para uma arquitetura da informação segura

Data de publicação: 10/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 19/06/2010

A boa arquitetura da Informação projeta sites com design navegacional e útil. Permite ao usuário mais do que navegar pelas páginas, facilita a gestão da informação por parte deles.

Torna os usuários confiantes, concede-lhes o poder de explorar o site sem precisar se preocupar em perder-se ou perder a informação de vista. Não existem riscos em clicar nos links oferecidos ou tentar interações que lhes chamem a atenção, por que sempre saberão onde estão situados, como voltar e para onde podem ir. Em uma boa arquitetura da informação, os usuários sabem exatamente onde estão as informações.

Para conseguir esse resultado é necessário um sério esforço dos arquitetos da informação, no entanto seguem algumas dicas que se lembradas ao projetar uma navegação tornará seu site mais seguro para a empresa e para seus clientes.

1 – A estrutura do site deve estar adequada às expectativas do usuário e não da empresa.

Faça o máximo de esforço para que a estrutura do site esteja focada na forma como seu usuário espera.

As pessoas esperam que os sites organizem as informações de maneira que façam sentido para elas. Utilize uma estrutura navegacional que reflita características, informações, e serviços do site e não a estrutura interna da empresa, com exceção das intranets.

É compreensível que as empresas interfiram nesse processo e imponham rotulações e estruturas comuns a ela e seus funcionários. Categorias de produtos e nomes dos serviços são um exemplo disso.

Projete para a conveniência deles, não para a sua. – Nielsen/Loranger,2007

O que pode ajudar: Personas, Grupos de Foco;

Principais Erros: seguir nomenclaturas e estruturas organizacionais que só a empresa conhece, categorização inadequada.

Confira as outras dicas: http://www.esliniefiaes.com.br/2010/06/10-dicas-para-uma-arquitetura-da-informacao-segura/

É hora de mudanças no gênero blog

Data de publicação: 15/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 19/05/2010

Os blogs profissionais estão se tornando publicações e a ênfase na ordem cronológica-inversa não é o melhor para o usuário – ela esconde o bom conteúdo antigo, que pode ser melhor que o novo.

Por Gilberto Alves Jr.

Eu estou começando a perceber um desgaste do gênero blog. Assim como os protestantes perceberam um desgaste na forma da igreja católica, penso que estamos começando a viver um tempo de mudanças drásticas nos blogs.

Talvez ao ponto deste próprio gênero não sobreviver: ou ainda, não ser lembrado por ter se transformado em outras coisas bem melhores, chamadas por outros nomes.

Para quem começou a blogar há muitos anos e pegou toda a as discussões dos blogcamps, a polêmica da ética problogger etc, parece realmente agora temos uma revolução em curso.

Blogs amadores e blogs profissionais

Blog, na minha época, era uma maneira muito fácil e amadora (no melhor sentido do termo) de publicar artigos. Vi a época dos blogs como diários adolescentes mas não participei.

De acordo com a Wikipédia, blog “é um site cuja estrutura permite a atualização rápida a partir de acréscimos dos chamados artigos, ou posts. Estes são, em geral, organizados de forma cronológica inversa, tendo como foco a temática proposta do blog”.

Nos últimos dez anos o amadurecimento do gênero trouxe uma série de novidades.

A primeira e mais radical foi a possibilidade do autor ganhar dinheiro com seu blog. Seja como autônomo utilizando redes de anúncios e programas de afiliados (ou ainda vendendo posts), seja através de contrato com um grande portal ou jornal ou ainda como prestador de serviços de conteúdo para empresas e sites de conteúdo.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/06/15/e-hora-de-mudancas-no-genero-blog/

Ocultando a Informação

Data de publicação: 15/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 19/06/2010

A informação foi definida por nós como estruturas significantes que tem a competência e intenção para gerar conhecimento. Assim, o seu estudo como tendo uma intenção promotora do saber está relacionada com sua estrutura e a sua base de inscrições significantes. Esconder parte destas inscrições oculta significados da informação, mediadora do conhecimento.

A geração de estoques de conteúdos quando adotou para si os preceitos de produtividade pela técnica, como sendo uma racional de armazenamento, foi motivada pela crescente produção de informação no mundo a ser reunida e acervada de forma eficiente e dentro de limites da eficácia e custo dos estoques.

Era, assim, necessário um processamento técnico, redutor dos conteúdos da mensagem usando metalinguagens transformadoras do seu significado simbólico; ocultava-se, assim, o universo da linguagem natural, que é uma referência do homem para interpretar e apropriar narrativas. Esta atitude técnica no processo de armazenar foi uma decisão política e econômica dos produtores de informação.

Neste sentido quanto mais complexa as configurações entrelaçadas no processamento, organização e disseminação da informação maior será a possibilidade de ocultar esta mensagem do receptor. E é assim que, no processo de transformação para produzir a sua guarda que se oculta a informação por uma decisão operacional, mas que tem influência na realidade dos receptores.

Continue lendo: http://aldobarreto.wordpress.com/2010/06/15/ocultando-a-informacao/

A Wikipédia não é mágica, é trabalho duro

Data de publicação: 16/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/05/2010

Postado por eBook Reader

Um dos fundadores da enciclopédia colaborativa fala com a Folha sobre a comunidade que compartilha seu conhecimento, as falhas e a concorrência

Na calçada da fama dos ícones da tecnologia, Jimmy Wales tem seu lugar garantido ao lado de personalidades como Bill Gates.

Ele ajudou a fundar a Wikipédia, a enciclopédia gratuita que se baseia na colaboração dos usuários, logo no início dos anos 2000. Tempos em que não existiam sites como o YouTube, o Facebook ou o Twitter. Wales fala amanhã no Info@Trends [info.abril.com. br/infotrends], evento em São Paulo, sobre o poder do conteúdo gerado e moderado pelo usuário.

À Folha, ele falou sobre a fundação da Wikipédia, as falhas e qualidades do site e a série de polêmicas que cerca a enciclopédia colaborativa -da pornografia às tentativas de uso político da ferramenta. Veja trechos da entrevista concedida por e-mail. [AMANDA DEMETRIO]

Confira a entrevista: http://ebookpress.wordpress.com/2010/06/16/a-wikipedia-nao-e-magica-e-trabalho-duro/

Integridade sob ataque: O estado da publicação acadêmica

Data de publicação: 10/06/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/06/2010
Douglas N. Arnold
Presidente da Society for Industrial and Applied Mathematics (SIAM) e Professor McKnight Presidential de Matemática da University of Minnesota

Traduzido do original “Integrity Under Attack: The State of Scholarly Publishing, SIAM News – Newsjournal of the Society for Industrial and Applied Mathematics, vol. 42, no. 10, December 2009 (http://umn.edu/~arnold/siam-columns/integrity-under-attack.pdf)” por Otávio Augusto S. Carpinteiro, Universidade Federal de Itajubá, MG

Periódicos científicos são certamente importantes. Provêm o meio mais efetivo para disseminação e arquivamento de resultados científicos e, portanto, constituem-se em uma parte fundamental de um empreendimento do qual nossa saúde, segurança e prosperidade dependem fortemente. Universidades, agências de fomento e outros utilizam as publicações científicas como métrica primordial de produtividade e de impacto da atividade de pesquisa. Elas têm importância decisiva nas decisões de contratação, promoção, salário e na classificação de departamentos, instituições e, mesmo, nações. Com grandes recompensas atreladas à publicação, não é surpreendente que alguns indivíduos engajem-se em comportamentos antiéticos, fraudes e abusos significativos. Além disto, quando comecei a olhar mais de perto a questão, fiquei chocado com o que achei. Neste artigo, dou alguns exemplos preocupantes de má conduta de autores e de periódicos em matemática aplicada. Uma conclusão que chego é que a bibliometria usual — tais como o fator de impacto para periódicos e contagem de citações para autores — é facilmente manipulada, tanto em teoria, quanto na prática, e que seu uso em classificação e julgamento deve ser limitado.

O SIAM dá, obviamente, grande valor à publicação acadêmica. Estamos tomando fortes medidas para garantir a integridade de nossas próprias publicações e para proteger nossos autores do roubo de seus trabalhos. Contudo, estamos ainda esforçando-nos para decidir precisamente que ações devemos tomar. Portanto, convido os membros da comunidade SIAM a manifestarem-se. Caso tenham testemunhado incidentes preocupantes na publicação de periódicos, avisem-me. Vocês julgam que tais incidentes estão aumentando? O SIAM deveria estar fazendo mais? Deveríamos ir além de nossas próprias publicações e autores?

A má conduta de autores — através não só, mais obviamente, do plágio literal, mas também da apropriação sutil de idéias e da duplicação de publicações — tem sempre estado presente entre nós. No SIAM, entretanto, nossa impressão é de que o problema está se tornando bem mais comum. Talvez ainda mais preocupante seja a má conduta de periódicos, realizada por suas companhias editoras e seus editores, muitas vezes com evidentes fins lucrativos. Um exemplo é o processo capcioso ou descuidado de revisão dos artigos, de forma a produzir a impressão de que o periódico acadêmico em questão seja sério. Um outro problema é a manipulação deliberada das estatísticas de citação, de forma a elevar o fator de impacto ou outro parâmetro bibliométrico.

Continue lendo: http://www.democracia-e-transparencia-em-ct.blogspot.com/

O futuro da arquitetura de informação

Data de publicação: 14/07/2009

Data de publicação no Blog DA ECI: 18/06/2010

Passa pela habilidade de organizar uma camada de estrutura para o conteúdo e a classificação criada pelos usuários, além de otimizar as formas de apresentação e de busca e montar uma estratégia de conteúdo capaz de evoluir.

Por Rogério Pereira

Uma série de entrevistas feitas no meu blog com os arquitetos de informação de diferentes experiências rendeu um material interessante para a realização de uma conversa bem legal com o Daniel Souza, que trabalha com planejamento de experiência do usuário na Talk Interactive.

No Brasil e no mundo

O fato é que o mercado de AI está na moda e há muitas pessoas interessadas em entrar na área, o que gera uma grande quantidade de arquitetos e pouca arquitetura de informação. Significa que ainda temos profissionais com pouco conhecimento e a falta de um pensamento mais centrado no usuário e nas necessidades de negócio dos clientes.

De acordo com um estudo realizado pelo Guilhermo Reis em 2008, a fase de pesquisa ainda é pouco realizada. Os profissionais estão em sua maioria preocupados com documentação, fazendo wireframes, sitemaps, fluxos de navegação e entregáveis que tem como objetivo orientar a programação e o design das interfaces.

A fase de documentação deve estar toda embasada na etapa de descobrimento e entendimento das necessidades de comunicação digital dos clientes. Devemos extrair o máximo das empresas para evitar ruídos durante a concepção dos projetos.

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2009/07/14/o-futuro-da-arquitetura-de-informacao/

10 erros comuns nos blogs corporativos

Data de publicação: 4 de junho de 2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 18 de junho de 2010

Diversas empresas já começaram a perceber a importância  do blog corporativo. Além de poder gerar mais visitas ao site institucional, também pode ser mais um meio de divulgar a marca e estabelecer um relacionamento mais próximo com seu público-alvo. Assim como acontece nas redes sociais, algumas organizações ainda cometem erros básicos na hora de atualizar suas páginas, por isso selecionei 10 erros comuns nos blogs corporativos:

1. Blog como canal de marketing. Há empresas que usam o blog apenas para divulgar informações da marca e a página acaba virando algo muito “marketeiro”. Os posts são baseados em informações sobre o quanto aquele produto é bom, que a empresa possui o menor preço, entre outros dados mais institucionais. Guarde essas informações para o site, lá é o canal onde as pessoas buscam esse tipo de notícia. Uma das funções do blog é ser uma prestação de serviços, deve conter dicas, notícias e conhecimentos relacionados ao setor no qual atua a corporação.

2. Blog como Sala de Imprensa. Você pode até utilizar o blog como uma plataforma para hospedar sua sala de imprensa e colocar releases ou clippings divulgados pela assessoria. Porém esse não deve ser o foco do blog corporativo, saiba distinguir a função e o objetivo de cada canal da empresa.

3. Falta de foco. O blog corporativo pode ser voltado para o público externo ou interno, o que não pode é misturar esses públicos em uma página só, são assuntos e objetivos diferentes, não há como colocar informações que só dizem respeito aos funcionários da organização junto com notícias que interessam ao consumidor ou cliente.

4. Bloqueio de comentários. Uma vez ouvi a Carol Terra dizer que um blog sem espaço para comentários não é blog,  concordo com ela. Um dos objetivos do blog corporativo é permitir a interação entre empresa e consumidor, se a organização posta apenas informações e não espera um retorno dos visitantes, não há como chamá-lo de blog.

Continue lendo: http://www.estudiodecomunicacao.com.br/blogestudio/blogs-corporativos/10-erros-comuns-nos-blogs-corporativos

Oral, escrita e digital: as três eras cognitivas

O problema básico da humanidade sempre foi repassar o conhecimento da geração atual e passada para as futuras.

Cada pessoa que nasce precisa chegar ao mundo e receber a “óstia do conhecimento” para ir daqui em diante e não voltarmos para trás.

Ou seja, a humanidade é dependente da forma que essa passagem é feita para sobreviver e resolver os problemas que cada vez mais gente na terra provocam.

Começamos com a memória, passamos ao papel (e adjacências) e depois para o suporte digital.

Cada uma dessa passagens mudou a maneira de produzir e receber conhecimento. Fez com que nossos cérebros se adaptassem a esse suporte. Assim, a tecnologia cognitiva é aparentemente neutra por fora, mas modeladora por dentro.

Essas passagens nos obrigam a mudar o jeito que organizamos internamente esse ato de conhecer e produzir conhecimento, marcando eras distintas da Civilização.

Tudo começa com uma tecnologia, que molda nosso cérebro que, por sua vez, a partir desse novo molde, molda a sociedade. (Pela primeira vez, li sobre o termo “Filosofia da Tecnologia”, que estuda como pensamos sobre elas. Isso é importante, pois vai nos dar a possibilidade de entender tudo isso melhor. Aguardem, falarei mais sobre isso.)

Continue lendo: http://webinsider.uol.com.br/2010/06/02/oral-escrita-e-digital-as-tres-eras-cognitivas/

10 dicas para organizar sua biblioteca ou estante.

1) Livros podem estar agrupados por gênero (romances policiais, literatura latino-americana), por autor ou por ordem alfabética (de nome ou de título). Mas você precisa descobrir como se sente melhor para procurar e encontrar sem demora os seus livros.

2) Livros de arte, como fotografia, dão volume e são sempre um prazer ao alcance dos olhos. Dê movimento à sua estante escolhendo alguns deles para deixar com a capa à mostra.

3) Livros com a capa danificada pedem encadernação nova – menos que se trate de uma raridade. Há quem encape vários livros com papel de uma mesma cor para dar à estante um aspecto mais
organizado. Mas os verdadeiros amantes de livro ficam de cabelo em pé ao ouvir isso. Assumir que os livros têm cores e tamanhos diferentes é mais rico, sincero e benéfico para a sua decoração.

4) Coloque alguns volumes deitados e outros de pé. Essa disposição dá movimento à estante. Evite a monotonia.

5) A profundidade ideal para uma estante de revistas é de 25 cm. Uma medida maior deixaria um espaço vazio bom para acumular pó. Já os livros de arte pedem 35 cm. Deixe 40 cm de altura entre uma prateleira e outra – assim você acomoda desde pilhas de revistas até as edições maiores.

Confiram as outras cinco dicas: http://nomundoenoslivros.blogspot.com/2010/05/10-dicas-para-organizar-sua-biblioteca.html

O gestor da informação; entrevista com Wilson da Costa Bueno

por Polyana Gonzaga, jornalista

Para o jornalista e professor de comunicação social Wilson da Costa Bueno, o profissional de comunicação atuante dentro das organizações começa a adquirir um novo perfil, o de gestor da informação.
Segundo Bueno, na era da informação o profissional de comunicação organizacional deve ter novos atributos. “ O assessor de imprensa deve ter conhecimento de aspectos discutidos na sociedade e a empresa precisa ter um posicionamento sobre vários assuntos.”
Wilson da Costa Bueno é jornalista e professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da UMESP e da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP, autor de vários livros na área de comunicação empresarial, entre outros. Atua há mais de vinte anos como assessor e consultor de empresas em Comunicação Empresarial.
Para Bueno, a figura do assessor de imprensa deve assumir novas posturas e descreve o perfil deste profissional e das perspectivas da área em uma sociedade impulsionada pelas novas tecnologias.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/06/o-gestor-da-informacao-entrevista-com.html

Como usar redes sociais para alavancar sua vida profissional

Em 2005 o Orkut chegava ao Brasil e muitos abraçaram a rede social como uma forma de encontrar amigos, fazer parte de grupos e ter uma sala de estar virtual para longos e bons bate-papos. Deu no que deu e o país chegou rapidamente ao posto número um de usuários inscritos. Depois dele vieram o MySpace (sem muito sucesso aqui), o Facebook, o Digg, entre outros até a explosão do Twitter. Isso sem contra as redes profissionais como LinkedIn e Plaxo. O que começou como brincadeira para a molecada e jovens adultos, se transformou em uma arma de marketing e comunicação poderosa. Hoje não tem empresa séria nesse mundo que não está com sua página em alguns destes sites e trabalha arduamente em busca de relacionamento com clientes, colaboração no desenvolvimento de produtos, reforço na marca e também, obviamente, vendas.

Acontece que as redes não deveriam ser só diversão para o pobre mortal. Através dela você pode conhecer potenciais parceiros, fornecedores e clientes, se projetar como profissional e descobrir muitas possibilidades de crescimento pessoal e profissional. É assim que pensa Béia de Carvalho, criadora do 5 Years From Now, uma empresa dedicada a desenvolver seminários e workshops voltados à famosa pergunta: onde você quer estar daqui a cinco anos? Em entrevista para o Terra, Beia falou sobre como vê a internet hoje e como você pode usá-la para conseguir alavancar sua carreira e seus negócios.

Confira a entrevista: http://www.blogmidia8.com/2010/05/como-usar-redes-sociais-para-alavancar.html

O JOVEM SERÁ O GUARDIÃO DA NOVA CULTURA DIGITAL

Henry Jenkins diz que jovens lideram a atual mudança de mídias e critica a atuação retrógrada de pais e escolas que procuram negar esta liderança. Autor de “Cultura da convergência” (Editora Aleph) é um dos pensadores do impacto das novas tecnologias na nossa vida. Estando no Brasil o escritor americano fala sobre as diferenças entre os jovens de 2000 e os de 2010.

Estamos no meio de um período profundo e prolongado de transição de mídias, que está inspirando mudanças em todos os níveis econômico, social, cultural, político, legal da nossa vida. O ritmo, isto é a taxa, da mudança não diminuirá nos próximos anos e tem sido capitaneada pela população de jovens da sociedade.

Os mais novos são sempre os primeiros a se adaptar às tecnologias e práticas culturais emergentes. Buscam com isso um estabelecer um lugar privilegiado para exercer a sua vivência privilegiada pela liberdade e criatividade. São eles que estão personificando a mudança das mídias e serão, portanto, os guardiões da maioria das novas práticas culturais. Na medida em que isso acontece vão criando marcas no estilo do dialogo, da escrita da leitura das escrituras fazendo com estas correspondam a sua identidade. A juventude de hoje vai liderar o mundo daqui a dez anos quando irá pautar o modo de informação e seus fluxos.

Os adolescentes se apropriam de música, texto e imagens através de suas próprias plataformas de mercado. Este gosto por uma nova liberdade de acesso é um indicador chave da sua identidade cultural e social. Eles usam diferentes redes sociais e se comunicam com seus amigos através de mensagens digitais. Dentre seus espaços de convivência, a escola tem sido um impasse, pois a instituição nem sempre entende que o uso de seus gadgets de comunicação é um objetivo da juventude que não se quer cerceada por muros. O domínio dos artefatos digitais de troca de informação os transforma em alienígenas não focados para alguns mestres.

Continue lendo: http://aldobarreto.wordpress.com/2010/05/25/o-jovem-sera-o-guardiao-da-nova-cultura-digital/

Nada adianta novas mídias com velhas ações

Apesar de conseguirmos pinçar alguns exemplos de marketing de relacionamento 2.0, a maioria esmagadora das empresas ainda utiliza as ferramentas de conectividade (redes rociais, blogs, fóruns, wikis, enfim, todo o mix do marketing digital) de uma maneira equivocada.

O que estamos percebendo é uma enxurrada de “velhas ações, utilizando novas mídias“: sorteios no Twitter buscando o puro e simples aumento de seguidores, criação de comunidades sem qualquer tipo de finalidade e engajamento, blogs que só fazem “vender” produtos…

Independente do marketing “2pontoalgumacoisa“, o que falta para as empresas é estabelecer um relacionamento verdadeiro com o consumidor (ou, prosumer, como previu o visionário Alvin Tofler).

Campanhas publicitárias são importantes? Com certeza! Desde que a marca possa cumprir as promessas que faz para consumidor através da mídia, concentrando seus esforços na melhoria dos produtos e serviços existentes e no desenvolvimento de novos produtos e serviços de qualidade!

As empresas, seus profissionais de marketing e suas respectivas agências precisam urgentemente entender que, com a revolução digital, não dá mais para tapar o sol com a peneira.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/05/nada-adianta-novas-midias-com-velhas.html

Morte da memória científica,

artigo de José de Souza Martins

“Na tragédia do Butantã apenas se repetiu o descuido que já levou à destruição de outros acervos em desastres de gravidade semelhante”

José de Souza Martins é professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.  Artigo publicado em “O Estado de SP”:

O incêndio no Butantã nos faz lembrar que ciência é, também, história da ciência. Nenhum cientista consegue pesquisar se não tiver em conta a memória de seu campo de pesquisa. É norma, aliás, que isso fique evidente nos projetos apresentados pelos pesquisadores às instituições científicas e às instituições de fomento. A pesquisa sem diálogo com o conhecimento acumulado no respectivo campo é chute, não é ciência.

Essa memória não está apenas nos fatos, nos documentos e nos objetos que em determinado momento serviram de base a análises, interpretações e descobertas. Ninguém se torna um cientista se não aprender com a história do saber como foi que os antecessores souberam, conheceram e descobriram.

O conhecimento que se adensa, se multiplica e atravessa gerações, que está nos arquivos, museus e bibliotecas, não é material de irrelevante ilustração do que só parece sério se for reduzido a um texto ou a uma fórmula sintética e atual. Há uma temporalidade peculiar na história da ciência que sua redução ao tempo presente desfigura e empobrece.

Isso vale não só em relação às cobras do Butantã, mas também em relação ao que sobre elas escreveram seus cientistas. Subestimar, depreciar e abandonar os acervos que registram, preservam e acumulam o saber vivo de muitas gerações mortas de pesquisadores e cientistas é renunciar à ciência. Descuidar dos acervos de arquivos, museus e bibliotecas é a morte do próprio conhecimento.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=71074

Marketing direto: o desafio da web 2.0

As empresas hoje estão cada vez mais conscientes da importância de cativar seus clientes de forma personalizada e eficaz. A preocupação é evidente desde o pequeno lojista que está “antenado” com o mercado a grandes corporações que possuem departamentos específicos para uma comunicação com base nas estratégias e ferramentas do marketing direto.

A era da web 2.0 trouxe uma nova realidade ao consumidor, que hoje podemos chamar de neoconsumidor. Ele busca inovação, empresas que realmente se comuniquem de forma a explorar seus interesses, indo ao encontro de seu perfil comportamental. Isso é fruto do compartilhamento cada vez mais presente de informações, que se tornam públicas por meio das redes sociais. Não adianta impor a oferta através das demoradas reuniões de planejamento para se lançar um produto.

O mercado sabe da importância do marketing direto, mas ainda não percebeu que a busca de informações divulgadas na web, pelos próprios internautas, pode ser o grande trunfo para estabelecer ações altamente segmentadas e, com isso, aumentar as chances de fidelização das marcas não apenas pelo fato de ir ao encontro do que esse target necessita, mas por “provocar” o marketing viral, uma vez que a relação de conquista foi baseada em fatos concretos e científicos. O empirismo ou as famosas pesquisas de campo para colocar no “ar” um produto ou serviço já não fazem mais parte de quem vive na era digital.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/05/marketing-direto-o-desafio-da-web-20.html

Rede social brasileira com foco em universitários alcança mais de 850 mil usuários

Um dos principais usos da rede social ebaH é o compartilhamento de apostilas e materiais de estudo.

Geek

Por Jacqueline Lafloufa

Com o objetivo de diminuir os custos com as diversas fotocópias que normalmente são disponibilizadas pelos professores nas faculdades, dois alunos da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP) criaram o ebaH, rede social destinada a auxiliar os estudos de universitários.

Além de permitir que apostilas, exercícios resolvidos, slides de aulas e uma infinidade de materiais didáticos seja compartilhada, o ebaH faz com que o contato entre alunos e professores seja mais próximo, e possibilita também que estudantes com os mesmos interesses acadêmicos criem grupos de discussão e fóruns.

“Nosso objetivo é disseminar de forma organizada conteúdos para estudo, ajudando assim os alunos durante a sua jornada na universidade”, defende Renato Freitas, um dos idealizadores da rede social.

Continue lendo: http://tecnologia.ig.com.br/noticia/2010/05/05/rede+social+brasileira+com+foco+em+universitarios+alcanca+mais+de+850+mil+usuarios+9476982.html

Expansão do universo digital obriga à utilização do zettabyte

O tamanho do universo digital humano aumenta a cada segundo. Cada utilizador faz uploads constantes para a Internet e por isso está a ser utilizada uma nova unidade de medida para a informação armazenada online: o zettabyte.

O tamanho actual dos conteúdos digitais humanos é o equivalente à informação que podia ser armazenada em 75 mil milhões de iPads, ou a quantidade de informação gerada por todas as pessoas do mundo a colocarem mensagens no Twitter, contantemente, durante um século, indica o “The Telegraph”.

Dito de outro modo, a totalidade dos conteúdos digitais produzidos pela Humanidade corresponde hoje a oito milhões de petabytes (até agora a maior unidade de grandeza) – que representam, cada um, um milhão de gigabytes – mas é esperado que aumente para os 1,2 zettabytes este ano. Um zettabyte é igual a 1.000.000.000.000.000.000.000 bytes individuais.

Continue lendo: http://www.publico.pt/Tecnologia/expansao-do-universo-digital-obriga-a-criacao-do-zettabyte_1435695

3 passos iniciais para uma estratégia de blog para sua empresa

Um blog funciona perfeitamente como uma plataforma de marketing em mídia social. Você coloca um tema central (sua marca) e destrincha outros tantos temas quer surgirem em conexão com a estrutura primordial. Isso é fundamental para gerar conhecimento e conteúdo sobre seus produtos, sua empresa e suas ações.

Muitas empresas estão ansiosas para aplicarem seus investimentos nessa extraordinária ferramenta. Razões não faltam, como já mostramos, e também não faltam guias para sua empresa montar um blog corporativo. Mas o que ainda é uma entrave bastante complicada é a forma de gerir tais estratégias. Abaixo, traçamos alguns pontos para ajudá-lo a desenhar a sua própria linha de blogagem corporativa.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/05/3-passos-iniciais-para-uma-estrategia.html

ATRAPADOS EN LA WEB 2.0

Las redes sociales son nuevas formas de interacción dentro de la Web 2.0 que ponen en contacto a personas (usuarios e integrantes de esas redes sociales) bien con intereses o aficciones comunes o con la intención de compartir ciertos ámbitos de su vida personal o profesional con aquellos que participan igualmente de la red.

Al iniciar mi investigación en la red de redes, Internet, me he topado con Redes sociales: noticias e información, un interesante blog con las últimas actualizaciones al respecto. Al hilo de lo comentado por Garbuix, parece que Bebo, una de las redes top está pensando en echar el cierre, ante el imparable avance de su sempiterna rival Facebook.

Es evidente el monopolio actual de las redes generalistas. No obstante, las redes temáticas o especializadas comienzan ya a despuntar y demostrar su utilidad en la Web social.

Tal y como explica la revista digital Consumer Eroski en su artículo Redes sociales especializadas, éstas “…en Internet hoy en día son innumerables, tantas como gustos o aficciones, y predominan las que emplean el inglés como idioma principal.”

Existen redes musicales como Last.fm en la que los usuarios comparten no sólo música sino también conocimientos relacionados y RedKaraoke.es para subir creaciones musicales propias y escuchar las de los demás.

Continue lendo: http://niquienuvic.wordpress.com/2010/05/02/atrapados-en-la-web-2-0/

Por que a inovação depende da colaboração?

Compartilhar o conhecimento de forma fácil e rápida representa um dos principais segredos para estimular uma postura inovadora nas organizações

James Todhunter, CTO da Invention Machine

Recentemente li um artigo que citava os dados de um estudo apontando que 80% dos CIOs pretendem aumentar os investimentos em ferramentas colaborativas. Apesar disso, ao mesmo tempo, vejo um número crescente de organizações que estão aumentando as restrições de acesso a esse tipo de solução no ambiente corporativo.

Para os projetos de inovação nas empresas, essa representa uma discussão importante. Pois construir uma forte cultura de colaboração é vital para amparar as iniciativas inovadoras. Para construir um ecossistema saudável e sustentável dentro das empresas, os funcionários precisam contar com um ambiente que forneça os conhecimentos, as ferramentas e todos os recursos necessários para favorecer novas ideias.

Com muita frequência, as companhias tendem a construir silos dentro da organização, os quais não permitem que as informações cruciais de uma área circulem para o resto da organização. O que dificulta qualquer tipo de iniciativa inovadora.

Continue lendo : http://cio.uol.com.br/opiniao/2010/04/06/por-que-a-inovacao-depende-da-colaboracao/

Consumidor 2.0: O novo perfil do consumidor de notícias

por Cleyton Carlos Torres, no Observatório da Imprensa

Em 1984, o termo “informívoros” apresentava seus primeiros passos concretos para uma nova caracterização da humanidade. Foi formulado depois dos estudos do psicólogo canadense Zenon Pylyshyn, especialista em ciência cognitiva que observava, nesse período, que o comportamento humano pela busca de informações se assemelhava ao da busca por alimentos. Daí cunha-se o significado que atualmente a terminação apresentada leva: informívoros são aqueles seres que estão em uma consumação constante e frenética por informações, conteúdo informativo como livros, pesquisas acadêmicas, documentários, publicações impressas e todo e qualquer material que é gerado pelo e sobre o conhecimento do homem.

Tal denominação não advém de uma simples mutação do comportamento humano. Diversos acontecimentos históricos ligados à existência do homem foram determinantes para que chegássemos a um período chamado de “Era da Informação”, onde após a Revolução Industrial e de todos os aparatos tecnológicos informacionais que se desenvolveram a partir desse contexto, foi possível a consolidação do informacionalismo, uma nova base de poder material e tecnológica que reformulou todos os conceitos das relações econômicas e sociais.

As possibilidades da multimídia

É exatamente o surgimento do informacionalismo e do advento da web 2.0 que impactam diretamente o modo de como o jornalismo tradicional deve ser produzido, como deve ser pensado e “entregue”. Não mais produzimos para massas homogêneas, públicos sem definições específicas ou características particulares. O informacionalismo trouxe uma gama de conteúdo e acesso tão amplo ao mundo das informações e, principalmente, ao das notícias em tempo real, que todo o público-alvo da imprensa comum passa da simples estatística para ser um consumidor informacional, informívoro, ávido por informação diversa, com qualidade e em uma escala de tempo e caracterização local-global nunca antes imaginada nos meios de comunicação.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/04/consumidor-20-o-novo-perfil-do.html

Midias Sociais e Arquitetura da Informação: a nova saga do Webmarketing

Por Iris Ferrera

Fãs de Tolkien, imaginem a cena: a elfa Galadriel – personagem da trilogia Senhor dos Anéis e moradora ilustre de Lothlórien – acorda, em 2010 da nossa era. Ao seu lado, um notebook com acesso à internet. Ao navegar, ela encontra Twitter, Facebook e Orkut.

Acredito que sua frase profética do início da saga do anel ficaria mais ou menos assim: “O mundo está mudando. Eu sinto na água. Eu sinto na terra… eu sinto na forma de falar com as pessoas, ao teclar”. Depois ela voltaria a dormir para acordar novamente em sua era, achando muito maluco todas as pessoas conversarem entre si daquela maneira, tão próximas, tão “vendo uns aos outros”.

Certamente é um fato consumado, hoje, que conversar com pessoas sem vê-las fisicamente é extremamente comum. A conversação evoluiu e migrou para as redes sociais digitais, levando para lá a população online com objetivos e/ou gostos semelhantes que, até então, estava espalhada e perdida no imenso espaço virtual; encontraram-se em um novo habitat, absolutamente natural.

Em um primeiro momento, nós, usuários, moldamos as mídias sociais de acordo com nossos perfis (ex: Myspace voltado para músicos; Orkut voltado para promoção pessoal, etc.). E agora, com a definição dos espaços, as mais variadas ações interativas em sites corporativos estão sendo testadas e aprovadas pelas empresas, que compartilham informações sobre seu produto ou serviço, e pelos usuários, ao receberem e também compartilharem essas informações.

Hoje, diversas empresas buscam colocar em seu marketing as mídias sociais, que a cada dia se mostram mais poderosas pela rapidez de divulgação do produto ou serviço e também nas conversões financeiras obtidas. E isso reflete diretamente na arquitetura da informação, organizando espaços dentro do website ou sistema web, para inserção de conteúdo compartilhado.

Continue lendo: http://imasters.uol.com.br/artigo/16720/webmarketing/midias_sociais_e_arquitetura_da_informacao_a_nova_saga_do_webmarketing/

Academia passa a utilizar redes sociais da internet para pesquisa

Cientistas utilizam sites de relacionamento e ferramentas virtuais para realizar seus trabalhos de campo, relacionarem-se com fins de estudo e divulgar suas publicações para além das paredes universitárias

Entre as vantagens dessa prática, segundo pesquisadores consultados pelo Jornal da Ciência, estão a rapidez na troca de dados de pesquisa, a possibilidade de integrar mais pessoas a um determinado estudo e o aumento de informações abertas sobre pesquisas em andamento.

“Não são poucos os grupos de pesquisa que utilizam a internet como plataforma de interação e troca de informação, mobilização, escrita de artigos científicos etc”, garante Raquel Recuero, professora do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), no Rio de Grande do Sul, e autora do livro Redes Sociais na Internet.

Para Raquel, as redes têm muitas outras funções. “Os sites de rede social proporcionam maior contato com pesquisadores que focam o mesmo objeto, que comungam de aportes teóricos semelhantes, e melhor difusão de artigos, periódicos e revistas científicas”, enfatiza.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=70460

A transição necessária da pós-graduação brasileira, artigo de Simon Schwartzman

“O sistema atual de avaliação e apoio à pós-graduação no Brasil precisa ser alterado no sentido de reduzir a centralização e estimular a autonomia e a diversificação dos diversos programas e objetivos”

Simon Schwartzman é sociólogo e pesquisador do Instituto de Estudos do Trabalho e Sociedade (Iets). Artigo publicado no blog do autor (www.schwartzman.org.br):

Preparei, a pedido da comissão responsável pela elaboração do Plano Nacional de Pós-Graduação (PNPG) relativo ao período 2011-2020, um texto sobre a transição necessária da pós-graduação brasileira, que está disponível aqui: http://www.schwartzman.org.br/simon/capes2010.pdf

A ideia básica é que o modelo de avaliação criado pela Capes, que teve resultados muito positivos, está superado, e precisa se transformar. Em síntese:

A pós-graduação brasileira, ao dar prioridade ao desempenho acadêmico, através de um conjunto de instrumentos de regulação legal, incentivos e mecanismos de avaliação, acabou criando um sistema cuja principal função, na prática, é se auto-alimentar, e que, com as exceções de sempre, nem consegue produzir uma ciência de padrão internacional, nem consegue gerar tecnologia para o setor produtivo, nem consegue dar a prioridade devida aos que buscam formação avançada para o mercado de trabalho não acadêmico.

Continue lendo : http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=70462

Editor da Ciência Hoje On-line aponta novas mídias como ferramenta de veiculação científica

Bernardo Esteves fala sobre novas tendências de revistas de divulgação científica em seminário da Capes

Youtube, twitter e wikipedia são ferramentas cada vez mais usadas nas publicações de divulgação científica e ajudam o leitor a compreender melhor o mundo da ciência. Esta é a opinião de Bernardo Esteves, editor executivo da revista Ciência Hoje On-line, presente ao seminário “A Capes e os Novos Paradigmas da Comunicação Científica”.

Em palestra feita na segunda-feira (26/4), Esteves abordou as novas mídias como as redes sociais e destacou a evolução de cada uma delas, assim como o aumento de redes que se dedicam à divulgação de assuntos ligados à ciência e tecnologia.

Entre as mídias, foram citadas as de vídeo, como Youtube, pelo qual a revista Ciência Hoje on-line tem divulgado vídeos em complemento às suas matérias. Um vídeo apresentado pelo editor mostra como as ferramentas áudio visuais podem contribuir para a divulgação da C&T. Um vídeo (www.youtube.com/watch?v=Tuoic-vRVjw) foi apresentado por Esteves como exemplo da mídia utilizada como forma de complementar uma matéria da revista CH on-line.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=70499

Cidadãos 365 dias por ano

Christian Carvalho Cruz, de O Estado de S. Paulo

Para sociólogo, a internet e as redes sociais online vêm criando uma nova opinião pública, que não engole mentira, não tolera promessas, não aceita líderes analógicos; faz acontecer

A política como conhecemos hoje pode ser, muito em breve, um retrato embolorado na parede. E o político profissional, um desempregado irremediável, com saudade dos “bons tempos” pré-internet. Não, essa não é a última do admirável mundo novo. É a opinião de alguém que o acompanha com olhos de cientista: o sociólogo italiano Massimo di Felice. Doutor em Ciências da Comunicação, especialista em mídias digitais, ele leciona Teoria da Opinião Pública na Escola de Comunicação de Artes da USP. Acredita que a humanidade vivencie neste momento algo tão grandioso quanto o surgimento da prensa de Gutenberg no século XV: é o tempo em que a web vai levar ao desaparecimento do tipo de política e de político que existem hoje.

Para afirmar isso ele não leva em conta apenas a tecnologia em si, gelada em seus inesgotáveis twitters, orkuts e facebooks. Seu objeto de análise é a nova realidade que está nascendo daí, vertiginosa e quase silenciosamente. “A internet e as redes sociais online estão criando uma nova democracia e uma nova opinião pública.” O que é particularmente interessante em temporadas como esta, de caça à tal opinião pública empreendida pelos institutos de pesquisa que tentam medir os humores e os pendores eleitorais dos brasileiros.

Mas alto lá com os antigos conceitos, previne Di Felice. “Essa opinião pública  que está surgindo não quer ser chamada a opinar apenas de quatro em quatro anos. Ela participa, colabora, difunde ideias para mudar seu território cotidianamente. É cidadã 365 dias por ano. Está fazendo acontecer o que os políticos só prometem.” O efeito imediato disso – para as eleições presidenciais de outubro – será mínimo, ele reconhece, dada a predominância, ainda, da opinião pública televisiva no País. Mas no futuro será algo decisivo.

Continue lendo: http://www.estadao.com.br/noticias/suplementos,cidadaos-365-dias-por-ano,542532,0.htm

O mal-estar na Universidade

O abandono da Universidade Cultural e sua substituição pela “Universidade da Excelência” ou do “Conhecimento” dizem respeito à dissolução do papel filosófico e existencial da cultura. Constrangido à pressa e ao atarefamento diário, o ócio necessário à reflexão e à pesquisa é proscrito como inatividade, os improdutivos comprometendo o princípio de rendimento geral.

Olgária Mattos

A militarização do campus universitário da USP e a solução de conflitos através da força atestam o “esquecimento da política”, substituída pela ideologia da competência, entendida segundo o modelo da gestão empresarial, com seu culto da eficiência e otimização de resultados. Também a proposta mais recente da reforma da carreira docente e do projeto da implantação da Univesp (Universidade Virtual do Estado de São Paulo), respondem, cada qual à sua maneira, à “produtividade”, os acréscimos salariais dos professores subordinando-se ao número de publicações e a seu estatuto— se livro, capítulo de livro, ensaio em revistas, se estas se ajustam ao “selo de qualidade” das agências de financiamento; número de congressos; soma de palestras; orientações de teses e dissertações e, sobretudo, se estas obedecem ao prazo preconizado, tanto mais exíguos quanto mais os estudantes chegam à Universidade desprovidos de pré-requisitos à pesquisa,como um conhecimento adequado do português para fins de leitura e escrita universitária, (guardadas as exceções de praxe), bem como acesso a línguas estrangeiras. De fato, a Universidade se adapta às circunstâncias do ensino médio, e o mestrado pretende contornar as deficiências da formação no ensino médio (e fundamental também), que incidem nos anos de graduação, convertida em extensão do segundo grau.

Professores e estudantes cedem precocemente a publicações, sem que haja nelas nada de relevante, e, ao mesmo tempo, devem freqüentar cursos ou prepará-los, realizar trabalhos correspondentes, desenvolver suas teses – uma vez que a quantidade consagra pontuações para futuras bolsas de iniciação científica ou aprovação de auxílios acadêmicos. Quanto aos docentes, estes se ocupam cada vez mais com tarefas de secretaria, como preenchimento de planilhas, elaboração de relatórios, propostas de inovação em cursos não obstante ainda em vias de implantação, acompanhamento de iniciação científica, organização desses congressos, participação em atividades de iniciativa discente, preenchimento de pareceres on line de um número crescente de bolsistas, e por aí vai. No que diz respeito ao ensino à distância, ele não responde à democratização da Universidade mas a sua massificação.

Continue lendo: http://www.cartamaior.com.br/templates/colunaMostrar.cfm?coluna_id=4382

As redes sociais e o novo consumidor de notícias

Aquele espectador que fica na poltrona esperando que as notícias cheguem até ele está ficando cada vez mais raro. As mídias digitais só reafirmam o ‘novo consumidor de notícias’, é o que traz um estudo norte-americano divulgado no começo do último mês de março pelo Project for Excellence in Journalism que entrevistou mais de 2000 adultos. Segundo o estudo, mais de um terço dos internautas norte-americanos contribuem na construção e na difusão de notícias através de redes como o Facebook e o Twitter. A pesquisa ainda constata que, na era digital, a relação entre a onipresença das notícias e as relações interpessoais fica cada vez mais intensa por meio das redes sociais (ou rede sócio-virtuais), pois, é através delas que o novo consumidor de notícias filtra, acessa, reage e até participa da notícia, endossando o dado de que a grande maioria dos internautas norte-americanos dizem que consomem notícias porque simplesmente gostam de discutí-las com familiares, amigos e colegas de trabalho.

A rede social que mais faz sucesso no Brasil é, de longe, o Orkut, praticamente dominado pelos brasileiros. Apesar de bastante usado para perfis pessoais, empresas e assessorias de comunicação já notaram o potencial comunicacional da rede e começam a investir cada vez mais no relacionamento com pessoas comuns. Atualmente o Facebook vem caindo no gosto do Brasil, mas ainda somos minoria. No Twitter não é muito diferente, embora 10% de todos os tweets sejam nossos, o site ainda nem disponibiliza uma versão em português.

Continue lendo: http://www.midiassociais.net/2010/04/as-redes-socias-e-o-novo-consumidor-de-noticias/

A internet como disciplina acadêmica

Universidade norte-americana cria curso de graduação sobre a ‘ciência da web’. O objetivo: formar profissionais para pensar a rede.

Quando uma universidade aceita de seus candidatos um vídeo do YouTube em vez de uma redação é porque alguma coisa está mudando. E essa percepção – da mudança – ajuda a entender uma iniciativa que configura um novo campo acadêmico e profissional.

O Instituto Politécnico Rensselaer, universidade norte-americana sediada em Troy, no estado de Nova York, acaba de abrir um curso de graduação e de mestrado sobre “Tecnologia da informação e ciência da web”.

Os cursos concebem a internet como o objeto de estudo de um novo campo acadêmico interdisciplinar. Eles devem capacitar profissionais para pensar e atuar na internet.

A graduação pioneira ensinará desde web colaborativa até o desenvolvimento de páginas. As aulas discutirão ainda questões como segurança, privacidade e tecnologia da informação.

Leia mais: http://cienciahoje.uol.com.br/blogues/bussola/a-internet-como-disciplina-academica/view

As redes sociais tamén poden ser educativas

M. Del Río | Vigo

Facebook ou Twitter son redes sociais moi efectivas e de uso masivo pero “son demasiado grandes e nelas hai moito ruído e moita xente”, dende o punto de vista do profesor José Carlos López Ardao. Por iso, o seu traballo no Laboratorio de Redes do Departamento de Enxeñaría Telemática leva anos orientado a aproveitar as vantaxes destas ferramentas para a docencia na procura dunha rede social educativa. Así nace, para comercializala, en decembro de 2009 a spin-off SocialWire Labs da man de cinco profesores da ETS de Enxeñeiros de Telecomunicación e un antigo alumno. Para Ardao, as novas tecnoloxías e a posibilidade de docencia non presencial que presenta o EEES fai que “o futuro neste campo pase polas redes sociais específicas, circunscritas a un ámbito concreto, neste caso o docente”.

Neste tempo o seu traballo xa comezou a dar os seus froitos e están en contacto con empresas como Tórculo, TVG, Formega, a Asociación Galega de Editores, a Escola de Negocios Caixanova ou a Rede Otri de universidades españolas. A idea é ofrecer a universidades, institutos, escolas ou academias unha rede social educativa á medida das súas necesidades que reúna as posibilidades das redes sociais xeneralistas coa especificidade do seu uso para a docencia. Segundo explica, na actualidade as plataformas como moodle son de uso común en todas as universidades (sobre ela aséntase a plataforma de teledocencia TEMA da Universidade de Vigo), pero son demasiado ríxidas, “teñen moitas carencias no que se refire ás relacións sociais, dificultades para crear grupos e relacionarse entre eles”. Por este motivo a vantaxe desta nova plataforma, que aínda non ten nome, é a de unir redes sociais e plataformas de docencia clásicas, “permite a mestura dos dous modelos”.

Continue lendo: http://duvi.uvigo.es/index.php?option=com_content&task=view&id=3500&Itemid=2

4ª CNCTI e a informação científica, artigo de Hélio Kuramoto

“A discussão de políticas nacionais de ciência, tecnologia e inovação passa pela discussão de políticas nacionais de acesso à informação científica”

Hélio Kuramoto é doutor em Ciências da Informação e da Comunicação e funcionário do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (Ibict). Artigo enviado pelo autor para o “JC e-mail”:

É muito interessante e importante ver iniciativas como a da 4ª Conferência Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (CNCTI), que se propõe a discutir a ciência, a tecnologia e a inovação com vistas a um desenvolvimento sustentável.

O “Diário de Notícias” publicou no dia 8 de julho de 2006, na coluna Opinião (http://dn.sapo.pt/2006/07/08/opiniao/rumo_sociedades_conhecimento.html), um artigo do diretor geral da Unesco, Koïchiro Matsuura, com o título “Rumo às Sociedades do Conhecimento”, comentando o relatório da Unesco de mesmo título. A matéria, é bem verdade, é um tanto quanto antiga, porém o seu teor continua ainda muito atual.

O diretor geral da Unesco começa o seu artigo observando que os desenvolvimentos científicos do século XX praticamente promoveram uma terceira revolução industrial em consequência das novas tecnologias, também denominadas de tecnologias intelectuais. Essa revolução, aliada ao avanço da globalização, lançou os alicerces da economia do conhecimento, colocando o conhecimento no centro da atividade humana, do desenvolvimento e mudança social.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=70343

A relação entre qualidade de artigos, ensino e carreira científica

Para que o país se torne mais competitivo, será necessária uma revisão no ensino e na prática científica no Brasil, de modo a fortalecer uma cultura científica entre os futuros cientistas, dizem especialistas

O Brasil tem se destacado nos últimos anos com o crescimento da sua participação na produção científica mundial, hoje em 2,12%. Há dez anos, ela não passava de 1%. Atualmente, a maior preocupação é em relação à qualidade dessa produção, refletida tanto pelo baixo número de citações de artigos brasileiros quanto pelo maior volume de publicações em periódicos com baixo fator de impacto.

Na última quinta-feira (15/4), médicos, cientistas e editores de periódicos se reuniram no Instituto de Ensino e Pesquisa Albert Einstein, durante o I Colóquio Brasileiro sobre Pesquisa e Publicações Científicas de Alto Impacto, para debater as principais razões que levam o país a ter uma performance científica aquém da desejada.

Embora um dos principais argumentos para a pouca penetração brasileira em periódicos considerados de alta qualidade seja normalmente atribuída às dificuldades na comunicação científica feita em inglês, essa parece ser a questão mais simples a ser solucionada. O problema, no caso brasileiro, é mais complexo.

Continue lendo: http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=70372

O perfil do profissional de planejamento digital

O crescimento da internet no mercado brasileiro vem gerando novos empregos no mercado digital. Se antes as agências eram formadas pelo trio Atendimento, Criação e Tecnologia, hoje possuem profissionais de arquitetura de informação, gerenciamento de projetos, mídia, redatores, especialistas em redes sociais, usabilidade, links patrocinados, otimização de buscadores, além profissionais especializados em determinadas tecnologias como PHP, ASP ou Flash. Enfim, a web trouxe novas profissões ou especializações para o já tão saturado mercado publicitário.

Um dos profissionais que vêm ganhando muito espaço no mercado de agências é o profissional de planejamento digital, ou como eu prefiro chamar, planejamento estratégico digital.

Os profissionais de planejamento, ou planners digitais, usam técnicas de planejamento de comunicação conhecidas nas agências “offline” alinhadas a técnicas específicas de web. Em meu livro Planejamento Estratégico Digital eu explico como surgiu e como se desenvolve essa nova disciplina dentro das agências, importantíssima para fazer o trabalho de pesquisas, análises, entender o perfil do público-alvo, entender o problema de cliente e traduzir tudo isso em estratégias digitais que liguem a marca ao consumidor.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/04/o-perfil-do-profissional-de.html

UNESCO no Brasil elogia aprovação do projeto da Lei Geral de Acesso à Informação pela Câmara dos Deputados

por marihaubert

A Representação da UNESCO no Brasil recebe positivamente a aprovação, pela Câmara dos Depurados, do PL 5.228/2009 que regulamenta o acesso a informações na administração pública, previsto no artigo 5º da Constituição Federal de 1988, e está confiante de que o Senado apreciará o projeto com a mesma urgência.

O projeto de Lei Geral de Acesso à Informação, aprovado na terça-feira, 14/04, que recebeu cinco emendas no plenário, agora precisa da aprovação do Senado Federal antes ser sancionado pelo Presidente da República.

Como é de conhecimento público, o Brasil inovou ao incluir dentre os direitos e garantias fundamentais previstos na Constituição de 1988 o direito a informação. Há duas décadas são travados os debates para regulamentar a matéria por meio de uma Lei Geral de Acesso à Informação, instrumento hoje existente em cerca de 80 nações e que foi pioneiramente estabelecido pela Suécia no século XVIII.

Continue lendo: http://www.informacaopublica.org.br/?q=node/1091

Especial IT Web 10 anos: evolução da Web 2.0 decreta fim de algumas profissões

por Tagil Oliveira Ramos

Enquanto morrem funções, outras nascem, numa clara demonstração do estímulo de novas tarefas

Ao longo dos últimos dez anos, várias profissões surgiram para atender às demandas geradas pela internet. A de webdesign é uma delas. Mas, com a evolução tecnológica, a procura por esses profissionais pode até diminuir. A explicação é a seguinte: hoje, na Web 2.0, há centenas de ferramentas amigáveis para construir sites e páginas. Vive-se, então, um paradoxo: cada vez se precisa menos de um webdesigner para se estar presente na internet.

“As novas funções estão exigindo muito mais cérebro e criatividade das pessoas”, explica Edson Carli, consultor em gestão de talentos e blogueiro do IT Web. Segundo ele, não é que o webdesigner vá desaparecer. Ele deverá ser útil em projetos mais elaborados, nos quais usará mais a cabeça do que os braços.

As profissões realmente estão mudando. Carli aponta para uma nova era em que “se pode construir a carreira que se quiser”. Segundo ele, vive-se uma saudável volta aos projetos de garagem. Alguém trabalhando em casa pode ganhar um bom dinheiro desenvolvendo aplicativos para celulares ou ringtones, por exemplo. Esta matéria faz parte de uma série especial de reportagens sobre o futuro da internet, em comemoração aos 10 anos do IT Web.

Muitos falam que a própria profissão de jornalista está ameaçada.

Continue lendo: http://www.itweb.com.br/noticias/index.asp?cod=67091&utm_source=itweb&utm_medium=portal&utm_content=destaquesite

SEER: Qual foi o papel do IBICT?

Conforme afirmei no primeiro post desta série, no início deste século não havia nenhuma solução de software livre que os editores pudessem utilizar para tornar as suas revistas acessíveis via web.

O OJS ou SEER é um pacote de software compatível com o modelo Open Archives. Ou seja, ele já tem embutido em seu código o protocolo OAI-PMH (Open Archives Initiative Protocol for Metadata Harvest). Este modelo de interoperabilidade viabiliza ou possibilita que um conjunto de revistas seja integrado em um portal à semelhança da Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertações. Além disto, o SEER utiliza o padrão de metadados Dublin Core, padrões que proporcionam a criação de uma rede de revistas científica totalmente descentralizada e compatível com diversas iniciativas internacionais e nacionais. À época não existia nenhuma ferramenta com estas características.

Continue lendo: http://kuramoto.blog.br/2010/04/15/seer-qual-foi-o-papel-do-ibict/

Em que momento matamos os pequenos cientistas?

por Breno Alves Guimarães de Souza

Trabalho em uma empresa que produz material didático de ciências para alunos do ensino fundamental. Esse material consiste de livros para cada série e um conjunto de componentes que serão utilizados na parte prática. Mas o importante é que este projeto está sendo implementado em escolas municipais e, com isso, tenho acompanhado algumas unidades escolares para ajudar nesse processo.

Em algumas visitas, observamos aulas ministradas pelos professores. Assim, podemos dar um retorno sobre possíveis intervenções que ajudam no andamento do conteúdo a ser dado. E foi em uma destas visitas que tive uma linda surpresa. A aula era dada para o 3° ano (antiga 2° série do primário) e tinha como tema tipos de solo. Na abertura da aula, os alunos fazem uma lista do que eles acreditam que podem encontrar quando analisarem uma amostra de solo e, em seguida, eles analisam (com o auxílio de uma lupa) uma amostra de terra de jardim. Eles viajam no que podem (ou desejam: escorpião, cobras…) encontrar no solo e, depois, são confrontados com o que realmente encontram.

No decorrer do prática, a professora perguntou: o que um cientista faz? Isto porque ela queria ver se os alunos conseguiriam refletir sobre as atividades que eles próprios realizaram. Eles pensaram sobre um assunto, fizeram hipóteses do que e do por quê poderiam encontrar no solo, analisam uma amostra e, finalizando, confrontavam com o que eles encontraram. Neste momento, uma aluna, no alto dos seus 10 anos de idade, responde a professora:

Continue lendo: http://scienceblogs.com.br/discutindoecologia/2010/04/em_que_momento_matamos_os_pequ.php?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+scienceblogs%2Fbrasil+%28ScienceBlogs.com.br+%3A+Combined+Feed%29&utm_content=Google+Reader

Para fazer arquitetura de informação realmente estratégica

AI é juntar quadradinhos e montar sitemaps? Para a colaboradora Alessandra Nahra, vai muito além: é a tradução da estratégia na interface. Confira.

Quantas vezes você, arquiteto de informação, se pegou pensando que o que precisa ser reformulado é o serviço da empresa, e não apenas o seu site?

Se você percebeu isso, é porque teve uma visão global. Não ficou apenas focado nesse wireframe que está na sua frente agora. Bem-vindo à arquitetura de informação estratégica. Não que isso seja muito especial: é exatamente o que a arquitetura de informação deveria ser.

A AI é definida, na maioria das vezes, como a atividade de organizar e nomear conteúdos, estruturar as informações e as interações nas telas de um ambiente digital. Quando o trabalho de AI é resumido a sitemaps e wireframes, o arquiteto de informação tem uma participação meramente coadjuvante no projeto. Não podemos esquecer que a AI é a representação da estratégia na interface. Por isso não pode ficar restrita apenas à ponta visível do iceberg. Ninguém consegue traduzir a estratégia na interface se não sabe qual é a estratégia e não tem informações suficientes para fundamentar as decisões sobre elementos de página, interações e navegação.

Muitos profissionais que iniciam como arquitetos de informação passam, em determinado momento da vida profissional, a se verem como planejadores de UX – user experience. Quando essa fronteira é transposta, um mundo se abre. Porque nos damos conta que a experiência do usuário – consumidor, cliente, ser humano que utiliza os serviços e/ou produtos da empresa em que atuamos – começa muito antes e termina muito depois de sua passagem pelo site/intranet/portal.

Continue lendo: http://www.intranetportal.com.br/colab1/document.2009-07-21.8859466524

Entenda o que é a web 2.0

O termo web 2.0 é utilizado para descrever a segunda geração da World Wide Web –tendência que reforça o conceito de troca de informações e colaboração dos internautas com sites e serviços virtuais. A idéia é que o ambiente on-line se torne mais dinâmico e que os usuários colaborem para a organização de conteúdo.

Dentro deste contexto se encaixa a enciclopédia Wikipedia, cujas informações são disponibilizadas e editadas pelos próprios internautas.

Também entra nesta definição a oferta de diversos serviços on-line, todos interligados, como oferecido pelo Windows Live. Esta página da Microsoft, ainda em versão de testes, integra ferramenta de busca, de e-mail, comunicador instantâneo e programas de segurança, entre outros.

Muitos consideram toda a divulgação em torno da Web 2.0 um golpe de marketing. Como o universo digital sempre apresentou interatividade, o reforço desta característica seria um movimento natural e, por isso, não daria à tendência o título de “a segunda geração”. Polêmicas à parte, o número de sites e serviços que exploram esta tendência vem crescendo e ganhando cada vez mais adeptos.

Confira um glossário da web 2.0 : http://www.blogmidia8.com/2010/04/entenda-o-que-e-web-20.html

Artigo destaca papel da SciELO

Por Alex Sander Alcântara

Agência FAPESP – Países em desenvolvimento, localizados principalmente na América Latina e Caribe, desenvolveram uma significativa capacidade para publicar artigos científicos em volume cada vez crescente e de maior impacto no cenário internacional.

Essa é uma das principais avaliações de um artigo publicado no Canadian Journal of Higher Education. De acordo com a publicação, o significativo aumento da publicação nos países em desenvolvimento – com destaque para o Brasil – representa de forma efetiva “a primeira e inexorável globalização da comunicação cientifica”.

O artigo atribui uma grande parte do sucesso das publicações à influência internacional da biblioteca científica eletrônica SciELO (Scientific Electronic Library On-line), programa criado em 1997 pela FAPESP em parceria com o Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (Bireme).

De acordo com o autor do trabalho, Abel Packer, diretor da Bireme e um dos idealizadores da SciELO, o texto faz um apanhado histórico e analisa as condições que contribuíram para o êxito do projeto durante seus 12 anos de existência.

“A cooperação entre a FAPESP e a Bireme é uma das condições que permitiram que o projeto tivesse a continuidade e a sustentabilidade institucional e financeira para adquirir dinâmica e status próprios”, disse Packer à Agência FAPESP .

O objetivo principal da SciELO é a publicação on-line de periódicos de qualidade com alta visibilidade não só local como internacionalmente.

Continue lendo: http://www.crb6.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=1229&Itemid=0

Informação: da revolução ao excesso

Você já parou para pensar em como o mundo está mudando, com a disseminação da informação através da internet?  Em tão pouco tempo, mudanças, em diversos campos, estão tornando-se tão perceptíveis quanto irreversíveis. E é a partir dessa disseminação, mediante a adesão de milhares de pessoas, que nossa maneira de nos relacionarmos, de comercializar e trabalhar está sendo alterada significativamente.

Se hoje vivemos em uma era onde ter tempo tornou-se algo raro (um dos motivos é essa mudança), parar um pouco para refletir sobre como somos afetados por essa revolução e como, de alguma forma, tornar-se parte dela, é dar um grande passo como profissionais e seres humanos.

Com a produção de informações em grande escala, construídas a partir da junção entre a necessidade de comunicar e a tecnologia, uma avalanche de materiais feitos por qualquer pessoa, como textos e vídeos, invadem os meios que utilizamos para comunicação. Ao recebemos milhares de informações por dia é fato que, conseqüentemente, ganhamos um grande desafio: selecionar algo que realmente nos complete e que faça diferença em nossa maneira de pensar e interagir, trazendo conhecimento, ou até mesmo diversão.

O que hoje a revolução da informação representa pode ser exemplificado no que você faz agora. Se você está lendo este texto é porque, ao buscar algo relacionado à informação, o encontrou e leu porque você tem interesse por mais conhecimento. Inconscientemente trabalhamos para isso, pois é a partir da informação que nos tornamos pessoas com mais valor, porque produzimos mais por possuir mais conhecimentos.

Continue lendo: http://www.blogmidia8.com/2010/04/informacao-da-revolucao-ao-excesso.html

Web 2.0 nas Empresas

A definição técnica do termo Web 2.0 surgiu do editor Tim O’Reilly em 2004. O termo Web 2.0 é agora mais frequentemente usado para descrever uma nova geração de serviços baseados na Web, onde diversas pessoas interagem, colaboram e compartilham informações.

Simplificando, Web 2.0 substitui a visão de um website como análoga a uma publicação, onde uma fonte confiável fornece informações para serem consumida pelo usuário, por uma que vê sites como ferramentas de interação estruturada entre as pessoas. “Mídia social” é, talvez, a mais significativa expressão.

Blogs, wikis, redes sociais, bookmarking social, sites de notícias de agregação: a lista de ferramentas que compõem a Web 2.0 é imensa. E está em constante evolução e recombinação.

As implicações para o negócio são inúmeras. Por um lado, a Web 2.0 altera a maneira como os clientes interagem uns com os outros e que exige uma mudança na maneira como os negócios irão se comunicar com seus mercados.

Um site da empresa que é simplesmente um catálogo de produtos on-line é uma oportunidade desperdiçada. Mais e mais empresas estão estimulando o debate com seus clientes e parceiros em torno de sua marca, produtos e serviços, e estão colhendo a visão do cliente como um resultado inestimável.

Continue lendo: http://www.gestao20.com.br/blog/Lists/Postagens/Post.aspx?ID=31

Entendendo os riscos na web 2.0

Contrariando a própria tese de que um grupo ou uma multidão não têm inteligência suficiente, McAfee demonstra que mesmo os riscos das novas tecnologias não são suficientes para desistir delas

“O que mais assusta empresas e líderes que ainda não entraram na Enterprise 2.0 são os riscos que as ferramentas podem trazer”, apontou Andrew McAfee durante sua palestra no Fórum HSM de Gestão e Liderança.  Ele próprio contou que sempre acreditou que a inteligência de um grupo ou de uma multidão ficava comprometida, já que as pessoas sofrem influência nem sempre positiva dos demais. Essa crença, inclusive, está sendo revista pelo palestrante.

Ao pedir para que as pessoas lhe contassem casos de desastre no uso de novas tecnologias, ouviu a história de um banco que decidiu introduzir redes sociais sem treinamento prévio. Ele considerou uma loucura, pelo fato de bancos lidarem com informações confidenciais e que os funcionários poderiam divulgar inapropriadamente, mas ouviu do líder suas justificativas. Esse CEO de banco disse que quando foi necessário introduzir o e-mail como ferramenta tecnológica, tudo foi muito complicado.

Ele poderia ter acesso às contas dos funcionários, mas era praticamente impossível impedir correspondências inapropriadas.

Já nas redes sociais tudo é dito publicamente, todos estão rastreando ao mesmo tempo. Se na internet você pode ser anônimo, na intranet você está sempre identificado. Dessa maneira, a comunidade se auto-regula e os líderes acabam ganhando aliados na observação e na denúncia de que algo errado está ocorrendo. O que significa uma clara demonstração de que às vezes o grupo pode ter uma ótima inteligência combinada.

Continue lendo: http://br.hsmglobal.com/notas/57016-entendendo-os-riscos-na-web-20

O passado e o futuro dos direitos autorais

Por Rafael Cabral

No meio de 2004, executivos da companhia japonesa NEC descobriram que  andavam pirateando seus produtos e vendendo na China, e decidiram contratar alguém para investigar. Até aí nada de novo, um caso como tantos outros. A surpresa foi que a investigação da International Risk, especializada em coibir  infrações de direitos autorais, não encontrou apenas alguns camelôs vendendo DVDs virgens falsificados ou pequenos grupos que usavam a marca, mas uma NEC inteiramente pirateada em Pequim. Com sede própria, investimento multinacional, publicidade nas ruas e executivos contratados que, além de ganharem bem, distribuíam o cartão da companhia a torto e direito pela cidade. Empresários piratas que, mesmo operando na ilegalidade, conseguiram gerenciar uma empresa gigante como a original.

O episódio, que abre o livro Piracy – The Intellectual Property Wars From Gutenberg to Gates, do historiador Adrian Johns, demonstra o nível de profissionalização que pirataria atingiu no século 21.  ”A pirataria não engloba apenas o adolescente que baixa música no seu quarto, mas uma indústria global”, diz o pesquisador, que levantou a história das falsificações do século 17 até hoje.

Ao mesmo tempo, Johns acredita que “o argumento da democratização da informação, usado por piratas há séculos, agora se sofisticou”, principalmente por causa da “revolução causada pelas redes p2p”. O acadêmico da Universidade de Chicago acha que, “por causa das ferramentas que temos, esse discurso faz muito sentido”, tanto que liberou seu livro no site de compartilhamento Scribd. Um defensor comedido de uma reforma nas leis de copyright no mundo, Johns conversou com o Link para uma matéria publicada na última segunda-feira (5).

Confira a entrevista: http://ow.ly/1vI5L

Professor cria blog para estudantes acompanharem matéria das aulas e interagirem

O vídeo mostra o trabalho desenvolvido pelo professor Tiago Ortaet, da EE parque Continental Gleba I, da DE Guarulhos Norte, onde os alunos têm acesso às matérias e atividades desenvolvidas na escola através de um blog.

Confira o vídeo: http://blog.acessasp.sp.gov.br/index.php?itemid=3154

Escrita Colaborativa Online: Como Blogs E Wikis Estão Mudando O Processo Acadêmico Das Publicações

A escrita colaborativa online é a receita para mudar o processo de publicação acadêmica? Os blogs e as wikis vão subverter a maneira como os acadêmicos publicam e distribuem seu trabalho?

Os acadêmicos tem trabalhado dentro de um sistema de parceria nos estudos. O processo de pesquisa é visto como incompleto até que um grupo de peritos anônimos comente e aprove um documento elaborado de acordo com critérios específicos. Só então o trabalho será publicado em uma revista acadêmica.

Publicar uma peça de investigação desta forma demonstra a legitimidade do autor dentro de uma comunidade de estudiosos, e estas publicações são a base para o progresso em qualquer área acadêmica.

Esta tem sido a história até agora. Mas e se esse modelo de publicação oligárquico fosse desafiado por um novo paradigma de colaboração que envolve um grupo maior de pessoas para revisar e legitimar um trabalho acadêmico?

A Academia poderia usar ferramentas de colaboração online consolidadas como blogs e wikis para derrubar as paredes auto-erguidas que separam os estudiosos do resto do mundo e permitem que os professores recebam feedback e críticas não apenas por outros chamados “especialistas“.

Neste artigo fascinante, Janelle Ward tenta fazer-nos entender melhor os pontos fortes e fracos do modelo atual de publicação acadêmica, sugerindo uma nova abordagem para ela que aproveita o poder da web.

Confira o artigo: http://www.masternewmedia.org/pt/2010/02/16/escrita_colaborativa_online_como_blogs_e_wikis.htm

Saberes passados não constrói o futuro

Aldo Barreto

Tenho visto através da web a abertura de concurso do professor na área de ciência da informação para diferentes IES (Instituições de Ensino superior) e duas questões têm me causado algum estranhamento:

O primeiro é na chamada para atuais concursos haver a exigência de uma graduação em biblioteconomia impeditiva em Edital. Entramos 2010 sem decidir se os campos da Ciência da Informação e da Biblioteconomia tem o mesmo conteúdo os são diferenciados para que se estabeleça esta distinção. O que não está certo é enganar incautos alunos de ciência da informação, de outras áreas do conhecimento, que cursando a ciência da informação esperam ter uma chance igualitária no mercado de trabalho.

Parece que uma lei de reserva de mercado intelectual de 47 anos atrás esta mais forte que nunca. A lei nº 4.084, de 30 de junho de 1962 regula a profissão de bibliotecário e preconiza que o exercício profissional, no quadro profissões liberal, é privativo dos bacharéis em biblioteconomia, de conformidade com a lei em vigor.

Assim, o exercício da profissão de bibliotecário, em qualquer de seus ramos, só será permitido: aos bacharéis em biblioteconomia, portadores de diplomas expedidos por Escolas de Biblioteconomia. Para o provimento e o exercício de cargos técnicos das funções de bibliotecários, documentalistas e técnicos de documentação, na administração pública federal, estadual ou municipal, autárquica, paraestatal, nas empresas de economia mista ou nas concessionárias de serviços públicos, é obrigatória a apresentação de diploma de bacharel em biblioteconomia.

Continue lendo: http://aldobarreto.wordpress.com/2010/04/01/saberes-passados-nao-constroi-o-futuro/

Twitter corporativo: entre a teoria e a prática

As 7 dicas para um twitter corporativo publicadas no O Cappuccino são muito boas e devem ser consideradas em qualquer projeto de twittter nas empresas, mas carece de aspecto prático. E é exatamente este dilema que as empresas enfrentam para entrar de verdade no mundo do twitter.

A grande maioria das empresas usa o twitter apenas como um megafone para o mercado. Ou seja, como um canal de comunicação de mão única: a empresa falando para o mercado. Perde-se, portanto, o maior potencial que o twitter oferece que é o diálogo. Mas, na minha avaliação, muitas empresas não exploram o potencial de relacionamento oferecido pelo twitter porque simplesmente não sabem como fazê-lo. As empresas vivem um conflito entre a teoria e a prática.

Duas das sete dicas se encaixam perfeitamente neste conflito: a dica “3-Faça conversação” e a dica “5-Siga quem te segue“. A pergunta é: quem vai fazer essa tal conversação? Qual é o objetivo de seguir quem te segue? Criar uma expectativa, e não atender, certamente será pior do que ficar quieto.

Continue lendo: http://aquintaonda.blogspot.com/2010/03/twitter-corporativo-entre-teoria-e.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+AQuintaOnda+%28A+Quinta+Onda%29&utm_content=Twitter

Wikipedia se prepara para mudar o visual da enciclopédia na web

Em abril o site da Wikipedia estará de cara nova, na primeira grande mudança de interface da enciclopédia livre desde 2001, de acordo com informações da Fundação Wikimedia.

“Todos os usuários verão que o layout do site mudou sensivelmente. Nós simplificamos a navegação do site”

“Estamos mudando a nossa aparência padrão para um novo tema que chamamos de ‘Vector’, que faz com que as funções essenciais sejam encontradas mais facilmente”, informou a Fundação Wikimedia em seu blog na noite de quinta-feira (25).

“Todos os usuários verão que o layout do site mudou sensivelmente. Nós simplificamos a navegação do site, mudamos a caixa de pesquisa para satisfazer as expectativas do usuário e seguir outros padrões web, reduzimos a desordem e nos certificamos de que as novas características funcionam em diferentes resoluções, browsers e tamanhos de janela”, afirmou o post.

Continue lendo: http://g1.globo.com/Noticias/Tecnologia/0,,MUL1546576-6174,00.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Lições de teatro aplicadas ao desenvolvimento de sites

Fabricio Teixeira

Li ontem um artigo cujo título me chamou a atenção: 5 Lessons From Theatre You Can Apply to Web Site Design. Isso porque nas horas vagas participo de um grupo de teatro amador aqui em São Paulo, e porque já há algum tempo havia traçado esses mesmos paralelos que a autora – mas nunca me empenhado em documentá-los. Adaptei abaixo essas 5 lições e incluí mais algumas.

É um trabalho coletivo.
Para colocar o espetáculo (ou um site) de pé, é preciso de um time inteiro. Claro que existem todos os atores, mas existem também os músicos, iluminadores, bilheteiros, diretor etc. No palco você aprende a dar valor a cada uma dessas funções com o mesmo peso. A quantidade é importante. Grandes projetos raramente ficam prontos quando dependem de uma pessoa só. E mais: todo o charme está justamente em ser um trabalho coletivo. Um grande time gosta de ser um grande time.

É preciso distribuir bem os papéis.
Cada pessoa ali tem sua habilidade. Uns são afinados cantores, outros são talentosos atores, outros dançam esplendidamente. Essa pluralidade é essencial. Saber explorar o melhor de cada um, mais ainda. Não adianta o grupo possuir dez excelentes cantores, se durante o espetáculos eles apenas dançam. Não adianta um projeto contar com os melhores designers do mundo, se eles são obrigados a gastar tempo programando ou redigindo textos.

Continue lendo: http://arquiteturadeinformacao.com/2010/03/25/licoes-de-teatro-aplicadas-ao-desenvolvimento-de-sites/

Comunicação Digital: Tendências de um mercado emergente

As mídias digitais, acompanhando o crescente número de usuários na internet, avançam nos processos de comunicação entre marcas e público e passam a fazer parte do planejamento de mídia das empresas como um todo.

66,6 milhões de internautas brasileiros presentes na web em 2009. Esse foi o número apresentado pelo Ibope Net Ratings e que abre espaço para um vertiginoso crescimento da comunicação digital no país. A Internet é a campeã  em crescimento com publicidade, segundo o mais recente levantamento da Intermeios. O setor de publicidade, de maneira geral, faturou 22 bilhões em 2009, incluindo os investimentos em todos os formatos de mídia: jornal, revista, TV Por Assinatura, TV Aberta, Cinema, Rádio, Mídia Exterior, Guias e Listas e Internet.

Os valores gastos com publicidade online possibilitaram que a web ficasse com a maior fatia de crescimento, com 25% de evolução, em relação a 2008, somando R$ 950 milhões de faturamento, contra R$ 750 milhões em 2008. Hoje a publicidade online já representa 4,27% do setor de maneira geral.

Os dados comprovam os rumos da comunicação online no país e projetam exponencial evolução do setor no Brasil. Novos meios de comunicação se ampliam diariamente e, consequentemente, novas oportunidades de negócios surgem minuto a minuto. Do e-commerce às interações nas redes sociais, a comunicação digital está cada dia mais presente no business plan das empresas que querem conversar com seu público, de maneira dirigida e personalizada e são consideradas ferramentas que fomentam negócios.

Como um mercado que se consolida constantemente, a comunicação digital vem conquistando seu espaço por meio das novas agências especializadas em ações de publicidade online, assim como profissionais qualificados nas peculiaridades exigidas pelo setor. Em 2009, outros fatores apontaram o amadurecimento do segmento digital, como a chegada da fundação da Associação Brasileira de Agências Digitais (ABRADi) – que tem como objetivo dar respaldo às associações já existentes em diversas regiões do país e às agências digitais –; e a oficialização do código de autorregulamentação do email marketing, que chegou para incentivar a ética nas campanhas publicitárias e de relacionamento com abordagem via email.

Continue lendo: http://ptbr.virtualtarget.com.br/materias.php/3/47/comunicacao-digital-tendencias-de-um-mercado-emergente/?utm_source=Virtual+Target&utm_medium=email&utm_content=&utm_campaign=News+Mar%E7o+2010&utm_term=fabio@tvtambau.com.br

Redes sociais obrigam a novos códigos de conduta nas empresas?

Os especialistas defendem que sim, porque «não podemos ser ingénuos e pensar que aquilo que publicamos numa rede social não tem consequências»

É necessário e aconselhável a elaboração de um código de conduta por parte das empresas, em colaboração com os seus trabalhadores, como solução para evitar conflitos laborais com base em comentários depreciativos colocados nas redes sociais online.

O aparecimento crescente de «questões laborais sensíveis relacionadas com o uso das redes sociais» com a massificação de redes sociais como o Facebook ou o Twitter, é preocupante, diz Milena Melo, a directora da empresa WeFind, à Lusa.

«Se as pessoas não pensarem na forma como usam as redes sociais podem surgir problemas graves» e aponta o caso concreto dos pilotos da TAP que foram sujeitos a um curso de ética imposto pela empresa depois de terem feito comentários depreciativos no Facebook.

Nesse sentido, a directora da WeFind, defende a criação de códigos de conduta nas empresas «em parceria» com os trabalhadores, sublinhando que o envolvimento dos funcionários na sua elaboração é fundamental para um resultado «positivo» para ambas as partes.

Continue lendo: http://www.tvi24.iol.pt/tecnologia/redes-sociais-empresas-conflitos-codigo-conduta-tvi24/1149830-4069.html

A Importância das Técnicas de SEO para seu Site ou Blog

O posicionamento de seu site na resposta a uma consulta a um mecanismo de busca como o Google, Yahoo!, Bing etc. é fundamental para que o esforço de marketing de seu negócio seja bem sucedido.

É nesse contexto que as técnicas de SEO, Search Engine Optimization em inglês, são aplicadas como uma das melhores estratégias para garantir que seus clientes, parceiros, leitores – o seu público alvo – encontre o que você quer mostrar no seu site da maneira mais fácil e mais rapidamente possível.

O que o SEO ou Otimização para Mecanismos de Busca, visa, então, é maximizar a visibilidade de seu site para os Mecanismos de Busca, também chamados de Motores de Busca ou Search Engine, em inglês, para que seu Site ou Blog apareça em primeiro lugar nas respostas dos Mecanismos de Busca ou pelo menos, na primeira página da resposta. Para que o objetivo seja atingido alguns pontos principais no seu site deverão ser analisados em profundidade:

  • A Estrutura da codificação em HTML;
  • O Tempo de Resposta do Servidor;
  • O Tempo de Abertura das Páginas do Site;
  • A Facilidade de Navegação nas Páginas, sua Usabilidade;
  • A Otimização Interna das Páginas;
  • E, principalmente, o que chamamos de Link Building.

Continue lendo: http://www.oficinadanet.com.br/artigo/otimizacao__seo/a_importancia_das_tecnicas_de_seo_para_seu_site_ou_blog

Da web 2.0 para governo 2.0 pelas mídias sociais

Movimento recente do governo brasileiro demonstra maior integração e transparência entre atos oficiais e participação cidadã no debate das políticas públicas. Seria possível quebrar estruturas arcaicas do poder?

Por Jacqueline Viana

De acordo com Aristóteles, conceitualmente, a política seria a virtude coletiva que trabalha pela prosperidade de todos os que se agregam na polis sob os fundamentos da justiça e da liberdade. Sendo assim, um governo pode ser considerado como organização de extrema importância na rede social de um país.

No Brasil, estamos presenciando um movimento estratégico recente no uso da tecnologia pelo Estado. É a governança participativa para reforçar a capacidade de ação da população e promover o relacionamento entre a sociedade e os seus governantes. Em essência, hoje podemos atribuir o conceito de governo 2.0 no Brasil. Tomamos por base a incorporação das novas tecnologias para a melhoria dos processos internos de administração pública, através de uma gestão democrática que prevê a participação de uma rede de pessoas que estão interessadas em acompanhar e intervir nos processos de políticas públicas.

Essa liberdade de comunicação interativa se combinada à facilidade de uso das plataformas de mídias sociais. É um caminho onde não é mais possível moldar a opinião das pessoas com a publicação de simples press releases em portais institucionais. Bom exemplo deste conflito foi quando o governo federal lançou o Blog do Planalto, um canal de informação oficial das ações do governo, contudo sem a possibilidade da população interagir com os posts publicados, o que, por definição, vai completamente contra os conceitos de transparência e participação do governo 2.0.

Leia mais: http://agenciawebadvisor.wordpress.com/brasil-conectado/da-web-2-0-para-governo-2-0-pelas-midias-sociais/

Tecnologia e o presente da pesquisa acadêmica

22/03/2010 por bibliofflch

Se a ideia que você tinha de fazer pesquisa acadêmica era ficar por horas a fio numa biblioteca, cercado de pilhas de livros e outros documentos em papel, atualize-se: cada vez mais a tecnologia tem influenciado a atividade de pesquisa, contribuindo até mesmo para mudar a rotina de alguns pesquisadores.

Da criação de suportes de informação como leitores de e-books até a proliferação de repositórios de documentos e periódicos eletrônicos, os avanços tecnológicos vem contribuindo muito para facilitar (ou complicar, dependendo do ponto de vista) a busca por informação. Para os que já se acostumaram a usar bases de dados para pesquisa de artigos, por exemplo, já existe uma novidade interessante: a possibilidade de baixar artigos inteiros no celular! No caso, a editora IBIMA Publishing, especializada em publicações acadêmicas e que é de acesso aberto (ou seja, gratuito), criou a possibilidade de baixar documentos em formato iPhone, especificamente para serem lidos no aparelho da Apple.

Tudo indica que em breve outras editoras trarão opções semelhantes, incluindo outros modelos de celular. Assim, talvez daqui a algum tempo você receba uma mensagem de texto dizendo que há uma nova publicação sobre o seu tema de pesquisa, e você poderá decidir dar uma olhadinha no conteúdo enquanto almoça no restaurante ou espera na fila do banco… imaginando que isto seja possível, ficará mais fácil divulgar um artigo interessante para a sua rede de contatos, reforçando uma noção de “Web 2.0 acadêmica”.

Leia mais: http://bibliofflch.wordpress.com/2010/03/22/tecnologia-e-o-presente-da-pesquisa-academica/

Estaria a tecnologia diminuindo a capacidade mental do ser humano?

Publicado 18/03/10

Por Thiago Mobilon

Ontem estive em uma palestra de Salim Ismail, ex-VP de Inovação do Yahoo! e atual diretor executivo da Singularity University, uma instituição de ensino americana de inovação que fica dentro da NASA e que é patrocinada pelo deus Google.

Salim é uma daquelas pessoas que acreditam que a tecnologia serve para o bem e ponto. Ele defente a inovação tecnológica como um benefício para o ser humano, às vezes até de forma meio arrogante, ignorando os efeitos que determinada tecnologia pode ter na sociedade.

Um dos dados apresentados por Salim durante a palestra é o seguinte: em 20 anos, o poder computacional será equivalente ao de um cérebro humano.

Assustador, né? E seguindo a lei de Moore, este poder continuará dobrando a cada 18 meses.

O Juarez já havia comentado aqui no TB que o iPhone é considerado por muitos uma extensão do nosso corpo. Nossa memória se tornou dependente desses gadgets e da internet, e quem já utilizou um iPhone-like no dia-a-dia não consegue abrir mão destas facilidades.

Somos de fato dependentes de nossos gadgets e computadores e isso significa que a cada dia que passa nós nos esforçamos menos e menos para memorizar as informações que recebemos.

É só pensar: quantos números de telefone você sabia de cabeça há 10 anos? Quantos sabe hoje?

Para ser sincero, durante a palestra eu mal consegui guardar os dados que Salim apresentava por mais de cinco minutos. Tive que recorrer ao iPhone.

Diferente dos computadores, o cérebro humano baseia-se na prática para se aprimorar. Seguindo esta lógica, então, podemos dizer que a tecnologia estaria deixando o ser humano menos inteligente?

Qual seria o impacto disso em uma pessoa que nascesse e crescesse nesse ambiente tecnologicamente dependente?

Leia mais: http://tecnoblog.net/post/estaria-a-tecnologia-diminuindo-a-capacidade-mental-do-ser-humano.htm?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+tecnoblog+%28Tecnoblog+-+Di%C3%A1rio+tecnol%C3%B3gico%29&utm_content=Twitter

Inteligência colectiva: A sabedoria que vem da Net

Carlos Abreu (www.expresso.pt)

No futuro todos os portugueses vão poder participar activamente em decisões tão importantes como o investimento no comboio de alta velocidade (TGV), na contrução de um novo aeroporto ou de novas auto-estradas, e a sua intervenção enquanto grupo contribuirá de forma decisiva para que sejam encontradas as soluções mais inteligentes.

Esta é uma das principais conclusões da segunda conferência de António Câmara, “Visões sobre o futuro”, que esta quarta-feira, 11, na Culturgest, em Lisboa, teve por tema a inteligência colectiva.

Trata-se de um fenómeno há muito conhecido, mas que nos últimos dez anos tem vindo a ganhar uma importância crescente perante a emergência de um novo paradigma aplicacional, a que se convencionou chamar Web 2.0, através do qual os internautas são chamados a participar de uma forma activa na produção de informação.

Leia mais: http://aeiou.expresso.pt/inteligencia-colectiva-a-sabedoria-que-vem-da-net=f571533

Brasil pode ampliar lista de produtos americanos em represália

As medidas que o governo pode adotar contra os Estados Unidos desta vez são na área de propriedade intelectual.

A guerra comercial entre Brasil e Estados Unidos ganhou mais um capítulo. O governo brasileiro divulgou mais uma lista de produtos que podem sofrer represália.

A reação do governo americano foi na linha diplomática, mas com uma ameaça meio velada. Segundo a porta-voz do representante de comércio americano da Casa Branca, se as medidas forem adotadas, podem prejudicar as relações comerciais entre Brasil e Estados Unidos.

As medidas que o governo pode adotar contra os Estados Unidos desta vez são na área de propriedade intelectual. O Brasil pode parar de pagar direito autoral de filmes americanos, livros, músicas, programas de computador. Também pode quebrar a patente de remédios americanos ou comprá-los em outros países. De acordo com o governo, isso pode diminuir os preços.

Leia mais: http://g1.globo.com/bomdiabrasil/0,,MUL1531074-16020,00-BRASIL+PODE+AMPLIAR+LISTA+DE+PRODUTOS+AMERICANOS+EM+REPRESALIA.html

O blog individual é sempre um texto coletivo

Por Alex Primo

Quem são os autores de um blog individual? Antes de responder a frase anterior é preciso observar uma potencial contradição na formulação da frase: se o blog é individual, por que usar sujeito e verbo no plural? É justamente esse recurso retórico que nos faz pensar sobre o impacto dos comentários na constituição de um blog como um texto.

Assim que se abre o espaço para comentários, o blog passa a receber contribuições de terceiros (conhecidos ou não do blogueiro). Tais falas normalmente reagem ao que diz o post. Nestes casos, procuram estabelecer uma conversação com o “dono” do blog. Este, por sua vez, tem o poder de moderar, editar e/ou apagar os comentários recebidos. Ou seja, o blogueiro está hierarquicamente um nível acima de todos que submetem suas respostas. De toda forma, todas as expressões dos leitores que são publicadas transformam estes últimos em co-autores do texto que é o blog. Por vezes, os comentaristas estabelecem interações conversacionais entre si e eventualmente fogem do assunto proposto pelo post. Essas rupturas ou subversões temáticas não deixam de fazer parte do texto global. Já podemos então problematizar o próprio termo “dono do blog”, tão comum na blogosfera, e até mesmo questionar os limites de seu controle.

Leia mais: http://www.interney.net/blogs/alexprimo/2010/03/18/o_blog_individual_e_sempre_um_texto_cole/

Qual o futuro das revistas impressas?

Acerca das revistas se transformarem em aplicativos, como muitos estão dizendo, sou um tanto quanto cético. O CD-ROM, se pegarmos tal linha de pensamento, já demonstrou e realizou muitas dessas “novas” fantasias que os futurólogos estão projetando para as revistas, com muito menos recurso e alarde.

As publicações, com toda certeza, seguirão o caminho dos leitores portáteis, como o iPad, se transformando em e-revistas, uma espécie de revista eletrônica visível em qualquer aparelho desse tipo.

Entretanto, para muitos especialistas tais impressos devem sofrer uma mutação – provavelmente marqueteira – e projetarem-se como aplicativos para leitores portáteis. Se assistirmos a “banca de jornais do futuro”, que já foi publicado aqui neste blog, nós teremos uma visão totalmente diferente da linha que segue o vídeo abaixo, onde claramente observamos que os produtos impressos do futuro seriam um aplicativo semelhante ao CD-ROM dos primórdios da informática, e nada mais além disso.

Leia mais: http://www.blogmidia8.com/2010/03/qual-o-futuro-das-revistas-impressas.html

E se a internet “pifar”?
A tecnologia comanda praticamente tudo que fazemos, e essa influência não se resume às coisas do trabalho. De bancos a hospitais, somos quase totalmente dependentes de tecnologia. Cada vez mais sistemas funcionam de forma interconectada, e muitos deles são vulneráveis. Provas disso surgem quase todo dia.

Mas e se, no lugar dos ataques de negação de serviço que derrubam alguns sites de vez em quando, a internet inteira parasse de funcionar de repente? E se o Google não pudesse mais ser acessado? E se, em vez de um desses vazamentos de dados, nossos bancos fossem atacados por uma arma que dizimasse todas as transações financeiras? E se hackers infiltrassem seus códigos maliciosos nos sistemas que controlam a rede nacional de eletricidade?

E se Deus, demonstrando estar cheio da humanidade, enviasse à Terra uma gigantesca tempestade solar?

Quem pensa que tais coisas não podem acontecer precisa rever sua posição. Saiba que algumas delas até já ocorreram, só que em escala menor. Mas não deixa de ser interessante, mesmo que por brincadeira, exagerar um pouco e imaginar o que poderia acontecer casos esse “dia do juízo final” tecnológico acontecesse de verdade.

A InfoWorld/EUA publicou uma matéria com 5 cenários “apocalípticos” possíveis. Leia tradução no IDG Now!.

Leia mais: http://forum.tecnologia.uol.com.br/Como-seria-se-a-internet-pifasse_t_731214

Qual o perfil do usuário de redes sociais?

Um estudo divulgado pela empresa Anderson Analytics analisou a demografia e psicografia de usuários de redes sociais no Facebook, MySpace, Twitter e LinkedIn, com o objetivo de fornecer aos marketers informações sobre interesses de usuários e os hábitos de compra relacionados à sua rede de escolha. O resultado final é uma visão detalhada sobre os perfis e hábitos de usuários das redes sociais na web atualmente.

Algumas das conclusões do estudo refletem coisas que já sabíamos. Por exemplo, os usuários do Facebook tendem a ser mais velhos, caucasianos e ricos, já os usuários do MySpace são jovens. Outra informação é nova: usuários do Twitter são mais propensos a ter um emprego de meio expediente, usuários do LinkedIn gostam de exercitar e possuírem mais gadgets.

O estudo da Anderson teve uma amostra de mais de 11 mil membros do painel GreenfieldOnline (uma comunidade de pesquisa online) durante um período de 11 meses, para entender o alcance dos serviços das redes sociais entre a população online dos EUA. Depois, a empresa entrevistou mais cinco mil membros, sendo que 1.250 participaram de uma pesquisa mais detalhada. A empresa, então, dividiu os participantes em duas categorias: usuários e não-usuários de redes sociais. Para ser considerado um usuário de redes sociais o participante tinha que ter usado algum dos sites em questão nos últimos 30 dias.

Leia mais: http://linkninja.com.br/link/131727/Qual-o-perfil-do-usu%C3%A1rio-de-redes-sociais

Sebos online fazem campanha em universidades

17/03/2010 – Na semana de 22 a 26 de março, a Estante Virtual (EV) vai a 70 universidades, de 50 cidades de todo o país, para lançar um desafio – quem encontrar um livro que não esteja no portal da Estante Virtual concorre a um prêmio em livros. Cada pessoa que quiser participar terá um minuto, marcado com uma ampulheta, para fazer a façanha de digitar o nome de um livro que não esteja no acervo de 6 milhões de livros da EV, no site www.estantevirtual.com.br/blogdaestante.

Essa foi a maneira criativa e divertida que a Estante Virtual – portal que reúne obras de 1.600 sebos — encontrou para mostrar que sebo não é mais um lugar empoeirado com livros antigos, mas sim uma alternativa de leitura rica e diversificada, que pode ser acessada com um click. “Hoje os sebos têm de tudo: livros seminovos e até mesmo novos, comprados das pontas de estoque das editoras”, explica André Garcia, criador do portal.

Nos estandes montados nas universidades, durante a campanha, os visitantes poderão experimentar o sistema de busca do portal, conhecer a dimensão do acervo da Estante Virtual e participar do desafio. Em mais de 20 cidades onde não há sebos próximos às universidades, quem apresentará o portal serão leitores que se prontificaram a ajudar na disseminação da campanha.

Quem conseguir encontrar, em um minuto, um título que não esteja no site, preencherá um cupom eletrônico para concorrer a R$100,00 em livros por estande. O tempo será medido por uma ampulheta e cada participante poderá concorrer apenas uma vez. Para que a busca seja válida, o livro procurado precisa ter sido publicado há pelo menos dois meses. O nome dos ganhadores será divulgado no site da Estante Virtual no dia 31 de março.

Continue lendo: http://www.arede.inf.br/inclusao/component/content/article/106-acontece/2728-sebos

Blog, ferramenta da pré-ciência

Carlos Nepomuceno

Se existe algo que vai demorar, mas vai mudar é o fazer científico.

Antes da Internet, para se publicar era preciso garantir um espaço em uma publicação (de papel) acadêmica.

O artigo era analisado pelos pares.

Aprovado,  diagramado, impresso, distribuído, lido e, quando interessante, citado em uma outra revista, que passava pelo mesmo processo.

Comentários de estranhos?

Nem pensar!

Um modelo colaborativo – de fato – mais lento e limitado.

O tempo da Ciência era um, mas está incompatível com o ritmo de um mundo turbinado por 7 bilhões de almas demandantes de soluções criativas.

Assim:

  • Antes, se editava para publicar;
  • Hoje se publica para editar;
  • E quem edita é o mesmo que lê.

Dirão os tradicionalistas?

“Com que autoridade?”.

Dos mesmos filtros humanos, que podem recomendar os mesmos artigos, porém, não mais ocultos ou rejeitados, mas todos em uma revista on-line colaborativa, a critério dos editores.

Continue lendo: http://nepo.com.br/2010/03/17/blog-uma-ferramenta-da-pre-ciencia/

Estudo analisa relação do público com o jornalismo
Instituto Pew revela importância das redes sociais para disseminar informações

RIO DE JANEIRO (Da Redação), 15 de março – A última pesquisa do Pew Internet Center, denominada “Entendendo o consumidor de notícias participativas”, mostrou como os americanos estão utilizando cada vez mais as redes sociais e o networking nesses espaços para filtrar e acessar conteúdo e para demonstrar reação às notícias.

Segundo a pesquisa, a grande maioria dos americanos — nada menos que 92% deles — utilizam múltiplas plataformas como fontes de notícias diárias. A Internet é a terceira plataforma mais popular, depois das televisões local e nacional e à frente dos jornais impressos nacionais e do rádio. Ainda de acordo com o estudo, 59% dos americanos utilizam uma combinação de fontes online e offline para se informar, diariamente.

Leia mais: http://www.jornalistasdaweb.com.br/index.php?pag=displayConteudo&idConteudo=4352&idConteudoTipo=1

Podemos fazer mais com a internet

Pedro de Castro

Ao contrário do que dizem textos que circulam na internet, não foi o filósofo tunisiano Pierre Lévy quem cunhou o termo “cibercultura”. Mas, se hoje o conceito não está restrito a cientistas sociais, isso ocorre, em grande parte, porque seu trabalho se tornou uma referência obrigatória sobre a influência das tecnologias de comunicação na sociedade. Cibercultura não é uma subcultura de blogueiros e twitteiros, mas a forma que a nossa própria cultura está tomando com a quase permanente conexão das pessoas com os sistemas de comunicação digital.

Lévy, professor de Comunica­ção na Universidade de Ottawa, é o autor de Inteligência Coletiva, em que analisa a capacidade desses sistemas de potencializar o conhecimento humano. Seu último livro, Ciberdemocracia, rendeu-lhe um convite para traçar um plano de transparência para a União Europeia. Ele esteve em Curitiba na semana passada, quando conversou com a Gazeta do Povo.

Confira a entrevista: http://www.gazetadopovo.com.br/vidaecidadania/conteudo.phtml?id=982777&ch

‘Eletrônicos duram 10 anos; livros, 5 séculos’, diz Umberto Eco

Ensaísta e escritor italiano fala em entrevista exclusiva de seu novo trabalho, ‘Não Contem com o Fim do Livro’

O bom humor parece ser a principal característica do semiólogo, ensaísta e escritor italiano Umberto Eco. Se não, é a mais evidente. Ao pasmado visitante, boquiaberto diante de sua coleção de 30 mil volumes guardados em seu escritório/residência em Milão, ele tem duas respostas prontas quando é indagado se leu toda aquela vastidão de papel. “Não. Esses livros são apenas os que devo ler na semana que vem. Os que já li estão na universidade” – é a sua preferida. “Não li nenhum”, começa a segunda. “Se não, por que os guardaria?”

Na verdade, a coleção é maior, beira os 50 mil volumes, pois os demais estão em outra casa, no interior da Itália. E é justamente tal paixão pela obra em papel que convenceu Eco a aceitar o convite de um colega francês, Jean-Phillippe de Tonac, para, ao lado de outro incorrigível bibliófilo, o escritor e roteirista Jean-Claude Carrière, discutir a perenidade do livro tradicional. Foram esses encontros (“muito informais, à beira da piscina e regados com bons uísques”, informa Umberto Eco) que resultaram em Não Contem Com o Fim do Livro, que a editora Record lança na segunda quinzena de abril.

A conclusão é óbvia: tal qual a roda, o livro é uma invenção consolidada, a ponto de as revoluções tecnológicas, anunciadas ou temidas, não terem como detê-lo. Qualquer dúvida é sanada ao se visitar o recanto milanês de Eco, como fez o Estado na última quarta-feira. Localizado diante do Castelo Sforzesco, o apartamento – naquele dia soprado por temperaturas baixíssimas, a neve pesada insistindo em embranquecer a formidável paisagem que se avista de sua sacada – encontra-se em um andar onde antes fora um pequeno hotel. “Se eram pouco funcionais para os hóspedes, os longos corredores são ótimos para mim pois estendo aí minhas estantes”, comenta o escritor, com indisfarçável prazer, ao apontar uma linha reta de prateleiras repletas que não parecem ter fim. Os antigos quartos? Transformaram-se em escritórios, dormitórios, sala de jantar, etc. O mais desejado, no entanto, é fechado a chave, climatizado e com uma janela que veda a luz solar: lá estão as raridades, obras produzidas há séculos, verdadeiros tesouros. Isso mesmo: tesouros de papel.

Continue lendo e confira a entrevista: http://www.estadao.com.br/noticias/arteelazer,eletronicos-duram-10-anos-livros–5-seculos–diz-umberto-eco,523700,0.htm

Lei de direitos autorais brasileira é uma das mais restritivas do mundo, diz pesquisadora

Qui, 11 de Março de 2010 18:40

O Ministério da Cultura (Minc) está prestes a submeter à consulta pública um anteprojeto para a reforma da Lei de Direitos Autorais, antes de encaminhar o texto para votação no Congresso. Depois de seguidos atrasos no processo (leia mais aqui) a previsão é que a consulta se inicie em meados abril, de acordo com Rafael Pereira Oliveira, Coordenador-Geral de Difusão de Direitos Autorais e Acesso à Cultura do MinC.

Sobre a necessidade de reformar o texto da lei para compatibilizá-lo com o direito à educação, o Observatório da Educação entrevistou a advogada Carolina Rossini, professora de propriedade intelectual.

Carolina é Fellow no Berkman Center for Internet and Society na Universidade de Harvard e coordenadora do projeto Recursos Educacionais no Brasil: Desafios e Perspectivas. Ela é autora do relatório The State and Challenges of Open Educational Resources in Brazil From Readers to Writers, acessível aqui (em breve será disponibilizada uma versão em Português) e pode ser contatada pelo e-mail // crossini@cyber.harvard.law.edu

Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

Confira a entrevista: http://www.observatoriodaeducacao.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=872:lei-de-direitos-autorais-brasileira-e-uma-das-mais-restritivas-do-mundo-diz-pesquisadora&catid=56:entrevistas&Itemid=2

Mitos da empresa 2.0

O fenômeno da colaboração pela internet mudou radicalmente as fronteiras do mundo corporativo, a competição nos negócios e a responsabilidade das lideranças. Mas nem todas as empresas enxergam isso claramente, porque ainda existem muitos mitos a serem quebrados. A opinião é do estudioso americano Andrew McAfee, 42 anos, criador do conceito Enterprise 2.0, em 2006, e hoje diretor do centro de negócios digitais do Sloan School of Management do MIT. Autor do recém-lançado Enterprise 2.0: New Collaborative Tools for Your Organization’s Toughest Challenges (“Empresa 2.0: novas ferramentas de colaboração para os desafios mais difíceis da sua organização”), McAfee diz que qualquer companhia pode se beneficiar das chamadas tecnologias de ruptura, e o primeiro passo é ingressar no mundo das redes sociais. McAfee estará no Brasil em abril para um fórum de gestão da HSM.

Confira a entrevista: http://www.midiassociais.net/2010/03/mitos-da-empresa-2-0/

Como divulgar em mídias sociais

Por Blog Acesso

Um estudo encomendado ao Instituto GlobeScan pelo programa SuperPotência, da BBC, acaba de ouvir 27 mil pessoas, de 26 países, entre novembro de 2009 e fevereiro de 2010, em busca de um perfil da relação do homem do século 21 com a internet. Divulgada no início dessa semana, a pesquisa veio consolidar o que já era intuído, mas ainda pouco afirmado: a web passou do status de novidade para o de veículo indispensável à vida contemporânea. 87% dos entrevistados chegaram a alçar a rede ao patamar de direito do cidadão, sendo que no Brasil esse porcentual chegou a 91%. Segundo o diretor do instituto de pesquisa, Doug Miller, “as pessoas ao redor do mundo enxergam o acesso à internet como um direito fundamental. E acreditam que a web seja uma força positiva que não deve sofrer regulação governamental”.

Em um nível mais detalhado, a pesquisa também procurou saber as funções que as pessoas atribuíam à rede. E é justamente a este ponto que devemos ficar atentos, porque para os brasileiros, a internet é sinônimo de comunicação, sendo as redes sociais apontadas como diferenciais por 60% dos internautas, contra os 51% da média mundial. Diante desta informação, seria um desperdício não considerar o meio como grande porta para a promoção de eventos e ações. No âmbito cultural, é urgente que produtores, gestores e artistas passem a considerar a rede como ferramenta para potencializar a divulgação de seus trabalhos.

Segundo especialistas na área, o primeiro passo a dar no quesito divulgação na web seria procurar entender os mecanimos  próprios do ambiente. De posse desse conhecimento, o profissional deverá traçar um planejamento que permita atuar pontualmente e com seriedade. Nessa fase, será preciso mapear o público alvo, levantando, inclusive, as redes sociais frequentadas pela faixa. Assim, será possível saber como agir em cada uma das redes para obter o melhor resultado.

Continue lendo: http://www.blogacesso.com.br/?p=2353

A construção da teia

Tese discute por que não cresce a participação da pesquisa brasileira em redes internacionais

Fabrício Marques

Enquanto várias nações conseguiram ampliar sua produção científica feita em colaboração internacional, os artigos de pesquisadores brasileiros escritos em parceria com estrangeiros estacionaram na casa dos 30% e vêm crescendo, em números absolutos, num ritmo menor do que as colaborações internas, aquelas que resultam do trabalho conjunto de cientistas da mesma nacionalidade. Essa evidência é um dos destaques de uma tese de doutorado sobre as redes de colaboração científica do país, defendida no ano passado por Samile Vanz, pesquisadora e professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), sob orientação de Ida Stumpf. Samile analisou 49.046 artigos brasileiros publicados em revistas indexadas na base Web of Science, da empresa Thomson Reuters, entre os anos de 2004 e 2006, e constatou que mais de 95% deles baseavam-se em algum tipo de colaboração. As parcerias dentro do próprio país respondiam por cerca de dois terços dos artigos e registraram estabilidade, com uma ligeira alta: de 69,2% do total em 2004 para 70,1% em 2006. Já o nível de colaborações internacionais apresentou uma pequena oscilação negativa.

A proporção de artigos brasileiros com pelo menos um autor estrangeiro, que era de 30,8% do total em 2004, foi a 30,1% em 2005 e a 30% em 2006. A estabilidade nesse patamar chamou a atenção da pesquisadora, num período em que a produção científica brasileira cresceu a taxas anuais que chegam a 8%, sendo responsável atualmente por 2% da produção mundial e 45% da América Latina, e políticas para ampliar a inserção internacional foram criadas – no início dos anos 2000, a Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (Capes) passou a conceder os conceitos mais elevados (6 e 7) apenas a programas de pós-graduação que mantivessem colaborações internacionais. “O trabalho em colaboração está crescendo no Brasil e é responsável por quase a totalidade da produção científica indexada, mas as parcerias internacionais oscilam sem conseguir avançar”, conclui Samile Vanz.

Leia mais: http://www.revistapesquisa.fapesp.br/?art=4072&bd=1&pg=1&lg=

INFORMAÇÃO PÚBLICA
Lei de acesso, urgente e necessária

Por Arthur Serra Massuda em 12/3/2010

Mais de 30 organizações de todo o país enviaram na quarta-feira (10/3) uma carta ao presidente da Câmara, deputado Michel Temer (PMDB-SP), pedindo urgência na tramitação do PL 219/03, que regulamenta o direito à informação pública no Brasil.

Uma ação da campanha “A informação é um direito seu!”, a carta aponta que a atual redação do projeto se aproxima das melhores práticas legislativas de liberdade de informação no mundo, e ressalta que o direito à informação é a base para uma democracia participativa e um governo transparente. A carta também condena a cultura do sigilo, que abre espaço para a corrupção, o abuso de poder e a má gestão.

O projeto de lei de acesso à informação pública precisa ser colocado na Ordem do Dia do Plenário para ser votado na Câmara dos Deputados e depois seguir para o Senado. Quando a lei de acesso for implementada, o Brasil vai entrar no rol de mais de 80 países que possuem legislação de liberdade de informação, um instrumento que não apenas garante a transparência de governos como também dá condições para a participação dos cidadãos nos assuntos públicos.

A Voz do Cidadão, Ação Educativa, Artigo 19, IDEC, Instituto Ethos, Instituto Pólis, Intervozes e Movimento Voto Consciente estão entre as organizações que assinaram a carta, que permanece aberta à assinatura de outras entidades no blog da campanha.

Confira o restante do texto: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/artigos.asp?cod=580CID013

A indexação de livros: a percepção de catalogadores e usuários de bibliotecas universitárias

ASSUNTO: Ciências Sociais
AUTOR(ES): FUJITA, MARIÂNGELA SPOTTI LOPES (Org.)
ISBN: 9788579830150
PÁGINAS: 154
ANO: 2010

Por que é importante investigar a indexação durante a catalogação? A resposta é que, por meio de tal procedimento, é possível conhecer as realidades de bibliotecários e usuários. A pesquisa apresentada neste livro se destaca por dois motivos: trata-se de um trabalho coletivo, com objetivos, fundamentação teórica e metodológica comuns; adota uma abordagem sociocognitiva que não só evidencia a tarefa de indexação de assuntos na catalogação de livros por catalogadores, como também privilegia e entrelaça as diferentes visões dos usuários do catálogo, discentes, docentes, pesquisadores, bibliotecários de referência e dirigentes de bibliotecas – grupos que fazem parte do contexto sociocognitivo dos catalogadores, pois são usuários dos resultados da tarefa que realizam. Esta é uma obra de referência para os profissionais de biblioteconomia.

Faça o download do livro: http://www.culturaacademica.com.br/titulo_view.asp?ID=56

Portal Brasil peca em acessibilidade e  traz dificuldades para encontrar informações

Após 3 anos de projeto e cerca de R$ 7 milhões investidos, o novo Portal Brasil, do Governo federal, estreou no último dia 03/03. O objetivo do site é facilitar o acesso a mais de 500 serviços públicos –como informações sobre RG e previdência– em um único lugar. Para o presidente Lula, o portal será uma espécie de Google brasileiro, onde a população “vai entrar e vai poder saber de tudo aquilo que a gente faz, de cada centavo que a gente gasta”, como disse em seu programa semanal de rádio, Café com o Presidente.

No entanto, alguns especialistas ouvidos pelo UOL Tecnologia acreditam que ainda falta muito trabalho para que a engenharia do site permita encontrar informações precisas e de forma rápida. As principais críticas em relação ao novo Portal concentram-se na distribuição confusa da informação, prioridade desnecessária para notícias e erros de acessibilidade.

“Se o objetivo do site é reunir serviços, eles é que deveriam estar destacados, não as notícias. A Agência Brasil já tem essa função”, diz Érico Fernandes Fileno, designer de Interação e coordenador de pós graduação em Design Centrado no Usuário, em Curitiba, Paraná. O profissional acredita que se o Portal focasse mais em prestação de serviços, as informações seriam encontradas mais facilmente.

* As informações são do UOL Tecnologia.

5 livros sobre Social Media que você deve ler

Cada dia é maior a quantidade de conteúdo de qualidade que pode ser encontrado na web. Não são apenas posts ou vídeos, mas também livros que pode ser baixado gratuitamente, e realmente vale a pena ler. Então eu fiz uma relação de cinco livros que formam uma parte fundamental de uma extensa literatura sobre meios de comunicação social que atualmente pode encontrar na Internet.

Em cada um desses livros, você encontrar pontos importantes para implementar em seu trabalho diário com os meios sociais.

Confira quais são os livros: http://www.brunodesouza.com/social-media/5-livros-sobre-social-media-que-voce-deve-ler

Vale divulga premiação

A Biblioteca Infanto-Juvenil de Mariana, situada na Estação Ferroviária do Trem da Vale, será agraciada com a Medalha Etelvina Lima, do Conselho Regional de Biblioteconomia, como reconhecimento a sua atuação, no âmbito do estado de Minas Gerais, em prol da leitura e da Biblioteconomia.

O Prêmio é concedido na categoria Pessoa Física ou Jurídica do Setor Privado, e se destina a bibliotecários e instituições que se destacam na área de biblioteconomia.

A Medalha será entregue nesta sexta-feira, dia 12 de março, data em que se comemora o dia do Bibliotecário, em solenidade a ser realizada às 19h30, na Câmara dos Dirigentes Lojistas.

Esse é o segundo prêmio conquistado pela Biblioteca de Mariana pelos trabalhos realizados na comunidade. Em 2008, a Biblioteca foi vencedora do  Concurso Pontos de Leitura – Edição Machado de Assis, promovido pelo Ministério da Cultura, que contemplou ações de democratização do acesso ao livro e incentivo à prática da leitura. Como prêmio, a Biblioteca de Mariana recebeu um kit composto por 600 livros de ficção e obras de referência, e ainda mobiliário e computadores, o que possibilitou a extensão das atividades para Ouro Preto, com a criação de uma nova Biblioteca.

Fonte: http://www.tremdavale.org/pt/destaques-home/trem-da-vale-recebe-premio-

Os Segredos de Sucesso da Vida Acadêmica

Há algum tempo atrás encontrei em algum lugar estes “Secrets of Graduate School Success” e os transcrevi no Twitter (o quinto eu mesmo criei):

1. Do not annoy the professor

2. Be consistently mediocre

3. Avoid anything smacking of originality

4. Do exactly what you are told

5. Learn all the fashionable jargon

Ainda que todos esses princípios possam ser aplicáveis ao meio acadêmico brasileiro, achei que seria interessante aprofundar o tema e adaptar, com riqueza de detalhes, esses “segredos de sucesso” ao nosso cenário tupiniquim.  Seguem abaixo, portanto, as nossas indicações.  Segui-los ao pé da letra pode conduzi-lo ao sucesso no mundo da pós-graduação e da pesquisa – ainda que possivelmente ao preço de uma “consistente mediocridade”.

Confira os 5 segredos para o sucesso na vida acadêmica: http://poshumano.wordpress.com/2010/03/11/os-segredos-de-sucesso-da-vida-academica/#comment-26

A gestão do conhecimento nas empresas

A informação só tem valor quando gera conhecimento, e o conhecimento não aplicado é pior que a desinformação.

Portanto, o domínio de um conhecimento por si só não atribui mérito à pessoa; a sabedoria está no uso que se faz dele. E, nas organizações, o mérito está na capacidade de fazer uma composição coletiva de todo o conhecimento dos indivíduos que a constituem e que são, na realidade, os responsáveis pelo conhecimento organizacional.

E, para isso, não basta apenas conectar cada indivíduo, é necessário que estas conexões sejam bem gerenciadas, de modo que o trabalho coletivo seja mais que uma simples soma de conhecimentos.

Na Era do Conhecimento, em que o mundo atua em rede e a velocidade do acesso à informação é fator de alta competitividade, o grande desafio das organizações é administrar seu conhecimento de forma mais eficiente que os seus competidores.

Transformar informação em conhecimento torna-se, portanto, capacidade essencial da Empresa. Informação é tudo o que sabemos, mas que, no entanto, não modifica a nossa vida. Conhecimento é tudo que sabemos e fazemos. E isso modifica totalmente os resultados em nossa vida.

Continue lendo: http://mkt360.blogspot.com/2010/02/gestao-do-conhecimento-nas-empresas_23.html

30 Ventajas de los Ebooks

Original: 30 Benefits of Ebooks, bajo licencia Creative Commons.
La traducción es un aporte de llorch. © 2008 Michael Pastore

1. El ebook promueve la lectura. Las personas pasan más tiempo en frente de un monitor y menos en frente de los libros impresos.

2. El ebook no afecta el medioambiente. Los ebook salvan árboles. Con los ebook no saturaremos rellenos sanitarios con libros inútiles. Los ebook evitan los costos de transporte y la contaminacion asociada con el envio de libros a lo largo del país y del mundo.

3. Los ebook preservan los libros. (La biblioteca de Alejandría se quemó y la colección se perdió. La esposa de Richard Burton, después de la muerte de éste y en contra de la voluntad del mismo, quemó un libro en el que había trabajado durante diez años. El manuscrito original de La Revolución Francesa de Carlyle estuvo perdido cuando el sirviente de un amigo lo lanzó al fuego.) Los ebooks son imperecederos: no pueden ser quemados; no les salen moho; no se desgastan; no se hacen débiles y amarillentos; no se desencuadernan. Los ebooks garantizan la sobrevivencia de la literatura.

4. Los ebook son más rápidos de producir que los libros impresos; permiten que los lectores lean libros sobre temas y asuntos de actualidad.

5. Los ebook se pueden actualizar con facilidad, corrigiendo errores y añadiendo información.

6. Los ebooks permiten la búsqueda de información. Puedes encontrar rápidamente cualquier informacion dentro del ebook. Los ebooks permiten globalmente la busqueda de informacion entre varios.

7. Los ebooks son portables. Puedes cargar una biblioteca entera en un DVD.

8. Los ebooks de audio le permiten realizar otras actividades mientras escucha.

9. Los ebooks se pueden imprimir: y por lo tante le dan al lector la mayoría o casi todas las ventajas de un libro impreso.

10. Los ebooks desafían el tiempo: pueden entregarse casi de manera instantánea. Los ebooks se transportan más rápido que una entrega de paquetería: en cuestión de segundos o minutos.

11. Los ebooks desafían el espacio: los ebooks en linea pueden ser leídos simultáneamente por miles de personas.

12. Los ebooks son más baratos de producir. Por lo tanto, las editoriales pequeñas pueden competir con las grandes.

13. Los ebooks suelen ser más baratos.

14. El ebook de literatura clásica es gratis. Las magníficas obras del Proyecto Gutemberg y de otras bibliotecas en línea permiten la lectura de clásicos sin costo alguno.

15. Los ebook permiten la inclusión de notas sin dañar la obra original.

Confira as outras 15 vantagens: http://www.universoabierto.com/2969/30-ventajas-de-los-ebooks/

O aprendizado deve ser coletivo

Por Stela Campos,

Trabalhando sozinhas as pessoas alcançam poucos resultados significativos. Muitos professores, entretanto, ainda não aprenderam como ensinar os estudantes por meio de trabalhos colaborativos como as discussões de casos ou os projetos em grupo. Eles preferem dar palestras em suas classes, o que priva os alunos de experiências essenciais para o aprendizado da administração, da liderança e do empreendedorismo do século XXI.

Esta crítica aos mestres é do professor Lee Shulman, um dos dos mais conceituados estudiosos da educação no mundo. Ele é presidente emérito da Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching e professor emérito da Universidade de Stanford (EUA).
Shulman estará no Brasil pela primeira vez esta semana para participar do Congresso Internacional PBL 2010- Aprendizagem Baseada em Problemas e Metodologias Ativas de Aprendizagem, realizado na USP Leste. Também é convidado do Insper para um debate na próxima quarta-feira. A instituição adota uma proposta educacional voltada ao desenvolvimento e mensuração de competências, como resolução de problemas e pensamento crítico que segue alguns princípios defendidos por Shulman. Antes de embarcar para o Brasil, o professor concedeu uma entrevista exclusiva ao Valor.

Confira alguns trechos da entrevista: http://www.administradores.com.br/informe-se/artigos/o-aprendizado-deve-ser-coletivo/38529/

Novo blog sobre gestão do conhecimento

A aplicação de ações de Gestão do Conhecimento nos projetos desenvolvidos é um dos diferenciais estratégicos da EC.

Por essa razão este blog é um dos canais para “tangibilizar” nossa filosofia de compartilhar e criar conhecimentos para crescer.

Acreditamos que os textos e reflexões aqui publicados poderão servir de ponto inicial para construir, desconstruir ou consolidar coletivamente conhecimentos por meio das discussões e participações.

Trataremos de assuntos sobre Gestão do Conhecimento, Memória Corporativa, Fala Institucional, Projetos Culturais, Gestão de Documentação e áreas afins.

Sejam bem vindos!

Equipe Espaço Conhecimento

Conheça o blog: http://espaconhecimento.wordpress.com/

Globo, mídias sociais e transmídia

William Bonner não está apenas – brincando – no Twitter. Suas interações pelo perfil @realwbonner também não são parte do programa Jornal Nacional. Ele está aproveitando esse espaço para “vivenciar” e compreender as minúcias deste novo canal de comunicação.

A própria rede Globo, já faz algum tempo, vem realizando pequenas – experiências – de relacionamento com as redes sociais. Uma novela já incorporou um personagem blogueiro. Alguns programas criaram seus próprios blogs. Blogueiros foram convidados para eventos e reuniões.

Até o convite para a Tessalia Serighelli(@twittess) participar do Big Brother 10 não foi por acaso. Sem dúvida foi uma tentativa de gerar repercussão nas redes sociais e estimular os usuários do Twitter a acompanharem o programa.

A Globo quer se renovar. Quer descobrir uma nova televisão. Uma TV interativa, envolvida com as redes sociais. Na verdade, a febre dos programas de reality show já eram um princípio disso tudo.

Continue lendo: http://www.messa.com.br/eric/ecode/2010/03/globo-midias-sociais-e-transmidia.html?utm_source=feedburner&utm_medium=feed&utm_campaign=Feed%3A+ecode-feed+%28e-code+|+Comunica%C3%A7%C3%A3o+%26+Tecnologia%29&utm_content=Twitter

Redes de relacionamento lideram o uso da Internet para fins pessoais

Pesquisa da GFK aponta que as mídias sociais são a principal razão que leva os brasileiros a utilizarem a web para fins particulares

Quase metade dos brasileiros que usa a Internet para questões particulares acessam redes de relacionamento. A maioria da população espera que todo o conteúdo oferecido na Internet seja gratuito e acredita que a rede mundial de computadores tem uma influência positiva na sociedade. Essas informações compõem o estudo global “Internet Use” e foram medidas pela GFK Brasil, 4ª maior empresa de pesquisa do País, que entrevistou 1.000 brasileiros com mais de 18 anos de 12 capitais ou regiões metropolitanas.

A pesquisa constatou que as redes de relacionamento são a principal razão que leva os brasileiros a utilizarem a web para fins particulares, já que, entre as pessoas que usam a Internet, 47% acessam redes como Orkut, Facebook, Twitter e MySpace. Esse percentual é ainda maior entre as mulheres (53%) e as faixas etárias mais baixas (detalhamento em gráfico ao final do texto).

A troca de e-mails com familiares ou amigos aparece logo atrás (44%) como a segunda colocada dentre os usos; neste quesito também há predominância das mulheres, já que 47% delas têm esse hábito. Empatadas, com 40%, estão o acesso a informações gerais, como sites de busca, enciclopédias colaborativas ou números de telefone, e a leitura de notícias. Porém, enquanto o hábito de acompanhar os acontecimentos é mais percebido entre a classe AB (45,5%) e pessoas entre 35 e 44 anos (48%) e com mais de 55 anos (55%), os acessos a dados gerais é mais comum entre mulheres (45%).

Continue lendo: http://br.hsmglobal.com/notas/56604-redes-relacionamento-lideram-o-uso-da-internet-fins-pessoais

Serviço online promete cuidar da vida digital após a morte

Por Redação do IDG Now!

Com o MyWebWill, internauta poderá programar sua última mensagem aos amigos do mundo virtual, ou simplesmente apagar seus rastros na rede.

Uma startup de origem sueca prepara a oferta de um serviço no mínimo inusitado: a manutenção de vida digital depois da morte.

O nome da empresa é MyWebWill (meu testamento na web) e sua missão será gerenciar os perfis e blogs deixados pelo internauta que se foi, ou simplesmente apagar os vestígios de sua existência na internet.

Com a MyWebWill, as fundadoras Lisa Granberg e Elin Tybring querem atuar como uma última parada na qual o usuário poderá manifestar sua vontade em relação aos perfis e sites que mantêm.

“Uma em cada três mulheres jovens na Suécia tem blog”, avisa o vídeo de apresentação, no site da empresa. “Onde todas aquelas fotos, blogs e contatos sociais vão parar?”

Com a frase “Como você quer viver sua vida online após a morte?”, a empresa convida o internauta a deixar suas senhas armazenadas no serviço, bem como o que fazer com cada perfil ou site que a pessoa mantém na web.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/internet/2010/03/05/servico-online-promete-cuidar-da-vida-digital-apos-a-morte/

“Não subestimem as redes sociais”

Charlene Li, especialista em mídia social e fundadora do Altimeter Group

Muitas companhias já estão usando as mídias sociais para se relacionar com os consumidores. Mas nem todas da forma correta. Mais um motivo para ouvir o que Charlene Li, uma das maiores especialistas nesta inevitável, mas também perigosa, relação com a internet, tem a amedizer. Em 2009, ela foi apontada pela revista norte-americana Fast Company como uma das mulheres mais influentes na área de tecnologia. É coautora do livro Groundswell: Fenômenos sociais nos negócios, um manual repleto de dicas, exemplos e estatísticas para o bom uso das mídias sociais nos negócios. Ela, que é fundadora do Altimeter Group, especializada em estratégias online, vem ao Brasil falar para mais de 500 executivos em seminário da HSM no final de março. Em entrevista exclusiva à DINHEIRO, Charlene explica por que os empresários não devem subestimar as redes sociais.

Confira a entrevista: http://www.terra.com.br/istoedinheiro/edicoes/648/artigo163628-1.htm

CCT aprova criação de prontuário eletrônico

Os usuários de serviços de saúde de todo o país passarão a contar com um prontuário eletrônico, segundo determina o Projeto de Lei do Senado 474/08, de autoria da então senadora Roseana Sarney, que recebeu nesta quarta-feira (3) parecer favorável da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). O projeto será ainda apreciado, em decisão terminativa, pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

O projeto modifica a Lei 8.080/90, que regulamenta o Sistema Único de Saúde (SUS), para incluir um novo título, referente à informatização de todo o sistema. Segundo o projeto, será criado um cadastro único nacional de usuários, de profissionais de saúde e de unidades de saúde, que abrangerá todos os cidadãos brasileiros, todos os profissionais do setor que atuem no país e os serviços de saúde públicos e privados. Cada cadastrado terá um número nacional de identificação.

Ainda de acordo com o projeto, o SUS desenvolverá e certificará, diretamente ou por meio de terceiros, um sistema de prontuário eletrônico do paciente, que deverá estar acessível ininterruptamente pela internet. O prontuário deverá ainda ser protegido por meio de sistema de criptografia e de segurança de acesso, para assegurar a privacidade e a confidencialidade das informações sobre a saúde dos usuários.

Continue lendo: http://www.senado.gov.br/Agencia/verNoticia.aspx?codNoticia=99691&codAplicativo=2&codEditoria=3

Dilma Rousseff defende regulamentação de profissões de TI

Por Daniela Braun, para o IDG! Now

A ministra e o presidente Lula receberam do presidente do Sindpd, Antonio Neto, projeto que regulamenta profissão de Analista de Sistemas.

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, defendeu hoje que a profissão de analista de sistemas seja regulamentada. “Considero importantíssimo que a profissão, que é diferenciada e tem características específicas, deva ser regulamentada. O presidente determinou que fizéssemos um estudo específico para isso.”

A declaração foi feita nesta sexta-feira (22/1), durante a inauguração da nova sede própria do Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd).

Durante a cerimônia, o Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva recebeu das mãos do presidente do Sindpd, Antonio Neto, cópia do projeto de lei do Senado PLS 607/07, de autoria do senador Expedito Junior (PR-RO), que regulamenta o exercício da profissão de Analista de Sistemas.

“Precisamos de um Conselho Federal de Tecnologia da Informação, e sua criação deve ser uma prerrogativa do Executivo”, disse Neto. Segundo estimativa do sindicato, há cerca de 600 mil profissionais de tecnologia no país.

Continue lendo: http://idgnow.uol.com.br/carreira/2010/01/22/dilma-rousseff-defende-regulamentacao-de-profissoes-de-ti/

Usos de Twitter en la Educación Superior.

Referencia:

Toro Araneda, Guillermo Usos de Twitter en la Educación Superior. Serie Bibliotecología y Gestión de Información, 2010

Abstract:

Se presenta Twitter como plataforma de microblogging y se plantea algunos usos posibles en la Educación Superior, de acuerdo en lo sugerido en la literatura. Junto a esto se revisa algunas aplicaciones que extienden las funcionalidades básicas de Twitter: herramientas para análisis, uso de multimedia y búsqueda, entre otras.

English abstract:

Twitter is presented as microblogging platform and raises some potential uses in higher education, according to the suggestion in the literature. Along with this we review some applications that extend the basic functionality of Twitter: tools for analysis, multimedia implementations and search, among other.

Texto: http://eprints.rclis.org/17747/ ou http://eprints.rclis.org/17747/1/Serie_N%C2%BA_53-_Enero_2010_Uso_de_Twitter_en_la_Educaci%C3%B3n_Superior.pdf

Entrevista com o historiador Eric Hobsbaum

“Vivemos meio século de um crescimento exponencial da população global, e os impactos da tecnologia e do crescimento econômico no ambiente planetário estão colocando em risco o futuro da humanidade, assim como ela existe hoje. Este é o desafio central que enfrentamos no século 21. Vamos ter que abandonar a velha crença – imposta não apenas pelos capitalistas – em um futuro de crescimento econômico ilimitado na base da exaustão dos recursos do planeta”. A afirmação é do historiador Eric Hobsbawm em entrevista exclusiva à jornalista Verena Glass e publicada na Revista Sem Terra, maio/junho 2009.

Confira a entrevista: http://www.rts.org.br/entrevistas/entrevistas-2009/eric-hobsbaum-historiador

Redes e sistemas, estoques e fluxos

A preocupação com a organização da informação via idealização dos sistemas de armazenamento e recuperação da Informação é uma condição que se transformou em ideologia para os sistemas de informação nos últimos 50 anos. Tão forte foi o seu impacto na formação das ideias em ciência da informação que por vezes aceitamos que a parte represente o todo, na medida em que o Sistema de Armazenamento e Recuperação era considerado o próprio Sistema de Informação e Conhecimento.

Isto seria uma aberração teórica pois o usuário que é o local onde se realiza o conhecimento e que está fora do sistema, na sua ambiência, se deslocaria para ser colocado dentro dele, como um recurso ou elemento que pudesse ser controlado pelo sistema. Respeitando a teoria sistêmica tanto o usuário, como o gerador da informação estão fora do sistema de armazenamento e recuperação da informação , estão em sua ambiência, pois o sistema não tem qualquer controle sobre eles.

O sistema de recuperação da informação obedece um rígido formalismo técnico que foi necessário para os propósitos de gerenciamento e controle da informação em uma determinada situação histórica. Só a partir dos anos 80 novos modelos tecnológicos provocaram um reposicionamento dos agentes que operam a informação principalmente devido:

Continue lendo: http://avoantes.blogspot.com/2010/03/redes-e-sistemas-estoques-e-fluxos.html

Sites governamentais do Reino Unido são desaprovados pelos usuários

Para um grande número de cidadãos britânicos, problemas de usabilidade dos canais web governamentais são os principais fatores que os fazer desistir de acessá-los

Geek

Por Fabiana Baioni

Parece que os cidadãos britânicos não estão gostando de utilizar os sites relacionados a órgãos governamentais. Foi o que anunciou o último relatório anual da Sociedade dos Gerentes de Tecnologia e Informação (Socitm). O relatório afirma que em 2009, o número de acessos aos sites dos conselhos locais quase não aumentou. Muitos sites ficaram mais difíceis de usar e os visitantes foram os que menos gostaram disso.

De acordo com o site The Inquirer o número de sites governamentais tidos como de excelente desempenho não aumentou, porém, alguns outros estão tão ruins que acabaram influenciando negativamente a opinião dos usuários em relação aos que estavam bons.

Continue lendo: http://tecnologia.ig.com.br/noticia/2010/03/04/sites+governamentais+do+reino+unido+sao+desaprovados+pelos+usuarios+9415897.html

Brasil lança novo Portal com mais de 500 serviços disponíveis para os cidadãos

A partir de hoje, 3 de março de 2010, o Brasil terá um novo Portal de internet, www.brasil.gov.br, concebido para oferecer serviços, cultura, informações e aproximar o Estado do cidadão. O Portal foi desenhado para alterar os atuais parâmetros da comunicação digital no âmbito do Poder Executivo Federal, de modo a tornar-se ferramenta em contínuo aprimoramento, tanto na publicação de conteúdo quanto na interação com o usuário. Mais de 500 serviços estarão disponíveis para os cidadãos.

A reformulação do Portal Brasil, coordenado pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República (Secom), é resultado de um processo de trabalho que levou cerca de três anos. A Empresa Brasileira de Comunicação e Produção LTDA (Grupo TV1) venceu a licitação em fevereiro de 2009 e ficou com a missão de desenvolver a estratégia digital para atender aos objetivos de comunicação estabelecidos pela Secom. A implementação do projeto envolveu mais de 200 pessoas com perfil multidisciplinar, incluindo profissionais de conteúdo, arquitetura de informação, webdesign, programação, produção de vídeo e infografismo, entre outros. O contrato entre a Secom e o Grupo TV1 foi assinado em março de 2009 e prevê investimentos de até R$11 milhões em um ano (março/09 a março10).

O texto continua neste link: http://www.brasil.gov.br/noticias/0-brasil-lanca-novo-portal-com-mais-de-500-servicos-disponiveis-para-os-cidadaos

Site do Portal Brasil: http://www.brasil.gov.br/

Desafios teóricos y prácticos de la ética intercultural de la información

Aula inaugural do Prof. Rafael Capurro (Universidade de Stuttgart) no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da ECA/USP. Dia 25/03, às 14h, Auditório Lupe Cotrim da ECA. Tema: Desafios teóricos y prácticos de la ética intercultural de la información. Veja site:  http://www.capurro.de/paraiba.html

Posted by: http://twitter.com/bibliotecadaeca

Uso de meios digitais na educação pode melhorar aprendizagem

Pesquisa mostra que blogs e aulas interativas incentivam participação dos alunos nas atividades escolares.

A inclusão de recursos digitais em salas de aula ajuda a aumentar a comunicação entre estudantes e professores. Projetos desenvolvidos por meio de blogs e aulas interativas incentivam a maior participação dos alunos nas atividades escolares e proporcionam benefícios na aprendizagem. “Os alunos praticamente já nascem sabendo usar computadores e nada mais natural e importante do que os professores passarem a usar os recursos digitais para melhorar o aproveitamento da disciplina”, afirma a professora Lina Maria Braga Mendes.

O pouco uso de meios digitais na educação foi um dos motivos que fizeram com que Lina iniciasse sua pesquisa de mestrado na Faculdade de Educação (FE) da USP, “Experiências de fronteira: os meios digitais em sala de aula”, sob orientação da professora Mary Julia Martins Dietzsch. “A utilização de mídias digitais poderia começar a partir do primeiro ano do ensino fundamental. Desde muito cedo as crianças têm contato com computadores em casa”, ressalta a pesquisadora.

As experiências começaram por meio da implementação de blogs em projetos desenvolvidos com turmas de ensino fundamental de um colégio particular de São Paulo. “Há vários tipos de trabalho que o professor pode desenvolver com blogs. Podemos criar um blog de disciplina, em que o professor e alguns alunos teriam acesso à edição. Há também o blog do professor, no qual só ele entra para publicar textos interessantes relacionados ao assunto da aula, além de manter contato com o aluno fora da sala, e ainda o blog de aluno, em que os estudantes publicam os trabalhos que realizam e o professor entra com comentários”, explica Lina.

Continue lendo o texto: http://www.acessasp.sp.gov.br/modules/news/article.php?storyid=1186

A bisavó da Wikipédia

Em uma entrevista, publicada originalmente no jornal “Le Monde”, o historiador da cultura Roger Chartier fala sobre a importância da “Enciclopédia” iluminista. Dirigida por Denis Diderot (1713-84) e Jean d’Alembert (1717-83), ela reuniu cerca de 72 mil artigos de mais de 140 autores, tornando-se um marco não apenas pelo ideal de catalogar “as ciências, as artes e os ofícios”, mas por sua forma colaborativa e sua influência na cultura revolucionária. Professor no Collège de France e diretor de estudos na Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (Paris), Chartier discute o caráter subversivo da “Enciclopédia”, disponível on-line (em francês) no site da Universidade de Chicago (http://encyclopedie.uchicago.edu).

Confira a entrevista: http://blog.educacional.com.br/nortonjr/2010/03/01/a-bisavo-da-wikipedia/

USP e as bibliotecas digitais

31/01/2010 por bibliofflchAlguns ainda torcem o nariz para a ideia de ler na tela, argumentando sobre a falta de adaptabilidade dos suportes digitais à prática da leitura. No entanto , não é mais possível negar: as bibliotecas digitais assumem um papel cada vez mais proeminente no universo da informação. Com elas, vieram também um sem número de artigos, documentos e livros eletrônicos, que aos poucos começam a ocupar espaço nas bibliotecas universitárias tradicionais. Assim, ao invés da compra de algumas centenas de livros e estantes, investe-se cada vez mais em bases de dados e repositórios digitais, capazes de armazenar uma quantidade muito maior de informação.

Este texto, publicado no jornal O Estado de São Paulo no dia 31 de janeiro de 2010, dá uma boa dimensão sobre essa nova realidade no contexto de uma universidade brasileira de grande porte, como é o caso da USP. Aqui, a digitalização é vista como forma de democratizar o acesso a conteúdos que, de outra forma, ficariam presos entre quatro paredes e sujeitos às regras de consulta de cada biblioteca. Mas, será que a digitalização por si só realmente significa democratização, num país ainda tão carente de boas políticas para inclusão digital? Independentemente da resposta, convém ficarmos atentos: as bibliotecas digitais estão aí, e vieram para ficar.

Continua no link: http://bibliofflch.wordpress.com/2010/01/31/usp-e-as-bibliotecas-digitais/

Em que web você vive?

Por HSM Management

“Cada estágio na evolução da world wide web demostrou ter a capacidade de transformar negócios e empresas“, afirma Ajit Kambil, diretor internacional da Deloitter Research, em artigo publicado no Journal of Bussiness Strategy. Mesmo que ainda seja um desafio – ou uma conta pendente – para muitas empresas, a era da web 2.0, de acordo com a Kambil, está transferindo o foco de atenção e a posição de privilégio para a web 3.0, a rede semântica. E a versão 4.0, ou móvel, está preparada para decolar, com uma aparentemente distante web 5.0, a rede “sensível”, já em seus calcanhares. A breve descrição que se segue pode ser útil para determinar em que etapa desse vertiginoso circuito paralelo está centrada sua estratégia.

Continua no link: http://conhecimentorenovavel.com.br/i9/?p=427

Brunetto propõe que empresas adotem bibliotecas

Extraído de: Assembléia Legislativa do Estado de Mato Grosso

– 02 de Outubro de 2009

Projeto sugere que empresas privadas auxiliem na estruturação e manutenção do patrimônio

O deputado Ademir Brunetto (PT) apresentou projeto de lei que cria o Projeto Cultura para Todos, que consiste na adoção de bibliotecas públicas, de bibliotecas escolares e de equipamentos culturais por empresas com responsabilidade social. A propositura tem por objetivo a proteção e otimização do acervo, introdução de novas tecnologias e manutenção das instalações prediais em perfeito estado e em compatibilidade com o número de pessoas a ser atendido.

Todos os materiais adquiridos pela empresa adotante em beneficio dos equipamentos culturais serão doados ao Estado, passando a integrar o patrimônio público. “Sabemos que, embora o Poder Público tenha o dever de fornecer educação a todos, existem as dificuldades orçamentárias. Também é de conhecimento de todos que os entraves burocráticos muitas vezes facilitam a corrupção e impedem que o dinheiro público chegue ao destino proposto”, explicou o deputado.

Continua no link: http://www.jusbrasil.com.br/noticias/1936778/brunetto-propoe-que-empresas-adotem-bibliotecas

Cientistas em rede: compartilhando informação acadêmica

13/10/2009 por bibliofflch

É possível combinar as características das redes sociais da Internet, como Orkut e Facebook, com pesquisa científica? Alguns programas vem provando que sim.

Embora as redes científicas não sejam uma coisa nova (termos como gatekeepers ou “colégios invisíveis” já fazem parte da literatura sobre comunicação científica há bastante tempo), o fato de existirem sites específicos para o compartilhamento de informação acadêmica aponta para uma tentativa de reforçar os laços de cooperação entre pares. Por meio desses sites, os próprios autores podem divulgar seus trabalhos, inclusive os que ainda não passaram pelo longo processo de aprovação de um periódico científico. Também significa que algumas editoras acadêmicas encontraram nessas redes um caminho para divulgar seus próprios serviços.

Continua no link: http://bibliofflch.wordpress.com/2009/10/13/cientistas-em-rede-compartilhando-informacao-academica/

E-readers vão revolucionar mundo editorial

LONDRES – Livrarias e editoras do mundo todo vão se reunir na próxima semana em Frankfurt e debaterão a forte transformação pela qual passa o setor.

As vendas de e-readers como o Kindle, da Amazon.com, devem aumentar violentamente no médio prazo, estimuladas pela redução dos preços e pela oferta dos dispositivos em mais países.

Assim como as indústrias de música e de mídia, o mundo editorial enfrenta fortes quedas de receita devido à concorrência com a distribuição gratuita de conteúdo digital.

Continua no link: http://info.abril.com.br/noticias/mercado/e-readers-vao-revolucionar-mundo-editorial-09102009-36.shl

A web do futuro é semântica?

SÃO PAULO – A construção de uma internet mais inteligente caminha devagar, mas pode provocar uma revolução.

Esqueça o Google. Se a web semântica virar mesmo realidade, o futuro estará repleto de agentes — programas capazes de pesquisar informações e executar tarefas complexas, que, hoje, apenas os humanos conseguem realizar. Um exemplo: usar a rede para alugar um apartamento em São Paulo, num prédio sem restrições a cachorros, numa rua com baixo índice de criminalidade e a, no máximo, 20 minutos de carro do trabalho. Hoje, uma pesquisa desse tipo exige que o internauta passe algumas horas diante do PC. É necessário visitar vários sites, decidir quais informações têm maior ou menor relevância e tirar conclusões. Com a web semântica, todo o trabalho duro ficará sob a responsabilidade de aplicativos. Eles não apenas conseguirão dar a resposta em poucos segundos como também serão capazes de entrar em contato com as imobiliárias.

Continua no link: http://info.abril.com.br/noticias/internet/a-web-do-futuro-e-semantica-23072009-6.shl

Os arquitetos da web

No escritório do portal Globo.com, no bairro da Barra da Tijuca, no Rio, a desenhista industrial Christiane Melcher, de 29 anos, tem uma tarefa bem específica. Ela se dedica a eliminar os excessos e as inconsistências do site, para tornar a navegação mais fácil e organizar o conteúdo. “Eu sempre me preocupei com o ponto de vista do usuário. Motiva-me saber o que o atrai e o que o afasta”, diz. A capacidade de se colocar no lugar do internauta rendeu a Christiane a profissão de arquiteta de informação, uma área em alta dentro das empresas que investem em internet.

É um cenário promissor: não faltam vagas nessa área, e os salários podem chegar a 12 mil reais. Quem tem perfil para agarrar uma delas? A formação importa pouco. Há espaço para profissionais de áreas tão diversas como biblioteconomia, administração, design e jornalismo. Em geral, eles aprenderam tudo por conta própria, mergulhando na internet e em experimentações práticas.

Continua no link: http://info.abril.com.br/noticias/carreira/os-arquitetos-da-web-07082009-6.shl

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 15/09/2010

Por Hélio Kuramoto

Tenho participado de bancas de exame de teses e dissertações em diversas universidades, assim como, de avaliação de artigos para revistas e eventos e o que mais tenho deparado é com trabalhos com citações controvertidas a respeito do OAI e do OA, ou seja, do Open Archives Initiatives e do Open Access, dando conta de que ambos referem-se a movimentos.

É importante que se esclareça que OAI é a sigla do Open Archives Initiative, que não se refere a nenhum movimento, mas a um conjunto de padrões para o estabelecimento da interoperabilidade entre dois sistemas de informação. Aliás, OAI tem mais a cara de um projeto ou organização que tem por objetivo desenvolver padrões, normas ou mecanismos para promover a interoperabilidade entre dois sistemas de informação. Nesse sentido, o OAI desenvolveu e estabeleceu o OAI-PMH, Open Archives Initiatives Protocol for Metadata Harvesting. E, nos últimos quatro anos, esta iniciativa vem desenvolvendo o OAI-OREOpen Archives Initiative Object Reuse and Exchange, um conjunto de padrões para a agregação de recursos da WEB.

Enquanto que o OA, ou Open Access refere-se ao movimento do acesso livre ou aberto ao conhecimento científico, definindo estratégias para proporcionar maior acesso e visibilidade à produção científica de uma coletividade, seja uma instituição, uma área do conhecimento, ou de um País. Essas estratégias utilizam um modelo de interoperabilidade que é definido pelo OAI, basicamente, o OAI-PMH.

É natural que com a evolução das tecnologias e, principalmente, das sociedades diversas siglas apareçam e, que ninguém tem a obrigação de conhecer todas elas. No entanto, nós, na qualidade de pesquisadores em ciência da informação, temos o dever de ir a fundo nesta questão, e conhecer, detalhadamente, o que significam tais siglas e saber distinguir uma organização ou um movimento. Portanto, temos que ter muito cuidado quanto ao uso de uma citação e verificar outras fontes de informação para se ter certeza a respeito de uma determinada informação.

Fonte: http://kuramoto.blog.br/2010/09/15/oa-oai-o-que-sao/

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 15/09/2010

Por Thiago Camelo

Ganha força na internet o projeto colaborativo Science Commons, que propõe um novo modelo de compartilhamento de dados científicos, com outra lógica e uma licença autoral alternativa.

Quantas vezes você já ouviu falar em ‘livre compartilhamento’ na internet, livre circulação de ideias? Agora, reformulemos a questão: quantas vezes você ouviu os mesmos termos e a palavra ‘ciência’ vindo em seguida?

A lógica de troca é muito mais vezes associada ao conhecimento artístico e humano do que ao universo das ciências exatas e naturais.

A internet oferece um grande volume de páginas que tratam de cultura com livre circulação de informação, o mesmo não acontece no cenário da ciência.

Mas isso não quer dizer que essa discussão não esteja em curso. As revistas da família PLoS (sigla em inglês para ‘Biblioteca pública de ciência’) e o portal SciElo, que reúne periódicos latino-americanos de livre acesso, são apenas alguns exemplos de iniciativas que rompem com a lógica predominante no meio da publicação científica.

É uma realidade paradoxal: os resultados dos estudos científicos – financiados na maior parte por recursos públicos em países como o Brasil – acabam publicados em revistas caras e de acesso restrito. O contribuinte, que financiou as pesquisas, nem sempre tem como fiscalizar como seus impostos estão sendo aproveitados.

“A ironia é que a ciência real é baseada em um certo tipo de compartilhamento. Mas nós tratamos os artigos como o objetivo final da pesquisa, não como insumo para outras pesquisas”, diz o filósofo norte-americano John Wilbanks, uma das cabeças por trás do Science Commons, projeto criado em 2005 que visa, justamente, incentivar a livre troca de conhecimento científico.

Continue lendo: http://cienciahoje.uol.com.br/blogues/bussola/correcao-de-rota

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 15/09/2010

Por Thomaz Wood

O movimento da qualidade já conta mais do que duas décadas. Entretanto, para muitas empresas, o cliente parece ainda ser pouco mais que um mal necessário

No filme Um Dia de Fúria, o ator Michael Douglas interpreta o engenheiro William Foster. Desempregado, Foster vaga por Los Angeles, envolvendo-se em uma série de eventos violentos. Em uma cena marcante, o engenheiro entra em uma lanchonete fast-food e pede o café da manhã. A atendente, com um sorriso robótico, o informa que não pode servi-lo: Foster fizera o pedido dois minutos após a troca do cardápio de café da manhã para o de almoço. Em uma discussão tensa com a atendente e o gerente da loja, Foster pergunta se eles já ouviram a frase “o cliente tem sempre razão”.

O gerente responde que sente muito, mas são as regras da casa. Inconformado, Foster saca uma arma semiautomática, dispara-a acidentalmente para o alto e causa enorme tumulto na loja. Finalmente, consegue receber seu pedido. Porém, sente-se enganado, por causa da diferença entre o suculento sanduíche mostrado nas fotos das paredes do estabelecimento e o miserável pedaço de pão amolecido e disforme que lhe é servido.

A identificação da plateia com o personagem é imediata: quem nunca passou por experiência similar, frustrando-se diante de serviços decepcionantes e rostos sorridentes de atendentes de companhias aéreas, bancos ou empresas de telefonia? E quantos não sonharam com a possibilidade de uma “solução armada” para a situação?

Um Dia de Fúria foi lançado em 1993. Os anos 1990 foram marcados pela “descoberta do cliente”. Cronicamente voltadas para dentro e notando o aumento da competição, as empresas começaram a perceber que precisavam olhar para fora, entender melhor seus clientes e atender às suas necessidades. Então, vieram os gurus da qualidade, os livros com receitas obrigatórias e as consultorias com fórmulas infalíveis. “Melhorar a qualidade” e “atender o cliente” tornaram-se temas obrigatórios na agenda dos executivos.

Continue lendo: http://www.cartacapital.com.br/sociedade/retorica-2-x-fato-1

Data de publicação: 15/09/2010

Data de publicação no Blog DA ECI: 15/09/2010

Por Agência Brasil

O Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi) promove a partir desta quarta-feira (15/9), no Rio de Janeiro, o 3º Encontro Acadêmico de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento (Enapid), cujo tema central é Propriedade Intelectual como Instrumento de Desenvolvimento Econômico. Segundo o presidente do Inpi, Jorge Ávila, o objetivo é “organizar e divulgar a pesquisa sobre a propriedade intelectual”.

A ideia do Enapid é criar um fórum de discussão acadêmica sobre a propriedade intelectual, para ampliar o debate sobre o assunto “e as formas de apropriação do resultado do esforço de pesquisa e as implicações que isso tem nos programas de inovação para o desenvolvimento econômico e para a inserção das empresas”, de acordo com Ávila.

Em entrevista à Agência Brasil, ele disse que o tema se desdobra em um conjunto de linhas de pesquisas nessa área que vêm surgindo no país e que são o objeto central da Academia de Propriedade Intelectual, Inovação e Desenvolvimento do Inpi.

“O que se busca é aprofundar o entendimento do papel que a propriedade intelectual desempenha dentro do sistema nacional de inovação, ou seja, nas relações entre empresas, universidades e governo.”

Continue lendo: http://www.correioweb.com.br/euestudante/noticias.php?id=13994

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: