Arquivos do Blog

VI Seminário de Arquivologia

Pessoal da Arquivologia, vamos ficar atentos?
“Acontecerá na Escola de Ciência da Informação o VI Seminário de Arquivologia entre os dias 04 e 07 de novembro de 19h às 22:30h.

As inscrições para apresentação de trabalhos foram prorrogadas para 17 de Outubro de 2014.
Minicursos também serão ofertados, mas com vagas limitadas!

Mais informações no site: http://searq.eci.ufmg.br/

Anúncios

20 de Outubro é dia do Arquivista

Data de publicação original: 19/10/2010

Seria o arquivista um guardador de papéis empoeirados? Seria também ele o funcionário que arquiva e disponibiliza documentos antigos? Perguntas como estas prevalecem no cotidiano das pessoas, quando se faz menção ao profissional que é formado em Arquivologia e que passa em média 4 anos nos bancos das universidades, com uma grade curricular composta por cerca de 60 disciplinas.

Com base nos fundamentos legais existentes, percebe-se que o arquivista tem papel estratégico no contexto das organizações, pois ele figura como o profissional que atua no desenvolvimento e implantação de políticas e ferramentas destinadas à recuperação e gerenciamento de informações úteis à tomada de decisão.

Amparado pela Lei 6.546, de 4 de julho de 1978, que dispõe sobre a sua regulamentação  profissional, o Arquivista tem como atribuições, entre outras:

  • Planejamento, organização e direção de serviços ou centro de documentação e informação constituídos de acervos arquivísticos e mistos;
  • Promoção de medidas necessárias à conservação de documentos;
  • Planejamento, orientação e acompanhamento do processo documental e informativo;
  • Elaboração de pareceres e trabalhos de complexidade sobre assuntos arquivísticos;
  • Orientação do planejamento da automação aplicada aos arquivos;
  • Assessoramento aos trabalhos de pesquisa científica ou técnico-administrativa.

O papel do bacharel em Arquivologia (área do conhecimento que estuda as funções do arquivo) então, passa não só pelos chamados arquivos históricos, mas também e principalmente, por uma série de estâncias, onde se produzem e/ou dispõem-se de informações em suportes variados, como CD-ROM, DVD, microfilmes, bancos de dados, discos ópticos e papel.

O paradigma de que a profissão de Arquivista estaria apenas voltada para receber e guardar documentos velhos e que seria, portanto, muito monótona, é suplantado na medida em que tal profissional atua em todo o percurso da informacão, desde a geração do documento, passando pela fase corrente (consultas freqüentes à documentação) até o seu destino final, ou seja, sua eliminação criteriosa ou arquivamento permanente, de acordo com prazos legais e normas específicas.

Dadas as transformações por que passam a sociedade e as organizações, o profissional arquivista está apto a orientar e a promover políticas que assegurem a qualidade, a segurança e a confiabilidade dos dados quando, por exemplo, expostos a procedimentos como virtualização ( geração de documentos em meio virtual, como em redes do tipo Internet e Intranet), a digitalização (convergência para meios digitais, como mídias diversas) e a microfilmagem (transposição para microfilmes).

No dia do Arquivista, que é comemorado em 20 de outubro, reforça-se o papel desse profissional, que por vezes é posto à margem no caminho das profissões, em função do desconhecimento da Lei e da literatura sobre o assunto, e destaca-se a sua relevância tanto para as empresas, quanto para os órgãos públicos, e por fim para toda a humanidade, no pleito de seus direitos e de sua memória.

Parabéns a todos os arquivistas!

Por Carlos Lima é graduado em Arquivologia pela Universidade Federal da Bahia (UFBa), é consultor em organização de arquivos e memória empresarial e exerce o cargo de Coordenador do Arquivo Público Municipal de Paracatu.

Fonte: http://www.arquivar.com.br/espaco_profissional/noticias/mercado-tecnologia/20-de-outubro-e-dia-do-arquivista

Editora UFMG lança obra sobre acervos literários

Data de publicação: 15/10/2010

Por Assessoria de imprensa da Editora UFMG

Margens teóricas: memórias e acervos literários, organizado pelos professores Roberto Said (UFMG) e Sandra Nunes (Fieo), será lançado neste sábado, 16 de outubro, em Belo Horizonte. O livro reúne artigos de professores, alunos de graduação e pós-graduação vinculados ao projeto Acervo de Escritores Mineiros da UFMG.

De acordo com Roberto Said, o livro é um dos resultados do projeto que completou dez anos de existência. Ele explica que o desenvolvimento cultural da sociedade e do mundo midiático propiciou o surgimento de um novo fenômeno: o autor se tornou mais um personagem de si mesmo. “A fronteira entre a ficção e a realidade é cada vez mais tênue. Até a primeira metade do século 20, os acervos literários eram analisados para se entender a vida e o percurso criativo do autor, hoje eles fazem parte da ficção”, afirma Said.

Os acervos literários sempre existiram, mas apenas no século 19, segundo Said, passaram a receber organização sistematizada. Além de preservar a memória, os arquivos permitem a comparação entre a obra definitiva e os materiais do escritor para sua composição.

Em Margens teóricas: memórias e acervos literários, os autores analisam obras de escritores mineiros e clássicos da literatura nacional e estrangeira, como Carlos Drummond de Andrade, Vinícius de Moraes, João Cabral de Melo Neto, Murilo Rubião e Chordelos de Laclos.

Fonte: http://www.ufmg.br/online/arquivos/017080.shtml

Abertas inscrições para II Seminário de Arquivologia

Neste II seminário tema escolhido foi gestão de documentos por ser o alicerce de uma boa administração documental. Sendo que,  diversos profissionais falaram do assunto, relatando suas experiências e esclarecendo  algumas dúvidas pertinentes sobre este tema.

O evento será realizado no auditório azul da Escola de Ciência da Informação, UFMG, nos dias 06, 07 e 08 de outubro de 2010, iniciando as 19 horas com palestras de profissionais da área e encerrando com mesa redonda.

Com o apoio da Escola de Ciência da Informação e o Diretório Acadêmico Ligya de Queiroz Sambaquy (DA da ECI), junto com o patrocínio das empresas Aladim, A Limpabril e Mitron.

Confira o site do evento: https://sites.google.com/site/iiseminariodearquivologiaufmg/home

I SBCI – Seminário de Biblioteconomia e Ciência da Informação

Durantes os dias 27 e 28 de maio de 2010 ocorreu o I SBCI – Seminário de Biblioteconomia e Ciência da Informação.

Durante esses dois dias, renomados profissionais da área vão discutiram o futuro da profissão e sua importância na sociedade atual. O evento pretendeu envolver não apenas profissionais ligados à Ciência de Informação, mas também de outros setores da sociedade interessados nos temas abordados.

O evento fez parte das comemorações dos 77 anos de criação da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) e dos 70 anos de existência do curso de Biblioteconomia na instituição, incluindo também uma exposição sobre a trajetória do curso.

Na página do evento estão disponíveis as apresentações dos palestrantes.

Site do evento: http://www.fespsp.org.br/sbci/?__akacao=276661&__akcnt=e693e277&__akvkey=a4f8&utm_source=akna&utm_medium=email&utm_campaign=SBCI

Regulamentos, orçamentos, etecétera: miniguia

Esta obra tem o objetivo de compartilhar experiências, abordando questões práticas e cotidianas e, também, estimular um ambiente de debate e troca de ideias entre os responsáveis pelo gerenciamento em unidades de informação. Um guia prático pode auxiliar a rememorar conceitos aprendidos durante a formação acadêmica, porém esquecidos. Além disso, pode indicar alternativas para a solução de problemas, contribuindo para a manutenção das atividades essenciais e melhorando o desempenho, em decorrência da racionalização e canalização de esforços, a partir de planos de trabalho e relatórios gerenciais mais consistentes.

Fonte: http://www.briquetdelemos.com.br/biblioteconomia/regulamentos-orcamentos-etcetera-miniguia.html

Anais do II Simpósio Baiano de Arquivologia

O II SBA – Simpósio Baiano de Arquivologia aconteceu nos dias 15, 16 e 17 de julho de 2009 e teve como temática A Importância dos arquivos e dos arquivistas para a sociedade.

Para ter acesso aos Anais do II SBA clique aqui.

Dica de Livro: Diplomática e Tipologia Documental em Arquivos

Este livro trata da questão nuclear e essencial do trabalho do arquivista: o estudo e conhecimento da natureza, características e tipos dos documentos arquivísticos, tanto administrativos quanto jurídicos.

Essa é a seara da diplomática, onde a análise dos tipos de documentos se torna cada vez mais sistematizada em virtude de seu próprio caráter de indispensabilidade na formação e na prática profissional do arquivista.

Aqui se apresentam, sucintamente, os fundamentos de diplomática e de tipologia documental e suas metodologias. Introdução útil não apenas para os estudantes de arquivologia, mas também para os de outras ciências documentárias, além de estudantes de história e historiadores.

Esta é a segunda edição revista e ampliada do manual editado em 2002 com o título de Como fazer análise diplomática e análise tipológica de documentos de arquivo.

Fonte: Briquet Lemos

 
 

O livro custa no site da editora R$ 22,00
O livro custa no site da editora R$ 22,00

DIPLOMÁTICA E TIPOLOGIA DOCUMENTAL EM ARQUIVOS

Segunda edição revista e ampliada

Heloísa Liberalli Bellotto

Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2008

106 páginas

ISBN 978-85-85637-37-8

 

Arquivista com “A” maiúsculo.

  André Porto Ancona Lopez, foi o patrono da turma de Arquivologia do segundo semestre de 2006 da FACE-UnB. Em seu discurso na solenidade afirmou que aqueles formandos seriam Arquivistas com “A” maiúsculo. Leia mais na pagina “Coluna


Professores da UNB Lançam dicionário de termos técnicos

 

Profissionais que trabalham com a Ciência da Informação e Documentação terão uma ajuda dos docentes da UnB. Os professores Bastos da Cunha e Cordélia Cavalcanti, do Departamento de Ciência da Informação e Documentação, acabam de lançar o Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia. A obra é resultado de mais de 15 anos de pesquisa. Os autores consultaram cerca de 300 livros didáticos e técnicos para levantar a nomenclatura utilizada no dia-a-dia das profissões.

O livro é o quarto dicionário brasileiro publicado na área, só que mais completo e de maior abrangência. São mais de quatro mil verbetes, incluindo termos das áreas de editoração, direitos autorais, informática, comércio livreiro, artes gráficas, história do livro, comunicação científica e telecomunicações. Leia mais em http://www.secom.unb.br, UnB Agência.

Fonte: UnB.